1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Especialistas repudiam trote

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Lu Eire, 31 Jan 2011.

  1. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    De: http://www.unb.br/noticias/unbagencia/unbagencia.php?id=4548

    Especialistas da UnB repudiam trote que ocorreu na Faculdade de Agronomia e Veterinária, no último dia 11 de janeiro. Durante a recepção, as calouras estavam ajoelhadas lambendo uma linguiça lambuzada de leite condensado. O episódio chegou à Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM/PR), que pediu esclarecimentos à universidade sobre o fato. Leia aqui.

    As professoras afirmam que, quando ocorre uma brincadeira envolvendo mulheres, sempre está ligada à sexualidade. “O mais grave e lamentável é que os nossos jovens universitários ainda enxergam as mulheres como objeto sexual”, afirma Lourdes Bandeira, subsecretária da Secretaria de Políticas para Mulheres e professora do Departamento de Sociologia da UnB.

    Lourdes Bandeira defende que o fato de o trote ser uma atividade optativa não justifica o caráter violento. As meninas não foram informadas que participariam da atividade com a linguiça. “As fotos mostram uma situação de constrangimento como se as mulheres se prestassem a qualquer coisa”, afirma. “O fato de ser opcional não pode de maneira nenhuma violar o código de convivência da universidade”, opina Tânia Montoro, professora da disciplina Comunicação e Gênero, da Faculdade de Comunicação.

    As especialistas acreditam que a mulher tem dificuldade de se posicionar contra o trote. “A fala da aluna que disse ter participado porque quis é curiosa”, afirma Débora Diniz, professora do Departamento de Serviço Social. A professora explica que o trote reproduz a ideia de hierarquia, em que se o calouro se nega a participar ele será ainda mais ridicularizado. “Quem vai sair do coletivo dizendo que não vai participar e ser respeitado por isso?”, questiona. “A pessoa sabe que vai pagar um preço muito alto e por muito tempo.”

    Lívia Gimenes, coordenadora do projeto Promotoras Legais Populares e mestranda da Faculdade de Direito, afirma que os calouros acham que o trote faz parte da entrada na universidade e que é preciso passar por isso para ser aceito no ambiente acadêmico. “Talvez as meninas não enxerguem isso como humilhação”, disse. Ela acredita que o machismo é algo que se perpetua na sociedade. “Elas deixam isso acontecer porque é uma forma de se ver. O machismo está impregnado, inclusive entre as mulheres.”

    As professoras esperam que a atitude da Secretaria de Políticas para Mulheres faça com que a universidade repense suas práticas. “A UnB deve uma resposta formal à secretaria e também precisa refletir sobre o trote”, opina a professora Débora Diniz. Ela acredita que a UnB está caminhando para isso. Um exemplo é o tema de o vestibular ter sido o trote. “Fez com que os próprios calouros refletissem sobre o assunto antes de entrar na universidade. Isso já é muito importante”, completa.

    Tânia Montoro afirma que a UnB está com problema de autoridade com os alunos. Ela defende que a universidade tenha regras. “É como se o filho passasse a mandar nos pais. Eu dou aula há 30 anos na UnB e percebo que os alunos não respeitam a universidade”, afirma. Para ela, um espaço de convivência como a universidade não pode haver humilhação. “Se querem fazer trote que façam fora da UnB.” Lurdes sugere que a UnB determine o que não pode ocorrer no trote. “Sem descaracterizá-lo como um rito de passagem, mas não deixando acontecer opressão, humilhação e desrespeito. Deve haver regras para o que não pode ocorrer”, opina. “Se nada for feito esse episódio vai se repetir”, completa.

     
  2. Tataran

    Tataran Usuário

    Sempre achei qualquer tipo de trote, mesmo os mais bobos, um atestado da barbárie e do atraso do nosso povo. Infelizmente, o tema só recebe atenção quando alguém resolve levar essa prática a um outro grau de idiotice.
     
  3. Lana Lane

    Lana Lane Usuário

    Isso se repete sempre. Lembro de quando eu entrei na Universidade. As meninas tinham que desfilar em cima das classes e os veteranos escolhiam a "Miss Bundinha" e a "Miss Corlac". Muito ridículo mesmo! ¬¬
    Agora, experimenta se recusar a participar pra ver o que acontece? Tu vai ser discriminado por muito tempo, a garota da UnB estava falando de um fato. :puke:
     
  4. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    É, isso de participar porque quer é muito relativo, mesmo.

    Todo ano a gente escuta história de trote, mas dessa vez eu me choquei muito com a linguiças, e por ter gente dizendo que isso não é humilhação. Não tenho nada contra trote especificamente, nem contra sexo oral, mas deixar que os caras te usem como objeto sexual... complicado.

    Pior é que depois essas mesmas meninas que defenderam o trote vão dizer em outras ocasiões, se é que já não disseram alguma vez, que "homem nenhum presta", "não temos igualdade", "é uma falta de consideração com a gente".

    Eu tenho raiva de mulher que se deixa usar e depois reclama no dia seguinte da balada que o cara para quem ela deu não ligou.
     
  5. imported_Shiryu

    imported_Shiryu Yippie-ki-yay...

    Trote é uma coisa simplesmente inexplicável para o tipo de pessoa que se acha adulto. Eu nem participei do trote da minha faculdade meio que por sorte, tinha ido no show do Iron Maiden daí faltei no outro dia, que acabou sendo o trote. Como o povo lá do meu curso meio que não liga, fiquei de boa. Se bem que queria ver alguém se alugar comigo depois por não ter ido no trote, ia voa soco para tudo quanto é lado.
     
