1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Estado da Austrália matará tubarões que se aproximem das praias

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 30 Set 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    O governo do estado da Austrália Ocidental anunciou nesta quinta-feira um plano para capturar e matar os tubarões que se aproximarem demais das praias como medida de proteção após um ano no qual foram registradas cinco vítimas fatais por ataques destes animais.

    declarou Colin Barnett, governador da Austrália Ocidental, ao canal ABC.

    O plano anunciado por Barnett está avaliado em US$ 6,85 milhões. O Departamento de Pesca será o encarregado de rastrear e sacrificar os tubarões que representarem um perigo para os banhistas, e por acompanhar os animais para estabelecer um perímetro de segurança.

    disse o político australiano.

    Antes desta medida, o Departamento de Pesca só podia matar um tubarão depois que o animal atacasse um banhista.
    frisou Barnett.

    A organização protetora dos animais "Wilderness Society", do estado da Austrália Ocidental, rejeitou o plano afirmando que o sacrifício de tubarões de maneira preventiva não é a solução para o problema.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Helicóptero de resgate e carros da polícia australiana em praia de Wedge Island, a 160 quilômetros de Perth, na Austrália, após ataque fatal de tubarão, ocorrido em julho deste ano​

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Pelo visto parece que os australianos não aprenderam a lição mesmo

    Um texto interessante a respeito disso onde destaco em negrito a parte que diz respeito a Austrália

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Os tubarões, peixes de esqueleto cartilaginoso pertencentes à classe chondrichthyes existem a cerca de 450 milhões de anos e apresentam um excelente nível evolutivo, sofrendo poucas alterações nos últimos 150 milhões de anos. Atualmente existem cerca de 500 espécies viventes descritas, adaptadas aos mais diversos nichos ecológicos, sendo encontradas nos mares desde os trópicos até os pólos, assim como em ambientes de água doce.

    Sendo predadores de topo de cadeia, os tubarões são essenciais para manter o equilíbrio nos ecossistemas marinhos. Eles regulam a diversidade e abundância das demais espécies, incluindo muitas de grande valor comercial e cuja saúde populacional necessita da existência dos tubarões. Sem estes animais para predar indivíduos doentes, por exemplo, ou para consumir outros organismos que predam sobre espécies que afetam recifes de coral, a saúde dos ecossistemas marinhos declina. Eles agem também como instrumento de seleção natural ao predar os mais lentos e mais fracos.

    Enquanto algumas espécies de peixes conseguem se reproduzir rapidamente e em grandes quantidades, renovando e recuperando seus estoques naturais, os tubarões empregam grande quantidade de energia na gestação de seus filhotes, fato que explica o pequeno número de filhotes por ninhada e o longo período entre as gestações. Possuem maturação sexual tardia, muitos só a partir dos 15 anos. Vale ressaltar que poucos indivíduos chegam a ter a chance de se reproduzir. Apresentam ainda, uma taxa anual de reposição de apenas 3 a 4%, muito pouco para se recuperar das grandes perdas sofridas ao longo dos anos.

    Um dos motivos para a alta taxa de pesca dos tubarões é o lucro que se pode obter através desta atividade. Suas barbatanas são consideradas iguarias pelo povo oriental, além de ser item de status, sendo servida em jantares, casamentos e outros eventos, chegando a valer mais de 10 vezes o preço total da sua carne. Com isso, criou-se a prática denominada finning, prática essa onde suas barbatanas são retiradas e o animal é jogado ainda vivo ao mar. Sem conseguir se movimentar e gravemente ferido, o tubarão afunda podendo morrer por perda de sangue, afogado ou como presa fácil para outros animais. A justificativa dada para este ato cruel é que é muito mais lucrativo encher o barco apenas com esta parte do animal (que possuem alto valor de mercado) do que com todo o corpo do tubarão (em sua maior parte a carne, que possui baixo valor).
    Um estudo realizado pela IUCN em 2009 para determinar o estado de conservação global das 64 espécies de tubarões e raias de alto mar revelou que 32% estão ameaçadas de extinção. De acordo com a lista vermelha da Instituição, podemos listar as seguintes espécies que evidências demonstram já estar ameaçada de risco de extinção: são martelo, balei, tigre-de-areia, azul, peregrino, mako, anequim-preto, marracho, cação-bico-de-cristal, raposa, galha-branca, fidalgo, cação-galhudo, cação-noturno.

    Aliado à pesca desenfreada, os tubarões sofrem preconceito pela sociedade. Podemos mencionar o filme “Tubarão” , sucesso de bilheteria em 1975 e dirigido por Steven Spielberg, que ajudou a desenvolver o medo e a antipatia do público em relação a esses animais. Ainda hoje, muitas pessoas acreditam que os tubarões são assassinos sanguinários que merecem ser dizimados. Esse animal faz sempre o papel de vilão, as pessoas os matam muitas vezes sem motivo algum, apenas por acharem que isso é o certo a se fazer. Além disso, estes animais recebem pouca atenção das regras de pesca internacionais, sendo que a maioria das nações nem apresenta leis para tal prática.

    Sua extinção, ou até mesmo a diminuição de populações de tubarões pode acarretar graves problemas como no final dos anos 1980, na Austrália, onde a pesca excessiva de algumas de suas espécies originou um aumento das populações de polvos, seu alimento natural. Estes se alimentavam em quantidades acima do normal das populações de lagosta, trazendo grande prejuízo para a indústria pesqueira.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Eles tinham que matar é as pessoas que se embrenham nessas praias. Tubarões são seres do mar, humanos não.

    Mania de querer se meter em territórios que não são nossos. A arrogância da humanidade me impressiona.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    É isso que eu acho engraçado, até hoje eu não vi um tubarão sair da água e morder alguém, é sempre um imbecil que entra na água e se deixa morder, nós somos muito burros para não aprender com os erros do passado, ou para não pensar antes de agir, com certeza que tem um político no meio, sempre que alguma decisão importante é tomada nunca é por alguém da área, alguém que entenda, é sempre por um burocrata, alguém que não tem os pés na realidade.
     
  5. Pearl

    Pearl Usuário

    12 ataques em 100 anos? sendo que no último ano foram 5? Não era mais fácil procurar corrigir o que mudou para aumentar o número de ataques que sacrificar os animais? E termo tubarão é muito amplo... qual espécie exatamente eles estariam falando?
     

Compartilhar