1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Grupo de trabalhadores faz oferta de R$ 1,01 bilhão pela Varig e leva

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Omykron, 8 Jun 2006.

  1. Omykron

    Omykron far above

    Folha Online - CLARICE SPITZ

    O TGV (Trabalhadores do Grupo Varig) pode comprar a Varig por R$ 1,010 bilhão (US$ 449 milhões). Nas duas etapas do leilão realizado hoje no Rio de Janeiro, essa foi a única proposta apresentada oficialmente. A Justiça, no entanto, terá 24 horas para analisar a oferta e decidir se é válida.

    O valor representa pouco mais da metade do preço mínimo de US$ 860 milhões fixado pela Justiça para a venda da parte operacional da Varig, que inclui as linhas domésticas e internacionais.

    O dinheiro, no entanto, será insuficiente para pagar os credores da empresa, que tem dívidas estimadas em R$ 7,9 bilhões.

    Além disso, a associação de trabalhadores tem créditos a receber da empresa aérea e vai utilizar esses recebíveis para pagar pela Varig, reduzindo o montante que sobrará para os demais credores.

    O montante de R$ 1,010 bilhão é dividido em R$ 225 milhões em créditos, R$ 500 milhões em debêntures e participação no lucro da companhia e R$ 285 milhões em dinheiro.

    Fontes da Varig divulgaram que cinco empresas teriam interesse na compra. TAM, Gol, OceanAir e Céu Azul (do escritório de advocacia Ulhôa Canto, Rezende e Guerra, que representa um fundo de investimento) chegaram a se credenciar para apresentar propostas, mas não fizeram lances oficiais em nenhuma das duas etapas do leilão realizado hoje.

    Na segunda etapa, o TGV foi o único a apresentar propostas. Na primeira parte, ninguém se interessou pela empresa.

    Responsável pelo processo de recuperação judicial da empresa, o juiz Luiz Roberto Ayoub, da 8ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, deveria fixar um novo preço mínimo, mas decidiu levar a empresa a leilão de novo sem estipular um piso para a compra.

    A empresa aérea poderia ser vendida integralmente --operação nacional e internacional, denominada Varig Operações-- ou separada --somente operações domésticas, chamada de Varig Regional.

    Os preços mínimos iniciais eram, respectivamente, de US$ 860 milhões e US$ 700 milhões. Nos dois modelos de venda estavam excluídas as dívidas da companhia.

    Edital

    O edital de venda estabelece que o comprador da companhia terá de fazer um aporte de US$ 75 milhões na empresa em até três dias úteis após o leilão. Esse recurso ajudará a Varig a continuar operando durante o período de transição, inicialmente de 30 dias.

    Durante a transição, o comprador precisará obter da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) as autorizações necessárias para operar. Somente depois disso a compra da companhia aérea será concluída.

    O prazo de transição poderá ser prorrogado por mais 30 dias, desde que o comprador adiante mais US$ 50 milhões para a companhia.

    Se no final do período o comprador não conseguir regularizar a situação na Anac, será chamado o segundo colocado no leilão e os recursos adiantados serão considerados como dívida extra-concursal --ou seja, o comprador que não obteve autorização torna-se um novo credor da Varig.

    A Varig corre o risco ainda de perder aviões nos Estados Unidos. No próximo dia 13, o juiz Robert Drain, da Corte de Falências de Nova York, decide sobre o arresto (apreensão) dos bens da Varig nos EUA em razão de dívidas da companhia anteriores a junho do ano passado, quando entrou em processo de recuperação.

    Recuperação judicial

    A Varig está em recuperação judicial desde junho do ano passado. Ela foi a primeira grande empresa do país a se beneficiar desse processo, que substitui a concordata, já que a Nova Lei de Falências foi aprovada no dia 9 de junho de 2005 e a empresa entrou com pedido no dia 17 daquele mês.

    Esse instrumento de recuperação protegeu a Varig de ações movidas por credores, ajudou a empresa a continuar voando, a iniciar um processo de reestruturação e sobreviver até o leilão.


    ----
    O juiz e o ANAC tem 24 horas para se pronunciarem sobre a legalidade da venda da Varig para o TGV.
    ou seja, ou morre ou sobrevive e' so' amanha que vamos saber
     
  2. Bellcross

    Bellcross Ei, Ó o Auê aí ó !

    Pow cara, tomara que nego compre a Varig mesmo... minha sogra é ex-comissária e só eu to vendo como ela ta se ferrando por causa disso. Mas ae... esse Juiz, graças a Deus, tá dando muita colher de chá. O cara tá dando o maximo de tempo pra tudo. Se falir mesmo é pq não era pra ser.
     
    Última edição: 18 Jun 2006
  3. vasco

    vasco Usuário

    Mais valia venderem a Varig ao Fernando Pinto, da Tap, penso que ele sem dinheiro consegue ter mais credibilidade que o TGV (lamentavelmente):eek:
     
  4. Omykron

    Omykron far above

    Fernando Pinto nao eh querido na varig pq queria transformar ela em uma empresa eficiente, de baixo custo e com passagens mais acessiveis.
    chutaram ele por nao ter visao VARIG.
    isso no fim da decada de 90.

    hoje, fernando pinto arrumou a TAP, que da lucro, e que ta longe de pedir falencia.

    atualmente quem ta sobre analise eh uma proposta da Volo do Brasil, dona da VarigLog, vendida no inicio do ano junto com a VEM, que foi comprada pela TAP.

    a proposta da VarigLog eh de ~US$500 milhoes.

    hoje a tarde o juiz Ayoub diz se aceita ou nao a venda, assim como o juiz da corte de falencia de NY extende ou nao a liminar que mantem sobrevida da varig.
     

Compartilhar