1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Império dos Sonhos (Inland Empire, 2006)

Tópico em 'Cinema' iniciado por imported_Wilson, 30 Set 2009.

  1. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    [imdb]0460829[/imdb]

    [align=justify]"A woman in trouble" - foi a única descrição do filme fornecida por Lynch. Se em Cidade dos sonhos Lynch nos levou pelas ramificações dos sonhos, em Inland Empire ele se adentra por caminhos ainda mais obscuros, ultrapassando o enigmático e nos trazendo o incompreensível. Mas é tudo feito de maneira tão viva, tão intensa e bela, que ao final só nos resta um misto confusão e admiração - sensação como essa só senti justamente com Cidade dos sonhos. Talvez haja uma história por trás do seu caleidoscópio de imagens, muito provavelmente não. Com certeza não importa. Se Lynch sempre se mostrou um mestre em abandonar todas as convenções narrativas do cinema, aqui ele simplesmente abandona o próprio conceito de narração e se deixa guiar pelas idéias, como ele próprio diz em entrevistas. Não há uma linha a ser seguida, não há o conforto de uma trama para nos apoiar. A própria protagonista (Laura Dern, fenomenal) não parece possuir uma identidade única, e assume ao longo do filme facetas diversas e desconhecidas de seu próprio sub-consciente. A única certeza que fica é a de que a habilidade de Lynch em manipular nossas emoções através das imagens é sem igual. Trabalhando pela primeira vez com câmera digital ao invés de filme tradicional, fica evidente na tela seu deslumbramento com o potencial dessa nova mídia, lhe dando liberdade para criar cenas que parecem ecoar diretamente de seus delírios.[/align]
     

Compartilhar