1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Folha de goiabeira

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Haleth, 17 Mar 2011.

  1. Haleth

    Haleth Call me Bolga #CdLXI

    - Vamos brincar de doente? – sugeriu o irmão do meio, sem muita ênfase, só pra se ocupar com alguma coisa. Mas poucos segundos depois sentiu-se o mais esperto do mundo, porque viu que sua idéia fez brilhar os olhos da irmã mais velha.

    - Isso! Eu sou a mãe que coloca a rodela de batata gelada na testa, o Marquinho é o pai doente e você é o filhinho que fica de olho arregalado na beira da cama. Vai, Marquinho, deita ali perto da areia.

    O irmão mais novo foi para o local indicado arrastando os pés. Já há alguns dias andava assim, amuado, quietinho, meio mole, só aceitou brincar porque seu papel era ficar deitado na grama pegando sol.

    A irmã correu até a goiabeira pra pegar umas folhas que seriam as batatas geladas. Enquanto isso, o irmão do meio descalçava os sapatos para ficar mais confortável sentar sobre os pés.

    - Pronto, voltei. Agora, Marquinho, você diz ai…ai… aaai…

    - Não quero dizer nada…

    - Tem que dizer, ué. Era assim que o papai fazia, você tem que fazer igual.

    Marquinho olhou pra ela e ficou calado. A irmã deu de ombros e continuou a brincadeira.

    - Ah, meu Deus, ele está ardendo em febre! Filho, vai lá na cozinha e me traz uma vasilha com água da geladeira, rápido. Essas batatas já estão ficando quentes.

    - É pra ir de verdade?

    - Não, né? De mentirinha, só. Finge que seu sapato é a vasilha, vai ali na margarida e finge que ela é a garrafa, vai. Amor, ainda tá doendo muito?

    Com muito carinho e delicadeza, tirou as folhas de goiabeira da testa de Marquinho, pôs a mão a sentir a temperatura, e continuou sussurando “Ai, meu Deus, ajuda ele…”. Voltou o irmão do meio.

    - Aqui está mamãe. Olha, eu coloquei essas pétalas pra fingir que é a água, tá bom?

    - Não, então deixa a pétala ser o gelo. Obrigada, meu filho. Agora vai lá pra fora brincar com seus irmãos mais velhos.

    - Tá bem, obrigada, mãe.

    - Não, não é assim. Você tem que ficar. Lembra que o Marquinho ficava lá com eles o dia todo? Você é o filho mais novo, o mais novo tem que ficar sentado no pé da cama.

    - Ah, não, eu quero ser eu…

    - Depois a gente brinca você sendo você. Agora você é o Marquinho e o Marquinho é o papai.

    - Ai… ai…

    - Olha! O Marquinho resolveu brincar! Isso, Marquinho, mas fala mais alto.

    - Mãe…

    - Não, eu sou a mãe, mas como você é o papai, você tem que me chamar de amor, ou então de Carlita.

    - Ai… mãe…

    - Não é assim, Marquinho!

    Ela respondia o irmão enquanto misturava as folhas de goiabeira com as pétalas de margarida dentro do sapato do outro.

    - Você tá mesmo parecendo a mamãe, mana. Só falta deixar o cabelo cair assim, de lado.

    - Ai, mãe…

    - Vc acha? É “amor”, Marquinho… O que foi, meu amor? Bebe um pouquinho de água. Eu preciso tirar esse cobertor, deixa, vai… Olha, a batata tá geladinha de novo, vou colocar na sua testa.

    O irmão do meio tentava fazer cara de triste, mas o franzido da testa não durava muito tempo, então começou a mexer nos dedos dos pés, olhando pra eles. De vez em quando olhava os dois irmãos, que tão bem interpretavam seus papéis, e voltava a se concentrar nos dedos, pra interpretar à altura.

    - Ih, o Marquinho dormiu. Acorda ele.

    - Não, deixa ele dormir, meu filho. Seu pai precisa descansar – disse a irmã, que não gostava de interrupções realistas no meio da brincadeira.

    A mãe de verdade, Carlita, saiu na porta da frente à procura das crianças, e estancou ao vê-los.

    - O que vocês estão fazendo?

    - Estamos brincando de doente, mamãe – respondeu a mais velha, assustada.

    - Parem agora com isso! Eu não quero saber dessa brincadeira, estão ouvindo? Levantem os três já e vão lavar as mãos. O lanche de vocês está pronto.

    Os mais velhos deram um pulo e saíram andando rápido com medo de mais bronca.

    - Ei, calça seu sapato, mocinho. Marcos, levanta, você já ouviu a mamãe, não me faça te chamar de novo. – Dizendo isso, deu as costas e foi andando pra dentro de casa. Antes de entrar, percebeu que o garoto não se moveu. Estranhou.

    - Marcos! Levanta logo! Um… Dois…

    Os outros filhos nem chegaram ao banheiro. Ouvindo que Marquinho levaria bronca, voltaram pra ver, rindo baixinho. A mãe afastou nervosamente as folhas de goiabeira da testa do filho, e sentiu-as quentes. Talvez fosse porque ela esteve mexendo na água, a percepção é sempre diferente.

    - Marcos, levanta, agora a mamãe tá pedindo com carinho. Vem, meu filho.

    Pegou o menino pelo braço, e o bracinho não ofereceu qualquer resistência, apenas pendeu mole. O coração de Carilta começou a perder o compasso.

    Vendo a demora na bronca, os filhos foram se aproximando de Carlita, e já perguntando o que estava acontecendo. Quando a mãe levantou, a filha viu passar rapidamente em seu rosto o mesmo tom cinza do dia em que a encontrou no quarto beijando a testa do pai e fechando-lhe os olhos com as mãos. O cabelo farto caiu de lado da mesma maneira também, só que em outra direção. Apressada, Carlita foi se dirigindo ao armazém.

    - Mãe, era só brincadeira – disse, num começo de pânico, a menina. – Marquinhos, não ouviu a mamãe chamando? Tem sanduiche de presunto pra gente, vem…

    - O que tá acontecendo? – perguntou o do meio, chegando atrasado.

    - Marquinho… Anda… – a filha já tinha lágrima nos olhos. Abaixou-se pra sacudir o irmão, e ele não reagiu. – Mano, me ajuda a acordar o Marquinho, rápido… Marquinho…

    A essa altura os dois já choravam, o irmão do meio não sabia bem por quê, mas chorava assim mesmo. Souberam, pelo som dos passos, que a mãe voltava. Afastaram-se do irmão e com terror fitaram Carlita, uma leoa, com olhar resoluto e chispante. A mãe repetia de si pra si que uma viúva não pode perder a compostura, e prosseguiu até junto das crianças. Abaixou-se e tomou o Marcos nos braços, ouvindo a filha insistentemente dizer que ele estava só brincando, até aiai ele dizia há poucos minutos. Mas seu mantra de viúva não a deixava ouvir nada, continuou andando para os fundos do terreno, onde uma pá a esperava.

    - Mãe, não faz isso com ele, ele tá fingindo, é tudo mentirinha, mãe!

    A filha esperneava sem fim. Carlita, com uma força e destreza quase animalesca de tão sobre-humana, fazia a cova ganhar fundura sem demora. Evitava olhar para o lado, pois a terra que cobria o corpo do marido ainda não tivera tempo nem de deixar crescer uma erva daninha. Apenas algumas folhas de goiabeira cobriam a nudez do solo, já secas e esfareladas. O irmão do meio chorava, mais por estar assustado do que por compreender o que se passava.

    Tomando o filho amolecido nos braços, sob os protestos da mais velha, Carlita deitou-o na fundura da terra fria com cuidado. Apenas beijou-lhe a testa, pois não foi necessário fechar-lhe os olhos. Repetia em sua mente que uma viúva não pode perder a compostura, saiu de dentro da cova e respirou fundo. Com as mãos, começou a empurrar a terra pra cima daquele pequeno corpo, sem contudo olhar pra ele.

    - Mãe, não enterra o meu irmão!

    Carilta continuava indiferente aos gritos da menina, e pouco a pouco, Marquinhos ia se ocultando. Primeiro os pés, depois os joelhos, o peito. De súbito, a irmã se calou e fraquejou as pernas. A mãe nem se apercebeu desse silêncio repentino, e em pouco tempo, já não se via mais o menino. A filha estava atônita, não conseguia articular nenhuma palavra, o mais novo chorava finalmente entendendo os fatos. Terminado o enterro, Carlita acolheu os dois no colo e levou-os para dentro. Nunca mais tocaram no assunto.

    Vinte e nove anos se passaram desde então, mas até hoje a filha treme quando vê alguém acordar. Ela acredita, com toda a força de sua inocência sepultada, que Marquinhos abriu os olhos antes que a terra, misturada com folhas de goiabeira, caísse em seu rosto infantil.
     
  2. Que agoniante. Principalmente pq - não sei pq - fiquei acreditando que ele estava vivo mesmo.

    Acredito que quando o texto impõe uma sensação de propósito, é pq ele é muito bom!

    Parabéns, Manu ;)
     
  3. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    Não entendi muito bem. Foi muito rápido. Um tanto quanto insano. Uma mãe contendo o desespero só por ser viúva é muito insano. O instinto materno é muito forte. Fiquei na dúvida se o menino tinha morrido mesmo ou só estava fingindo, ou dormindo, ou estava desmaiado. Reli o texto e não compreendi que o menino tinha morrido, porque a mãe não comprovou, não pediu uma segunda opinião, nada. Nada. Imagina, se eu não soubesse que a escritora tem uma alma boa, seria caso de enterrar uma criança viva!

    E olha que eu conheço muito bem essa coisa de brincar de fingir de morto. Fiz isso quando era criança e minha mãe ficou louca. Minha avó não, ela era bem mais esperta. Foi no quintal buscar uns ramos de goiabeira e me ameaçou dar uma surra. Fiquei bom na hora! Surra de goiabeira dói pra caramba!
     
  4. Haleth

    Haleth Call me Bolga #CdLXI

    Pois é, Rodovalho, a ideia era de ser tudo muito rápido mesmo. Não sei se ficou claro no texto, mas a viuvez da mãe era recente, a sepultura do pai ainda estava fresca, por isso a dor dela era ainda era muito grande. Ela interpretou que o menino estava morto e quis abreviar a própria dor. Mas se o menino estava morto mesmo...
     
  5. Vinnie

    Vinnie Usuário


    Uau!!!

    Luís, o lance da "pá que esperava a mulher" e o fato de que o marido morrera há pouco podem indicar alguma peste de larga escala... isso justificaria a reação resignada da mãe, a ideia de que Marquinhos já estivesse "nas últimas" e a brincadeira macabra das crianças. Li dessa maneira.


    Quanta coisa doida tem na cabeça da Manu?!
     
  6. Tayana

    Tayana Usuário

    Puts que agonia mesmo, tbm achei q de súbito dentro do burraco ele ia acordar...Muito legal Manu.
     

Compartilhar