1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Gödel, Escher, Bach(Douglas Hofstadter)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por .Penny Lane., 26 Mar 2010.

  1. .Penny Lane.

    .Penny Lane. Usuário

    Alguém do fórum já ouviu falar nesse livro?

    Eu sequer sabia da existência dele até o ano passado, quando me recomendaram como se fosse uma das maiores obras-primas da história da humanidade - e quando fui pesquisar sobre, vi incontáveis elogios. Vencedor do Pulitzer na categoria de não-ficção. Publicado a mais de 20 anos, e eu nem sequer fazia ideia da existência dele.
    Eu ainda não li o livro. Li aos pedaços pelo computador e só agora pude adquiri-lo, mas estou muito curiosa. Pensei em nem criar esse tópico, achando que o livro se restringiria apenas a pessoas que gostam de matemática, mas os temas abordados são incontáveis. Além disso, me deparei com citações como essa:

    "Gödel, Escher, Bach was a triumphantly successful presentation of quite difficult concepts for a popular audience. There has been nothing else like it in computer science before or since."(IEEE Expert)

    Também foi criado em 2007 um curso online do MIT - http://ocw.mit.edu/OcwWeb/hs/geb/geb/ - para estudantes do ensino médio baseado no livro.

    Mas afinal, sobre o que se trata esse livro?
    Seguem algumas das palavras do próprio autor, no prefácio da edição de 20 anos de aniversário:

    Segue a página da wikipédia em inglês para o livro: http://en.wikipedia.org/wiki/G%C3%B6del,_Escher,_Bach

    Agora, um pouco de informações em português, da wikipédia[a em inglês é melhor, essa em português está meio confusa]:

    Por último, o review da amazon e em seguida a primeira resenha de um dos compradores:

    Twenty years after it topped the bestseller charts, Douglas R. Hofstadter's Gödel, Escher, Bach: An Eternal Golden Braid is still something of a marvel. Besides being a profound and entertaining meditation on human thought and creativity, this book looks at the surprising points of contact between the music of Bach, the artwork of Escher, and the mathematics of Gödel. It also looks at the prospects for computers and artificial intelligence (AI) for mimicking human thought. For the general reader and the computer techie alike, this book still sets a standard for thinking about the future of computers and their relation to the way we think.

    Hofstadter's great achievement in Gödel, Escher, Bach was making abstruse mathematical topics (like undecidability, recursion, and 'strange loops') accessible and remarkably entertaining. Borrowing a page from Lewis Carroll (who might well have been a fan of this book), each chapter presents dialogue between the Tortoise and Achilles, as well as other characters who dramatize concepts discussed later in more detail. Allusions to Bach's music (centering on his Musical Offering) and Escher's continually paradoxical artwork are plentiful here. This more approachable material lets the author delve into serious number theory (concentrating on the ramifications of Gödel's Theorem of Incompleteness) while stopping along the way to ponder the work of a host of other mathematicians, artists, and thinkers.

    The world has moved on since 1979, of course. The book predicted that computers probably won't ever beat humans in chess, though Deep Blue beat Garry Kasparov in 1997. And the vinyl record, which serves for some of Hofstadter's best analogies, is now left to collectors. Sections on recursion and the graphs of certain functions from physics look tantalizing, like the fractals of recent chaos theory. And AI has moved on, of course, with mixed results. Yet Gödel, Escher, Bach remains a remarkable achievement. Its intellectual range and ability to let us visualize difficult mathematical concepts help make it one of this century's best for anyone who's interested in computers and their potential for real intelligence. --Richard Dragan

    Topics Covered: J.S. Bach, M.C. Escher, Kurt Gödel: biographical information and work, artificial intelligence (AI) history and theories, strange loops and tangled hierarchies, formal and informal systems, number theory, form in mathematics, figure and ground, consistency, completeness, Euclidean and non-Euclidean geometry, recursive structures, theories of meaning, propositional calculus, typographical number theory, Zen and mathematics, levels of description and computers; theory of mind: neurons, minds and thoughts; undecidability; self-reference and self-representation; Turing test for machine intelligence.



    A Profound Meditation On Human Creativity, October 1, 2000

    Gödel, Escher, Bach: An Eternal Golden Braid debates, beautifully, the question of consciousness and the possibility of artificial intelligence. It is a book that attempts to discover the true meaning of "self."

    As the book introduces the reader to cognitive science, the author draws heavily from the world of art to illustrate the finer points of mathematics. The works of M.C. Escher and J.S. Bach are discussed as well as other works in the world of art and music. Topics presented range from mathematics and meta-mathematics to programming, recursion, formal systems, multilevel systems, self-reference, self-representation and others.

    Lest you think Gödel, Escher, Bach: An Eternal Golden Braid, to be a dry and boring book on a dry and boring topic, think again. Before each of the book's twenty chapters, Hofstadter has included a witty dialogue, in which Achilles, the Tortoise, and friends discuss various aspects that will later be examined by Hofstadter in the chapter to follow.

    In writing these wonderful dialogues, Hofstadter created and entirely new form of art in which concepts are presented on two different levels simultaneously: form and content. The more obvious level of content presents each idea directly through the views of Achilles, Tortoise and company. Their views are sometimes right, often wrong, but always hilariously funny. The true beauty of this book, however, lies in the way Hofstadter interweaves these very ideas into the physical form of the dialogue. The form deals with the same mathematical concepts discussed by the characters, and is more than vaguely reminiscent of the musical pieces of Bach and printed works of Escher that the characters mention directly in their always-witty and sometimes hilarious, discussions.

    One example is the "Crab Canon," that precedes Chapter Eight. This is a short but highly amusing piece that can be read, like the musical notes in Bach's Crab Canon, in either direction--from start to finish or from finish to start, resulting in the very same text. Although fiendishly difficult to write, the artistic beauty of that dialogue equals Bach's music or Escher's drawing of the same name.

    As good as all this is (and it really is wonderful), it is only the beginning. Other topics include self-reference and self-representation (really quite different). The examples given can, and often do, lead to hilarious and paradoxical results.

    In playfully presenting these concepts in a highly amusing manner, Hofstadter slowly and gently introduces the reader to more advanced mathematical ideas, like formal systems, the Church-Turing Thesis, Turing's Halting Problem and Gödel's Incompleteness Theorem.

    Gödel, Escher, Bach: An Eternal Golden Braid, does discuss some very serious topics and it can, at times, be a daunting book to handle and absorb. But it is always immensely enjoyable to read. The sheer joy of discovering the puns and playful gems hidden in the text are a part of what makes this book so very special. Anecdotes, word plays and Zen koans are additional aspects that help make this book an experience that many readers will come to feel to be a turning point in their lives.

    Like every other book written by Hofstadter, Gödel, Escher, Bach: An Eternal Golden Braid, has an index and a bibliography that must be noted as exceptionally well done.

    Although filled with English wordplay, this book is in no way tied to the American origin of its author. For years, it was thought that Gödel, Escher, Bach: An Eternal Golden Braid, would be impossible to translate, but so far, it has successfully been translated into French, German, Spanish, Chinese, Swedish, Dutch and Russian.

    A profound and beautiful meditation on human thought and creativity, this book is indescribably gorgeous and definitely one of a kind.
     
  2. Tataran

    Tataran Usuário

    Penny Lane, o livro, com certeza, é uma obra-prima, pelo menos, enquanto não-ficção. Tentei lê-lo, mas abandonei com mais ou menos 1/3. É bastante profundo e complexo, mas, para mim, indispensável para quem quer discutir o que é inteligência ou sentido.

    Aliás, um livro de não-ficção em que o autor tem que fazer um prefácio em uma edição posterior, para tentar esclarecer sobre o quê a obra tratava é de se assustar. XD

    No
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , é possível ter acesso a trechos de um mini-curso da MIT sobre o livro.

    No mais, vou lentamente acumulando energia, para, um dia, tentar encarar de novo. Dessa vez, espero que com mais chance de sucesso.
     
  3. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Fiquei bem interessado, mas a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    na Estante Virtual está saindo por absurdos R$ 450,00!

    Das duas uma: 1. aprendo a ler em inglês (já está na hora mesmo) ou 2. fico rico para poder bancar essas extravagâncias bibliófilas[/align]
     
  4. Tataran

    Tataran Usuário

    Não sabia dessa edição em português. Mas, sinceramente, cada louco que aparece nessa estante virtual... A mulher se aproveita que a edição se esgotou e coloca um preço desses. O negócio é torcer para a UNB soltar uma nova tiragem.
     
  5. Não li, mas esse livro é bem popular no meu meio (programadores/cientistas da computação/e arredores). Um amigo chama ele de "a Bíblia do ateu".
     
  6. .Penny Lane.

    .Penny Lane. Usuário

    Quem me indicou foi um professor de informática... não sei se o livro seria tão bom pros não-exatóides. Acho que pode ser, pois os assuntos dele, pelo que eu vi, são incontáveis. Passa por código genético, consciência, artes, música, lógica, livre arbítrio... inclusive as poucas críticas que vi sobre ele, se não me engano, dizem que o problema do livro é justamente esse: trata de temas demais.
    Aliás, não tinha tido coragem de encarar o GEB em inglês ainda, mas agora que revi o tópico lembrei dele e deu vontade de tentar... parece que já é um livro difícil pra quem lê em inglês (embora não provavelmente por causa da linguagem), imagina pra mim que estou enrolando pra começar a ler em outro idioma. :think:
     
  7. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Minha dúvida (possível fruto da falta de atenção) é a seguinte: esse livro vai "servir" tanto para amantes da literatura quanto para amantes de computação, matemática, ciências exatas em geral?

    Fiquei interessado mesmo.[/align]
     
  8. Tataran

    Tataran Usuário

    Lucas, servir ele vai. O problema é se você vai gostar da leitura.

    Do 1/3 que li, percebi que a estrutura do livro se baseia em um capítulo ficcional (sempre em forma de diálogo entre dois personagens recorrentes: Aquiles e a Tartaruga) e um capítulo mais técnico. No diálogo fictício, sempre há a introdução de uma questão que é explorada no capítulo técnico.

    O problema é que o autor não dá nenhuma resposta peremptória. Muitas da vezes, ele solta o problema e deixa que o leitor se vire para entender o que ele quer. Não é à toa que uma discussão sobre esse livro sempre gira em torno de se saber qual o assunto tratado no livro!

    Dando um palpite para o seu caso, acho que, se você não tem um hábito de ler livros de não-ficção (em especial, na área de exatas), provavelmente, não vai gostar muito.
     

Compartilhar