1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Frodo Falhou?

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Neithan, 15 Out 2007.

  1. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Bom, alguns pensam que sim, outros (eu) pensam que não.

    Ele falhou? Expliquem o porquê.

    Eu penso que ele não falhou, e Tolkien também (minha irnterpretação da carta 246, nos primeiro parágrafos ele diz sobre isso).
    Muito poucos (de fato, até onde as cartas vão, apenas você e um outro) observaram ou comentaram sobre a 'falha' de Frodo. É um ponto muito importante. Do ponto de vista do contador de histórias os eventos na Montanha da Perdição procedem simplesmente da lógica do conto até aquele momento. Eles não foram trabalhados deliberadamente nem foram previstos até que acontecessem. Mas, em primeiro lugar, se tornou afinal bastante claro que Frodo depois de tudo que havia acontecido seria incapaz de destruir o Anel voluntariamente. Refletindo sobre a solução depois que cheguei a ela (como um mero evento) sinto que é a idéia central para toda a 'teoria' de verdadeira nobreza e heroísmo que são apresentadas.

    Frodo realmente 'falhou' como um herói, na forma como o herói é concebido por mentes simples: ele não suportou até o fim; ele cedeu, esquivou-se. Não uso o termo 'mentes simples' com desprezo: eles freqüentemente vêem com claridade a verdade simples e o ideal absoluto para os quais o esforço deve ser dirigido, até mesmo se for inacessível. Porém, a sua fraqueza, é dobrada. Não percebem a complexidade de qualquer determinada situação no Tempo, na qual um ideal absoluto é enredado. Eles tendem a esquecer daquele elemento estranho no Mundo que nós chamamos de Piedade ou Clemência, que também é uma exigência absoluta em julgamento moral (uma vez que está presente na natureza Divina). Em seu mais alto exercício esta pertence a Deus. Para juízes finitos de conhecimento imperfeito esta deve conduzir ao uso de duas diferentes escalas de 'moralidade'. Para nós mesmos nós devemos apresentar o ideal absoluto sem compromisso, porque nós não conhecemos os nossos próprios limites de força natural, e se nós não apontamos para o mais alto cairemos desprovidos do extremo que poderíamos alcançar. Para outros, em todo caso dos quais nós sabemos o bastante para fazer um julgamento, devemos aplicar uma balança temperada por 'misericórdia': quer dizer, desde que possamos com boa vontade fazer isto sem o preconceito inevitável em julgamentos de nós mesmos, devemos estimar os limites da força do outro e pesar isto contra a força de circunstâncias particulares (nota 01).

    Eu não penso que Frodo foi um fracasso moral. No último momento a pressão do Anel alcançaria o seu máximo – impossível, eu deveria ter dito, para qualquer um resistir, certamente depois de uma longa possessão, meses de tormento crescente, e quando faminto e exausto. Frodo tinha feito o que ele pôde e se exauriu completamente (como um instrumento da Providência) e tinha produzido uma situação na qual o objeto da saga dele poderia ser alcançado. A sua humildade (com a qual começou) e os seus sofrimentos foram recompensados justamente pela honra mais alta; e o seu exercício de paciência e clemência para com Gollum obtiveram pra ele Clemência: o seu fracasso foi reparado.

    Nós somos criaturas finitas com limitações absolutas nos poderes da estrutura de corpo-e-alma em ação ou resistência. O fracasso moral só pode ser afirmado, eu penso, quando o esforço de um homem ou resistência cai desprovida de seus limites, e a culpa diminui enquanto esse limite é aproximado (nota 02).

    Todavia, penso que pode ser observado na história e na experiência que alguns indivíduos parecem ser colocados em posições de 'sacrifício': situações ou tarefas que para perfeição da solução demandam poder além dos seus limites extremos, até mesmo além de todos os limites possíveis para uma criatura encarnada em um mundo físico - no qual um corpo pode ser destruído, ou tão mutilado que isto afeta a mente e a vontade. O julgamento em tal caso deveria depender então dos motivos e disposição com que ele partiu, e deveria pesar as suas ações contra a possibilidade extrema dos seus poderes, ao longo de toda a estrada o que quer que tenha evidenciado o ponto-de-mudança.

    Frodo empreendeu sua expedição por amor - salvar o mundo que ele conhecia do desastre às suas próprias custas, se ele pudesse; e também em completa humildade, reconhecendo que ele era completamente inadequado para a tarefa. O seu real contrato era apenas fazer o que pudesse, tentar achar um caminho, e ir tão longe na estrada o quanto a sua força de mente e corpo permitissem. Ele fez isso. Eu mesmo não vejo que a sua mudança de opinião e vontade sob uma pressão demoníaca depois de tanto tormento fosse um fracasso moral mais do que a fratura do seu corpo teria sido - digamos, por ser estrangulado por Gollum, ou esmagado por uma pedra que caísse. Esse parece ter sido o julgamento de Gandalf e Aragorn, e de todos que tiveram conhecimento a história integral da sua jornada. Certamente nada seria omitido por Frodo! Mas o que o próprio Frodo sentiu a respeito dos eventos é realmente outra questão.

    Ele parece não ter tido nenhuma sensação de culpabilidade no princípio (III 224-5) (nota 01)1; ele foi restituído a sanidade e paz. Entretanto pensou que tivesse dado a sua vida em sacrifício: ele esperava morrer muito em breve. Mas não morreu, e pode-se observar a inquietação crescendo em seu íntimo. Arwen foi a primeira a observar os sinais e lhe deu a sua jóia para conforto, ela pensou em um modo de curá-lo (nota 03) . Lentamente ele enfraquece 'fora de cena', dizendo e fazendo cada vez menos. Eu acho que está claro na reflexão para um leitor atento que quando os seus tempos escuros o descobriram e ele estava consciente de ser 'ferido por faca, dente e um por longo fardo' (III 268) não foram só recordações de pesadelos de horrores passados que o afligiram, mas também o remorso sem motivo: ele viu a si mesmo e tudo o que ele tinha feito como um fracasso infringido: “Embora eu possa vir para o Condado, não parecerá o mesmo, porque eu não serei o mesmo.” Isso era de fato uma tentação da Escuridão, uma última centelha de orgulho: o desejo de ter retornado como um 'herói', não contente em ser um mero instrumento do bem. E isso estava misturado com outra tentação, mais negra e ainda (de certo modo) mais merecida, pois ainda porém essa pode ser explicada, ele não tinha de fato jogado fora o Anel por um ato voluntário: ele foi tentado para lamentar sua destruição, e ainda o desejava: “Se foi para sempre, e agora tudo está escuro e vazio”. Foram as palavras de Frodo, como se despertado da sua doença em 1420.

    “Ai de ti! Há algumas feridas que não podem ser completamente curadas”, Gandalf disse (III 268) - não na Terra-média, ao menos não na Terra-média. Frodo foi enviado ou lhe foi permitido passar através do Mar para se curar - se isso pudesse ser feito antes que ele morresse. Ele teria eventualmente que 'expirar': nenhum mortal poderia, ou pode, permanecer para sempre na terra ou dentro dos limites do Tempo. Então ele foi ao mesmo tempo para um purgatório e para uma recompensa, durante algum tempo: um período de reflexão e paz e uma obtenção de compreensão mais verdadeira da sua posição em insignificância e em grandeza, passado ainda no Tempo entre a beleza natural de 'Arda Não Desfigurada', a Terra não conspurcada pelo mal.

