1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Filme "Os Vingadores" levanta polêmica sobre filhos adotivos

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 2 Jun 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    A cena: Thor, o herói loirão, tenta defender o vilão Loki, dizendo que ele é seu irmão. Viúva Negra, ex-vilã, informa-o que Loki matou 80 pessoas em dois dias. "Ele é adotado", responde Thor.

    A passagem acima, do filme "Os Vingadores" (maior bilheteria da história no Brasil), já foi vista por mais de 8 milhões de pessoas desde sua estreia aqui, em 27/4.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Thor e o vilão Loki, no filme "Os Vingadores"​

    É menos de um minuto nas duas horas e meia em que os heróis vindos dos quadrinhos da Marvel exibem seus superpoderes. Poderia passar despercebido no meio das explosões intergalácticas e das roupas colantes de Scarlett Johansson (a Viúva Negra).

    Mas o comentário de Thor ganhou destaque quando a americana Jamie Berke lançou uma petição on-line para que a Marvel (empresa do grupo Disney, produtor do filme) apresente desculpas formais por ter insultado os filhos adotivos e seus pais.

    O argumento, ecoado por ONGs pró-adoção, é que a cena dissemina preconceito, fazendo uma associação imediata entre ter sido adotado e ser "do mal". E num filme para crianças e adolescentes.

    Para piorar, a plateia ri na cena. Quem tem uma história pessoal com adoção, é claro, não acha graça.

    diz Maria Bárbara Toledo, presidente da Associação Nacional dos Grupos de Apoio à Adoção. Ela foi assistir ao filme com quatro de seus cinco filhos (dois adotados).

    Toledo soube da petição nos EUA depois de ter ido ao cinema.
    A associação presidida por Toledo já fez uma representação contra a TV Globo no Ministério Público por causa da personagem Tereza Cristina, vivida por Christiane Torloni na novela "Fina Estampa", que terminou em março.

    O resultado da ação foi uma campanha pró-adoção veiculada pela Globo e estrelada por Torloni.

    SEM BOICOTE

    No caso de "Os Vingadores", alguns relativizam a importância do comentário de Thor.
    diz Mônica Natale, 46, gerente-executiva do Grupo de Apoio à Adoção de São Paulo.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Mônica Natale, 46, e seu filho Alberto, 7, em sua casa em São Paulo​

    Ela levou seu filho Alberto, 7, para ver o filme.
    O advogado Leonardo Pereira, 34, adotado quando tinha cinco dias, não fecha com o movimento contra "Os Vingadores".

    diz Pereira.

    GENÉTICA

    O medo de que uma criança gerada por pais desconhecidos possa herdar genes que levem a distúrbios de comportamento é um dos fantasmas que rondam a adoção.

    Sim, há genes que aumentam a predisposição a alcoolismo, depressões, comportamentos violentos etc.

    afirma Renato Flores, professor de genética e coordenador do Ambulatório de Neurociência do Comportamento Violento da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

    Além disso, a ideia de que é possível controlar a herança genética é duvidosa.
    pergunta Flores.

    A brincadeira fica séria quando esbarra em outras noções sobre hereditariedade.

    Em uma pesquisa sobre o que a população pensava da adoção, feita pela psicóloga Lídia Weber, da Universidade Federal do Paraná, boa parte dos entrevistados disse acreditar que marginalidade passa pelo sangue.

    Há também o temor de que a mãe biológica tenha abusado de álcool e drogas durante a gestação.
    diz Flores.

    Para ele, a resposta aos medos de quem vai adotar não está na genética:
    Quando a apresentadora Astrid Fontenelle, 51, adotou seu filho Gabriel, em 2008, preencheu uma ficha em que respondia, entre outras coisas, se aceitaria crianças com distúrbios mentais leves.

    Para Astrid, há crianças que lidam muito bem com o fato de terem sido adotadas e outras que têm problemas. Por isso, ela não desculpa a piadinha de "Os Vingadores".

    HERÓI E VILÃO

    O filme "Os Vingadores" não foi o primeiro nem será o último a tocar em pontos delicados da adoção. Tratar o filho adotivo como um ser "diferente" não é prerrogativa da ficção moderna.

    A visão está em mitologias e relatos de vários períodos da história --de Moisés, adotado pela filha do Faraó, a Clark Kent, o Super-Homem.

    diz a psicóloga e psicanalista Maria Luiza Ghirardi, do grupo de estudos, prevenção e pesquisa em adoção do Instituto Sedes Sapientae, de São Paulo.

    A idealização da adoção pode ser tão problemática quanto os medos sobre a origem biológica da criança, segundo a psicanalista Gina Levinzon, autora de "Adoção" (Casa do Psicólogo, 2004) e professora de psicoterapia psicanalítica na USP.

    diz Levinzon.

    Para a psicanalista, o fato de a pessoa adotar um filho para satisfazer uma necessidade sua não é o problema:
    Aos olhos dos outros, pode parecer um ato de benevolência e generosidade.

    conta a apresentadora Astrid Fontenelle, que adotou Gabriel na Bahia, em 2008, quando o menino tinha 40 dias de vida.

    DIFICULDADES

    Como toda criança, aquela que foi adotada vai encontrar dificuldades na vida.
    diz Levinzon.

    Segundo a psicóloga, as pesquisas não mostram que filhos adotivos são mais problemáticos que os biológicos.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Ecthelion

    Ecthelion Mad

    Falta do que fazer hein?!
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Está cada vez mais difícil levar alegria a o povo. É impressão minha ou querem mais do que nunca criar crianças em redomas de vidro? Quem acha que seu filho nunca poderá ser ferido que não seja pai.
     
    • Gostei! Gostei! x 6
  4. Tar-Mairon

    Tar-Mairon DARK LORD AND LOVING DAD

    .

    Barbaridade! Agora as artes são responsáveis por todos os males do mundo, como se certas coisas não continuassem a existir mesmo com filmes, livros etc pisando em ovos.

    .
     
  5. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    O certo ao assistir um filme como esse é o telespectador ter consciência de que vai assistir uma obra com personagens de fantasia falando vários tipos de discurso misturados, inclusive com permissão poética para serem idiotas como ocorre com as pessoas na vida real. Se o discurso do filme é usado para alimentar grupos de preconceituosos já é outra história...

    Essa tolerância zero com o inesperado ficcional é sinal de uma geração que não acredita que pode pensar por si mesma.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  6. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    A mulher fala que na parte da fala do Thor todo mundo ri, mas ela não, isso se chama Humor Negro, politicamente incorreto, se não há desrespeito muito grave (mesmo assim) não há problema, mas ter que ficar se policiando é muito chato, claro, eu não sou adotado, então não posso falar, mas não me parece nada muito grave.
     
  7. Tar-Mairon

    Tar-Mairon DARK LORD AND LOVING DAD

    .

    Hoje, Tolkien teria de explicar, nos apêndices, que o Gollum sofreu um trauma na infância que o transformou no canalhinha ganancioso que era e que o o Língua-de-Cobra era discriminado por não ser loiro, daí ele agir daquela forma; ou seria apedrejado.

    .
     
  8. Reverendo

    Reverendo Usuário

    Convenhamos que a genética do Loki não é lá essas coisas.
     
    • LOL LOL x 3
  9. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    O curioso é que filmes como O Orfanato, A Órfã e Caso 39 não geraram essa discussão pseudo-pedagógica.
     
  10. Turgon

    Turgon 孫 悟空

    Falta do que fazer.
     
  11. P*** que pariu, que mundo chato onde estamos vivendo.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  12. Indily

    Indily Balrog de Pantufas Fofas

    Femininamente falando, saiba que ele é deveras sexy! :grinlove:
     
    • LOL LOL x 4
  13. Lu Meyn

    Lu Meyn Usuário

    Bem, acho que essa parte de genética infui mais do que o ambiente. Agora o que isso tem a ver com adoção, é um mistério. Porque o ambiente também influi.

    Afinal, filho de marginais criado por marginais muito provavelmente vai ser uma pessoa menos legal que um filho de marginais criado por gente decente.

    UPD: Pensando bem... E as crianças adotadas por animais? Há casos e casos =P
     
    Última edição: 3 Jun 2012
  14. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Pô, o Loki da Marvel não será nunca o arquétipo cinematográfico de adotivo revoltado.

    Isso é cuspir na memória do grande Junior Healy, o Pestinha.

    Recordar é viver, então:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição por um moderador: 6 Out 2013
    • Gostei! Gostei! x 1
  15. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Problema maior pra mim é terem pego a frase fora de contexto. Isso é sempre uma merda.
    Se pegarem só 1 frase anterior do Thor já dá pra pegar o tom da piada.
    Teria sido igualmente eficaz se em vez de dizer "Ele é adotado", tivesse dito "Eu sou adotado". Mas por questões de coerência da história, não dava pra ele dizer isso.

    Coincidentemente assisti recentemente "Arsenic and Old Lace". No final do filme tem uma piada EXATAMENTE assim, só que ao contrário.

    Descontextualização é a rainha dessas discórdias sem sentido.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  16. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Ninguém comentou que ela levou o filho para assistir um filme com classificação etária bem maior que a idade dele. Processo nela.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  17. Realmente acho uma falta do que fazer e do que pensar.
    A gente vai ao cinema se distrair. Ver na telona aquilo que viu nos gibis.
    Agora vai lá uma criatura mal resolvida querendo criar polêmica. Como alguém citou. o mundo está muito chato mesmo.
     
  18. Fernanda

    Fernanda Andarilho de Eriador e

    ai meu eggs que eu nem tenho
     
    • LOL LOL x 3

Compartilhar