1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Fadados ao eterno sono?

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por AllanFerreira, 7 Fev 2014.

  1. AllanFerreira

    AllanFerreira Usuário

    Bem, todo mundo sabe que no poema dos anéis do poder está descrito que nove foram para os homens mortais, mas logo em seguida os menciona como "fadados ao eterno sono" isto seria uma pista sobre o destino dos homens? Será que podemos entender esse verso ao pé da letra e dizer que os homens entram em uma espécie de sono profundo após a morte? O que acham?
     
  2. Tilion

    Tilion Administrador

    Essa possibilidade do trecho ser interpretado como algo mais só existe na tradução, na qual o tradutor do poema tomou liberdades poéticas (embora eu veja o "eterno sono" justamente apenas como um eufemismo para a morte).

    O trecho original é "doomed to die", que literalmente se traduz como "fadados a morrer", coisa que todos os homens são, justamente por serem mortais.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Realmente. Inclusive a escolha pela palavra "doom" não é por acaso e diz algo mais sobre a visão aprisionadora que Sauron tinha da idéia de morte em relação a vontade dos Poderes. Os homens que usassem os anéis estariam não apenas presos aos anéis (a Sauron), mas também presos ao significado que Sauron dava ao conceito de morte. Escravidão até a última conseqüência.
     
  4. Meneldur

    Meneldur We are infinite.

    Mas o poema é de autoria dos elfos, não de Sauron, não? Aí seria mais sobre a visão dos elfos sobre a morte.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Correto, eu fui atrás da inscrição original e acabei notando algo.

    Como o projeto e os versos foram planejados de antemão por Sauron (tutela do projeto) então deve ter sido na verdade uma inscrição élfica com supervisão indireta de Sauron (os versos finais são o do anel de poder). Curioso que combina com a visão fatalista de alguns Noldor e aí a palavra doom para Sauron assume a acepção negativa do destino, como condenação e perdição. (o um tinha sido forjado inclusive em um Mount Doom). Talvez Sauron mereça uma participação no poema, tipo co-autoria ou sociedade... XD
     
  6. Meneldur

    Meneldur We are infinite.

    Acho que não. Os Noldor não faziam a mínima ideia que Sauron forjaria o Um, e quando descobriram a traição cortaram totalmente os laços. Creio que foi aí que conceberam o poema.
     
  7. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Pode ser, mas acho também que pode ser porque eles conceberam o poema pensando nas orientações ora (aparentemente) genéricas, ora específicas de Sauron (quer dizer, independente da suspeita).
     
  8. Tilion

    Tilion Administrador

    Sauron compôs só dois versos do poema, que são os que estão no Anel e que os Elfos de Eregion ouviram quando Sauron se revelou: "One ring to rule them all, one ring to find them/One ring to bring them all and in the darkness bind them".

    Dada a natureza dos outros versos, não pode ter sido Sauron que os compôs. "Elven-kings" é algo gracioso demais e uma concessão que não condiz com o caráter de Sauron, assim como "Dark Lord on his dark throne" provavelmente não seria usado pelo Maia para descrever a si mesmo. Vale lembrar que o nome original de Sauron em Quenya era "Mairon" (possivelmente traduzido do verdadeiro original Valarin), que significa "Admirável", sendo que "Sauron" é o nome tardio dele em Quenya, dado posteriormente por seus inimigos, e que significa, entre outras coisas, "Imundo", e é improvável que ele chamasse a si mesmo assim.

    Logo, tudo indica que o Elfos devem ter preenchido o resto do poema ao longo do tempo.
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  9. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Como ando procurando uma referência direta vou deixar em aberto (se alguém encontrar eu também darei ótimo).

    No momento vejo a situação toda sendo muito ambígua e cheia de buracos. Pode ser que sim mas não paro de pensar nos Noldor sendo os "testas de ferro" perfeitos escolhidos para esconderem a verdadeira autoria do plano debaixo de uma falsa autoria (uma versão sutil e elogiosa do fantoche Saruman de Isengard). Desejo verificar antes de descartar porque uma costura de versos pode também parecer suspeita, os noldor eram o povo que menos ligaria para um trecho com belas palavras ou palavras fatais ditas do jeito certo como "...mortal Men Doomed" porque eles ignoraram facilmente a palavra condenação uma vez (e os 9 foram os que funcionaram melhor). É estranho pensar que ele quisesse tocar sem propósito anéis com versos que não lhe fossem úteis.

    Em outra ocasião Sauron fingira um estilo que não era seu ao maquiar palavras com louvores durante a chegada de Pharazon. Não me admiraria (acharia natural pra ele) que sob a forma de senhor dos presentes ele superasse o orgulho e tecesse elogios até em demasia aos elfos para poder enganá-los (Elrond foi um dos poucos que deve ter suspeitado) sugerindo versos que encaixassem com perfeição nos seus próprios versos do plano final. Se isso ocorreu com Melkor (dar ouvidos a um redimido que se passava por benfeitor fingindo regeneração completa) então vou dar uma olhada para ver até que ponto as mentiras se espalharam na época dos 20 anéis.
     
    Última edição: 8 Fev 2014

Compartilhar