    Bilbo também foi. Sem dúvida como uma conclusão do plano devido ao próprio Gandalf. Gandalf tinha um afeto muito grande por Bilbo, da infância do hobbit em diante. Sua companhia era realmente necessária para o bem de Frodo - é difícil de imaginar um hobbit, até mesmo um que tivesse passado pelas experiências de Frodo, ser realmente feliz em um paraíso terrestre sem um companheiro da sua própria espécie, e Bilbo era a pessoa que Frodo mais amava. (nota 02) Mas Bilbo também precisava e merecia o favor em sua própria conta, ele ainda suportava uma marca do Anel que precisava ser apagada, um traço de orgulho e possessividade pessoal. É claro que ele estava velho e com a mente confusa, mas ainda era uma revelação da 'marca negra' quando ele disse em Valfenda: “O que é feito do meu anel Frodo que você levou?”; e quando lhe fizeram lembrar do que tinha acontecido, a sua resposta imediata foi: “Que pena! Eu teria gostado de vê-lo novamente”. Como para recompensa pela sua dor, é difícil sentir que a sua vida estaria completa sem uma experiência de 'puro Élfico', e a oportunidade de ouvir as lendas e histórias em todos os fragmentos dos quais o tinham encantado tanto.

    Está claro, naturalmente, que o plano tinha de fato sido feito e combinado (por Arwen, Gandalf e outros) antes que Arwen falasse. Mas Frodo não aceitou isto imediatamente; as implicações seriam compreendidas lentamente e com reflexão. Tal jornada pareceria no princípio não necessariamente algo para ser temido, até mesmo como algo para se esperar - longamente como algo não datado e adiável. O real desejo dele era como hobbit (e como ser humano) apenas 'ser ele mesmo novamente e voltar à sua velha vida familiar que tinha sido interrompida. Já na jornada de volta a Valfenda ele de repente viu que não era possível para ele. Por isso o seu clamor 'onde eu encontrarei descanso?'. Ele sabia a resposta, e Gandalf não respondeu. Como para Bilbo, é provável que Frodo não entendesse o que Arwen quis dizer no princípio 'ele não fará nenhuma jornada longa novamente exceto uma'. De qualquer modo não associou isto com o seu próprio caso. Quando Arwen falou (em 3019 da TE) ele ainda era jovem, não tinha 51 anos ainda, e Bilbo era 78 anos mais velho. Mas em Valfenda ele veio a entender as coisas mais claramente. As conversações que teve lá não são relatadas, mas bastante é revelado na despedida de Elrond III 267. (nota 03) 3 Do ataque da primeira doença (5 de Outubro de 3019) Frodo deve ter pensado sobre 'navegar', embora ainda resistisse a uma decisão final - ir com Bilbo, ou não ir. Foi sem dúvida depois da sua grave enfermidade em Março de 3020 que sua decisão foi tomada.

    Sam é tencionado para ser amável e cômico. A alguns leitores ele irrita e até mesmo enfurece. Eu posso entender bem isto. Todos os hobbits às vezes me afetam da mesma maneira, embora eu permaneça gostando muito deles. Mas Sam pode ser muito 'cansativo'. Ele é um hobbit mais representativo que quaisquer outros os quais nós vemos mais; e ele tem, por conseguinte um ingrediente mais forte daquela qualidade que até mesmo alguns hobbits consideravam às vezes difícil de agüentar: uma vulgaridade - pela qual eu não quero dizer uma mera 'concentração-no-territorialismo' - uma miopia mental que é orgulhosa de si mesmo, uma presunção (em graus variados) e convencimento, e uma prontidão para medir e resumir todas as coisas de uma experiência limitada, em grande parte sagrada em 'sabedoria' sentenciosa tradicional. Nós apenas conhecemos hobbits excepcionais em companheirismo próximo - aqueles que tiveram uma graça ou dom: uma visão de beleza, e uma reverência para coisas mais nobres que eles, em guerra com a sua satisfação pessoal rústica. Imagine Sam sem a sua educação por Bilbo e a sua fascinação com coisas Élficas! Não é difícil. A família Villa e o Feitor, quando os 'viajantes' retornam são um vislumbre suficiente.

    Sam era seguro, e no fundo um pouco convencido; mas a sua vaidade tinha sido transformada pela devoção a Frodo. Não pensava nele mesmo como heróico ou até mesmo valente, ou de qualquer forma admirável - exceto em seu serviço e lealdade ao seu mestre. Isso tinha um ingrediente (provavelmente inevitável) de orgulho e possessividade: é difícil de excluir isto da devoção daqueles que executam tal serviço. Em todo caso isso o impedia de compreender completamente o mestre que ele amava, e de segui-lo na sua educação gradual para a nobreza do serviço para os não amáveis e de percepção do bem danificado nos corruptos. Ele claramente não entendeu completamente os motivos de Frodo ou a sua angústia no incidente do Lago Proibido. Se tivesse entendido melhor o que estava acontecendo entre Frodo e Gollum, as coisas poderiam ter resultado diferentemente no fim. Para mim talvez o momento mais trágico no Conto chega quando Sam não nota a mudança completa no tom e aspecto de Gollum: “Nada, nada - Gollum disse suavemente - mestre bonzinho!”. Seu arrependimento é frustrado e toda a piedade de Frodo é (nota 04) perdida. A toca de Shelob se tornou inevitável.

    Isto é devido naturalmente à 'lógica da história'. Sam dificilmente poderia ter agido diferentemente. Ele alcançou o ponto de piedade afinal (nota 04)4 mas para o bem de Gollum tarde demais. Se tivesse ocorri antes, o que poderia ter acontecido então? O curso da entrada em Mordor e a luta para alcançar a Montanha da perdição teria sido diferente, e assim seria o fim. O interesse teria mudado para Gollum, eu penso, e a batalha que teria ocorrido entre o seu arrependimento e o seu novo amor em um lado e o Anel. Embora o amor tivesse sido fortalecido diariamente esse não poderia ter arrancado o domínio do Anel. Eu penso que de algum estranho e destorcido modo Gollum teria tentado (não talvez com desígnio consciente) satisfazer a ambos. Certamente em algum ponto não muito tempo antes do fim ele teria roubado o Anel ou teria tomado este através de violência (como ele faz no Conto real). Mas uma vez que a 'posse' fosse satisfeita, eu penso que ele teria se sacrificado pelo bem de Frodo e se lançado voluntariamente no abismo ígneo.

    Eu penso que um efeito da regeneração parcial dele por amor teria sido uma visão mais clara quando Gollum reivindicou o Anel. Ele teria percebido o mal de Sauron, e de repente percebido que não poderia usar o Anel e não poderia ter a força ou a estatura para manter este em insulto a Sauron: o único modo para manter este e ferir Sauron era destruir o Anel e a ele mesmo - e num instante pode ter visto que este também seria o maior serviço a Frodo. Frodo no conto na verdade toma o Anel e reivindica este, e certamente ele teria tido uma visão clara também - mas não foi dado nenhuma vez: ele foi atacado imediatamente por Gollum. Quando Sauron estava consciente da posse do Anel sua única esperança estava em seu poder: que o requerente estaria impossibilitado de renunciar a este até que Sauron tivesse tempo para lidar com ele. Frodo também então provavelmente, se não atacado, teria tido que tomar o mesmo caminho: lançar a si mesmo com o Anel no abismo, se não tivesse falhado completamente. É um problema interessante: como Sauron teria agido ou como o requerente teria resistido. Sauron enviou os Espectros do Anel imediatamente. Eles foram completamente instruídos, e de nenhuma maneira enganados quanto ao real domínio do Anel. Quem o usasse não seria invisível a eles, mas o contrário; e ainda mais vulnerável às suas armas. Mas a situação era agora diferente daquela sob o Topo do Vento onde Frodo agiu meramente em medo e desejou apenas usar (em vão) o poder subsidiário do Anel de conferir invisibilidade. Ele tinha crescido desde então. Os Nazgûl teriam sido imunes de seu poder se Frodo reivindicasse o Um Anel como um instrumento de comando e dominação?

    Não completamente. Eu não acredito que eles pudessem tê-lo atacado com violência, nem prendê-lo ou levá-lo cativo; eles teriam obedecido ou teriam fingido obedecer qualquer comando secundário dele que não interferisse com suas ordens – dadas a eles por Sauron que ainda pelos nove anéis deles (que ele possuía) tinha o controle primário de suas vontades. Aquela incumbência era remover Frodo da Fenda. Uma vez que ele perdesse o poder ou a oportunidade para destruir o Anel, o fim não poderia estar em dúvida - exceto pela ajuda de fora, que era muito remotamente possível.

    Frodo tinha se tornado uma pessoa considerável, mas de um tipo especial: em amplificação espiritual em lugar de em aumento de poder físico ou mental; a sua vontade era muito mais forte do que tinha sido, mas até então ela tinha sido exercitada em resistir não usando o Anel e com o objetivo de destruir este.

    Ele precisava de tempo, muito tempo, antes que ele pudesse controlar o Anel ou (o qual em tal caso é o mesmo) antes que ele pudesse se controlar; antes que a sua vontade e arrogância pudessem crescer a uma estatura na qual ele poderia dominar outras vontades hostis principais. Mesmo assim por muito tempo os seus atos e comandos ainda teriam que parecer 'bons' para ele, serem para o benefício dos outros ao seu lado. A situação como entre Frodo com o Anel e os Oito (nota 05) poderia ser comparada àquela de um pequeno homem valente armado com uma arma devastadora, enfrentado por oito guerreiros selvagens de grande força e agilidade armados com espadas envenenadas. A fraqueza do homem era que ele ainda não sabia usar sua arma; e ele era por temperamento e educação oposto a violência. A fraqueza deles era que a arma do homem era uma coisa que os enchia de medo como um objeto de terror no culto religioso deles, pelo qual eles tinham sido condicionados a tratar a pessoa que o empunhasse com servilidade.

    Eu penso que eles teriam mostrado 'servilidade'. Eles teriam saudado Frodo como 'senhor'. Com belos discursos o teriam induzido a deixar as Câmaras de Fogo - por exemplo para 'olhar no seu novo reino, e enxergar mais longe com a sua nova visão a residência de poder que ele deve agora reivindicar e desviar para os seus próprios propósitos'. Uma vez fora da câmara enquanto Frodo estivesse contemplando as terras de Mordor, alguns deles teriam destruído a entrada. Frodo teria até então sido já muito enredado em grandes planos de governo é reformas - tais maiores e mais amplos do que a visão que tentou Sam (nota 05)5 - para dar atenção a isto. Mas se ele ainda preservasse alguma sanidade e parcialmente compreendesse o significado destes acontecimentos e de forma que se recusasse agora a ir com eles para Barad-dûr, os Nazgûl teriam simplesmente esperado até que o próprio Sauron viesse. Em todo caso uma confrontação de Frodo e Sauron teria acontecido logo, se o Anel estivesse intacto. Seu resultado era inevitável.

    Frodo teria sido totalmente subvertido: esmagado na poeira ou preservado em tormento como um escravo murmurante. Sauron não teria temido o Anel! Este era propriedade dele e estava sob sua vontade. Até mesmo de longe ele tinha um efeito sobre este, para fazer este trabalhar para o seu retorno a ele. Na sua presença real nenhum senão muito poucos de mesma estatura poderiam ter esperado reter o Anel. Dentre os ‘mortais' ninguém, nem mesmo Aragorn. No confronto com o Palantír Aragorn era o dono legítimo. Também o confronto aconteceu a uma distância, e em um conto que permite a encarnação de grandes espíritos em uma forma física e destrutível o poder deles deve ser muito maior quando de fato fisicamente presentes. Sauron deveria ser considerado como sendo extremamente terrível. A forma que ele tomou era aquela de um homem de mais do a que estatura humana, mas não gigantesca. Na sua encarnação anterior ele era capaz de ocultar o seu poder (como Gandalf fazia) e poderia aparecer como uma figura dominante de grande força de corpo e comportamento e semblante supremamente reais.

