1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Estudo identifica astros com mais chances de abrigar vida extraterrestre

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 25 Nov 2011.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    A lua de Saturno Titã e o exoplaneta Gliese 581g estão entre os corpos celestes mais propensos à existência de vida extraterrestre, diz um artigo científico publicado por pesquisadores americanos.

    O estudo da Universidade de Washington criou um ranking que ordena os planetas e satélites de acordo com a semelhança com a Terra e as condições para abrigar outras formas de vida.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O exoplaneta Gliese 581g (em primeiro plano) foi considerado o mais parecido com a Terra;
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Segundo os resultados publicados na revista acadêmica "Astrobiology", a maior semelhança com a Terra foi demonstrada por Gliese 581g, um exoplaneta --ou seja, localizado fora do Sistema Solar--, cuja existência muitos astrônomos duvidam.

    Em seguida, no mesmo critério, vem o Gliese 581d, que é parte do mesmo sistema. O sistema Gliese 581 é formado por quatro --e possivelmente cinco-- planetas orbitando a mesma estrela anã a mais de 20 anos-luz da Terra, na constelação de Libra.

    CONDIÇÕES FAVORÁVEIS


    Um dos autores do estudo, Dirk Schulze-Makuch explica que os rankings foram elaborados com base em dois indicadores.

    O ESI (sigla em inglês de Índice de Similaridade com a Terra) ordenou os astros conforme a sua similaridade com o nosso planeta, levando em conta fatores como o tamanho, a densidade e a distância de sua estrela-mãe.

    Já o PHI (sigla de Índice de Habitabilidade Planetária) analisou fatores como a existência de uma superfície rochosa ou congelada, de uma atmosfera ou de um campo magnético.

    Também foi avaliada a energia à disposição de organismos, seja através da luz de uma estrela-mãe ou de um processo chamado de aceleração de maré, no qual um planeta ou lua é aquecido internamente ao interagir gravitacionalmente com um satélite.

    Por fim, o PHI leva em consideração a química dos planetas, como a presença ou ausência de elementos orgânicos, e se solventes líquidos estão disponíveis para reações químicas.

    HABITÁVEIS


    No critério de habitabilidade, a lua Titã, que orbita ao redor de Saturno, ficou em primeiro lugar, seguida da lua Europa, que orbita Júpiter.

    Os cientistas acreditam que Europa contenha um oceano aquático subterrâneo aquecido por aceleração de maré.

    O estudo contribuirá para iniciativas que, nos últimos tempos, têm reforçado a busca por vida extraterrestre.

    Desde que foi lançado em órbita em 2009, o telescópio espacial Kepler, da Nasa (agência espacial americana), já encontrou mais de mil planetas com potencial para abrigar formas de vida.

    No futuro, os cientistas creem que os telescópios sejam capazes de identificar os chamados "bioindicadores" --indicadores da vida, como presença de clorofila, pigmento presente nas plantas-- na luz emitida por planetas distantes.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Acho que falei em outro tópico, mas repito: OK, os cientistas estão seguindo uma lógica coerente em procurar vida extraterrestre (ou condições para tal) constituída de formas semelhantes às que encontramos na Terra. Mas... será que eles não deveriam procurar também (ou esperar encontrar) vida constituída de formas que NÃO ENCONTRAMOS na Terra, ou em condições que nem imaginávamos supor?
     
  3. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Falando assim até parece simples :lol:

    Acho que é preciso distinguir: 1) suposições sobre vida extraterrestre (como no caso dessa notícia) de 2) buscas de fato por vida extraterrestre, que só podem ser levadas a cabo basicamente de duas maneiras: a) programas como o
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , que basicamente buscam sinais de vida extraterrestre por meio de seus "rastros" tecnológicos (como sinais de rádio) e b) buscas in loco com sondas, como aquelas enviadas para Marte.

    O item 2-b naturalmente não entra nessa discussão.
    Já quanto ao 2-a, eu realmente não sei qual a capacidade das sondas de averiguar vida estruturalmente muito diferente da encontrada aqui.

    Já no campo das suposições (item 1), cogitar vida com uma estrutura diferente da nossa é quase mais um exercício mental do que outra coisa, já que não existe base comparativa. Digamos que eu queira averiguar a possibilidade de organismos em Titã que sejam baseados em silício (uma
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , que tal!?). E aí? Com que base eu posso levantar suposições a respeito disso? Em que condições tais tipos de organismos podem surgir e se desenvolver?
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar