1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

~Graciliano Ramos

Tópico em 'Autores Nacionais' iniciado por Artanis Léralondë, 18 Abr 2009.

?

~ Qual obra de Graciliano que vc gosta mais?

  1. Caetés

    0 voto(s)
    0,0%
  2. São Bernardo

    0 voto(s)
    0,0%
  3. Angústia

    0 voto(s)
    0,0%
  4. Vidas Secas

    0 voto(s)
    0,0%
  5. Insônia

    0 voto(s)
    0,0%
  6. Alexandre e Outros Heróis

    0 voto(s)
    0,0%
  7. Memórias

    0 voto(s)
    0,0%
  8. Infância

    0 voto(s)
    0,0%
  9. Memórias do Cárcere

    0 voto(s)
    0,0%
  10. Linhas Tortas

    0 voto(s)
    0,0%
  11. Viventes das Alagoas

    0 voto(s)
    0,0%
  12. Viagem

    0 voto(s)
    0,0%
São permitidos múltiplos votos.
  1. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA


    A literatura da época


    Após a revolução artística, fruto das novas tendências modernistas, no período de 1922 a 1930, surge uma Literatura Brasileira de caráter social e de um realismo regionalista. Essa nova tendência brasileira surgiu depois do famoso Congresso Regionalista de Recife, em 1926, organizado por Gilberto Freire, José Lins do Rego e José Américo de Almeida. Esse congresso tinha como proposta básica organizar uma literatura comprometida com a problemática nordestina: a seca, as instituições arcaicas, a corrupção, o coronelismo, o latifúndio, a exploração de mão-de-obra, o misticismo fanatizante e os contrastes sociais.
    Nessa literatura, chamada de Prosa Regionalista de 1930, devemos incluir José Américo de Almeida, Rachel de Queiroz, José Lins do Rego, Jorge Amado, Graciliano Ramos e Érico Veríssimo, este último com a retratação do Rio Grande do Sul.


    Vida

    Graciliano Ramos nasceu no dia 27 de outubro de 1892, na cidade de Quebrângulo, Alagoas, filho de Se-bastião Ramos de Oliveira e de Maria Amélia Ferro Ra-mos. Dois anos depois, a família muda-se para Buíque, Pernambuco, e logo depois volta para Alagoas, morando em Viçosa e Palmeira dos Índios ate 1914. Graciliano estuda, então, e trabalha na loja do pai comerciante.
    Em 1914, vai para o Rio de Janeiro, onde mora du-rante um ano e trabalha como jornalista. No ano seguinte, volta para Palmeira dos Índios e se casa com Maria Au-gusta Barros, que morre cinco anos depois. Graciliano já, nessa época, escreve para jornais e trabalha com comér-cio.
    Seu segundo casamento, com Heloísa Medeiros, ocor-re em 1928, no mesmo ano em que e eleito prefeito de Palmeira dos Índios, cidade que seria palco de seu primei-ro romance Caetés.
    Em 1930, renuncia à prefeitura e vai para Maceió, onde e nomeado diretor da Imprensa Oficial, mas demite-se no ano seguinte, voltando em seguida para Palmeiras dos Índios, onde funda uma escola e escreve o romance São Bernardo.
    Em 1933, é nomeado diretor da Instrução Pública de Alagoas e volta a Maceió. Sua carreira e interrompida em 1936, quando é demitido por motivos políticos. Nesse mesmo ano, publica o romance Angústia e acaba sendo preso e enviado ao Rio de Janeiro. Dessa fase em que passa preso resultaria, mais tarde, seu livro Memórias do Cárcere.
    Ao sair da prisão, em 1937, passa a morar no Rio de Janeiro, onde escreve para jornais. No ano seguinte, pu-blica a obra Vidas Secas, escrita num quarto de pensão (Legal =D). Em 1939, e nomeado Inspetor Federal do Ensino.
    Somente em 1945, Graciliano entra para o Partido Comunista Brasileiro e, sete anos depois, faz uma viagem a Tchecoslováquia e à União Soviética.
    Graciliano Ramos morre em 20 de março de 1953 sem nunca ter retratado uma paisagem do Rio de Janeiro. Conta-se que certa vez andava com um de seus filhos, a pé, pela cidade. Chegaram a Laranjeiras, onde moravam. O filho parou de repente e exclamou: "Como isso aqui e bonito! ". Graciliano ficou surpreso e perguntou se ele achava aquela cidade tão bonita assim. Para Graciliano, Alagoas era seu único universo.


    http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=resumos/docs/vidassecas

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    Depois que li São Bernardo e Vidas Secas comecei a prestar mais atenção em Graciliano, ainda não consegui formar uma opinião concreta sobre as suas obras, Vidas Secas eu gostei muito já São Bernardo não me agradou muito, logo ainda estou num impasse. Mas, pretendo reler São Bernardo com mais calma e outras obras dele como Angústia que despertou-me grande interesse após ler o tópico da Anica.
    Todavia parece que ele tem um estilo singular para cada obra, não? Por exemplo Vidas Secas é uma linguagem tranqüila, São Bernardo já merece maior concentração e Angústia (q ñ li) mas vi alguns comentários é ainda mais difícil de ler. Então, não tem como dizer Graciliano escreve assim...digamos que ele não é um escritor padrão – que escreve sempre no mesmo estilo.
    O que vocês acham dele?

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. LucasCF

    LucasCF Usuário

    Ah, só li vidas secas. não vale votar, né? :P
    E achei vidas secas muito lekal.
     
  3. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Enquete empatada =]

    Eu só li São Bernardo e Vidas Secas e votei XD
     
  4. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    Votei em Angústia, que li a pouco tempo e gostei bastante. Fora esse, li apenas Vidas Secas no colégio, e na época não gostei muito. Achei bem maçante na verdade. Mas ler um post lá do ImagineBird me fez ter vontade de ler novamente.
     
  5. Hélène

    Hélène Usuário

    Pena que a obra infanto "Terra dos Meninos Pelados" não entrou na enquete!
    Votei em Vidas Secas!Na época de ensino médio eu não gostei desse livro, mas tive que ler em duas fases diferentes na faculdade!E em ambas eu gostei muito!Gostei também do filme antigão(preto e branco) desse livro! :lendo2:
     
  6. Marcio Scheibler

    Marcio Scheibler Usuário

    Comecei a ler VIDAS SECAS ontem, primeiro livro que leio desse autor.
     
  7. aces4r

    aces4r Usuário

    Recomendo para quem não leu Alexandre e Outros Heróis, muito divertido.
    Graciliano Ramos é um de meus autores brasileiros preferidos.
     
  8. imported_Capitu

    imported_Capitu Usuário

    Eu votei em São Bernardo, é um dos meu livros favoritos de todos os tempos. Muito bom mesmo.
     
  9. _Paulinha

    _Paulinha Usuário

    Votei em Angústia, porque gostei muito. Mas só li São Bernardo, Angústica e Vidas Secas...
    A pergunda que não quer calar... quando eu era estudante, minha professora sempre dizia que Sinhá Vitória tinha traído Fabiano com o dono da fazenda - pois ela sempre sonhava em ter uma cama como a dele, e só se pode achar uma cama boa se já a tiver experimentado...será que isso é verdade?
     

Compartilhar