    Dos outros somente Gandalf poderia dominá-lo - sendo um emissário dos Poderes e uma criatura da mesma ordem, um espírito imortal tomando uma forma física visível. No 'Espelho de Galadriel', aparece que Galadriel pensou em si mesma como capaz de empunhar o Anel e suplantar o Senhor Escuro. Nesse caso, assim também eram os outros guardiões dos Três, especialmente Elrond. Mas esta é outra questão. Era parte da falsidade essencial do Anel para preencher as mentes com imaginações de poder supremo. Mas isto os Grandes tinham considerado bem e tinham rejeitado, como é visto nas palavras de Elrond no Conselho. A rejeição de Galadriel da tentação foi fundada em pensamento prévio e resolução. Em todo caso Elrond ou Galadriel teriam procedido na política agora adotada por Sauron: eles teriam construído um império com grandes e absolutamente subservientes generais e exércitos e artefatos de guerra, até que pudessem desafiar Sauron e destruí-lo pela força. A confrontação de Sauron sozinho, sem ajuda, de pessoa para pessoa não era contemplada. Alguém pode imaginar a cena na qual Gandalf, digamos, fosse colocado em tal posição. Seria um equilíbrio delicado. Em um lado a verdadeira submissão do Anel por Sauron; no outro a força superior porque Sauron não estava de fato em possessão, e talvez também porque ele fosse debilitado pela longa corrupção e consumo de vontade em dominar os inferiores. Se Gandalf se evidenciasse o vencedor, o resultado teria sido para Sauron o mesmo que a destruição do Anel; para ele este teria sido destruído, levado para sempre. Mas o Anel e todas as suas obras teriam resistido. Este teria sido o mestre no fim.

    Gandalf como Senhor do Anel teria sido muito pior que Sauron. Ele teria permanecido 'íntegro', mas auto-íntegro. Ele teria continuado regendo e ordenando as coisas para o 'bem', e o benefício dos seus assuntos de acordo com a sua sabedoria (que era e teria permanecido grande).

    [O rascunho termina aqui. Na margem Tolkien escreveu: 'Assim enquanto Sauron multiplicou [palavra ilegível] o mal, ele deixou o ‘bem’ claramente distinguível deste. Gandalf teria feito o bem detestável e isso pareceria o mal.]

    Sua clemência salvou a demanda. Logo, ele salvou a TM. IMO.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. gelloneth

    gelloneth Usuário

    Frodo falhou Neithan ! Se conforme ! Primeiro de tudo que ele só chegou onde chegou por Sam e isso já tira grande parte do merecimento de Frodo SE ele tivesse concluido a missão. Segundo, que se Gollun não estivesse lá, Frodo não jogaria o anel no fogo e o que aconteceria ?? Falha !! Mas por nossa infeliz sorte, Gollun estava lá e conseguiu pegar o anel de Frodo e consequentemente concluir a missão que Frodo não conseguiu fazer sozinho.

    PS : Se conforme Neithan ! Pelo seu bem.

    Abraços
     
  3. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Frodo falhou por que levou Sam junto? Isso não é falha em lugar algum.

    Quem poupou a vida de Gollun? Quem escutou Gandalf e poupou um rato miserável da morte?

    Sua missão era de Destruir o Um e salvar o Condado. Frodo fez isso.
     
  4. Tuor

    Tuor Usuário

    Creio que Frodo em parte falhou sim, pois lá na hora quis o Anel pra si. Sim, é claro que aquele local foi o ponto crucial na decisão de Frodo, pois pelo que parece, o Anel se tornou mais tentador do que nunca. Mas de alguma forma ele falhou. Ele não falhou na missão de chegar a Mordor, mas falhou na missão de destruir o Anel. Foi por isso que Tolkien colocou Gollum pulando tanto que caiu. Ou seja, foi por acaso que o Anel foi destruído. O que salvou a Terra-Média foi o escorregão de Gollum: foi o acaso. Mesmo assim Frodo é tido como herói, pois chegou muito longe. Mas não podemos negar que lá na hora ele falhou.
     
  5. Lyvio

    Lyvio Usuário

    Não neithan, frodo não fez isso que fez isso foi o gollum, o grande herói na terceira era foi o gollum, mesmo que contra a sua vontade, na beira do abismo da montanha da perdição frodo se recusou a arremessar o um e detrui-lo de vez, claro que todo o seu sofrimento pode levar alguns a ter peninha dele, mas na minha ótica apesar de tudo frodo falhou sim, ele que foi o escolhido para levar e destruir o fardo, a segunda e mais importante ele não completou, pos o anel no dedo e voltou, disse que o anel era dele e de amis ninguém, sucumbiu a tentaçlão do um e se gollum não aparecesse naquele momento tudo estaria perdido, a demanda tinha falhado e os outros nos grandes portões negros sucumbiriam, em seguida os nazguls já se dirigiam para lá matariam frodo e sam tomariam o anel e fim, saurom retornaria e a terra média cairia em trevas mais uma vez.
     
  6. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Como assim falhou na destruição do Um? O Um foi destruido certo?

    :roll:

    O que significa pra você a palavra herói? Defina por favor.
     
  7. elrohir99

    elrohir99 Banned

    Vendo as coisas de outro prisma, ele não consegui a 100 % pois no fim ele não fez o que lhe estava destinado, no fim teve de ser outro da mesma raça, não se esqueçam que o verdadeiro herói acidental é o gollum. Gollum é o verdadeiro herói desde o inicio.
     
  8. Tuor

    Tuor Usuário

    Sim, e eu acabei de explicar! O Um foi destruído, mas por acaso! Se Gollum não aparecesse lá, Frodo destruiria o Anel? Duvido muito. Do jeito que as coisas estavam, e como Frodo agiu, provavelmente não destruiria o Anel. Gollum foi necessário pra tomar o Anel de Frodo e tentar fazê-lo acordar. Mas se Gollum pegou o Anel, ele destruiria? Também não. Por isso foi necessário ele cair por acidente. Só assim a Terra-Média seria salva.
     
  9. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Ótimo, mas quem levou Gollum até lá? Quem teve piedade e clemência suficientes para não matar Gollum?
     
  10. Tuor

    Tuor Usuário

    Foi o que eu disse: Frodo não falhou em tudo o que fez para destruir o Anel...até Orodruin! Ou seja, Frodo não falhou. Mas de certa forma isso aconteceu: onde? Em Orodruin! Ele não falhou em ser o portador e ser tentado até chegar em Mordor. Mesmo o Anel tendo dominado ele por completo na Montanha da Perdição, ele acabou falhando, mesmo que aquilo tivesse acontecido sem ele querer.
     
  11. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Mas, na Oroduin, Tolkien diz que ninguem conseguiria destruir o Um por vontade própria! Apenas alguem mais forte que Saurom (somente os valar, já que Saurom era considerado o mai mais forte de todos...embora tenha minnhas dúvidas...tipo Eonwë...) conseguiria isso. E ninguem, a não ser Frodo teria chegado lá.
     
  12. Tuor

    Tuor Usuário

    Mesmo Frodo não tendo agido por vontade própria, ele acabou falhando em não destruir o Anel. E após o que você disse, então só se pode dizer que todo mundo que fosse até Orodruin tentar destruí-lo, falharia, exceto pelos que você disse! É claro que ele não falhou em levar o Anel tão longe, e isso está mais do que claro; e é claro que ele foi a ponte para a destruição do Anel, pois só precisava de algo para que ele fosse destruído; mas de certa forma falhou...
     
  13. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Como assim de certa forma? Ele foi até a montanha; o Um foi destruído por Gollum, que foi poupado por Frodo...
     
  14. Tuor

    Tuor Usuário

    Neithan, eu acredito que ele concluiu 99% de sua missão. Isso está mais do que claro. Mas é inegável que ele não cumpriu 1%. Mesmo sendo praticamente impossível ceder ao Anel ali onde foi criado, ainda assim é uma falha, mesmo que Frodo tenha agido da forma que agiu. E o Um não foi destruído por Gollum: foi pelo tropeço de Gollum. Gollum não destruiria o Anel se não tivesse caído. É claro que de uma forma ou de outra, foi ele que destruiu, mas foi somente pelo tropeço.
     
  15. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Gente...99% não está bom? E leia o segundo parágrafo, sobre sua piedade com Gollum, e a idéia de Tolkien sobre seu heroísmo.

    "Frodo realmente 'falhou' como um herói, na forma como o herói é concebido por mentes simples: ele não suportou até o fim; ele cedeu, esquivou-se. Não uso o termo 'mentes simples' com desprezo: eles freqüentemente vêem com claridade a verdade simples e o ideal absoluto para os quais o esforço deve ser dirigido, até mesmo se for inacessível. Porém, a sua fraqueza, é dobrada. Não percebem a complexidade de qualquer determinada situação no Tempo, na qual um ideal absoluto é enredado. Eles tendem a esquecer daquele elemento estranho no Mundo que nós chamamos de Piedade ou Clemência, que também é uma exigência absoluta em julgamento moral (uma vez que está presente na natureza Divina)."
     
  16. Lyvio

    Lyvio Usuário

    Foi polpado exatamente por que sabia como entrar em mordor despercebido, frodo e a comitiva inclusive aqueles que vocês falam O mais Sábio de todos o gandalf, também achava que ele conseguiria, e o mandou para lá sabiam do risco mas viram que frodo tinha força de vontade, mas no final ele titubeou e o golum teve que entra em ação para findar com a demanda, quanto ao de certa forma eu cocnordo com o alisson, digamos que frodo foi 95% responsável pela destruição do um, mas ele falhou por que ele tinha que ser 100% e numa situação como aquela não se admite menos que 100%.
     
  17. Aracáno Elessar

    Aracáno Elessar Nietzsche

    Salvou a Terra-Média, concordo. Mas falhou.
    Sua demanda, a priori, é destruir o Um Anel, e nisso ele falhou. Por sua "sabedoria", seus impulsos que o levaram a perdoar Sméagol salvaram Endor, de fato, mas em sua demanda, de jogar o Um Anel nos fogos de Orodruin, ele falhou.

    Abraços.
     
  18. Syd Barrett

    Syd Barrett Shine on you,

    Frodo salvou a Terra Média mas não por mérito próprio...Ou seja, falhou.
    Primeiramente, Gandalf, Aragorn, Sam, e todos os outros mebros da Comitiva do Anel o ajudaram, pois, Frodo fraquejou diversas vezes, e se não tivesse ninguém ao seu lado teria ficado com o anel ou morrido...
    Exemplo básico: Nas fendas da Perdição...Ele negou a destruição do Um anel, se não fosse pelo Gollum cair com o Anel, acho que ele ( Frodo ), não o entregaria de livre e espontânea vontade...
     
  19. Bagrong

    Bagrong RaG

    Oras, o Anel acabou destruído, Gollum morreu, Sauron escafedeu-se, todo mundo ficou feliz no final. A missão que Frodo tinha não falhou, por mais que ele não tenha atirado o Anel por vontade própia.

    Frodo tinha o objetivo único de destruir o Anel de Sauron. Ele conseguiu levar esse fardo tão pesado por todo um caminho bem espinhudo e ficar cara-a-cara com as Montanha da Perdição. No final, o Anel só caiu por causa das escolhas que ele fez ao longo da vida (poupar Gollum, levar Sam consigo, etc). A missão foi cumprida, não importa se com ou sem obstáculos, fraquejos, dúvidas ou coisas do tipo. Se o que precisava ser feito foi feito, ele não falhou.

    Sabe, destruir o Anel não era um joguinho com regrinhas como "Se você não jogar sozinho o Anel, não vale!". Isso era um objetivo, algo a ser alcançado, não importa como. O Anel caiu das mãos de Frodo porque Gollum mordeu-lhe o dedo, podia ter caído porque ele jogou ou porque um elefante voador deu-lhe uma trombada na mão. Não faz diferença se o objetivo final foi cumprido.
     
  20. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    Frodo fraquejou quantas vezes? E desde quando ter companheiros para ajudar é falahar?
     

Compartilhar