1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Homem, o verdadeiro sexo frágil?

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Muot-Hart, 29 Set 2003.

  1. Muot-Hart

    Muot-Hart Usuário

    (se já tiverem postado isso aqui eu mordo meu traseiro e desisto de criar tópicos)

    O sexo oprimido

    Historiador diz que os discriminados
    são os homens e que eles têm menos
    direitos que as mulheres


    Diogo Schelp

    O historiador israelense Martin Van Creveld, de 57 anos, está acostumado a tratar de questões polêmicas. Professor da Universidade Hebraica de Jerusalém, especialista em história militar, Van Creveld é chamado com freqüência para opinar sobre conflitos mundiais, como os que atingem seu país. Lecionou nos principais institutos de estratégia, civis ou militares, do mundo ocidental, incluindo a Escola de Guerra Naval dos Estados Unidos. Pesquisador respeitado, nos últimos anos Van Creveld tem se dedicado também a estudar outro tema explosivo: a guerra dos sexos. Em seu mais recente livro, O Sexo Privilegiado, publicado neste ano na Alemanha e recheado de estatísticas, ele defende que são os homens – não as mulheres – os verdadeiros oprimidos pela sociedade. Ph.D pela London School of Economics, da Inglaterra, e autor de dezessete livros, entre os quais obras de referência no meio acadêmico, como O Futuro das Guerras e As Mulheres e a Guerra, Van Creveld faz questão de dizer que é casado e vive muito feliz com sua esposa. Na entrevista a seguir, ele explica sua teoria antifeminista.

    Veja – O senhor é conhecido como historiador militar. Como se interessou pelo tema da discriminação contra os homens?
    Van Creveld – Tudo começou alguns anos atrás, quando escrevi um livro sobre as mulheres e as guerras. Achei esse tema tão interessante que decidi fazer outro livro sobre o assunto. Como todo mundo, eu achava que os homens realmente oprimiam as mulheres e queria descobrir como era possível que essa situação pudesse persistir por milênios. Só depois de meses de pesquisa descobri que as evidências não davam suporte a minha tese e que, na realidade, são as mulheres o verdadeiro sexo privilegiado.

    Veja – E por que isso acontece?
    Van Creveld – Simples. Os homens não podem existir sem as mulheres. Já as mulheres, enquanto houver um único doador de sêmen, podem existir perfeitamente sem os homens. Essa condição natural condenou o sexo masculino a trabalhar mais pesado para sustentar o sexo feminino. Também teve como resultado o fato de que os homens são tratados com mais rigidez na educação infantil e perante a Justiça, além de estarem sempre prontos a morrer pelas mulheres em tempos de guerra ou de paz.

    Veja – Por outro lado, no passado as mulheres eram condenadas a ficar em casa, não tinham a opção de trabalhar. Em muitas sociedades, isso ainda acontece. Tal fato não prova que as mulheres é que são oprimidas pelo homem?
    Van Creveld – Não. Salvo raríssimos casos, o homem também não pode escolher se vai trabalhar ou não. Trabalhar, para o homem, é obrigação. Segundo a Bíblia, o trabalho foi um castigo dado para Adão, não para Eva. Além disso, as donas-de-casa são privilegiadas. De todos os grupos da população, elas são as que detêm a maior segurança e tempo disponível para dedicar a si próprias. Mesmo nas sociedades modernas, em que as mulheres já estão espalhadas no mercado de trabalho, as funções mais pesadas e sujas são realizadas por homens. Nos Estados Unidos, 93% dos mortos em acidentes de trabalho são homens. Isso ajuda a explicar outro indício de que as mulheres são privilegiadas: os homens vivem, em média, menos que elas. Por fim, poucas mulheres estão dispostas a sustentar o companheiro. Nos Estados Unidos, apenas 10% das mulheres ganham mais que o marido, e as estatísticas mostram que o índice de divórcio nesses casos é muito alto.

    Veja – E quanto às mulheres terem garantido o direito ao voto apenas recentemente?
    Van Creveld – As mulheres são, em média, menos criativas. Isso explica por que são os homens os responsáveis por praticamente todas as grandes invenções, descobertas e inovações humanas. Os homens quase sempre iniciam algo; as mulheres quase sempre os imitam. Os homens inventaram o impressionismo e, depois, uma ou duas pintoras os imitaram. Os homens construíram e dirigiram carros, depois as mulheres quiseram dirigir também. Os homens inventaram os computadores e as mulheres aprenderam a usá-los. Os homens lutaram para ter direito ao voto. As mulheres ficaram com inveja e fizeram a mesma reivindicação.

    Veja – Se as mulheres é que sempre concentraram os privilégios, por que elas lutam, através do feminismo, para mudar sua situação?
    Van Creveld – Como os homens, elas também querem ter mais privilégios. Como são, em média, mais fracas fisicamente que os homens, sua estratégia preferida para fazer isso é reclamar. Isso significa que, se todos os homens fossem enjaulados e todas as mulheres fossem declaradas donas de cada homem, elas continuariam reclamando. Para elas, reclamar funciona. Desde criança elas são criadas para acreditar nisso. Quando um garoto chora, ele é desprezado. Já as meninas, quando choram, são consoladas. O que é o feminismo se não uma eterna lamentação?

    Veja – O senhor acredita que no mundo moderno as mulheres são ainda mais privilegiadas que no passado?
    Van Creveld – Em meu livro eu mostro que a sociedade sempre fez a vida dos homens ser mais difícil que a das mulheres. Desde o início dos tempos os homens foram criados para produzir e dar e as mulheres sempre para receber e reproduzir. Os homens sempre tentaram dar à companheira uma vida mais fácil, mais segura e mais confortável. Recentemente, o feminismo ajudou as mulheres a ter privilégios adicionais. Portanto, elas são, realmente, ainda mais privilegiadas que no passado e os homens, ainda mais oprimidos.

    Veja – Em tempo de guerra, crianças e mulheres formam a parcela da população que mais sofre. É verdade?
    Van Creveld – Não. Em quase todas as formas de conflito armado os homens morrem em muito maior número que as mulheres. Há outras formas de sofrimento, mas eu não acredito que alguma possa ser pior do que morrer. A impressão de que as mulheres sofrem mais vem do fato de que os mortos (os homens), ao contrário dos vivos (as mulheres), não podem reclamar.

    Veja – Os homens concentram mais riqueza e poder que as mulheres. Isso o senhor não contesta?
    Van Creveld – Não. Mas isso não serve de prova de discriminação contra as mulheres. Sabe-se que, por liberarem mais testosterona, os homens são mais agressivos e portanto mais competitivos que as mulheres. São também mais fortes fisicamente, o que permite que exerçam funções de liderança com menos esforço. Além disso, eles abandonam com menos freqüência uma carreira; as mulheres costumam sair do mercado de trabalho para satisfazer seu desejo de ter filhos e criá-los. Para completar, os estudos mostram que, se na média homens e mulheres são igualmente inteligentes, no grupo de pessoas com QI mais elevado, acima de 180, a proporção é de sete homens para cada mulher. Tudo isso explica por que os homens tendem a ocupar mais cargos de chefia e a ter mais facilidade para ganhar dinheiro.

    Veja – Em sua vida pessoal, o senhor também se sente discriminado?
    Van Creveld – Como homem, eu sou constantemente discriminado em todas as formas de benefícios sociais. Por exemplo, minha esposa tem direito à licença-maternidade, eu não. O plano de saúde de minha universidade é mais benevolente na cobertura de doenças femininas, como o câncer de mama, que de doenças masculinas, como o câncer de próstata. Além disso, em Israel, como em muitos outros países, existe a crença de que as mulheres amam seus filhos mais do que os pais são capazes de amar. Não existe nada que prove que isso é verdade. No entanto, as leis tornam praticamente impossível para um pai divorciado obter a custódia dos filhos. Eu passei por um divórcio. A dor de não ter conseguido a guarda de meus filhos vai me acompanhar até meu último dia de vida.

    Veja – As feministas têm um arsenal de estatísticas para provar que são oprimidas. Elas apontam, por exemplo, o fato de que, em alguns países, todo dia 6.000 meninas sofrem dolorosas cirurgias nos órgãos genitais para não ter mais prazer com o sexo.
    Van Creveld – A clitoridectomia, como é chamada essa operação, é algo que velhas mulheres, agindo como suas ancestrais, impõem a jovens mulheres. Os homens dificilmente estão envolvidos nisso. Além disso, simplesmente não é verdade que a operação priva a mulher de prazer no sexo. Na maioria dos casos, isso não acontece. É um mito. Não esqueça também que o número de garotas que passam por isso não se compara ao número de garotos que passam pelo processo de circuncisão. Por que ninguém se levanta contra esse hábito? A resposta é simples: nós, homens, somos feitos para aceitar a dor.

    Veja – No passado, as mulheres não eram mandadas para a guerra. Agora, vemos cada vez com mais freqüência garotas cometendo ataques suicidas em Israel e na Rússia, por exemplo. As mulheres perderam o privilégio de ser defendidas em tempo de guerra?
    Van Creveld – A resposta está na palavra "mandadas". No passado, e em muitos países até hoje em dia, um número incontável de homens é recrutado e "mandado" para a guerra. Isso nunca aconteceu com as mulheres. Mesmo em Israel, as poucas combatentes mulheres que temos são voluntárias. O mesmo acontece com as palestinas suicidas. Como em muitos outros terrenos da vida, as mulheres têm o direito de escolher, enquanto os homens têm de agir contra a vontade própria.

    Veja – As feministas dizem que as mulheres são mais diplomáticas e menos violentas quando estão em funções de liderança ou que requeiram o uso da força. Nesse sentido, é interessante ter mulheres em corporações como a polícia e as Forças Armadas?
    Van Creveld – Os machos são, em média, mais violentos que as fêmeas. Mas a história mostra que as líderes femininas estão fora do padrão médio das mulheres. Lembre-se de Indira Gandhi e Margaret Thatcher. Elas eram tão agressivas e belicosas quantos os homens, ou até mais. Mulheres que escolhem atuar na polícia, por exemplo, talvez tenham a mesma característica. Por outro lado, o corpo feminino é muito menos adequado para se envolver em situações de violência. No Exército americano, as recrutas têm só 55% de força na parte superior do corpo e 72% na parte inferior, em comparação aos homens. Ou seja, como os homens possuem maior capacidade de ganhar musculatura, em vez de o treinamento intensivo diminuir as diferenças entre os sexos, tende a aumentá-las ainda mais.

    Veja – As mulheres, por questões físicas, são mais propensas a ser vítimas de abuso sexual que os homens. As feministas dizem que todo homem é um estuprador em potencial. O que o senhor acha disso?
    Van Creveld – As mulheres, talvez por passarem mais tempo com os filhos, matam mais crianças que os homens. Alguém diz que toda mulher é uma assassina de crianças em potencial?

    Veja – As estatísticas sobre agressões contra mulheres não colaboram com as teses feministas?
    Van Creveld – Não as estatísticas que eu cito em meu livro. Pesquisas americanas e canadenses mostram que o número de agressões entre homens e mulheres é igual, 25% para cada sexo. Nos outros 50% dos casos, os ataques são mútuos. Além disso, 20% mais mulheres cometem danos graves aos seus parceiros. Mais: as mulheres cometem três vezes mais agressões com uso de armas do que os homens. Por fim, os homens, com medo de serem ridicularizados ou presos, costumam não dar queixa quando apanham de uma mulher.

    Veja – A Justiça é mais branda com as mulheres?
    Van Creveld – Sem dúvida. Em todas as sociedades modernas, as mulheres recebem menos condenações que os homens. E, quando são condenadas, cumprem penas menores do que outros homens que cometeram o mesmo crime. Na Inglaterra, entre 1984 e 1992, 23% das mulheres acusadas de homicídio foram absolvidas, enquanto apenas 4% dos homens foram considerados inocentes. Na Califórnia, nos Estados Unidos, em todo o século XX foram condenados à morte 468 criminosos. Apenas quatro eram do sexo feminino.

    Veja – A discriminação contra o homem, da forma como o senhor a descreve, é um fato inalterável da natureza?
    Van Creveld – Em muitos países, já existem movimentos para melhorar as condições de vida dos homens. Seu propósito é defender o sexo forte nas situações em que há mais discriminação, como nos divórcios e nas falsas acusações de abuso sexual ou de violência doméstica. Mas as coisas não tendem a mudar muito. O homem, como diz o provérbio árabe, é o jumento da casa. A natureza nos fez maiores, mais fortes e, nos casos extremos, até mais inteligentes. Tudo para sustentar e alimentar as mulheres. Afinal, antes disso uma mulher – nossa mãe – também nos carregou, nos alimentou e cuidou de nós


    Tirem suas conclusões =P
     
  2. Faram¡r

    Faram¡r Dr. Benway

    Bem ... preferia ver esse tópico no Insônia, mas ...

    Ok ... esse texto é um pouco complicado. Não apenas por suscitar questões polêmicas, mas por conter idéias interessantes ao lado de preconceitos dispensaveis.


    Isso daqui foi tão patético que quase fiquei com vergonha de estar fazendo um curso em que esse cara é formado. Claro que as mulheres inventaram menos coisas, pois elas não tinham acesso ao estudo, pelo menos a imensa maioria. A explicação dele para retrucar a reinvindicação ao voto feminino é absurda.

    Por outro lado, o feminismo alcançou uma certa igualdade de direitos às mulheres ao mesmo tempo que manteve os beneficios de ser um "sexo fragil". Estou falando do direito a guarda dos filhos, entre outras coisas citadas por esse tal de Van Creveld.
     
  3. Deriel

    Deriel Administrador

    Precisa ser estudado pra inventar alguma coisa?
     
  4. Q kra mais sem noção.... Bom... acho que ele nunca ouviu que a mulher criou e tem um dos maiores dons... o da fala e da conversa.... e isso é um estudo comprovado....
     
  5. Muot-Hart

    Muot-Hart Usuário

    Que legal, onde você leu isso? Se importa em divulgar a fonte?

    Eu concordo com o texto, o time das meninas já teve no mínimo uns trinta anos pra cuspir uns Einsteins, Gandhis e Guevaras da vida, e até agora, uma coisa bacana aqui e ali, mas nada muito bombástico.
    E eu acredito que a questão genética e física é o de menos, o problema é cultural mesmo. A intelectualidade da comunidade feminina (e feminista) se reflete em seus próprios interesses, hobbys, lazer, mentalidades... Acho que isso já diz tudo né?
    Na minha humilde, modesta, sincera opinião, mulheres intelectuais e politizadas são um troço meio raro.
     
  6. Melkor- o inimigo da luz

    Melkor- o inimigo da luz Senhor de todas as coisas

    Eu acho esse assunto tão complicado que estou com preguiça de refletir e escrever, além do mais, estou no computador do meu irmãozinho...

    Anyway, o que eu sempre achei engraçado foi o fato das mulheres realmente reclamarem demais... Ok, elas já foram muito oprimidas e tudo mais, mas poxa, o que acontece com um menino que brinca com barbies? É chamado de gay.... E com a menina que joga futebol? Ah, ela é uma mulher corajosa imcompreendida que não aceita os valores impostos ao seu sexo.

    Não é questão de privilégios, mas a mulher de um modo ou de outro, hoje em dia, tem muito mais liberdade que o homem, não vou entrar em séculos atrás, estou falando do hoje... Eu digo isto porque eu nunca fui um menino muito normal e sempre sofria um preconceito aqui e um ali por não gostar de futebol ou o escambau, isso sempre me indignou muito... ^^

    Mais adiante vou ler o texto para tirar maiores conclusões, mas achei que tinha que dizer umas coisinhas antes disto... =O)
     
  7. Faram¡r

    Faram¡r Dr. Benway

    Sobre a questão das invenções, depende. Se uma pessoa nunca estudou física, ela não tera as "ferramentas" necessárias para desenvolver uma tese relevante. Se ela não conhece nada de eletrônica, ainda que seja autodidata, não podera inventar um novo eletrodoméstico. Se ela não teve oportunidades para desenvolver qualidades artísticas e estudar continuamente para se aperfeiçoar, ela não podera criar uma obra revolucionaria. Esse detalhe eu acho que o cara se esqueceu de citar, e é muito importante. Se nos fossemos calcular quantos homens foram revolucionarios em sua área, seja ciência ou artes, em comparação a quantos estavam envolvidos nessa atividade, a porcentagem seria mínima. E se pensarmos que ate uns séculos atrás pouquissimas mulheres tinham essa oportunidade, é de se esperar que não vemos grandes nomes nas artes e nas ciências de mulheres ate bem pouco tempo atrás.
     
  8. Erúvë Elen

    Erúvë Elen hobbit intrometido


    HAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!! Nossa, quanto absurdo... se os homens não podem viver sem as mulheres, a recíproca também é verdadeira!
    E trabalho pesado (no sentido braçal mesmo) sempre foi visto como "trabalho pra homem" desde os tempos em que nossos ancestrais soltavam grunhidos. E "estarem sempre prontos a morrer" por nós... por favor: quantas mulheres já fazem parte das Forças Armadas em vários países - incluindo o Brasil!




    Visão católica apostólica romana não vale! É claro que o trabalho é visto como obrigação - Deus disse que Adão só iria usufruir dos frutos que colhesse de seu próprio esforço - Mas lembre-se de o pobre Adãozinho só comeu o fruto porque Eva foi seduzida pela serpente... É por isso que eu não leio mais a bíblia como lia há 10 anos atrás...




    Nunca ouvi tanto absurdo...
    Vamos retomar ao início dos tempos: antes do Cristianismo se espalhar pelo mundo ocidental, os clãs (ou melhor, grupos de pessoas mesmo) possuíam uma estrutura matriarcal. Aí vieram os romanos (os ancestrais dos atuais imperadores do mundo) e cristianizaram todo o mundo conhecido praticamente... E o Cristianismo coloca a mulher como a detentora de todo o pecado. E esse carinha ainda quer me dizer que as mulheres IMITAM os homens?? A contribuição feminina com certeza foi grande, mas se os nomes não são conhecidos é justamente por culpa dos homens. Acredito que nenhum deles iria dividir a autoria de nenhuma invenção ou descoberta com uma mulher...

    Eu vou parar de falar sobre esse assunto, esse cara me deixou muito irritada... É cada uma que aparece... :disgusti:
     
  9. 1ntru

    1ntru Usuário

    Eu não acho que exista um sexo frágil, pra falar a verdade acho RIDÍCULAS essas rotulações

    Homem é homem, mulher é mulher

    Cada um com suas especialidades, características e defeitos

    Sexo frágil nunca existiu
     
  10. VihVs_

    VihVs_ Eu não sou um

    Eu li isso na Veja e fiquei espantada! Serio!
    Eu mal sei o q comentar....
    Tem umas coisas q me parecem ateh sensatas mas umas saum meio absurdas mesmo...

    Eu sempre disse q esse negocio de homem ter q trabalhar ateh q faz sentido.
    Ainda eh vergonhoso um homem naum trabahar e a mulher trabalhar fora. Isso eh fato! Naum tah certo mas eh sim....

    E quando ele diz q as mulheres podem viver sem os homens.... eh um absurdo completo!!!
     
  11. Muot-Hart

    Muot-Hart Usuário

    Engraçado, se é tão absurdo, porque as pessoas ficam tão irritadas?
    Eu nunca me aborreci com a existência do ACM, nem nada do gênero.


    Essa foi a colocação mais interessante nesse tópíco até agora, acho eu. Também penso igual, embora ache certos aspectos do ponto de vista do sujeito entrevistado, perfeitamente válidos.
    O que pega, é que, pelo visto, as feministas mundo afora não concordam. Pra elas, assim me parece, as mulheres passariam a vida no berço, recebendo sexo, comida e massagem com um comando mental.
     
  12. Eru- o Ilúvatar

    Eru- o Ilúvatar Usuário

    Algumas verdades, alguns exageros, alguns preconceitos. O texto defende certos argumentos com uma tônica machista, sim, mas não deixa de ser curioso o fato de que já despertou uma reação feminista aqui no fórum, e que deve ser tratada de forma tão crítica quanto a dele.

    De fato algumas coisas procedem: Morrem mais homens que mulheres em guerras, homens trabalham mais, vivem menos, e tem menos direitos quando se discutem coisas como divisão de bens em desquite e guarda dos filhos. A questão que o texto levanta, e que deve ser considerada, é a de que de fato as mulheres conquistaram vitórias importantes e válidas no último século, mas não cederam os privilégios que tinham em nome da igualdade pela qual lutavam. E isso esvazia o discurso feminista. Nunca vi feminista lutando pelo serviço militar obrigatório feminino por exemplo... :lol:

    No mais, há muita bobagem dita alí. Aquela da criatividade então tem um que de surreal, apesar da parte que explica a função de liderança e capacidade produtiva vinculada a testosterona merecer uma analise de gente que entenda mais do assunto que eu. :|

    Ah, quer saber, as mulheres são inferiores porque escolhem os caras errados! Brincadeirinha!:lol: :lol: :lol:
     
  13. 1ntru

    1ntru Usuário

    :lol:
     
  14. Deza

    Deza Blink

    E eu gostaria que o Serviço Militar nem fosse Obrigatório, fosse voluntário, para quem quisesse servir, independente de Sexo
    Mas isso seria outro tópico hehehehehe
    :roll:


    Ah bem quanto as escolhas afetivas hummmmm precisamos de conselhos masculinos :wink:
     
  15. Deriel

    Deriel Administrador

    Vale pela discussão.

    O mais engraçado é ver as pessoas babando de raiva, praguejando e não falando nada... "rídiculo", "isso não existe", "estupidez", "preconceito". Acho que o tio da entrevista marcou vários pontos.

    Há tempos não me divertia tanto com uma entrevista da Veja. Merecia as páginas amarelas :mrgreen: Alias, o R.R. Soares tava nas Amarelas... realmente a Veja tava incrivelmente divertida :mrgreen:
     
  16. kilson Viegas

    kilson Viegas Usuário

    Esse hisroriado é um gênio, concordo com ele mas não em tudo é lógico.
    As mulheres são as criaturas mais lindas que EU conheço, a mulher esta muito ligada a intuiçã, ao carinho, respeito ao proximo, dialogo coisinhas que nossa sociedade não leva muito a serio.
     
  17. Waters

    Waters Usuário

    bem isso é uma grande verdade, os homens são criados para enfrentarem o mundo de cara, são obrigados a sempre manterem resultados, a cobrança da família e das pessoas em volta é grande sobre tudo o que faz. Sofre bem mais mais pressão social para obter sucesso, manter o respeito dos outros e prover rendimentos. Qualquer mínimo deslize disso e é logo taxado de fracassado.
     
  18. 1ntru

    1ntru Usuário

    se voce acha o ponto de vista dos outros uma coisa hilária, nao sei nem o q dizer
    =/
     
  19. Deriel

    Deriel Administrador

    Ponto de vista é uma coisa, agora achar algo ridículo sem nem conseguir explicar um básico motivo tá muito mais pra reflexo condicionado, pro politicamente correto, do que pra opinião pessoal :aham:
     
  20. **Mayumi**

    **Mayumi** Usuário

    hm..eh msm
    sera q eh dai' que vem aquele..digamos..tabu da grande parte deles naum expressarem/terem dificuldade em expressar sentimentos? :think:
     

Compartilhar