• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Fases do Cinema?

Gui Rimbaud

Usuário
Saudações tupiniquins a todos os cinéfilos daqui do fórum :)
Então, é o seguinte, eu, um modesto cinéfilo de 15 anos, creio que já vi de certa forma uma quantidade relativamente boa de filmes de diferentes estilos/gêneros desde que me conheço por gente, e eu deveras amo esse hobby, mas eu sinto que me falta algo teórico com relação ao meu conhecimento sobre as "Fases do Cinema" e suas características específicas, explico:

Tipo, tem o NeoRealismo, o Expressionismo Alemão, a era dos Blockbusters e tal, do Cinema Novo aqui, e muitas outras, etc.

Eu obviamente já vi filmes pertencentes a todos essas fases mencionadas, mas nunca parei pra estudar sobre cada uma porque a ordem, e as características ainda estão muito jogadas e dispersas na minha mente.

Vocês, cinéfilos "especialistas" kskskks, poderiam arrumar as fases em ordem cronológica e falar um pouquinho sobre a característica de cada uma? Já me ajudaria pra caramba.
Eu pesquisei em sites relacionados ao tema mas não encontrei praticamente nada que fosse completo ou organizado, apenas informações avulsas...


Abraço, do Gui kkkk
 

Gui Rimbaud

Usuário
Olá, bem-vindo ao fórum!

Não sou grande conhecedor do assunto, mas numa rápida busca no Google achei esse artigo na Wikipédia sobre a História do cinema, não sei se você já viu. Mas há pessoas aqui no fórum que talvez possam dar uma resposta mais completa.

Aliás, seu nome é Rimbaud ou você é apenas fã do jovem poeta francês?
Desculpe a demora pra responder kkkk, sou só apenas um fã do Rimbaud :)

Valeu pelo link, vou dar uma olhada sim
 

Giuseppe

Eternamente Humano
Não demorou pra responder, foi até rápido. O fórum é meio parado durante os finais de semana, de forma que o movimento maior costuma ser durante a semana (apesar dos últimos dias terem sido notavelmente pacatos).
 

Loveless

Well-Known Member
Usuário Premium
Olá, Gui.

Como todo movimento artístico, cultural e comportamental, o cinema não se divide em fases bem definidas, em ordem histórica. Os movimentos cinematográficos se compõem e se sobrepõem durante todo o período, desde o começo até a atualidade. Porém, com algum rigor, tenta-se dividir tais movimentos (ou fases) agrupando-as de acordo com algumas características comuns, incluindo a época que os filmes foram feitos e lançados.

Enfim, as principais fases (ou movimentos) do cinema, de forma resumida, são:

Os pioneiros (1895-1925): se inicia, obviamente, em 1895 com a exibição dos curtas dos irmãos Lumière em Paris. Curtas metragens, filmes mudos, Georges Méliès, enfim.

Os épicos (1912-1927): orçamentos vultuosos, elencos gigantes e histórias épicas. D. W Griffith, Fritz Lang, início dos grandes estúdios.

Cinema fantástico ou Expressionismo Alemão (1901-1929): o misterioso, o apavorante, o fantástico, o sobrenatural. Frankenstein, Murnau, surrealismo.

Cinema russo (1917-1930): influência e consequência da revolução russa, dura até Stalin dar um fim no incipiente cinema russo. Encouraçado Potemkin, Eisenstein, Vertov.

Comédia muda (1909-1936): uma das eras de maior sucesso até hoje. Dura até a ascensão dos filmes falados. Chaplin, O Gordo e o Magro, Buster Keaton.

Realismo poético francês (1930-1939): cheio de inovações estéticas, dura até a ocupação nazista. Jean Renoir e Marcel Carné.

Cinema nazista e cinema soviético (1930-1943): dispensam comentários. Cinema utilizado como propaganda por seus ditadores.

Primeiras animações (1929-1941): Era de ouro da Disney. Branca de Neve, Pinóquio, Fantasia, Dumbo.

Cinema noir (1941-1957): femmes fatales e os primeiros anti-heróis. Inovações na cinematografia e na trilha sonora.

Neorrealismo italiano (1940-1953): primeiro movimento autêntico italiano, busca retratar as dificuldades da vida cotidiana no pós-guerra. Rosselini, Antonioni, Visconti.

Nouvelle Vague (1951-1968): cinema de autor. O foco saiu dos produtores e atores para os diretores. Truffaut, Godard, melancolia.

A era dos musicais (1943-1961): capitalizados pela MGM, retratavam a sociedade americana. Cantando na chuva, Frank Sinatra.

Cinema nórdico (1944-1975): existencialismo e alegoria. Ingmar Bergman, obviamente.

Nova onda japonesa/Nuberu bagu (1950-1975): era de ouro do cinema japonês. Kurosawa.

Hollywood pós-guerra (1944-1959): a era de ouro de Hollywood. Grandes dramas e as maiores bilheterias. Atores e atrizes no auge. E o vento levou, Casablanca etc.

Faroeste (1939-1960): com baixo orçamento, buscaram criar uma mitologia para a ocupação do oeste americano. John Ford. Bang-bang.

New Wave britânica (1958-1968): cinema subversivo. Documentários.

Cinema Novo (1952-1972): primeiro movimento autêntico brasileiro. Glauber Rocha.

Nova Hollywood (1960-1980): novos diretores revitalizaram o cinema americano. Hitchcock (melhor fase), Kubrick (surgimento), Billy Wilder.

Auge do cinema europeu (1960-1978): essa fase não tem um nome propriamente dito; o cinema europeu tem seu apogeu. Fellini, Tarkovski, Bergman, Buñuel, Nouvelle Vague tcheca.

Faroeste espaguete/Spaguetti western (1961-1973): o declínio do faroeste americano o levou para a Itália, e depois volta para os EUA. Clint Eastwood, Sergio Leone.

Novo Cinema Alemão (1969-1985): considerado o sucessor espiritual da Nouvelle Vague francesa. Win Wenders, Herzog, Fassbinder.

Novo Terror (1970-1989): subversivo, chocante, niilista. Cronenberg, O Iluminado, David Lynch.

Blockbusters (1970-atualidade): orçamento altíssimo, efeitos especiais, início do cinema comercial como conhecemos hoje. O marco é Tubarão (1975).

Cinema latino-americano (1990-atualidade): sem um nome definido, é consequência do conturbado final do século XX para as nações latino-americanas. Cidade de Deus, Alfonso Cuarón, Iñarritu, cinema argentino.

Cinema europeu (1990-atualidade): também sem um nome definido, são contestadores e autorais. Haneke, Almodóvar, Von Trier, Jeunet, Honoré, Gaspar Noé.

Nova onda do cinema iraniano (1990-atualidade): visual lírico e dramas da sociedade iraniana. Abbas Kiarostami.

Dogma 95 (1995-2000): cinema mais autêntico e cru, com ideias bem controversas. Lars von Trier e Vinterberg.

Bollywood (1995-atualidade): cinema indiano, tem apresentado forte crescimento interno e externo.

Enfim, basicamente é isso. Um excelente livro que recomendo, caso você tenha interesse em aprofundar no assunto (e parece que tem), é Tudo sobre Cinema, organizado por Phillip Kemp. Tenho o livro e recomendo; é quase uma bíblia do cinema.
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Como o Loveless citou aqui, essas fases, num estudo mais completo e aprofundado se fossem colocadas numa linha totalmente plana do tempo formariam várias retas paralelas com algumas derivações, pois muitas foram contemporâneas entre si, inclusive nos dias atuais, existem algumas que são derivadas de outras, podendo ter alguns aspectos em comum com algumas similares e sem nos esquecermos de eventuais retomadas mais isoladas por questão de nostalgia por exemplo, pois no cinema muito se cria, mas também muito se recria (ou recicla) a partir de algo bem sucedido.

Convém lembrar que alguns cineastas preferem não usar a nomenclatura "fases" e sim movimentos cinematográficos, talvez por acharem que fase remete a algo mais passageiro com um fim bem definido. Eu particularmente não vejo problema nenhum nessas nomenclaturas. O importante compreender é que elas não tem um fim ou começo obrigatoriamente sequencial.

Aqui tem um vídeo que enfatiza esse desenvolvimento de linha do tempo com vários exemplos de filmes bem marcantes de cada etapa. Logicamente estão abordadas as mais conhecidas e tradicionais, mas quem desejar estudar isso bem a fundo vai encontrar várias derivadas e paralelas bem interessantes.

 

Gui Rimbaud

Usuário
Olá, Gui.

Como todo movimento artístico, cultural e comportamental, o cinema não se divide em fases bem definidas, em ordem histórica. Os movimentos cinematográficos se compõem e se sobrepõem durante todo o período, desde o começo até a atualidade. Porém, com algum rigor, tenta-se dividir tais movimentos (ou fases) agrupando-as de acordo com algumas características comuns, incluindo a época que os filmes foram feitos e lançados.

Enfim, as principais fases (ou movimentos) do cinema, de forma resumida, são:

Os pioneiros (1895-1925): se inicia, obviamente, em 1895 com a exibição dos curtas dos irmãos Lumière em Paris. Curtas metragens, filmes mudos, Georges Méliès, enfim.

Os épicos (1912-1927): orçamentos vultuosos, elencos gigantes e histórias épicas. D. W Griffith, Fritz Lang, início dos grandes estúdios.

Cinema fantástico ou Expressionismo Alemão (1901-1929): o misterioso, o apavorante, o fantástico, o sobrenatural. Frankenstein, Murnau, surrealismo.

Cinema russo (1917-1930): influência e consequência da revolução russa, dura até Stalin dar um fim no incipiente cinema russo. Encouraçado Potemkin, Eisenstein, Vertov.

Comédia muda (1909-1936): uma das eras de maior sucesso até hoje. Dura até a ascensão dos filmes falados. Chaplin, O Gordo e o Magro, Buster Keaton.

Realismo poético francês (1930-1939): cheio de inovações estéticas, dura até a ocupação nazista. Jean Renoir e Marcel Carné.

Cinema nazista e cinema soviético (1930-1943): dispensam comentários. Cinema utilizado como propaganda por seus ditadores.

Primeiras animações (1929-1941): Era de ouro da Disney. Branca de Neve, Pinóquio, Fantasia, Dumbo.

Cinema noir (1941-1957): femmes fatales e os primeiros anti-heróis. Inovações na cinematografia e na trilha sonora.

Neorrealismo italiano (1940-1953): primeiro movimento autêntico italiano, busca retratar as dificuldades da vida cotidiana no pós-guerra. Rosselini, Antonioni, Visconti.

Nouvelle Vague (1951-1968): cinema de autor. O foco saiu dos produtores e atores para os diretores. Truffaut, Godard, melancolia.

A era dos musicais (1943-1961): capitalizados pela MGM, retratavam a sociedade americana. Cantando na chuva, Frank Sinatra.

Cinema nórdico (1944-1975): existencialismo e alegoria. Ingmar Bergman, obviamente.

Nova onda japonesa/Nuberu bagu (1950-1975): era de ouro do cinema japonês. Kurosawa.

Hollywood pós-guerra (1944-1959): a era de ouro de Hollywood. Grandes dramas e as maiores bilheterias. Atores e atrizes no auge. E o vento levou, Casablanca etc.

Faroeste (1939-1960): com baixo orçamento, buscaram criar uma mitologia para a ocupação do oeste americano. John Ford. Bang-bang.

New Wave britânica (1958-1968): cinema subversivo. Documentários.

Cinema Novo (1952-1972): primeiro movimento autêntico brasileiro. Glauber Rocha.

Nova Hollywood (1960-1980): novos diretores revitalizaram o cinema americano. Hitchcock (melhor fase), Kubrick (surgimento), Billy Wilder.

Auge do cinema europeu (1960-1978): essa fase não tem um nome propriamente dito; o cinema europeu tem seu apogeu. Fellini, Tarkovski, Bergman, Buñuel, Nouvelle Vague tcheca.

Faroeste espaguete/Spaguetti western (1961-1973): o declínio do faroeste americano o levou para a Itália, e depois volta para os EUA. Clint Eastwood, Sergio Leone.

Novo Cinema Alemão (1969-1985): considerado o sucessor espiritual da Nouvelle Vague francesa. Win Wenders, Herzog, Fassbinder.

Novo Terror (1970-1989): subversivo, chocante, niilista. Cronenberg, O Iluminado, David Lynch.

Blockbusters (1970-atualidade): orçamento altíssimo, efeitos especiais, início do cinema comercial como conhecemos hoje. O marco é Tubarão (1975).

Cinema latino-americano (1990-atualidade): sem um nome definido, é consequência do conturbado final do século XX para as nações latino-americanas. Cidade de Deus, Alfonso Cuarón, Iñarritu, cinema argentino.

Cinema europeu (1990-atualidade): também sem um nome definido, são contestadores e autorais. Haneke, Almodóvar, Von Trier, Jeunet, Honoré, Gaspar Noé.

Nova onda do cinema iraniano (1990-atualidade): visual lírico e dramas da sociedade iraniana. Abbas Kiarostami.

Dogma 95 (1995-2000): cinema mais autêntico e cru, com ideias bem controversas. Lars von Trier e Vinterberg.

Bollywood (1995-atualidade): cinema indiano, tem apresentado forte crescimento interno e externo.

Enfim, basicamente é isso. Um excelente livro que recomendo, caso você tenha interesse em aprofundar no assunto (e parece que tem), é Tudo sobre Cinema, organizado por Phillip Kemp. Tenho o livro e recomendo; é quase uma bíblia do cinema.
Mil agradecimentos, valeuzão S2
** Posts duplicados combinados **
Sim si
Como o Loveless citou aqui, essas fases, num estudo mais completo e aprofundado se fossem colocadas numa linha totalmente plana do tempo formariam várias retas paralelas com algumas derivações, pois muitas foram contemporâneas entre si, inclusive nos dias atuais, existem algumas que são derivadas de outras, podendo ter alguns aspectos em comum com algumas similares e sem nos esquecermos de eventuais retomadas mais isoladas por questão de nostalgia por exemplo, pois no cinema muito se cria, mas também muito se recria (ou recicla) a partir de algo bem sucedido.

Convém lembrar que alguns cineastas preferem não usar a nomenclatura "fases" e sim movimentos cinematográficos, talvez por acharem que fase remete a algo mais passageiro com um fim bem definido. Eu particularmente não vejo problema nenhum nessas nomenclaturas. O importante compreender é que elas não tem um fim ou começo obrigatoriamente sequencial.

Aqui tem um vídeo que enfatiza esse desenvolvimento de linha do tempo com vários exemplos de filmes bem marcantes de cada etapa. Logicamente estão abordadas as mais conhecidas e tradicionais, mas quem desejar estudar isso bem a fundo vai encontrar várias derivadas e paralelas bem interessantes.

Sim sim, movimento cinematográfico é um termo bem mais adequado, concordo, brigadão pelo vídeo :)
 

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium
Pesquisar individualmente por país, com certeza dará um resultado extremamente rico e farto de movimentos cinematográficos, pois embora haja muitas coisas em comum, há também particularidades exclusivas em outros continentes e países.
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo