1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Gregório de Matos "Boca do Inferno"

Tópico em 'Autores Nacionais' iniciado por LatinoAmericano, 12 Jan 2008.

  1. LatinoAmericano

    LatinoAmericano Aqui jaz Alcarecco

    Pequena biografia:

    Gregório de Matos Guerra (1633-1696) nasceu em Salvador (BA) e morreu no Recife (PE). Formado em Direito pela Universidade de Coimbra, voltou ao Brasil. Perseguido pelas sátiras que escrevia, acabou exilado em Angola, de onde regressou em 1695, fixando-se em Pernambuco e morrendo um ano mais tarde.

    Assim, o barroco talvez seja a fase menos atrativa de toda a literatura brasileira, no mundo ele quebrou a onda do Classicismo e do Renascimento e impôs a dúvida.

    No Brasil, no que diz respeito a escultura e pintura até teve mais destaque e deixa como legado, obras de Aleijadinho e fantásticas Igrejas, principalmente no centor de Minas Gerais (Sabará, São João Del Rei, Tiradentes...)

    Mas na literatura não deixou obras que são tratadas hoje com muita admiração, quero dizer, as obras do Barroco não são tão bem faladas hoje como por exemplo é falada a famosa "Minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá...

    Seus dois maiores expoentes na literatura portuguesa foram Padre Antônio Vieira, que tem como sua maior obra o Sermão da Sexagésima, e Gregório de Matos o "Boca do Inferno" de quem falo nese tópico.

    Acho que Gregório de Matos foi quem conseguiu exprimir da melhor maneira essa dúvida do barroco, e também o destaco por sua versatilidade, teve quatro períodos distintos em sua obra, ao religioso, o satírico, o sarcomástico e o lírico.

    Um de seus melhores poemas é esse:

    A Cristo S. N. crucificado estando o poeta na última hora de sua vida
    Meu Deus, que estais pendente de uma madeiro,
    Em cuja lei protesto de viver,
    Em cuja santa lei hei de morrer
    Animoso, constante, firme e inteiro:

    Neste lance, por ser o derradeiro,
    Pois vejo a minha vida anoitecer,
    É, meu Jesus, a hora de se ver
    A brandura de um Pai, manso cordeiro.

    Mui grande é vosso amor e o meu delito;
    Porém pode ter fim todo o pecar,
    E não o vosso amor, que é infinito

    Esta razão me obriga a confiar,
    Que, por mais que pequei, neste conflito
    Espero em vosso amor de me salvar


    O que acham do Boca do Inferno?

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Bagrong

    Bagrong RaG

    Eu gosto de alguns poemas dele, mas não conheço a obra extensamente. Creio que os mais bacanas são da parte satírica.
     
  3. Ronzi

    Ronzi Oh, Crap!

    Gosto dele, mas como o Bags, meu conhecimento sobre ele é o que li na escola (a long time ago) e numa antologia de poesia que tenho aqui em casa. Mas é inegável a contribuição dele para a literatura nacional. Um professor que tive dizia que ele foi o primeiro subversivo brazuca.
     
  4. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Ele merece destaque...seu jeito desbocado...de ver o mundo,
    satírico....o faz dele um dos melhores em sua area...eu me identifico
    mto com ele, atraves do jeito de ver...as coisas..sem hipocrisia...
     
  5. Hérmia

    Hérmia Usuário

    Já lí algumas poesias dele.. admiro sua ousadia ao escrever..
     
  6. Lethaargic

    Lethaargic Usuário

    Eu li 'Antologia Poética', gosto bastante do Gregório!
    Morro de rir das sátiras que ele faz... e adoro as críticas também!
    Alguém já foi ao Museu da Língua Portuguesa? Se não me engano,
    no terceiro andar, que tem a exibição do vídeo e depois te levam
    para uma sala onde recitam partes de vários textos, poemas e
    poesias, tem um poema dele bem famoso, não lembro o nome agora...
     
  7. Lethaargic

    Lethaargic Usuário

    O nome do poema do qual falei é 'Epílogos'. Vou colar aqui para vocês!



    Que falta nesta cidade?................Verdade

    Que mais por sua desonra?...........Honra

    Falta mais que se lhe ponha..........Vergonha.



    O demo a viver se exponha,

    Por mais que a fama a exalta,

    numa cidade, onde falta

    Verdade, Honra, Vergonha.



    Quem a pôs neste socrócio?..........Negócio

    Quem causa tal perdição?.............Ambição

    E o maior desta loucura?...............Usura.



    Notável desventura

    de um povo néscio, e sandeu,

    que não sabe, que o perdeu

    Negócio, Ambição, Usura.



    Quais são os seus doces objetos?....Pretos

    Tem outros bens mais maciços?.....Mestiços

    Quais destes lhe são mais gratos?...Mulatos.



    Dou ao demo os insensatos,

    dou ao demo a gente asnal,

    que estima por cabedal

    Pretos, Mestiços, Mulatos.



    Quem faz os círios mesquinhos?...Meirinhos

    Quem faz as farinhas tardas?.........Guardas

    Quem as tem nos aposentos?.........Sargentos.



    Os círios lá vêm aos centos,

    e a terra fica esfaimando,

    porque os vão atravessando

    Meirinhos, Guardas, Sargentos.



    E que justiça a resguarda?.............Bastarda

    É grátis distribuída?......................Vendida

    Que tem, que a todos assusta?.......Injusta.



    Valha-nos Deus, o que custa,

    o que El-Rei nos dá de graça,

    que anda a justiça na praça

    Bastarda, Vendida, Injusta.



    Que vai pela clerezia?..................Simonia

    E pelos membros da Igreja?..........Inveja

    Cuidei, que mais se lhe punha?.....Unha.



    Sazonada caramunha!

    enfim que na Santa Sé

    o que se pratica, é

    Simonia, Inveja, Unha.



    E nos frades há manqueiras?.........Freiras

    Em que ocupam os serões?............Sermões

    Não se ocupam em disputas?.........Putas.



    Com palavras dissolutas

    me concluís na verdade,

    que as lidas todas de um Frade

    são Freiras, Sermões, e Putas.



    O açúcar já se acabou?..................Baixou

    E o dinheiro se extinguiu?.............Subiu

    Logo já convalesceu?.....................Morreu.



    À Bahia aconteceu

    o que a um doente acontece,

    cai na cama, o mal lhe cresce,

    Baixou, Subiu, e Morreu.



    A Câmara não acode?...................Não pode

    Pois não tem todo o poder?...........Não quer

    É que o governo a convence?........Não vence.



    Que haverá que tal pense,

    que uma Câmara tão nobre

    por ver-se mísera, e pobre

    Não pode, não quer, não vence.
     
  8. Jorge Leberg

    Jorge Leberg Palavras valem por mil imagens

    Adorei o poema, Lethaargic. Conheço poucos poemas do Gregório de Matos, mas do pouco que conheço já conclui-se que ele foi o maior expoente do Barroco literário no Brasil. Adoro os poemas satíricos dele, autênticos primores de crítica social e subversão sem medo. Tenho afeição por autores subversivos, que não medem consequências em criticar duramente as injustiças e falhas grotescas do seu tempo, ou tratar de temas considerados complexos e/ou escabrosos demais para a época. E quando essa característica mescla-se à aspectos como maestria narrativa e/ou descritiva, densidade psicológica ou inovações estilísticas - uma escrita bem "lavrada", o que não significa rebuscada -, a obra torna-se mais digna de reconhecimento literário, e mais facilmente culminam em grandes obras-primas da literatura universal. E não é a toa que o Gregório recebeu a alcunha certeira de "Boca do Inferno".
     
  9. imported_Capitu

    imported_Capitu Usuário

    Eu aodro esse poema do Grgorio Lethaargic.Na verdade é meu preferido dele!!
     
  10. Hérmia

    Hérmia Usuário

    E POIS CRONISTA SOU



    Se souberas falar também falaras,

    também satirizaras, se souberas,

    e se foras poeta, poetaras.





    Cansado de vos pregar

    cultíssimas profecias,

    quero das culteranias

    hoje o hábito enforcar;

    de que serve arrebentar,

    por quem de mim não tem mágoa?

    Verdades direi como água,

    porque todos entendais

    os ladinos, e os boçais

    a Musa praguejadora.

    Entendeis-me agora?



    Permiti, minha formosa,

    que esta prosa envolta em verso

    de um Poeta tão perverso

    se consagre a vosso pé,

    pois rendido à fossa fé

    sou já Poeta converso.



    Mas amo por amar, que é liberdade. (Gregório de Matos)

    Esse é o meu preferido!!!!!!!!!!!!!
     
  11. Anica

    Anica Usuário

    Eu devo dizer que tem um lado meio vaidoso meu que adora um conjunto de poesias do Gregório, porque são dedicadas para uma tal de Anica :lol:

    Não te posso ver, Anica,
    por mais que Amor me desperte,
    que tu és muito tirana,
    e serás ingrata sempre.
    Se foras compadecida,
    não cessara de querer-te,
    pois a beleza humanada
    adquire mil interesses.
    Inda assim eu quero, Anica,
    que tu me mates mil vezes
    com os raios da tua ira
    mais do que com te esconderes.
    Porque és, Anica, tão bela
    que a alma, que por ti se perde,
    não pode deixar de ter
    muitas glórias aparentes.
    Permite por esta vez,
    que o teu resplendor contemple,
    para ofertar-lhe mil vidas
    hoje em holocausto breve.
    E se acaso é divindade
    a beleza, quem se atreve,
    sendo bela, a ser ingrata,
    se os atributos desmente?
    Havemos de acomodar-nos
    na porfia de querer-te,
    matem-me embora os teus raios,
    porém aparece sempre.
    Mate-me a tua isenção,
    que eu não cesso de querer-te,
    consumam-se os teus rigores
    com condição de me veres.

    :dente:
     
  12. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Alguém já viu aquele tal livro "Poema Satíricos" pela Editora Martin Claret que saiu em 2002? Onde tem lá os melhores poemas satíricos dele...
     
  13. Anica

    Anica Usuário

    Já viram o que vai chegar ainda esta semana pela Companhia das Letras? -> http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/resenha/resenha.asp?nitem=22125373&sid=01862813512514413414955874&k5=596CA46&uid=
     
  14. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Essa edição é daquelas da Companhia de Bolso? Acho aqueles livros tão simpáticos.
     
  15. Anica

    Anica Usuário

    non, é tamanho normal de livro. já tem algum tempo que eles lançam coletâneas seguindo esse padrão "visual" (capa listrada, laterais do livro coloridas). eu tenho uma coletânea de contos de horror, outras de contos de fada e outras de contos fantásticos seguindo essa mesma linha (e morro de vontade de comprar a coletânea de peças do miller, de contos do guy de maupassant e do capote).
     
  16. imported_Rafaela

    imported_Rafaela Usuário

    O meu professor de teoria da lírica leu alguns poemas dele na sala e gente... que p***!!! O meu professor mesmo diz para o pessoal que escuta funk que depois de ler Gregório as letras das músicas vão parecer fichinha! :rofl:
     
  17. Vinnie

    Vinnie Usuário

    Tá aí um cara a quem nunca dei muita atenção, antes de vir a esse tópico só conhecia um poema dele que caetano musicou.


    Triste Bahia

    Triste Bahia! Ó quão dessemelhante
    Estás e estou do nosso antigo estado!
    Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado,
    Rica te vi eu já, tu a mi abundante.

    A ti trocou-te a máquina mercante,
    Que em tua larga barra tem entrado,
    A mim foi-me trocando, e tem trocado,
    Tanto negócio e tanto negociante.

    Deste em dar tanto açúcar excelente
    Pelas drogas inúteis, que abelhuda
    Simples aceitas do sagaz Brichote.

    Oh se quisera Deus que de repente
    Um dia amanheceras tão sisuda
    Que fora de algodão o teu capote!
     
  18. Spartaco

    Spartaco James West

    Estou ressuscitando este tópico uma vez que, no final deste mês, chegam às livrarias cinco volumes com os poemas atribuídos a Gregório de Matos, editados e analisados por João Adolfo Hansen e Marcello Moreira (editora autêntica); tais volumes reproduzem o códice (manuscrito em pergaminho com as folhas unidas como num livro) Asensio-Cunha, reunidos no século 18.

    Fiquei bem interessado nesses livros, assim peço a algum amigo forista que, se possível, possa fornecer informações a seu respeito.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  19. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


     
    • Gostei! Gostei! x 1
  20. Spartaco

    Spartaco James West

Compartilhar