1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Estranha Presença (Sarah Waters)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Clara, 12 Mar 2011.

  1. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Descobri esse livro por acaso e a resenha da Veja descrevendo a história como uma mistura de "crônica realista de conflitos de classe com os elementos mais sinistros da literatura gótica" me deixou mais interessada ainda.

    Apenas o preço não é nada convidativo R$ 41,90 no
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , tenho medo de comprar e ser uma decepção. =/

    Alguém aqui já leu ou ao menos ouviu falar?
     
  2. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Bacana o texto JLM.
    Mas no caso desse livro, pelas resenhas que li, não se menciona nada sobre homosexualismo na história (de repente até tem alguma alusão, sei lá).
    O que eu quero saber é se a história é mesmo um tipo de terror gótico daqueles bons. :sim:
    Não me importo se tem lesbianismo, gays e afins.
     
  4. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    independente d abordar o tema ou ñ, ela é uma escritora talentosa e q percebemos q gasta 1 tempo danado nas pesquisas para caracterizar a época e os personagens. se ñ me engano o último livro dela, sobre a 2a guerra mundial, já ñ trouxe nada homoafetivo.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    claaaara, eis que dois anos depois chego com uma resposta. tardo mas não falho, rôôou! primeira coisa: esse livro foi finalista do man booker prize. perdeu pra mantel, que pelo visto é meio que o chico buarque do man booker prize atualmente (se é que vcs me entendem :sacou: ). de qualquer forma, vai aí o post que escrevi
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    sobre o livro:

    Nunca tinha ouvido falar do livro The Little Stranger de Sarah Waters (lançado aqui no Brasil pela Record como Estranha Presença). O que chama minha atenção para a total ignorância sobre o título foi basicamente o fato de que eu adoro histórias de casas assombradas por fantasmas e bem, The Little Stranger tem uma casa assombrada por fantasmas. Junte aí o fato de que a obra foi finalista do Man Booker Prize de 2009 e pans, wtf Anica, por onde anda sua cabeça? Ok, voltamos à ordem natural das coisas, já li o dito cujo. É realmente uma ótima história de fantasmas, mas ela não é só uma história de fantasmas, e daí justamente o seu charme. De certa maneira lembrei muito de A outra volta do parafuso enquanto lia, já que muito dos recursos utilizados por Waters são bastante parecidos com os da obra de Henry James.

    As semelhanças começam com a presença de um narrador não confiável, Faraday. Logo de cara ele descreve seus sentimentos sobre a primeira vez que esteve na mansão Hundreds Hall, quando ainda era criança: uma grande admiração e desejo de ser parte daquilo. Faraday era filho de pessoas humildes, ainda jovem perdeu a mãe e com esforços do pai conseguiu seguir carreira na medicina, e é como médico que retorna à mansão, para cuidar da empregada da família Ayres. Quando chega ao local, descobre que ele não tem mais nada a ver com as memórias de sua infância: decadente e caindo aos pedaços, Hundreds Hall aparece como um símbolo do que as Guerras fizeram com as famílias mais ricas da Inglaterra.


    Ao conhecer os Ayres, Dr. Faraday aos poucos começa a conquistar a confiança deles. Seja na paciência como lida com a matriarca, ou mesmo com a generosidade em tratar de graça a perda de Roderick, os laços com a família iam se estreitando. E assim ele conseguia acompanhar de perto a ruína do que antes tinha sido um dos sobrenomes mais poderosos da região. A descrição que ele faz do modo como os Ayres vão lidando com o problema é bastante interessante, e bastante longa também, no final das contas: se você pega o livro esperando horror do começo ao fim, fica já o aviso: vão uns 30% da história só com Waters arrumando o cenário, digamos assim, para que então os sustos comecem.

    E eu sei que isso pode desestimular alguns leitores (eu mesma pensei em abandonar o livro pelo menos duas vezes quando a parte sem horro se esticou demais), mas a realidade é que esse trabalho da autora é fundamental para a criação do efeito final da história, bem como do desenvolvimento da atmosfera de terror. Alguns momentos só assustam porque já estamos suficientemente familiarizados com Hundreds Hall (e seus habitantes). Tanto que a “estranha presença” que vemos no título aparece inicialmente de forma bastante sutil, para ir ganhando força aos poucos. Há inclusive um recurso que Waters utiliza de diminuir a tensão da narrativa (descrevendo os problemas financeiros dos Ayres, ou a rotina de Faraday como médico) para então vermos um aumento súbito da tensão, com cenas normalmente não presenciadas por Faraday, que ele descreve como contada por quem estava no lugar.

    Alguns momentos são bastante assustadores, porque a presença não é apenas uma aparição: ela movimenta objetos, faz barulhos no meio da madrugada, incendeia cômodos, etc. Não há lugar seguro, não há como escapar. A situação fica de tal modo insustentável que Roderick, que se vê responsável pela família, simplesmente enlouquece, deixando mãe e irmã vivendo sozinhas na mansão – que por conta das dívidas agora sequer pode contar com o gerador para ter luz, e ainda é castigada por chuvas e o frio do inverno que se aproxima. De novo, as descrições detalhadas de Waters colaboram para a criação do clima soturno da história.

    É a partir da internação de Roderick que a história sofre um desdobramento que novamente traz semelhanças com A outra volta do parafuso. Como já disse antes, Faraday é um narrador não confiável, por causa de sua obsessão com Hundreds Hall, tal como a governanta com Bly na obra de James. Da mesma forma, Faraday vai apontando aos poucos necessidades de cuidados especiais para os membros da família (primeiro Roderick, depois a Sra. Ayres), enquanto a governanta quer proteger as crianças dos fantasmas que ela acredita habitarem o local. E embora a postura cética de Faraday sobre os fantasmas acabe se opondo à da governanta, o que percebemos é que o relato dos dois acabam deixando um tom dúbio sobre a questão: há fantasmas no lugar ou não?

    (Aqui vem um spoiler, então eu aconselho um pulo para o próximo parágrafo): O que eu percebi do desfecho é que se havia fantasma ali, era do mesmo jeito que Caroline acreditava que poderia ser seu irmão. Um sentimento tão forte e tão ruim sobre o lugar que acaba criando uma energia e, no caso, a tal presença. Mas ao contrário do que Caroline suspeitava, eu acho que quem era o “dono” da energia, digamos assim, era Faraday, com seu desejo insano de viver em Hundreds Hall. Por outro lado, há algo no desfecho, bem como em algumas questões que podem ser levantadas ao longo da narrativa, que dão a impressão de que não era nem questão de presença, era algo físico e real mesmo, e ainda mais perverso: tudo um plano de Faraday para conseguir o que queria. Repare como o “fantasma” não parece atacar Caroline (pelo menos até o rompimento do noivado), ou como ele nunca está presente quando há os ataques mais fortes da presença. E mesmo aquele “You!” da Caroline, acaba fazendo questionar – ainda mais que quando Faraday começa a relembrar todos os eventos, desde a morte de Gyp, ele diz “I think of Caroline, in the moments before she died, advancing across that moonlight landing. I think of her crying out: You!“. Todos os eventos descritos antes desse são eventos que ele viu pessoalmente, por que aparece então este momento de Caroline? Ele seria a pessoa que ela reconheceu?

    E justamente por causa dessas questões que levanta, ou melhor, pelo modo como torna possível ao leitor questionar a natureza do que é narrado, buscando a possibilidade de uma sequência de acontecimentos além daquela que ele leu. E para quem ficou curioso, tem um video da autora falando sobre o livro (feito pela BBC na época do Man Booker):

     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • Ótimo Ótimo x 1
  6. Clara

    Clara Que bosta... Usuário Premium

    Então, vale a pena, hein? =]
    Legal!
    Não li o parágrafo com spoiler e, lembrar "A volta do parafuso", pra mim é um elogio.

    Sem dúvida este já vai pra lista de "comprar e ler o mais rápido possível" :yep:
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  7. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    vale a pena sim. não é horror do começo ao fim (entra muito o que o jlm falou da pesquisa de época, então ela retrata muito bem a situação do pós-guerra e tudo o mais), mas as partes de horror são >> O_O
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar