1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[Éomer] Noturno [L]

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Éomer, 13 Jul 2013.

  1. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Certa noite ele teve um sonho. Estava em uma sala toda branca e nela havia uma mulher ao piano. Uma bela mulher de olhos castanhos. Um rosto de menina e um corpo de mulher. E ela sorria. E quando ela sorria era como se todas as janelas fossem partidas e a luz tomasse conta do mundo. Era como se ele visse uma mulher pela primeira vez. E para ele era a coisa mais linda do mundo. Ele tentou falar, mas ela começou a tocar. E quando ela pousou as mãos no teclado ele voou. Perdeu-se nas notas do seu sorriso. Esqueceu-se de tudo que era mau. Vagou num mundo distante. Suave como mão de mulher. Forte como o seu sorriso. Som e silêncio. Suspiro de pausa. Resfolego. Recomeço. Ele perdeu o medo e esqueceu a dúvida. Deixou-se levar em dueto. O compasso era o do seu coração. Sinfonia a quatro mãos. As teclas eram seus ossos. As mãos dela percorriam as suas costelas. Ele se lembrou do primeiro beijo e viu o seu último dia. E ela era o presente e era o futuro. O resto ficou para trás. Alma inquieta em silêncio. Luz na neblina. Farol na beira do mar. Riso de criança e canto de pássaro. Noite sem fim de seus olhos. Canção. Poesia. Tudo que não precisa de explicação. Um canto sem palavras. E os dois compartilhavam a mesma melodia e se perdiam no mesmo som. Cada um uma corda, que vibrava quando a outra era tocada. Uma única afinação. Um único ritmo. Avanço e recuo. Onda do mar, sopro do vento, avalanche, erupção. E eles já não tinham mais corpo, nem forma. E tudo era música, ou então era silêncio, onde nada mais precisava ser dito. Puro som, solto no mundo. Almas perdidas e almas reencontradas.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar