1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Exemplo de ecumenismo na Ucrânia

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Paganus, 21 Jun 2014.

  1. Paganus

    Paganus Visitante

    Vídeo de diálogo ecumênico entre ortodoxos e adventistas na Ucrânia:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    :rofl:
     
  2. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    Deixa eu ver se entendi: tem uma barraquinha com umas senhoras adventistas que, eu acho, estavam vendendo uns livros sobre adventismo etal. Ai chegaram esses dois padres que, a troco de nada, tocaram o terror na barraquinhas nas velhinhas? É isso?

    O Pagz, se quer que o povo não curta a tua religião? :lol:
     
    • LOL LOL x 1
  3. Paganus

    Paganus Visitante

    Nos países ortodoxos do Leste Europeu e na Grécia e Rússia, acho que só o catolicismo romano tem certa representatividade e isso mesmo só porque neles sempre existiu pressão política externa (papista e ocidental) e interna (jesuítas infiltrados, nativos comprados com dinheiro de Roma). E geralmente esse catolicismo não era romano, era 'uniata', ou seja, esforços de trazer comunidades ortodoxas à comunhão com o Papa.

    Nem sempre foi assim, desde o cisma do século XI até o século XIII houveram tentativas de diálogo entre Roma e Constantinopla, interrompidas drasticamente com o saque dos cruzados à cidade em 1204. Depois, buscando apoio militar do Ocidente, os imperadores bizantinos orquestraram alguns diálogos e 'reuniões' com o Papa, com Florença, no século XV, mas que foi rejeitada pela consciência da Ortodoxia e pelo povo em geral como manobras políticas de valor dogmático nulo.

    Depois, só o que ocorreu na Bizâncio dominada pelos turcos foi o uso de influências papistas junto à corte do sultão para trazer comunidades ortodoxas à 'comunhão com Roma'. Aí vinha embuste, chantagem, manipulação de acordos econômicos e políticos, diplomaticagens etc. A lista é longa.

    Nos países eslavos, principalmente a Rússia kievana (medieval) o que houve foi ataques de forças ocidentais e católicas, como lituanos, poloneses e os cavaleiros teutônicos. Foi muito por causa dessas lutas pela sua independência do Ocidente que a Rússia se tornou um grande reino, primeiro com os esforços de São Alieksandr Nevsky (século XII), depois com as reformas do tsar Ivan Vassilievitch (o Terrível, no século XV). Aqui a 'latinização' e perseguição religiosa dos ortodoxos (igrejas atacadas e queimadas, padres mantidos como escravos, bispos aprisionados, captura de relíquias de santos etc)andava lado a lado com dominação política, principalmente na Polônia, onde a maioria católica oprimiu a minoria ortodoxa de todas as formas imagináveis. Há diversos mártires naquele país do século X ao XVIII, pelo menos. E isso, claro, se coadunava com as intenções políticas polonesas de adentrar mais e mais nas fronteiras russas.

    A situação se modifica com a Reforma e o Iluminismo que retira muito da influência romanista sobre a Europa ocidental. Existiram diversos contatos e diálogos teológicos nos séculos XVI e XVII entre Constantinopla e delegações de luteranos e calvinistas.

    Mas essas seitas evangélicas, adventistas, mormons que adoram proselitizar em todo buraco do planeta, sem o menor respeito às tradições já cristãs de seus países não tem vez. Em países eslavos e na Grécia, o povo geralmente detesta esse povo e faz de tudo pra neutralizar os esforços deles. Não há legislação de liberdade religiosa que os proteja, como no Ocidente. Amen to that. Nos países ortodoxos, mesmo laicos, há uma nítida noção de unidade entre identidade nacional e a fé ortodoxa, algo que nem sempre é positivo mas não se resume a nacionalismo, afinal, muitos se esquecem que foi essa identidade ortodoxa que impulsionou rebeldes a se libertarem do jugo otomano (o lema 'Ortodoxia ou morte', que está na minha assinatura, foi um dos adotados pelos revolucionários nacionalistas gregos do século XIX, na guerra civil).

