1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Filmes e jogos violentos podem fazer as pessoas ficarem mais agressivas e violentas?

Tópico em 'Jogos Eletrônicos' iniciado por Sabrine Crystal, 4 Out 2016.

  1. Sabrine Crystal

    Sabrine Crystal Usuário

    Isso pode acontecer?Os índices de homicídios e criminalidade podem aumentar devido ao consumo de filmes e jogos violentos?Voce conhece alguém que ficou mais agressivo por causa disso?
     
  2. Thor

    Thor ἀλήθεια

    Claro. Goleiro Bruno era viciado em GTA IV.
    Os maiores serial killers da história dos EUA eram gamers. Cuidado com os video-games.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • LOL LOL x 1
  3. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Então Sabrine, essa questão tem que ser abordada com calma. Uma pergunta seria se jogos eletrônicos podem ser usados para fomentar e financiar a violência na sociedade ou se os video-games pertencem a um grupo especial de mídia que não influencie uma reação social negativa diferentemente de TV, revistas, livros, e que esteja livre de ser usado como arma, etc...?

    Minha tendência é de pensar que essa separação de efeitos entre as mídias (jogos versus mídia tradicional) tende a sumir e que ocasionalmente haja casos de jogos envolvidos em perseguição ou exploração a grupos como parece ocorrer com os famosos "jogos banidos" na justiça. Em um deles, a título de exemplo, lembro que falava de um oficial americano que tinha que estuprar mulheres indígenas para marcar pontos e por causa disso foi banido. Atualmente o realismo e poder da simulação pode invadir áreas cinzentas da justiça aonde não legislaram ainda sobre fronteiras da tecnologia.(de fato o governo sempre monitorou informação delicada)

    Pessoalmente penso que esses jogos deveriam receber o tratamento que livros e revistas levam em temas polêmicos, com indicação de idade, resumo do conteúdo, etc, ao invés de serem simplesmente banidos.

    Quer dizer, comprar um jogo poderia ser financiar a ideologia de uma pessoa, princpalmente se quem comprar não estiver atento a isso, mas a responsabilidade tem que estar sempre na mão da pessoa que for acessar mídia atualmente.

    Ainda, a tecnologia tende a borrar as fronteiras dos canais por onde as pessoas se envolvem. Por exemplo, antes havia as disputas apaixonadas por dinheiro nos cassinos, hoje há novas disputas entre youtubers. Nos jogos as brigas apenas seguem o padrão da tecnologia utilizada e abastecida pelos usuários, por exemplo, os Eua usam games para desenvolver e focar a agressividade técnica dos militares em guerras, etc... Quer dizer, numa disputa entre países o jogo funciona como arma/propaganda ao invés de ser a fonte primária do desentendimento.

    Vivemos um mundo cada vez mais conectado e filmes retratam cada vez mais a separação cada vez menor da interface homem máquina. Minha recomendação é ficar alerta ao discurso e ao meio gamer que se freqüenta, não aceitar iscas que no mundo real a pessoa recusaria, etc...
     
  4. Gothic Legolas

    Gothic Legolas Counter-Strike Player

    Mito. Creio que seja o inverso, você fica mais calmo depois de jogar.
     
  5. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Sim... se as pessoas forem "cabeça oca". Há muitas por aí. Mas elas se tornariam mais violentas ou agressivas, vendo um desenho (dos antigos) do Tom e Jerry ou lendo alguma passagem da Bíblia.
     
  6. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    É inegável que a mídia, principalmente visual, como são filmes e jogos tem sim influência em massa.
    Isso tanto é verdade que o cinema foi estudado como forma de manipular massas pelo governo desde que nasceu. Boa parte dos teóricos russos vinham como base de uma política de governo de usar o cinema para inserir o princípio da revolução comunista para o cidadão comum. De forma similar foi-se usado para inserir nas cabeças "livres" americanas o propósito de entrada nas duas grandes guerras (principalmente a segunda) com uma onda de filme de propaganda pró-belicista. Sem contar o uso do cinema para influenciar as massas em termos mais "inocentes" como modo de vida, consumo, etc.

    Violência poderia estar nesse pacote, se violência não fosse algo já inerente do ser humano. Existem uns mais, outros menos, mas violência não é uma ideologia, algo que você martele na cabeça das pessoas que elas devam ser. O que pode ocorrer é você banalizar a violência, de modo a que pessoas que tem natureza mais agressiva não se sintam amarradas pela sociedade e a cultura para reprimirem essa natureza.
    É o mesmo debate da sexualidade. Não é porque você está expondo pessoas a formas diferentes de se relacionar sexualmente que essa pessoa vai passar a ter sua sexualidade alterada. Ninguém impõe que alguém hetero vire gay, assim como por séculos pessoas que eram gays não deixaram de ser gays só porque a sociedade massacrava quem saia do armário. Eles só agiam ser heteros contra a própria natureza.


    Enfim.
    Pra não me delongar e responder diretamente o título do tópico.
    Não. Não podem fazer alguém que não é violento se tornar violento. O que pode é fazer com que alguém que é violento e reprime sua violência deixar de reprimi-la.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
  7. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Discussão velha que vire e mexe volta a tona.

    Violência no mundo sempre existiu muito antes do surgimento de filmes e jogos e mesmo que ambos fossem do dia pra noite totalmente extintos não seria nenhuma garantia que ela acabaria ou diminuiria drasticamente também.

    É claro que não há como negar que existe alguns casos cuja influência pode até ser no mínimo questionada, mas passa bem longe de ser algo expressivo se comparado a população mundial, pois se fosse assim, todas as prisões deveriam estar repletas de jogadores de GTA, Counter Strike e por aí vai.
     

Compartilhar