  6. Feynman

    Feynman Usuário

    Não sou contra rituais de iniciação que existem desde sempre, porém nesse caso é inegável que houve desrespeito / humilhação as calouras.
     
  7. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    Então, acho que o problema não é o trote. Sempre vai ter gente que quer fazer, e isso não torna essas pessoas superiores ou inferiores àqueles que não querem participar. Eu só acho errado essa "exploração", de humilhar, de fazer do outro um objeto.
     
  8. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    Nossa, você concordou comigo :rofl:

    Desculpe a brincadeira, é que na nossa discussão de Belo Monte você sempre argumentava contra...
     
  9. Anica

    Anica Usuário

    né? o problema é que a maior parte ainda não é. a média de idade para se formar é de quê? 21, 22 anos? sujeito tá com o pé na vida adulta quando está deixando a universidade, e não quando está entrando.

    aí todo ano sai esse monte de show de horrores. não só nos trotes, alguém lembra das notícias sobre os rodeios de gordas que saíram ano passado? pois então.

    ainda bem que não é uma unanimidade é "cada caso é um caso", mas vira e mexe vemos notícias relacionadas a trotes violentos e/ou abusivos. e cria-se um círculo vicioso, já que quem sofreu um ano acha-se no direito de fazer outro calouro sofrer no ano seguinte, e blablabla.
     
  10. Feynman

    Feynman Usuário

    Que coisa, não? XD ......... gosto de suas opiniões, embora nem sempre concorde com elas.
     
  11. imported_Shiryu

    imported_Shiryu Yippie-ki-yay...

    O problema é que a maioria desses rituais quase sempre tem algum grau de violência física ou psicológica (até tem trotes solidários, mas são raridades), além de que os calouros sempre vão para o trote por obrigação e não porque querem ir. Por isso sou contra, mas não há como negar que por mais que criem leis contra esse tipo de prática, isso sempre vai existir.
     
  12. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    O pior esse ano foi a humilhação com apelo sexual... Nunca vou aceitar isso.
     
  13. Feynman

    Feynman Usuário

    Ritos de iniciação ou de passagem não são exclusividade das faculdades, por isso independem da idade ou maturidade dos envolvidos: indígenas, soldados, religiões e até no mundo animal tais ritos estão presentes. De forma simplista, a idéia é transpassar ao iniciado um sentimento de transformação: física, psicológica, espiritual, etc. Transformação essa, que o tornará apto a fazer parte, ou não, de determinado grupo.
    Trotes solidários, ou com qualquer outro mote saudável que o valha, devem ser incentivados pelas faculdades, a fim de sublimar o ímpeto dos estudantes, que como qualquer humano clama por dominação e violência.


    Desculpem se viajei demais!!!:rofl:
     
  14. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    wtf essa ação preventina o_Õ
    os caras vão prevenir o trote tendendo aos calouros? Quem faz os trotes são os veteranos lol
    não adianta de nada o calouro não querer fazer o trote se o veterano quer... =|
    aqui na UFG tem até comissão de trote =p

    fora isso... "se quiserem fazer, que seja fora da UnB". É assim mesmo que vamos resolver o problema: se matam no terreiro do vizinho, que matem; desde que não seja no meu~~~~
     
  15. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Coloca todo mundo para fora da universidade para ver se não para com esses trotes bizarros,e pensar que o dinheiro público está sendo gasto com um bando de idiotas,estamos perdidos.
     
  16. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Eu posso ser isolada/ridicularizada o ano ou curso todo, mas me recuso a fazer coisas que eu não queira.
    Se for para ter amigos, eu não quero amigos- veteranos -idiotas eu prefiro ficar sozinha.

    As meninas tem que dizer "Não" e impor respeito e ponto.
     
  17. Lana Lane

    Lana Lane Usuário

    Eu não sei se tu passou por algum trote desses, mas a verdade é que fica meio complicado rodar a baiana na hora que a coisa está acontecendo. Eu, por exemplo, consegui me misturar no meio de um bolo de gente acuada num canto na sala de aula e escapei de desfilar, mas as meninas mais arrumadinhas, mais "gatinhas" não conseguiram escapar. Foi uma merda! Eu não via a hora de ir embora. ¬¬
    Eu sou totalmente a favor da proibição do trote. Não tem como evitar que os veteranos se passem. Vi uma reportagem há alguns dias onde pessoas saíam desmaiadas. Horrível demais!
     
  18. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Bem, entendo na hora os veteranos parecem animais, estão todos loucos.
    Mas, se uma pessoa que se acha melhor por ser veterano e e age desse jeito, não é uma pessoa muito bacana.

    que fofinhos esses gatinhos :amor:

    Legal o ex. da USP

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  19. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Os do anos restantes vão deixar o trote pra depois =p....

    Agora, na real... Trote em universidade é a casca da alranja. Tem coisa que acontece dentro de universidade, públicas ou particulares, que preocupam e alarmam tanto quanto ou mais que o trote...

    (e, se formos pensar bem, são fatos que ocorrem dentro da universidade que servem de estímulo para fatos que ocorrem fora ou que afetuam pessoas de fora ou recém-chegadas...)
     
  20. imported_Shiryu

    imported_Shiryu Yippie-ki-yay...

    Trote nunca é no primeiro dia de aula (pelo menos na UFPR).

    Mosquei... Do que você tá falando?
     

Compartilhar