1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Frank Miller

Tópico em 'Quadrinhos' iniciado por V, 4 Jul 2003.

  1. V

    V Saloon Keeper

    Eu tava arrumando minhas HQs aqui e percebi que eu tenho coisa pra cacete do Frank Miller. Tenho mais coisa do Frank Miller do que do Alan Moore, pra falar a verdade. Então eu pensei, whattahell. Vamos falar de Frank Miller.

    Miller é muito talentoso, sem dúvida. É um dos melhores autores do mundo, quando ele tenta. Pena que ele tenha tentado tão pouco ultimamente. O fato é que o Miller é um cara de altos e baixos. Ao passo que ele já fez coisas brilhantes (O Cavaleiro Das Trevas, Liberdade), ele também já fez muita merda (DK2, Batman x Spawn). (Tenho certeza de que esse último parágrafo foi idêntico a um post antigo meu, mas tudo bem, falha na Matrix.)

    Bem, uma coisa não se pode negar: ele tem um estilo único, tanto na escrita quanto na arte.

    Eu não quero dar muitos exemplos no texto inicial, porque abri esse tópico com uma idéia definida: fazer dois Top 5 do Miller, um como escritor e um como artista, porque eu sabia os dois conteriam obras completamente diferentes.

    Uh...

    As melhores obras de Frank Miller (como escritor):

    1- O Cavaleiro Das Trevas (The Dark Night Returns)

    O Cavaleiro Das Trevas foi a obra que deu início à Era Moderna dos quadrinhos ocidentais. Embora Watchmen tenha revolucionado numa escala mais literária, OCDT revolucionou mais no mundo das próprias HQs, porque veio antes e porque mostrava um dos ícones da DC sob uma abordagem completamente diferente e ousada. A história é impressionante, selvagem, sombria e caótica, e a linguagem seqüencial usada é bastante revolucionária, e quebra vários dogmas há muito estabelecidos (quem disse que não dá pra colocar 16 quadros numa página? - se eu não me engano ele coloca mais). Miller também faz a arte, que é boa, mas não brilhante. Ele ainda não tinha definido bem o estilo dele aqui.

    2- Liberdade (Give Me Liberty)

    Essa é talvez a história mais bem escrita do Miller, embora os fãs mais hardcore costumem discordar veementemente dessa minha afirmação. O fato é que o estilo foge bastante do que o Miller costuma escrever. Mas eu adoro, foi uma história que me cativou desde o começo, e que eu já li várias vezes. É bastante simbólica, e a ambientação sci-fi "pós-apocalíptica" (embora esse seja um termo apenas aproximado) é muito interessante. Tem arte de Dave Gibbons.

    3- Sin City

    Das coisas mais recentes, é a única digna de nota (fora uma revista chamada "Tales To Offend", da qual eu nunca tinha ouvido falar e achei por acaso na banca, que é uma das coisas mais engraçadas que eu já li, além de ter uma crítica contundente à censura).

    Pra representar Sin City, vamos pegar That Yellow Bastard, que é a melhor história indubitavelmente. É como um (bom) livro policial, mas com um clima pulp e uma narrativa que ao mesmo tempo em que é cinematográfica, apresenta elementos de HQ meio retrô (como as onomatopéias) e uma linguagem que transborda estilo; estilo esse que é completamente característico do Miller, e aqui ele funciona muito bem.

    They set him up for a fall, dropped him behind bars, and took away his life. But when they went after the girl, they went too far.

    Phoda. 8-)

    4- Demolidor - A Queda De Murdock

    Eu pensei em falar das histórias do Demolidor com a Elektra, ou De "O Homem Sem Medo", mas putz. "A Queda" foi a saga onde o Miller realmente acertou com o Demolidor. Ele misturou uma história de máfia com o velho conto do herói/vilão de uma forma nova e viva para os dois gêneros. Nunca o Rei do Crime foi tão implacável. Nunca o ódio do Murdock pelo Fisk foi maior, e nunca o Demolidor foi posto à prova de tal forma. E quando a gente acha que já aconteceu de tudo, ele me coloca uma participação especial dos Vingadores, que até quem não gosta do grupo tem que admitir que ficou assim: 8O

    Arte (animal) de David Mazzucchelli.

    5- Batman - Ano Um (Batman - Year One)

    "Da época onde as reformulações davam certo" ou "A história que John Byrne daria um braço pra ter feito com o Super-Homem, o Namor, o Homem-Aranha... :roll: "

    Ou, como eu prefiro dizer, "A prova definitiva de que o Comissário Gordon é um dos melhores personagens da DC".

    Arte do Mazzucchelli também.
    _____________

    Hm,

    As melhores obras de Frank Miller (como artista):

    1- Elektra Vive (Elektra Lives Again)

    Muito do mérito vai pra Lin Varley (esposa e colorista do Miller - conveniente, não?), que fez um trabalho excepcional, mas mesmo assim é a melhor coisa que o Miller fez, em termos de arte. Ali ele conseguiu achar o estilo que ele tava procurando há anos. A narrativa é incrível, (como sempre ele não economiza painéis grandes nas cenas de ação, embora aqui eles estejam mais bonitos que o normal), os cenários estão trabalhados e estilizados na medida certa... é simplesmente muito bonito de se olhar. Me lembra muito quadrinhos europeus, inclusive, o que é mais um motivo pra colocar em primeiro (lembrando que essa lista é a minha opinião).

    2- Sin City

    Vamos pegar novamente That Yellow Bastard como exemplo. Bom, porque colocar Sin City logo em segundo? Simplesmente porque o Miller é mestre no alto contraste. Não que ele seja o mestre (Brian Steelfreeze ainda domina mais o estilo), mas ele conseguiu achar uma forma em que a arte dele funciona de maneira simples, para que ele pudesse se concentrar mais na narrativa, sem perder a beleza.

    3- Os 300 De Esparta (300)

    Muito bonito, ele usa muito bem as sombras, mas em termos de Miller/Varley eu gosto mais de Elektra Vive.

    4- Ronin

    Eu gosto porque é bastante experimental, e tem gente que odeia justamente por isso. Mas o que seria do amarelo se todos fossem daltônicos?

    5- O Cavaleiro Das Trevas (você já leu o nome original lá em cima)

    Porque foi uma revolução em termos de narrativa e eu precisava completar a lista.
     
  2. Gildor

    Gildor Usuário

    V, quando vi o tópico achei que você ia falar também do seu "Bottom 5", e aí incluir a tão famosa e malfadada "Batman vs Spawn". Cara, eu reconheço que não é uma das grandes HQs do Batman que eu tenho, mas... não achei tão ruim assim. A pancadaria é razoável e alguns diálogos são engraçados... mas a narrativa é medonha em alguns trechos. :lol:

    Mas falando de coisas positivas, eu adoro Frank Miller. Só o fato dele ter feito as duas melhores histórias envolvendo meu personagem preferido é suficiente pra declarar minha admiração eterna a esse cara. :grinlove:

    Da lista aí de cima, tenho as do Batman (obviamente), Sin City (todos eles) e A Queda de Murdock (que também acho a melhor história do Demolidor). Quando vi Ronin na banca, tinha só o nº2 - que eu comprei assim mesmo, pra ler quando um dia achar a 1ª parte. 8-)
     
  3. Primula

    Primula Moda, mediana, média...

    Miller para mim é uma incógnita... funciona como supervilão maluco - ele faz coisas inesperadas... às vezes eu ovaciono às vezes dá vontade de pedir o dinheiro de volta.

    Mas como V disse, não podemos questionar que Miller é soda e que faz parte do panteão dos grandes talentos recentes dos quadrinhos.

    Uma das minhas preferidas é aquela que mais não entendi (até hoje) que é Give me Liberty... tá meio picotado as edições que tenho em casa (eram em português?) e meio que parece que tou sonhando sempre com aquela bonequinha de pano. Não grilem... podem me explicar quantas vezes quiserem, sempre vai ter algo lá no fundo de mim que não vai entender essa minisérie... acho que por isso sempre volto pra ela :mrgreen: :lol:

    Sin City pra mim é um dos pecados mortais que eu não cometi por falta de verba. Um dia... um dia :osigh:
     
  4. Lukaz Drakon

    Lukaz Drakon Souls. I Eets Them.

    Frank Miller é foda. :mrgreen:

    Eu até queria dizer alguma outra coisa mas vocês já disseram tudo. Um artista excepcional com altos muito altos e baixos muito baixos. Eu li muito pouco dele, mas pelo menos foi da parte boa.

    1 - Dark Knight
    2 - Queda de Murdock
    3 - 300 de Esparta

    Eu quero ler Sin City o mais rápido possivel, mas falta grana.

