1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Guinada à direita

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Clara, 6 Nov 2013.

  1. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    O colunista da Folha,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , publicou o texto abaixo em 03/11/2013:

    Teve gente que
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , alguns deram os parabéns ao colunista!
    Um dos primeiros foi o Roger Moreira que publicou no Twiter:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    "Que pena?" "Que pena?" !!!!:ahhh:

     
    • LOL LOL x 4
  2. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Que pena. Que pena que o autor, cheio de ironias, não sabe a diferença entre libertários e conservadores. Que pena que o autor quer reduzir a mero racismo anti-meritocrático as crítica da direita às cotas universitárias. Que pena que é mais um autor que faz uso do "monopólio da moral" pra dizer que a direita é contra as minorias. Que pena, também, que a direita brasileira é tão caricata e mal representada que dá oportunidade para um texto assim fazer sucesso.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Eu tava acreditando. Tava achando absurdo demais o texto todo. Parabéns, Roger! Estar com o Gentili atrofiou seu cérebro.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
  4. Algo me diz que o Roger tirou uma com a cara da moça.

    EDIT: Se bem que, agora, vendo o twitter dele... Decepção, hein.
     
  5. Ranza

    Ranza Macaco

    E eis a resposta.

    Guinada a Esquerda

    Inspirado em
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    de Antonio Prata hoje na Folha, também vou confessar aqui que dei uma guinada, só que à esquerda. Como todos sabem, vivemos sob o controle do neoliberalismo. Os capitalistas liberais dominam a imprensa golpista, as universidades (basta ver que só falam de Adam Smith e nunca citam Marx), a Câmara, o STF e a CBF. Para onde olhamos, só vemos liberais!

    Por isso mesmo não temos um só movimento em defesa de minorias no Brasil. Ninguém seria capaz de apontar um só programa de privilégio para gays, mulheres, negros, índios ou trabalhadores rurais, que os golpistas insistem em chamar de “invasores de terra” (como se tomar latifúndios improdutivos e pequenas propriedades produtivas à força fosse invasão!).

    Minha guinada à esquerda tem ligação com o fato de que ninguém agüenta mais 500 anos de direita no poder! Pedro Álvares Cabral já trazia em sua caravela a praga do capitalismo liberal. Era praticamente um Steve Jobs de seu tempo, e desde então somos explorados por esses capitalistas que só pensam em lucrar. Chega!

    Passei para a esquerda quando vi que a direita não aceita nem mesmo cotas raciais. Onde já se viu? A esquerda, ao contrário, quer abolir o racismo, e sabemos que não existe forma melhor para isso do que dividir o povo em raças, e colocar brancos de um lado, negros (e pardos) do outro, concedendo vantagens para estes à custa daqueles. Só um racista pode ser contra isso. Cotas até no Congresso! Eis uma bandeira que me atraiu à esquerda.

    Vejam só, a direita quer preservar até o direito de se contar piadas sobre minorias! Onde vamos parar? Passei à esquerda quando compreendi que o politicamente correto não tem nada de autoritário ou totalitário, mas se trata apenas de um controle necessário da linguagem. Em nome da diversidade, nós, da esquerda, vamos construir um mundo onde todos falam da mesma forma e pensam igual. Isso é que é diversidade boa!

    Peço perdão aos antigos leitores, desde já, se minha nova persona não lhes agradar, mas no pé que as coisas estão é preciso não apenas ser esquerdista, mas sê-lo de modo grosseiro, raivoso e estridente. Meu novo guru será Emir Sader!

    Do contrário, seguiremos dominados pelos capitalistas, pelos empreendedores, pelos criadores de riqueza e empregos e por velhos intelectuais liberais, essa gentalha que, finalmente compreendi, é a culpada por sermos um dos países mais desiguais, mais injustos e violentos sobre a Terra. Me aguardem.

    PS: Fico feliz de migrar para a esquerda justo no momento em que Antonio Prata vai para a direita. É que não me agradaria estar no mesmo local político de alguém que é “meio intelectual, meio de esquerda”. Aqui nós só aceitamos quem é totalmente de esquerda. Viva Cuba!

    Podem tacar suas pedras, mas prefiro o texto do Rodrigo Constantino.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
    • Ótimo Ótimo x 1
  6. dermeister

    dermeister Ent cara-de-pau

    E boa parte da esquerda também não. Propositalmente.

    De todo modo, lançar um ensaio irônico e que exige mais habilidade de leitura que uma criança da 4ª série para os comentaristas de sites de jornais é pedir por pérolas. Alguém aí teve coragem de se aproximar da caixa de comentários e viu se tem algo "interessante" ?
     
  7. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Com uma esquerda dessas, quem precisa de uma direita?, já se perguntava Zizek. Esse tipo de aproximação caricata é sempre pobre... É um defeito muito mais da esquerda que da direita. Pra citar mais um autor, dessa vez Millôr Fernandes:

    Essa falta de diálogo é complicada... Sim, existem ramos da direita que são aquilo. Mas é irônico pensar que vias de acesso pensadas pela esquerda podem entrar pela porta dos fundos também naquilo. Acho que a diferença é que a direita tende a demonizar. A esquerda gosta da ironia, mas isso não quer dizer necessariamente refinamento. Como diz David Foster Wallace, a ironia tiraniza:


    Ou seja: a ironia tende a ser, muito facilmente, um caminho da simplificação barata, da caricatura e, vejam só, da demonização. É bem o que o DFW disse de forma magnífica: a ironia suspende algo, ela deixa implícito um discurso que não necessariamente quer dizer que o autor não queira dizer; pode ser simplesmente que ele não consegue -- que ele se engana. Pode ser que ele próprio esteja sendo ironizado. Quando o autor fala que "vivemos num totalitarismo de esquerda", eu me pergunto onde cabe a ironia numa frase como essas, se o totalitarismo nos moldes que conhecemos foi filho da esquerda.

    Outro exemplo recente foi o com a Lola Aronovitch. Gosto muito do blog dela, tanto nas críticas feministas quanto cinematográficas, mas de vez em quando ela erra feio a mão. Resumiu, recentemente, o pensamento libertário como reacionário:

    E aí eu faço questão de colocar pelo menos um texto dando uma canecada na Lola:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . Pois mesmo que eu tenha minhas divergências com o pensamento libertário, especialmente com essa coisa do mercado livre da ação estatal (apesar de que, ao que me consta, existem vertentes e vertentes do pensamento), não acho nem um pouco correto que a Lola venha com uma dessas!

    E aí basicamente eu fecho o que disse anteriormente: a esquerda adora usar uma ironia, mas será que essa ironia não tiraniza a ela própria? Qual o sentido da Lola ironizar o pensamento libertário se ficou claro que ela não conhece nada dele?

    Me corrijam se estiver errado, mas não abrir diálogo é, atemporalmente, uma das características principais do reacionarismo.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  8. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    O que me chamou a atenção mesmo foi a quantidade de gente que acredita num posicionamento “8 ou 80” do jeito que o colunista escreveu.

    A menos que você tenha o sobrenome de Bolsonaro ou Gandra, não é muito sensato sair por aí falando a sério absurdos como os que o cara escreveu.
    Mas teve gente que acreditou e ainda comemorou a “coragem” do homem.
    É esse tipo de pensamento que me chamou a atenção: como chegamos a esse ponto, em que uma pessoa proclama tantos absurdos num meio de comunicação e muita gente considera isso seriamente?

    E o Roger Moreira é um babaca que deveria se limitar a tocar guitarra com a banda dele, assim como o Tony Bellotto.
    Nunca esquecerei das entrevistas cretinas que esses dois trouxas deram pra o blog do Meia Palavra.
    Decepção e vergonha alheia resumem aquilo que eles falaram ali.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
    • Ótimo Ótimo x 1
  9. dermeister

    dermeister Ent cara-de-pau

    Ótima resposta. Nada como abordar os argumentos sem apelar para muletas com as piadas tontas do Gentili, ataques pessoais e citações insanas fora do contexto, como fez a Lola.

    Qualquer escola política tem suas graduações porque os extremos geralmente são perigosos demais. Eu me considero um libertário moderado porque há nuances da sociedade para os quais não consigo imaginar uma solução libertária "pura".

    Isso parece técnica de discurso, não? Às pessoas que responderam apoiando o texto irônico devemos dar um desconto (afinal, elas erraram o ponto epicamente), mas esse "ou você concorda absolutamente com minhas ideias ou você é O Inimigo" é clássico dos ensaios políticos de nível mais baixo. O texto da Lola, por exemplo, é basicamente isto e meia-dúzia de espantalhos.
     
  10. Belle Vox

    Belle Vox Thranduil Oropherion: Badass !!

    Roger é, além de um boçal completo, burro pra dedéu. Todo show que o idiota participa, ele faz uma pregação tipo bispo Macedo ou então arruma uma confusão com alguem mais famoso que ele. A "ressurreição" dessa múmia deu fail por conta desse comportamento invejoso, rasteiro, e anti-povo. Tá fazendo comercial de banco... vai voltar pro limbo rapidinho.

    Demorou, colega.

    Forever!
     
  11. Grimnir

    Grimnir Usuário

    @Clara V., entendo e concordo com você. O meu problema com o texto é sobre algo que falei
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , ou seja:

    O esforço que existe é para reforçar a confusão. Acho, de qualquer forma, que essa troca de ofensas é algo bem lamentável. O Rodrigo Constantino, por exemplo, é um sujeito que claramente quer se firmar como voz libertária. Ao invés de escrever um livro com propostas reais de governo, o sujeito perde tempo com bobagens como "A Esquerda Caviar". O texto da Lola (sei lá quem é ela ou pq o blog dela atraiu alguma atenção) é outra baboseira, pegando alguns exemplos de pessoas preconceituosas e (talvez) auto-proclamadas libertárias.

    Diz ela:

    Isso resume bem o que falei no começo do post. Se você pensar que realmente tratamos o assunto como batalha, então essa realmente é a visão atual.

    Também diz que:

    Eu não faço a menor ideia do que isso quer dizer.
     
  12. Paraíba Hi-Tech

    Paraíba Hi-Tech Cabra Arretado

    Comparando os dois textos, eu diria que o Constantino conseguiu cumprir melhor o seu propósito.
    Ele deixa o tom irônico muito mais evidente do que o texto do Prata.
    Mas aí tem duas questões importantes a se considerar:
    Primeiro, um texto que não seja meramente informativo precisa mesmo deixar tudo assim tão cristalino?
    Eu acho que não...
    No livro de crônicas "Para não esquecer", Clarice Lispector afirma:
    A segunda questão é político-ideológica.
    Se você, de fato, se alinha a essa corrente, tente desviar da pedrada metafórica que mirei na sua cabeça!
     
  13. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Abaixo, a ironia

    Domingo passado, escrevi aqui uma crônica em que satirizava o discurso mais raivoso da direita brasileira.

    Muita gente não entendeu: alguns se chocaram pensando que eu de fato acreditava que o problema do país era a suposta supremacia de negros, homossexuais, feministas, índios e o "poderosíssimo lobby dos antropólogos"; outros me chocaram, cumprimentando-me pela coragem (!) de apontar os verdadeiros culpados por nosso atraso. Volto ao tema para que não haja risco algum de eu estar reforçando as ideias nefastas que tentei ridicularizar.

    Uma sátira é uma caricatura. Escolhemos certos traços de uma obra e produzimos outra, exagerando tais características. Narizes aparecem desproporcionalmente grandes, orelhas podem ser maiores que a cabeça, um bigode talvez chegue até o chão. É como se puséssemos uma lupa nos defeitos do original, a fim de expô-los.

    Na crônica de domingo, achei que havia carregado o bastante nas tintas retrógradas para que a sátira ficasse evidente. Descrevi um quadro que, pensava eu, só poderia ser pintado por um paranoico delirante.

    No país bisonho do meu texto, José Maria Marin e o pastor Marco Feliciano eram de esquerda, os brancos estavam escanteados por negros, que ocupavam a direção das empresas, as mesas do Fasano e os assentos de primeira classe dos aviões.

    O Brasil (segundo maior exportador de soja do mundo) não era, na crônica, uma potência agrícola, por culpa das reservas indígenas. No fim, me levantava contra "as bichas" e "o crioléu". O texto não estava suficientemente descolado da realidade para que todos percebessem a impossibilidade de ser literal?

    Talvez, infelizmente, não: fui menos grosseiro, violento e delirante na sátira do que muitos têm sido a sério. Poucos dias antes da crônica ser publicada, um vereador afirmou em discurso que os mendigos deveriam virar "ração pra peixe".

    Com esse pano de fundo, ser "apenas" racista, machista, homo e demofóbico pode não soar absurdo. Quem se chocou achou o personagem equivocado, mas plausível. Quem me cumprimentou achou minha "análise" perfeitamente coerente.

    Ora, só dá para concordar com o texto se você acreditar que as cotas criaram uma elite negra e oprimiram os brancos, acabando com a "meritocracia que reinava por estes costados desde a chegada de Cabral", se achar que os 20 anos de ditadura foram "20 anos de paz" e que é legítimo e bem-vindo levantar-se contra "as bichas" e "o crioléu".

    Em "Hanna e Suas Irmãs", do Woody Allen, Lee, uma das irmãs, é casada com um intelectual rabugento chamado Frederick. Lá pelas tantas, o personagem assiste a um documentário sobre Auschwitz, em que o narrador indaga "como isso foi possível?".

    Frederick bufa e resmunga: "A pergunta não é essa! Do jeito que as pessoas são, a pergunta é: como não acontece mais vezes?". Esta semana, diante dos e-mails elogiosos que recebi, a fala me voltou algumas vezes à memória: "Como não acontece mais vezes?". Vontade é o que não falta, por aí -e, infelizmente, não estou sendo irônico.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 3
    • Gostei! Gostei! x 2
  14. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Foi isso que me "causou espécie", como diria Joaquim Barbosa. :lol:

    Nem pensei naquilo que escreveram aqui sobre a imagem feita dos de direita (ou de esquerda) os reacionários etc.

    Mas no fato de um texto desses ser considerado "normal", seja por quem é contra ou a favor .
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  15. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Isso eu acho que todos aqui concordam, ou seja, que é bizarro alguém concordar que as reservas indígenas destruíram a capacidade agrícola do país ou então que graças às cotas raciais agora os negros gozam de elevado status social e o branco tornou-se o oprimido. O problema é o autor (e os leitores) acreditar que a ironia serviu para desmascarar a direita brasileira (através das mensagens de apoio que recebeu). Serviu para desmascarar pessoas preconceituosas - e ponto.
     
  16. Paraíba Hi-Tech

    Paraíba Hi-Tech Cabra Arretado

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • Ótimo Ótimo x 1
  17. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Não duvido, só acho bizarro. O que não torna mais fácil responder a pergunta: Como tolerar os intolerantes?
     
  18. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

  19. Paraíba Hi-Tech

    Paraíba Hi-Tech Cabra Arretado

    Eu queria achar o link pra um simpósio que aconteceu esse ano aqui no RJ, no Círculo Militar, sobre esse tema, mas não encontrei...
    Muitos dos generais que eu conheci enquanto fui militar estavam presentes como, digamos assim, "atrações principais".
    Eles defendem abertamente que a questão das demarcações das terras indígenas é um sério obstáculo ao desenvolvimento e à soberania nacional.
    Segundo esses "coisas", a Amazônia deveria ser dividida em dois tipos de espaços: pastos e hidroelétricas.
    Os índios, nesse caso, deveriam vir pras cidades trabalhar em subempregos.
    Já os militantes ambientalistas e defensores dos direitos das minorias são considerados terroristas que merecem tortura e pena de morte!
     
    • Gostei! Gostei! x 4

Compartilhar