    Já no Oriente médio a situação é diferente. Lá, qualquer seitinha de merda tem mais chances de se desenvolver que as comunidades ortodoxas e não-calcedonianas que vivem ali há séculos, muitos séculos antes de Maomé nascer. Mas o fim de Bizâncio trazido pelo Islã e, posteriormente, o colonialismo europeu, os extremismos islâmicos, enfim, toda a complicada situação religiosa e política da região jamais foram benéficas para os cristãos nativos, ortodoxos e orientais em geral. Talvez com exceção de alguns poucos regimes, como os de Bashar al Assad, o do outro cara lá no Egito, até o de Gadafi.

    No geral, a situação sempre foi melhor para os cristãos dali nos califados islâmicos que sob regimes fundamentalistas reacionários pós-colonialismo. As razões são óbvias e estão nos noticiários todos os dias, com o martírio anual de milhares de cristãos.
     
    Última edição por um moderador: 23 Jun 2014
  4. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    Eu entendo o ponto de que é necessário manter a integridade nacional e que isso caminha com a integridade religiosa, mas projetar os abusos praticados pelos outros cristão aos povos ortodoxos para justificar essa atitude tão mal educada sobre um grupo de SENHORAS eu acho absurdo. Como vc mesmo disse: Os protestantes não foram nimigos da sua fé, não há necessidade de tudo isso.

    E agora eu sei que vc vai querer me matar, mas eu acho a ortodoxia cristã parecida com o judaísmo nessa negação do proselitismo. Parece que os ortodoxos não querem expandir, não querem sair do leste europeu, querem se manter lá e só lá, até porque, se ela expandir, perde o significado de "exceção", tão levantado pelos ortodoxos aos defender a Europa Oriental.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  5. Paganus

    Paganus Visitante

    Não são inimigos mas se comportam de forma ofensiva para esses povos. Lado a lado com críticas teológicas existe, e isso é coisa observável no Brasil, muita ignorância desses seitas menores do caráter específico da Ortodoxia e da identidade nacional, o que acaba gerando muito desconforto. Ainda mais nesse caso, com pessoas que nasceram e se criaram na mesma fé de seus avós, e isso por séculos e séculos.

    Eu não defendo esse tipo de 'abordagem'. Só achei engraçado, rs. Mas eu compreendo qual ultrajados essas coisas deixam os ortodoxos.

    Sobre isolacionismo, isso é um mal entendido. Proselitismo não é a mesma coisa que evangelização. A evangelização é uma exigência natural da fé cristã: 'Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.' É preciso, é essencial pregar o Evangelho e foi assim que a Igreja se expandiu. Foi assim que o Apóstolo Paulo evangelizou a Grécia, que São Constantino cristianizou o Império, que Santa Nina Igual-aos-Apóstolos levou a fé cristã à Georgia, que São Vladimir de Kiev trouxe o Evangelho à Rússia, que os Santos Cirilo e Metódio Iguais-aos-Apóstolos levaram a fé cristã aos povos eslavos.

    O proselitismo é uma deturpação da evangelização. Proselitismo é um desvio formal e contextual. É formal porque em vez de se oferecer a fé como uma possibilidade de forma honesta e através de um diálogo sincero, ele é oferecido de forma violenta, com propagandística, com poluição visual e sonora, com a invasão das consciências e do cotidiano com mensagens e conteúdos religiosos invasivos, colocados de forma profana, penetrantes através de meios de comunicação de massa. O desvio se torna contextual quando, junto com o desvio formal, se verifica que este é realizado em países já cristianizados, ou seja, lugares onde, teoricamente, já há cristianismo consolidado.

    Some-se a isso circunstâncias dogmáticas, enfrentamento de tradições, toda uma série de conflitos, e nem todos estritamente teológicos, que opõe tradições solidamente cristãs a criticismo de cristãos que se julgam corretores, novos intérpretes de um novo e profético cristianismo. Já viu as críticas dos evangélicos radicais no Brasil ao catolicismo romano? Já viu o teor dessas críticas? O tipo de enfrentamento? Agora transporte isso para países de maior isolamento civilizacional e de uma tradição cristã muito mais arraigada, profunda e bem estabelecida em sua organicidade nacional, étnica e eclesial que essa tradição católica tíbia dos países latinos. Percebe?

    A evangelização ortodoxa sequer se imagina penetrando em territórios já cristianizados, mesmo que formado de grupos e comunidades cismáticas e até heréticas. Isso é padrão na Ortodoxia. A Igreja Ortodoxa jamais evangelizou povos cristãos, porque isso é uma contradição em termos, não se evangeliza quem já conhece o Evangelho. Mesmo um Evangelho heterodoxo é Evangelho e isso sempre foi muito nitidamente percebido, vivido e praticado pelos Padres da Igreja medieval, seja bizantina seja eslava. E isso subentende certa unidade nacional-religiosa. Para os ortodoxos, a simples presença de atividade 'missionária' romanista em seus países é puro uniatismo e as razões são óbvias: porque papista iriam querem evangelizar povos já evangelizados? Oras, porque não querem evangelizar nada, querem papistizar, latinizar, submeter essas comunidades às obediências, 'dogmas' e inovações latinas. Não estão preocupados com o bem estar espiritual e social dos povos orientais, mas com sua submissão, sua renúncia às tradições bizantinas e nacionais e isso é muito importante, viu, Gui, porque se esquece também que o uniatismo sempre viu a unidade imperial de Bizâncio como uma ameaça à hegemonia do discurso eclesial papista, não só pelo seu caráter ortodoxo, mas pelo seu caráter imperialmente ortodoxo, pela sua identidade trans-nacional, imperial, de uma unidade orgânica de povos e culturas diversas compartilhando a mesma fé, a mesma unidade espiritual. Inicialmente Roma era parte dessa comunhão, dessa ecumene, mas muito antes do cisma já estavam em 'cisma ' político e cultural pelos próprios eventos que determinaram a gênese do cristianismo ocidental: sua formação original e independente sob Santo Agostinho, em tudo que sua ideia de cristianismo divergia da Tradição dos Padres da Igreja indivisa, e pela catástrofe civilizacional que foi a queda do Império e sua 'transferência' cultural e religiosa para aquela forja de Império que foi o reino dos francos sob Carlos Magno. Data daí as graduais prostituições a que o Ocidente caiu e que determinou a formação de sua face, de união, união não sem interesses resguardados, com um Império transplantado (com uma cultura clássica também artificialmente transplantada) e as várias tentativas de diminuir o Oriente aos olhos de todos, como para justificar uma clara falta de tradição e obscurecer uma forja civilizacional, um transplante artificial. Pra isso se transformar em discurso hegemônico foi um pulo, e esse pulo se vê claramente na época das Cruzadas, Florença e não tem mudado até os dias de hoje, só mudado de face. Adicione-se aqui que o que se chama de unidade religiosa nacional dos países ortodoxos, tão odiado sempre pelo Ocidente, foi uma reação de uma identidade 'ecumênica' bizantina comum nesses países, uma reação que foi uma importante mola propulsora dos movimentos de independência e é a essência de todo nacionalismo eslavo e não se exclua que na configuração do nacional-comunismo stalinista, tenha sido pouco importante essa identidade bizantino-ortodoxa. Há quem enxergue nos diálogos ecumenistas com Roma nada mais que o mesmo imperialismo papista de sempre, mas com outra roupagem, como para compensar a falência da cristandade, sua incapacidade de resistir às fissuras internas, a ruína da cristandade ocidental e sua substituição revolucionário pelos modelos ideológicos e filosóficos que correspondem ao que chamamos de Iluminismo, Esclarecimento, modernidade. Há quem diga que o laicismo, o individualismo, o relativismo nacional (e trans-nacional, com a queda dos Impérios orgânicos e sua substituição por projetos democráticos que mascaram a dinâmica imperialista), étnico, político, social e religioso, enfim, essas pragas modernas não são tanto reações ao domínio papal ou ao teocentrismo medieval como sua consequência natural, a consequência natural da longa tradição de prostituições das ideias tradicionais de Igreja e de Império a que Roma se prestou. Essa era a posição dos pensadores eslavófilos na Rússia, inclusive do próprio
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    E embora tal agenda especificamente latinista (se é que se pode ainda falar de agenda depois dos séculos XVII e XVIII) não possa se estender ao proselitismo protestante, esse é sim proselitista pelo simples fato de se colocar como uma evangelização dos já evangelizados, mas mais 'autêntica', portanto, que se arrogava o direito de 'corrigir' os 'erros gregos' pela mesma lógica com que se enfrentava os 'erros latinos', isto é, o proselitismo protestava contra a Ortodoxia enquanto lhe ignorava totalmente os traços mais distintivos, crendo se tratar da mesma coisa que o catolicismo mas mais fiel à sua mítica 'Igreja primitiva' pela recusa em se submeter ao Vaticano. Em outras palavras, desde os primeiros contatos entre Ortodoxia e protestantismo, a primeira é rebaixada, relativizada, tem sua identidade diminuída e deturpada por olhos que aprenderam a entender o cristianismo e sua teologia através do prisma exclusivamente ocidental dos embates dos séculos XVI e XVII entre Roma e luteranismo e calvinismo. E isso é ou não é prova mais que suficiente para se ver que mesmo aqui se repete, embora em outro sentido, a velha história de sempre. A história das relações do Ocidente com a Ortodoxia é a história mais da incompreensão, desconhecimento e ignorância da identidade especificamente ortodoxa desta, como de suas faces históricas, sociais, políticas e religiosas. A Ortodoxia não é vista nem por Roma nem pelos protestantes (embora isso seja mais visível na história das relações do protestantismo com o Oriente) como ela mesma, mas é reificada, objetificada, tratada nunca como o que ela é, a Igreja de Cristo, mas como aquilo que querem que ela seja, o que esperam dela, o que dela entendem na sua interpretação reducionista, ocidental, do cristianismo, a saber, a comunidade cismáticos teimosos em se submeter ao 'vigário de Cristo' ou a comunidade daqueles bravos que se recusaram a se submeter ao papismo mas continuam seguindo tradições 'humanas', 'anti-evangélicas', 'presas de superstições'. Em tudo, em tudo, se vê a Igreja sempre coisificada e diminuída por essa visão ocidentalista de toda a história europeia e do cristianismo em geral. Foi essa a natureza (e, em grande medida, ainda é) a natureza das relações do cristianismo ocidental para com o oriental, a de que se está diante de algo exótico e incompreensível, mas que deve, forçosamente, ser entendido, submetido, enfiado dentro de quadros explicativos, definidores, limitadores do pensamento racionalista ocidental, ou pelo menos, de sua teologia. Os caracteres especificamente orientais são escarnecidos, relativizados ou mesmo negados, é o famigerado 'bizantinismo'. E o pior é que a reação ortodoxa a toda essa reificação é ainda mais grotesca, é auto-reificante, a Igreja se esquece de suas heranças patrísticas e as confina à vida ascética nos monastérios e segue totalmente a agenda ocidental, compreende a si mesma como falha em uma teologia 'irracional' e prossegue, indiscriminada e irrefletidamente, o caminho ocidental de teologizar, esquecendo os aspectos característico do fazer teológico enquanto vida de oração, permitindo que algo da blasfema distinção entre vida espiritual e vida teológica (teologia como mera atividade acadêmica, uma ciência como as outras, mesmo que a principal, escolaticismo), enfim, toda uma invasiva e destrutiva influência da teologia ocidental, do modo ocidental de teologizar, na teologia oriental que vai perdendo sua identidade e pior: sua integração à tradição ascética e monástica da Igreja. Todo esse processo, que vai da renegação das heranças bizantinas e a paulatina assimilação da cultura religiosa ocidental anda a par com a assimilação das ideias ocidentais e do modo de vida ocidental como um todo, uma verdadeira colonização cultural de dentro, que se inicia, na Rússia com o tsar Ivan, o Terrível e só é interrompida com a Revolução bolchevique, em 1917, tendo suas mais terríveis e implacáveis fases no reinado do tsar Pedro, o não-tão-Grande, o grande absolutista, lacaio de ideias políticas e religiosas ocidentais, em suas reformas ocidentalizantes que marcaram a identidade da Rússia, e da ortodoxia russa. Essa ocidentalização foi descrita pelo teólogo ortodoxo russo,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , como o 'Cativeiro Ocidental da Ortodoxia', cativeiro que se estendeu por todo o período moderno e que só, recentemente, com o trabalho de neo-síntese patrística dele de outros colegas seus, como os teólogos
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , Paul Evdokimov,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , John Meyendorff,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , dentre outros, se fragmenta e as luzes de um retorno às fontes da tradicional teologia oriental se faz presente e fulminante, de capital importância nas discussões ecumênicas. Esse processo de 'cativeiro' está muito bem explicado no livro do Pe. Florovsky,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , de grande importância historiográfica.

    A Ortodoxia só chegou ao Ocidente por conta da imigração na época da Segunda Guerra e dos tempos de comunismo, o que faz muitos incautos dizerem que só o cristianismo ocidental era 'criativo', que o Oriente era 'inativo', ou orgulhoso, fechado em si mesmo e que esse isolacionismo tinha caráter ideológico. Pode ser que até tivesse mas se esquecem algumas coisinhas:

    1-O proselitismo/evangelização ocidental SEMPRE andou de mãos dadas com o colonialismo ou, pelo menos, com algo que tivesse minimamente a ver com os interesses geopolíticos ocidentais, logo, se há politização no discurso isolacionista ortodoxo (supondo que tal discurso exista, o que raramente se verificou), ele não é menor na expansão da fé cristã a partir do Ocidente europeu mercantilista e capitalista. Você, Fela, sabe disso melhor do que eu. As intenções do Papa poderiam ser as mais puras possíveis, mas nunca a ocidentalização colonialista vinha desacompanhada de cristianização violenta, por vezes até forçada, e se o colonialismo tinha suas justificativas ideológicas naquela ideia de trazer a civilização para os povos dominados, a religião era parte essencial nesse processo.

    2-É frequentemente esquecido que a situação do Oriente pós-cisma praticamente inviabilizava missões. Bizâncio estava acuada de todos os lados, de um havia a ameaça constante e terrível do Império Otomano, de outro as ambições ocidentais unidas pela argamassa civilizacional do papismo. De um lado, só se poderia esperar guerra e morticínio, submissão, escravidão e martírio. do outro, um compromisso frágil, uma amizade congelada por séculos de afastamento e estrangulamento cultural, ofertas de união como condição para apoio militar, ou seja, uma aliança interesseira e insincera. No final, sabemos o que aconteceu. O povo e a maioria do clero rejeitou comprometer a fé e o Ocidente não hesitou em nos virar as costas, e isso não antes de invadir nossa Cidade, blasfemar nossos altares, ofender a Cristo. Veio o jugo otomano e séculos de opressão e martírio foram preferidos a uma existência confortável em aliança com uma 'Igreja' que de ortodoxa não tinha nada há tempos. E aí, comunismo, que matou, torturou e perseguiu mais que todos os outros inimigos de Cristo, juntos. A maior preocupação da Ortodoxia foi sobreviver, proteger seu povo e suas tradições do escárnio e da blasfêmia, manter sua unidade nacional e religiosa contra os ataques e projetos hegemônicos do Ocidente. Só poderiam haver missões em países relativamente livres de opressão, como o Império Russo. E o que aconteceu na Rússia? Aconteceram diversas missões entre os séculos XVII e XIX, ou seja, logo no começo da consolidação da Rússia imperial após o jugo tártaro-mongol e terminando apenas com a catástrofe bolchevique, e para quem foram direcionadas tais missões? Não foram para romanistas e para protestantes, nunca, nem mesmo nas etapas mais grosseiramente imperialistas de sua história, a Rússia sequer cogitou na possibilidade de evangelizar povos cristãos, porque isso é impossível, está determinado nos cânones da Igreja antiga, quando a Igreja tinha de se defrontar com os casos de recepções em seu seio de pessoas e até comunidades inteiras advindas de cisma e heresias.

    A Rússia foi para os pagãos. Missões financiadas por recursos da própria Igreja, de burgueses piedosos, de doações do povo simples, de pequenos e médios proprietários de terra financiaram centros missionários na Crimeia, na fronteira oriental com a Sibéria, no interior da Rússia, até Sevastopol e além, até o Alaska. E daí se estenderam até mesmo aos E.U.A., sim, as mais bem sucedidas comunidades ortodoxas russas dos Estados Unidos não eram de imigrantes, mas de nativos esquimós e estadunidenses convertidos à Ortodoxia por essas missões russas, principalmente graças a nomes como
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , o Apostólo da China e das Américas e de
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . No que se refere à Rússia oriental, essas missões foram essenciais para recuperar e reintregrar, espiritual e culturalmente, regiões de uma heterogeneidade imensas, pagãos siberianos, muçulmanos tártaros, quirguizes, kazanianos etc, e nessa integração, mesmo que pouco profunda inicialmente, nunca se foi violada a liberdade religiosa e de consciência desse povos, nem foram violentadas suas culturas e identidades. A comunidade ortodoxa na China prosperou até ser quase inteiramente extirpada pelo regime maoísta mas sobreviveu e hoje volta a prosperar.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    ícone dos mártires chineses
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Alaska:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Sibéria:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar