• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Escravos não construíram pirâmides do Egito

Kyra

I am Jack's smirking revenge.
CAIRO - O Egito divulgou nesta segunda-feira túmulos recém-descobertos de mais de quatro mil anos e afirmou que eles pertenceram a pessoas que trabalharam nas Grandes Pirâmides de Guizé, apresentando a descoberta como mais uma evidência de que escravos não construíram os monumentos.

A série de modestos abrigos de pouco menos de três metros de altura tinha uma dúzia de esqueletos dos construtores das pirâmides, perfeitamente preservados pela areia seca do deserto com jarros que já contiveram cerveja e pão que foi deixado para o além-vida dos trabalhadores.

As tumbas feitas com tijolos de lama foram descobertas na semana passada na área das pirâmides de Guizé, num local além de um cemitério descoberto nos anos 1990 e datados de 2575 a.C. a 2467 a.C., quando as grandes pirâmides foram construídas, nos limites do que hoje é a cidade do Cairo.

O antigo historiador grego Heródoto descreveu os construtores das pirâmides como escravos, criando o que os egiptologistas afirmam ser um mito que se propagou com Hollywood.

Túmulos de construtores das pirâmides foram descobertos pela primeira vez na área em 1990 quando um turista passou por um muro que depois foi descoberto ser uma tumba. O arqueólogo-chefe egípcio

Zahi Hawass afirmou que as descobertas mostram que os construtores eram trabalhadores pagos e não os escravos do imaginário popular.
http://info.abril.com.br

Não achei nada relacionado aqui no fórum... Notícia meio 'velha' mas que pode dar uma discussão legal. Gostaria de saber a opinião de vocês!
 

Sentinela

.............
Que coisa, hein?

Pra você ver como podemos ser facilmente manipulados, basta ter o poder sobre a informação nas mãos.
 

Náring

Mad Hatter
De fato. Todos esses anos ficamos com essa imagem de escravos carregando blocos sob influencia de chicotes. Incrivel como uma ideia errônea pode ficar grudada em nossas mentes se for amplamente utilizada em filmes. Bem interessante que não seja esse o caso...
 

Raphael S

Desperto
Eles deviam ser muito bem pagos e muito inteligentes. Pois até hoje ninguém sabe ao certo como foram construídas as pirâmides. Aqueles blocos de pedra de peso impossível.

OMG! Kyra, são os cavaleiros que dizem Niiiiii! Que fera. ^_^

By Raphael Silvério
Telecinetics
 
Última edição:

Keltos

Bolsim, O Verde.
hahaha sim a notícia é velha, mas é interessante.


Como os homens eram pagos? Bem vamos pensar na instituição da Corvéia Real. Eles eram obrigados pelo Faraó a participar de trabalho compulsório.

Bem, as estruturas econômico-sociais egípcias eram marcadas por um estado burocrático. Como vivam em uma economia baixamente tecnificada e mercantilizada, tinham seus excedentes agrícolas controlados pelo governo faraônico e pelos templos que regulavam certas atividades pelo bem do estado faraônico.

Como o conceito de homem livre e escravo no egito antigo é algo que possui muitos níveis, vamos entender que o trabalho não escravo propriamente, principalmente de construções faraônicas, se dava pela instituição da corvéia real.

Pessoas a princípio livres, exercendo profissões das mais variadas vertentes, quando chamadas para a corvéia real eram obrigadas a fazê-lo. Em troca ganhavam mantimentos, roupas etc.

As funções que exerciam na corvéia eram também das mais variadas: CONSERTO DE DIQUES, TAREFAS AGRÍCOLAS, CONSTRUÇÕES ETC.

Escapar da corvéia estava fora de cogitação. Se tentassem escapar depois de um prazo de seis meses transformavam-se em escravos hereditários.

Os ricos tinham uma maior liberdade nesse sentido, pois podiam mandar substitutos, escravos e etc para trabalhar no seu lugar. Até mesmo os sacerdotes eram obrigados a prestá-la. No entanto, nem sempre essa história continuou assim. Com o tempo os construtores de tumba viraram um serviço especializado. Mas também sabemos que até mesmo estes trabalhadores livres ganhavam mensalmente salários in natura, como cereal, pão, cerveja e até mesmo peixe, legumes, azeite etc.

Estas cidades-operárias mostram o nível elevado deste trabalho especializado e também a vida de quase prisioneiros que eles levavam durante o período de construção.

Mas enfim, é interessante vermos isso e mesmo grosso modo como coloquei repararmos que se por um lado não foram escravos que construíram as pirâmides por outro lado também não foi tão "por amor" como o arqueólogo Zahi Hawass nos faz acreditar em suas declarações.
 
Última edição:

Lyvio

Usuário
CARAMBA! Realmente a influência da mídia é fogo, eu também jurava de pé junto e discutia com alguém caso disessem que não foram escravos que fizeram as pirâmides. Noticiavelha mais bem curiosa e interessante, imagino o quanto sofreram para arrastar aqueles blocos. E lógicamente não haviam mamutes nessa empreitada [+10000 A.C]...
 

Dúnadan Thorongil

Mensageiro de Gondor
Já havia lido alguma coisa a respeito. Em vez de escravos, seriam camponeses que impossibilitados de trabalhar na lavoura durante as cheias do Nilo, iam pras irâmides por amor ao faraó (não se é verdade isso dos camponeses, mas faz algum sentido. E a realidade não deve ter sido são doce como essa de "amor ao faraó").
 

Kyra

I am Jack's smirking revenge.
Eu sempre achei estranho, pois acredito que os antigos egípcios eram muito avançados pra esse tipo de coisa.

CARAMBA! Realmente a influência da mídia é fogo...

A mídia ou a Bíblia? Era nesse ponto que eu queria tocar e ninguém falou nada, então melhor deixar assim...hehehe

Vi também que nas tumbas encontradas o selo real estava estampado ou algo do tipo. E isso significaria que os trabalhadores não tinham tanta raiva do Faraó e toda aquela coisa de escravos oprimidos pode ser descartada.

OMG! Kyra, são os cavaleiros que dizem Niiiiii! Que fera. ^_^

:lol: :joy:
 

Keltos

Bolsim, O Verde.
Como o conceito de homem livre e escravo no egito antigo é algo que possui muitos níveis, vamos entender que o trabalho não escravo propriamente, principalmente de construções faraônicas, se dava pela instituição da corvéia real.

Pessoas a princípio livres, exercendo profissões das mais variadas vertentes, quando chamadas para a corvéia real eram obrigadas a fazê-lo. Em troca ganhavam mantimentos, roupas etc.

As funções que exerciam na corvéia eram também das mais variadas: CONSERTO DE DIQUES, TAREFAS AGRÍCOLAS, CONSTRUÇÕES ETC.

Escapar da corvéia estava fora de cogitação. Se tentassem escapar depois de um prazo de seis meses transformavam-se em escravos hereditários.

Os ricos tinham uma maior liberdade nesse sentido, pois podiam mandar substitutos, escravos e etc para trabalhar no seu lugar. Até mesmo os sacerdotes eram obrigados a prestá-la. No entanto, nem sempre essa história continuou assim. Com o tempo os construtores de tumba viraram um serviço especializado. Mas também sabemos que até mesmo estes trabalhadores livres ganhavam mensalmente salários in natura, como cereal, pão, cerveja e até mesmo peixe, legumes, azeite etc.

Estas cidades-operárias mostram o nível elevado deste trabalho especializado e também a vida de quase prisioneiros que eles levavam durante o período de construção.

Mas enfim, é interessante vermos isso e mesmo grosso modo como coloquei repararmos que se por um lado não foram escravos que construíram as pirâmides por outro lado também não foi tão "por amor" como o arqueólogo Zahi Hawass nos faz acreditar em suas declarações.

Alguém leu isso? :osigh:

Vi também que nas tumbas encontradas o selo real estava estampado ou algo do tipo. E isso significaria que os trabalhadores não tinham tanta raiva do Faraó e toda aquela coisa de escravos oprimidos pode ser descartada.





:lol: :joy:

Isso quer dizer, como falei anteriormente que o estado burocrático egípcio controlava bem a instituição da Corvéia Real, planejando bem as atividades e controlando os construtores nos alojamentos.

Como falei no meu último post eram pessoas livres que construiram as prâmides, mas em estado obrigatório e vivendo em cidades-operárias com um elevado grau de sofistificação.

E como falei anteriormente como a corvéia Real era obrigatória, não era obviamente por amor ao Faraó.
 

Kyra

I am Jack's smirking revenge.
Alguém leu isso? :osigh:

Oh dó...hahaha
Eu li sim, achei interessante e era uma informação que eu não conhecia...
Mas o que você acha dessa disseminação da idéia de que eles eram escravos forçados...?
 

Lyvio

Usuário
Eu lio também, e também era informação que eu desconhecia. Mas acabei sem comentar hehehehe.
 

Keltos

Bolsim, O Verde.
Oh dó...hahaha
Eu li sim, achei interessante e era uma informação que eu não conhecia...
Mas o que você acha dessa disseminação da idéia de que eles eram escravos forçados...?

Eu lio também, e também era informação que eu desconhecia. Mas acabei sem comentar hehehehe.


Hahahahaha tudo bem, desculpa pelo emo mode. hehehe

Mas assim, voltando...

o problema são os estereótipos. Nem tanto a Bíblia, mas até mais Hollywood com seus blockbusters conseguem isso.

O mesmo é o grande estereótipo dos Vikings e seus elmos com chifres, coisa que nunca existiu.

Uma vez noimaginário, dificilmente sairá do mesmo.
 

Náring

Mad Hatter
É, é a mesma equação problematica de sempre:
Mídia+Alienação-Estudo e interesse=Ignorancia

Não querendo ofender ninguem, ja deixo bem claro, e se ofendi ja peço desculpas, só me refiro ao que leva a maioria a ser pego nesses estereotipos toscos.
 

HFR

Clone
Infelizmente você não é o único. Deuses, como me aborreci recebendo novatos no meu velho kindred, vestidos de vikings! Isso já seria ridículo sem chifres, mas os caras insistiam.

É, fui descobrir isso numa revista Recreio (8-O), lá pelos idos de 2002. Isso e os escravos inexistentes das pirâmides provam como nós podemos ser influenciados. Só porque o cara que escreveu a mentira era grego, tsk, tsk...
 

Keltos

Bolsim, O Verde.
o que lembra uma frase (Finley based) dita por um grande professor meu na faculdade.

"Não é porque uma coisa é escrita em latim ou grego que obviamente ela tem de ser verdade..."
 
Última edição:

Elring

Depending on what you said, I might kick your ass!
É preciso dar um desconto para a mídia, né? Afinal, o estudo de História não revela novos avanços na mesma velocidade de uma Intel ou Microsoft. Cada achado nos sítios arqueológicos requer tempo para catalogar, datar e pesquisar as centenas de arquivos sobre a região e a cultura local; justamente para não incorrer em erros que podem afetar livros didáticos e a opinião global.

Que bom que a divulgação destas revelações sobre a construção das pirâmides foi lançada para demonstrar que não foram centenas de milhares de escravos que as ergueram.
 

Gerbur Forja-Quente

Defensor do Povo de Durin
o problema são os estereótipos. Nem tanto a Bíblia, mas até mais Hollywood com seus blockbusters conseguem isso.

O mesmo é o grande estereótipo dos Vikings e seus elmos com chifres, coisa que nunca existiu.

TÁ ME ZOANDO?!?!?!8-O

Primeiro o papai noel, depois o coelhinho, agora o chifre dos vikings... droga! :disgusti:

O que me restará?? Daqui a pouco vão falar que a realidade é uma farsa e na verdade estamos aprisionados em casulos enquanto as máquinas nos usam como fonte de energia e o que chamamos de "realidade" é na verdade um programa de computador, uma prisão para nossas mentes... DROGA! :disgusti:

:D Brincadeiras à parte, fiquei triste mesmo com essa dos vikings. Sobre os "falsos escravos" das pirâmides eu já tinha lido algo a respeito, mas não acreditei. Até porque, os caras morreram a tanto tempo que qualquer um pode dizer qualquer coisa, ninguém irá desmentir. Então eu nem penso mais se eu acredito ou não. Se for este esquema de corvéia, então, para mim, é o mesmo que escravidão. Posto que, salvo as devidas proporções, os escravos também recebiam comida do governo (eles precisavam comer para não morrer e não tinham dinheiro para comprar comida, logo, o governo bancava essa "despesa"). E se os nobres podiam mandar seus escravos em seus lugares para a corvéia, então, mais claro ainda que esse esquema de corvéia é apenas uma forma diferente de escravidão, mas é a mesma escravidão de sempre, só tem uma pitada de burocracia a mais.

Mas voltando aos vikings... puxa... triste notícia. Eu acho que chifres é uma coisa TÃO viking! Até porque, quem tem chifres? Touros, bois, elefantes e rinocerontes! Feras do mundo antigo! Animais robustos, imponentes, não é qualquer leão que arriscaria por um monstro desse no cardápio, pois ele correria o sério risco de se tornar a presa e deixar de ser o predador. Em outras palavras: coisa de macho! E como os vikings tem todo o jeitão de piratas antigos, saqueadores e estupradores, machos sanguinários! Penso que chifres tem tudo a ver com eles.

É como ter um colar com dentes de leão. Por mais que a idéia de "colar" soe um pouco feminino, se tiver dentes de leão quer dizer que você é um Senhor Guerreiro Caçador! :joy: Afinal, "jóias como esta são difíceis de conseguir". O mesmo vale para os chifres (em uma escala um pouco menor talvez).

Na mitologia tolkeniana, se eu fosse imaginar alguém com um elmo de chifres eu imaginaria um anão. Que, por ventura, é bem parecido com um viking: é nórdico, vem de lugares distantes e gélidos, muito forte, muito bruto, chifres tem tudo ver com eles também.

Outra simbologia dos chifres é a fertilidade. O deus pagão Pan, que era uma especie de deus-bode (daí os chifres) era um cara que se dava muito bem com as ninfas das florestas e teve muitos filhos. Portanto, na antiguidade, os chifres simbolizavam a poderosa fertilidade de Pan. No livro "O Código Da Vinci", se não me engano, o autor explica que por isso o nosso demônio cristão tem chifres, como uma forma de sobrepor a cultura cristã em cima da pagã (que era bem forte na época). Mais um bom motivo para os vikings usarem chifres, eles eram pagãos e como vendiam uma imagem de serem brutos e "viris", os chifres cairiam muito bem.

Enfim, é uma pena os vikings não usarem chifres, esse acessório certamente acrescentaria alguns pontos de brutalidade a eles.
 
Última edição:

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.595,99
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo