1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

"Feliz Ano Novo" (Rubem Fonseca)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Artanis Léralondë, 7 Set 2008.

  1. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Eu adorei esse livro, proibido na ditadura por obter pornografia e palavrões,mas, nem por isso deixa de ser uma obra de arte.Rubem da Fonseca fazendo analogia com a hipocresia instaurada na sociedade, aborda em seus contos os tabus da época.
    Os contos que eu mais gostei foram "Passeio Noturno Parte I", um homem que faz parte de uma sociedade corrupta,marginalizada, sai para dar seus passeios e mata pessoas para se sentir limpo :anjo: hehehe

    Um bem do além é "O Campeonato", é um torneio para ver qual homem consegue ejacular mais esperma (!?) hehehe..é bem doido.

    Feliz Ano Novo

    Considerado um dos principais livros de Rubem Fonseca, Feliz Ano Novo, lançado em 1975, teve sua publicação e circulação proibidas em todo o território nacional um ano mais tarde, sendo recolhido pelo Departamento de Polícia Federal, sob a alegação de conter "matéria contrária à moral e aos bons costumes". Foi proibido pela censura do regime militar, acusado de fazer apologia da violência. O regime autoritário, que tentava à força encobrir os problemas que compunham a face negra do país, não suportou a linguagem precisa e contundente dessa coleção de contos que traduzem ficcionalmente a verdadeira fratura exposta do corpo social. A atualidade artística de histórias como a que dá nome ao volume colabora para lastrear a reputação de um dos maiores escritores brasileiros vivos.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Sobre o escritor:

    Rubem Fonseca


    "Neste momento estou desenvolvendo o começo da história que iniciei com o título que lhe deu o sopro inicial de vida. No quiosque de livros da praça li um poema no qual o autor (roubei dele o título da minha história) diz que o mundo é doloroso, os seres humanos não merecem existir e ele, poeta, suspeita que a crueldade da sua imaginação está de certa forma conectada com seus impulsos criativos. Matar a velha, não a crueldade, como disse o poeta, mas a força do meu ato e não apenas da minha imaginação foi a impulsão que fará de mim um verdadeiro escritor. Tenho, agora, o começo, tenho o meio e o fim." (Pequenas criaturas - "Começo")
    Rubem da Fonseca


    Nascido em Juiz de Fora, Minas Gerais, em 11 de maio de 1925, José Rubem Fonseca é formado em Direito, tendo exercido várias atividades antes de dedicar-se inteiramente à literatura. Em 31 de dezembro de 1952 iniciou sua carreira na polícia, como comissário, no 16º Distrito Policial, em São Cristóvão, no Rio de Janeiro. Muitos dos fatos vividos naquela época e dos seus companheiros de trabalho estão imortalizados em seus livros. Aluno brilhante da Escola de Polícia, não demonstrava, então, pendores literários. Ficou pouco tempo nas ruas. Foi, na maior parte do tempo em que trabalhou, até ser exonerado em 06 de fevereiro de 1958, um policial de gabinete. Cuidava do serviço de relações públicas da polícia. Em julho de 1954 recebeu uma licença para estudar e depois dar aulas sobre esse assunto na Fundação Getúlio Vargas, no Rio. Na Escola de Polícia destacou-se em Psicologia. Contemporâneos de Rubem Fonseca dizem que, naquela época, os policiais eram mais juízes de paz, apartadores de briga, do que autoridades. Zé Rubem via, debaixo das definições legais, as tragédias humanas e conseguia resolvê-las. Nesse aspecto, afirmam, ele era admirável. Escolhido, com mais nove policiais cariocas, para se aperfeiçoar nos Estados Unidos, entre setembro de 1953 e março de 1954, aproveitou a oportunidade para estudar administração de empresas na New York University. Após sair da polícia, Rubem Fonseca trabalhou na Light até se dedicar integralmente à literatura. É viúvo e tem três filhos.

    Reconhecidamente uma pessoa que, como Dalton Trevisan, adora o anonimato (o único registro fotográfico que conseguimos foi feito há muitos anos), é descrito por amigos como pessoa simples, afável e de ótimo humor.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    http://www.releituras.com/rfonseca_bio.asp

    Eu recomendo é muito bom!!!
    :sim:
     
  2. Hérmia

    Hérmia Usuário

    RE: ~Feliz Ano Novo - Rubem da Fonseca~

    Vou procurar, maniaca.....xD
     
  3. LatinoAmericano

    LatinoAmericano Aqui jaz Alcarecco

    RE: ~Feliz Ano Novo - Rubem da Fonseca~

    O assunto e a descrição do livro me chamaram atenção, parece ser bem legal!

    Como se fala aí em cima ele gosta do anonimato, e talvez por causa disso, eu nunca tinha ouvido falar nele...
     
  4. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    RE: ~Feliz Ano Novo - Rubem da Fonseca~

    =D

    Eu aluguei na biblioteca da minha cidade =]

    Esse conto tb é legal:

    Feliz Ano Novo




    Vi na televisão que as lojas bacanas estavam vendendo adoidado roupas ricas para as madames vestirem no reveillon. Vi também que as casas de artigos finos para comer e beber tinham vendido todo o estoque.

    Pereba, vou ter que esperar o dia raiar e apanhar cachaça, galinha morta e farofa dos macumbeiros.

    Pereba entrou no banheiro e disse, que fedor.

    Vai mijar noutro lugar, tô sem água.

    Pereba saiu e foi mijar na escada.

    Onde você afanou a TV, Pereba perguntou.

    Afanei, porra nenhuma. Comprei. O recibo está bem em cima dela. Ô Pereba! você pensa que eu sou algum babaquara para ter coisa estarrada no meu cafofo?

    Tô morrendo de fome, disse Pereba.

    De manhã a gente enche a barriga com os despachos dos babalaôs, eu disse, só de sacanagem.

    Não conte comigo, disse Pereba. Lembra-se do Crispim? Deu um bico numa macumba aqui na Borges de Medeiros, a perna ficou preta, cortaram no Miguel Couto e tá ele aí, fudidão, andando de muleta.

    Pereba sempre foi supersticioso. Eu não. Tenho ginásio, sei ler, escrever e fazer raiz quadrada. Chuto a macumba que quiser.

    Acendemos uns baseados e ficamos vendo a novela. Merda. Mudamos de canal, prum bang-bang, Outra bosta.

    As madames granfas tão todas de roupa nova, vão entrar o ano novo dançando com os braços pro alto, já viu como as branquelas dançam? Levantam os braços pro alto, acho que é pra mostrar o sovaco, elas querem mesmo é mostrar a boceta mas não têm culhão e mostram o sovaco. Todas corneiam os maridos. Você sabia que a vida delas é dar a xoxota por aí?

    Continua...
    http://www.releituras.com/rfonseca_feliz.asp
    :cha:
     
  5. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    RE: ~Feliz Ano Novo - Rubem da Fonseca~

    O conto Dia dos Namorados eu me matei de rir nessa parte hehehe:

    Quando saiu do banheiro a garota estava nua, deitada na cama, de bruços. J.J. Santos tirou a roupa e deitou-se ao lado dela, fazendo-lhe carinho.Então a garota virou-se de barriga para cima, um sorriso nos lábios.Não era uma garota!Era um homem, o pênis se refletindo ameaçadoramente rijo, nos inúmeros espelhos".
    XD
    :rofl:
     
  6. Oseas

    Oseas Usuário

    Comprei um livro dele (64 contos de Rubem Fonseca) nas Americanas. Não lembro de ter lido alguma dele até hoje. Arrisquei, espero que não me arrependa.
     
  7. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Acho que vai gostar Oseas, ele escreve muito bem =D
    e não se importa como descreve a história se ela é politicamente correta ou não, acho que para ele, mais politicamente incorreto melhor hehehehe....
    às vezes, penso que ele descreve nada menos do que a realidade, por exemplo, em Balneário Camboriú, uma mulher estava se prostituando em um motel, detalhe: estava grávida, com UM enorme barrigão, no ato sexual começaram as contrações e a criança começou a nascer ali mesmo!
    chamaram o pessoal do motel que ajudou a mulher parir e chamaram a ambulância..e viram que a mulher estava drogada ainda, imagina ¬¬
    e pouco nojento o cara que estava com ela, sabendo que ela estava grávida :calado:
    e sorte da mulher que teve dilatação suficiente para o bebê, se não tinha morrido os dois ali =/
     
  8. Oseas

    Oseas Usuário

    Acabei de ler o conto "Feliz ano novo". Eu achei muito interessante. Achei meio estranho o monte de palavrões (não estou acostumado a ler literatura que contenha palavrões).

    O estilo é vibrante. Gostei sim.
     
  9. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    hehehe
    eu tb estranhei os palavrões hehehe
    mas, é legal que dão ritmo ao conto =D
     

Compartilhar