    Vai ser relançada. Eu fui a uma Comic Shop aqui e tinha chegado um folheto de propaganda (pra própria loja, nem era pros clientes) dizendo que Ronin ia voltar. :obiggraz:
     
  5. V

    V Saloon Keeper

    Já voltou, Lukaz. Já tá no #2. :roll:

    Hm, se bem que aí no Oeste o tempo se move de maneira diferente... :think:

    :lol:
     
  6. Guilbor

    Guilbor Old Man

    Parece uninanimidade aqui em achar o Miller um baita artista (leia-se FpK).

    Das obras dele, como roterista gosta de:

    Cavaleiro das Trevas 1
    Demolidor - A queda de Murdock
    Batman Ano Um

    São otimas historias

    Dos desenhos dele, gosto de

    Elektra vive
    300 de Esparta

    Infelizmente eu não posso falar de Liberdade pq nunca a li ( :doh: ) e Sin City que ja cheguei a folhear na banca mas não pude comprar nada da serie. ( :mad: ) Espero conseguir no futuro..... :pray:

    Agora faço uma ressalva qto ao Miller que apesar de ter feito gdes historias e ser um dos maiores artistas de quadrinhos, ele ele as vezes faz umas porcarias.... Vide Cavaleiro das Trevas 2 :puke:
     
  7. Garth Blackwood

    Garth Blackwood Dragon Highlord

    Infelizmente, não posso falar sobre Elektra Vive, ou Liberdade, porque ainda não li, mas todas as outras acima citadas são ótimas estórias. As que mais gostei são:

    DEMOLIDOR - O HOMEM SEM MEDO
    DEMOLIDOR - A QUEDA DE MURDOCK
    OS 300 DE ESPARTA
    DARK KNIGHT
     
  8. Heruost

    Heruost Banned

    Eu sou suspeito... Só gostei do Frank Miller como roteirista... Sinceramente, não gosto dele como artista.. Acho o cumulo da "sujeira"grafica, Ronin, cuja arte achei confusa pra kct.... O roteiro é bom mas a arte é um lixo.. Custa-me acredityr q é o mesmo cara.... Já em DK e DK2, a arte é legal....
     
  9. Fox

    Fox Visitante

    Eu gosto da arte do Frank Miller em geral. tudo exceto os rostos. Acho feio pra burro. Mas em Elektra Vive, o Murdock não parecia um saco de batata murcho às vezes, o que já me deixou feliz. :lol:

    Ainda em Elektra Vive, acho que ele fez uma ótima arte com os ambientes da revista. O Murdock meio neurótico descendo as escadas do apartamento dele foi demais. :)

    Em Sin city, acho os desenho muito bons, exceto mesmo pelo Grande Matança, onde notei uma queda de qualidade por ser tracejado demais. Eu acho que simplesmente me incomodei com o abandono da marca registrada da série, que era o alto contraste. :think:

    Eu não gosto da arte do Ronin porque achei simplesmente feia mesmo.
    V, me faz um favor. Pode especificar exatamente as inovações dele nesse trabalho?
     
  10. Waters

    Waters Usuário

    Frank Miller é um grande artista sem dúvida, poderoso na narrativa, as histórias que ele escreve são totalmente magnéticas não dá pra parar de ler, me lembro que li O Cavaleiro das Trevas de uma tacada só tamanha a tensão página após página que o Miller transmitia (aqule confronto com o coringa no parque é incrível), e ainda considero este o seu melhor feito e uma das melhores Hq's que eu já li.

    O trabalho com o demolidor foi coisa de gênio tb, o cara virou a vida de um personagem de cabeça pra baixo, transformou o Mercenário em um dos piores vilões da Marvel e criou passagens incríveis, como a morte de Elektra e o confronto de Murdock com o mercenário na igreja em Elektra Vive, um momento incrivelmente bem desenhado, aliás como já foi dito a arte desta Graphic Novel é um exemplo perfeito de como o estilo do desenho deve combinar com o ritmo da história. Até mesmo o escroque do Capitão América ficou potencializado nas mãos de Frank em a queda de Murdock, aliás aquele momento que ele apareçe junto com o Thor e o Homem de Ferro no meio do confronto entre demolidor e bazuca é mágico, ressaltou muito o espírito lendário dos personagens clássicos da Marvel.

    Mas nem tudo é perfeito com o Miller, 300 de Eesparta tem uma arte magnífica mas a história ficou maniqueísta e DISTORCIDA do ponto de vista histórico.

    DK2 ficou caótica demais, muito desleixada com excesso de informações.

    É um artista com muitos altos e baixos, por isso ainda prefiro o Moore, que é bem mais regular.
     
  11. Fox

    Fox Visitante

    Sim sim. Falando ainda da mesma história, só eu tive a impressão forte de que nada daquilo aconteceu de verdade? :eek:

    Na verdade, o Capitão estava bem bundão mesmo, intencionalmente. Para poder fazer um parâmetro entre ele (o sonho americano) e o Bazuca (a realidade americana).

    A intenção aí foi muito boa, mas executada medianamente e muito fora de contexto. Porque diabos eles enfiaram toda essa presepada de Vingadores na Queda de Murdock? :?

    Tsc. Arrancam-se essas páginas e o resto da história se mantém completamente coesa e boa.

    Maniqueísta? Os espartanos não foram mostrados como bonzinhos na história em nenhum momento. :eh:

    E criticar qualquer obra devido a esse tipo de distorção só é válido se a proposta exige isso. :stop:
     
  12. Waters

    Waters Usuário

    taí uma coisa que eu tb fiquei na dúvida, toda aquela revista tem um clima distante, como que nunca aconteceu na vida de Murdock, como se fosse um pesadelo, se não me engano a história se passa antes de A queda de Murdock, apesar de ter sido publicada depois, e não sei se teve consequencias na cronologia do Demolidor.

    Na verdade a intenção do Miller foia mesma que teve quando inseriu o super-homem em O Cavaleiro das Trevas, ele não quis isolar a história e pegou personagens alternativos para dar uma dimensão e importância maior para história. Não achei que ficou fora de contexto, afinal um evento como aquela batalha em NY não podia deixar de chamar a atenção de outros heróis. E e aqeule momento que o Homem de Ferro ameaçou incinerar o Murdock foi muito classudo, genial.

    Não foi maniqueista neste sentido, pois o Frank retratou os espartanos realmente de forma dura, mas quando ele mostra os mesmos como salvadores únicos da grécia é uma grande mentira, quando se sabe que os Atenienses (que na revista são retratados como covardes) foram os principais responsáveis pela derrota dos persas.

    E realmente não sei se a proposta do Miller foi mostrar a história como realmente aconteceu, mas eu não pude desvincular uma coisa da outra e isso me incomodou um pouco.
     
  13. V

    V Saloon Keeper

    Sim, exatamente. E esse momento foi realmente animal. O Homem de Ferro detona. 8-)
     
  14. Fox

    Fox Visitante

    Sim, isso também.

    Mas além do Murdock já estar bem neurótico com a morteda elektra, ele ainda tomou aquele Lexotan ou Prozac ou sei lá o que de tranquilizante.

    A partir daquele momento, não sei mais o que aconteceu de verdade e o que foi só na cabeça dele. :eek:

    Fala sério, ele tava muito despirocado. :lol:

    O que pra mim foi bem parecido com o que tentou fazer com Capitão América, só que de forma muito mais grandiosa e rebuscada.

    Eu me referia a tudo, do momento em que o Rei do Crime convocou o Bazuca até o ponto onde mostrou o Capitão todo bolado com a deterioração do sonho americano.

    Aquilo tudo poderia ter sido usado numa história dos próprios Vingadores ou numa mini-série bacaninha. Não precisava ter colocado dentro da história do Demolidor. :?

    Genial nem tanto. Mas tá bom vai, eu também gosto do Homem de Ferro. :roll:

    Nada disso foi desmentido. A visão fraca dos Atenienses é apenas o ponto de vista rígido dos espartanos.

    A história da HQ não diz em momento algum que aquilo é o golpe derradeiro contra os persas. Nem ao menos diz que foi um golpe lá muito eficiente.

    Só serviu mesmo pra dar uma segurada neles e também pra servir de história inspiradora. Serventia essa aproveitada pelo Dilios ao contar a história do sacrifício dos 300.

    História glorificada em nome do governante dele, Leônidas, a quem ele era fiel pacas e também ao povo dele, os espartanos, que ele amava mesmo.

    O Frank Miller colocou ali o ponto de vista espartano apenas, então é claro que ele é glorificado, já que é contado por um deles. Tanto que fica parecendo o ponto de vista geral da história.

    Essa é uma qualidade de roteiro do Miller. Ele sabe trabahar bem com os pontos de vista. 300 de Esparta, Elektra Vive, Cavaleiro das Trevas...

    Todos esses parecem visões gerais, mas na verdade são pontos de vistas bem parciais de uma história talvez mais ampla. 8-)
     

Compartilhar