1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Egito e a crise de fé

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Anna De Courcey, 30 Nov 2012.

  1. Anna De Courcey

    Anna De Courcey Usuário

    Sempre que pensamos no Egito, lembramosdo seu esplendor e belos templos dourados cingidos por vários deusesde várias funções. Mas o que nunca relacionamos é a possibilidadede algum dia esta fé ter vindo a justamente ser a causa de um imensoconflito que pode ter sido o começo do fim do império egípcio.Repleto de mitologia e magia no seu dia a dia tamanha influenciareligiosa foi talvez a única coisa capaz de desestabilizar umimpério com tamanha amplitude e tamanha dominação. Em um momentono qual o Egito conquistou sua posição de maior glória e poder,talvez tenha sido aquele no qual o período de paz tenha sido oresponsável por trazer à tona contendas individuais que ameaçaramuma história de mais de mil anos. Mas por que pensei em influênciasegípcias para as histórias da Terra Média? Por que vejo a eternadisputa da Sombra pela dominação como o mesmo conflito queaconteceu no Egito.
    Se um faraó teve uma forteparticipação em tudo o que veio a ser o Egito um dia, este alguémfoi o faraó Tutnés. Com uma tecnologia que ia além dos antigosconceitos, os egípcios tinham agilidade e elaboração nos seusplanos de conquista. Seus barcos, por exemplo, podiam ser montados edesmontados ao chegar em quisquer região. No entanto, todas estasgrandes maravilhas eram produto da forte adoração aos deuses e aoagradecimento pela ampliação do império e sua subsequentedominação sobre outros povos. O que seria destas simples conquistassem uma divindade a qual adorar ou dedicar a própria conquista? Emum mundo simplista demais temos nossas conquistas para nós mesmos:materialista e fútil. No entanto, com o passar do tempo, o homemquis ser visto como a própria divindade no qual conquista e seoferece a própria conquista – ele se tornou o deus de si mesmo.Mas neste primeiro momento da história humana, nada mais importavaque servir e agradar aos deuses, cair no seu desagrado era estar emdesgraça e atrair para si e à comunidade consequências terríveise inimagináveis. Mas um homem no futuro da história egípcia – ofaraó Akenaton – ousaria desafiar aos deuses e isso traria sim umadesgraça sem precedentes no Egito.
    No passado egípcio ser um sacerdoteera um estilo de vida bem aceito e com muitas e fortes chances desucesso e dinheiro. Servir à Amon-Ha era estar no centro da políticae religião do país. A autoridade suprema do país era Amon: todasas vitórias e sucesso conquistado er dedicado em generosas oferendasa Amon. Foi esta diminuição natural e já parte da cultura egípciaque fez Akenaton desafiar a ordem milenar estabelecida. Ele fez pordestruir todos os vestígios possíveis de Amon, inclusiveeliminando-o da história ao riscar da pedra seu nome e sua história.Todos os anos uma cerimonia dedicada a Amon era realizada no Egito: odeus sai do templo para se misturar com o povo, algo raro, estandodeitado em um barco – a população se sentia favorecida e nestedia altas doações eram oferecidas ao templo em nome de Amon. Altassomas que poderiam ter sido levadas aos cofres do faraó. Sem dúvidaa perspectiva monetária somada ao narcisismo do faraó contribuírampara uma atitude mais severa.
    A disputa direta do faraó passou emseguida aos sacerdotes do deus Amon. Por todo aquele perído deadoração ao deus, os sacerdotes eram entendidos como os únicos quepudessem ter uma comunicação direta com a divindade. Era um direitoque só a eles cabia, nem mesmo o faraó gozava de tal privilégio.Além disso, portanto, os sacerdotes eram aqueles que mantinham aharmonia e prosperidade social. Então, Akenaton tem a mais umafigura a vencer: seu prórpio pai. Este fora Amentotep e governousobre o império egípcio em um momento no qual não existiamdisputas ou batalhas a serem vencidas. Como então poderia vir a serlembrado? Sem o prestígio, ampliação de territórios e riqueza quea guerra trás nada poderia fazê-lo ser marcado nos anais dahistória. A não ser que ele fizesse algo extremamenterevolucionário e diferente. E este algo foi passar a idolatrar aoSol e elevar a condição do faraó para a de um deus vivo na terra,sendo o único que de fato poderia manter alguma comunicação com odeus. Para isso, ele construiu um outro templo bem afastado de Karnakpara as práticas de adoração do novo deus. Isto além de motivar aconstrução de um templo gigantesco e de proporções épicas, aindatrnaferiu a importância religiosa e política de Karnak para otemplo do próprio faraó – permitindo que ele próprio indicassequem trabalharia a serviço do templo e de que modo as coisas notemplo aconteceriam segundo a sua própria vontade. O disco solaraproximou homens e deuses permitindo que ambos fossem reverenciados,transformando o imperador em um homem do mais alto poder. Mas o filho– Akenaton – foi quem de fato agiu na destruição e proibiçãodas crenças egípcias como um todo. Dizem as tradições egípciasque nunca eles se recuperariam totalmente do que foi este cismaprovocado pelo próprio faraó e que todas as catástrofes seguintesda história egípcia seriam consequencias do afastamento dos homenspara com o deus Amon, que sempre havia sido misericordioso econdescendente ao permitir que a vida egípcia acontecesse eprosperasse às margens do Nilo.
    Uma história trágica e que, apesardisso, poderia nos servir para associar com o que motivou desde aderrocada de Melkor até a construção do Um Anel por Sauron. Ambos,não sabem o quanto suas atividades foram todas motivadas pelo seupróprio egoísmo e desejo de usurpar toda aquela atenção dedicadaa Ilúvatar. No fundo, seriam eles todos crianças carentes buscandoatenção? Se foram trnaformaram todo esse desejo desesperado poratenção em uma busca violenta pela sede de poder e o domínio pelaforça dos que estavam ao redor. Nada disso parece importar muitoquando lemos ou assistimos a obra, mas nos faz pensar em quanto essasatitudes poderiam ser motivadas pela necessidade de “chamar aatenção”? O que acham sobre essas ideias?
     
  2. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Existe um modo legal de abordar esse tema que foi tocado no fórum brevemente sobre a relação que existia entre Melkor e o mundo criado por Eru. Em uma discussão se comentava que a presença de Melkor (a busca dele por glória) acelerou a deterioração do mundo. O que significa dizer que havia relação entre o Inimigo do Mundo e o conceito de memória (o próprio Melkor funcionava também como conceito).

    Mas o que significaria a "glória" ou "vitória" que Melkor buscava?

    Se voltarmos na segunda Era, em Númenor os homens separam no espaço da ilha aquilo que de mais próximo existia de um templo de culto a eternidade dentro do mundo, uma espécie de memorial sagrado dedicado a presença de Eru erguido numa montanha e aonde o rei visitava. Manwe também decidira contruir sua morada em um lugar pouco acessível às mudanças/alterações/deturpações da memória, em uma montanha, alta, rarefeita e fria, construída na rocha para durar comandando de cima o jardim da criação

    Melkor é o oposto, ele busca fortaleza nas profundezas em que altas pressões explodem de forma instável e inconstante, tal era a relação de Melkor com a memória do mundo. Destruição desequilibrada da memória em oposição a preservação dela.

    Diferentemente do que Melkor queria e indo mais a fundo a memória sempre fora um bem a ser cultivado por Eru e pelos Valar (cujo memorial de sua presença continuaria visível até à época de Númenor).

    Os rebelados de Morgoth aplicavam o oposto do cultivo da memória em seus planos. Se o cultivo da fé e da dúvida devia ser ensinado de forma saudável perante os Valar, no caso de Melkor a perversão de conceitos fazia com que aparecessem seres cínicos e cruéis que cultivavam tanto fé deturpada junto da dúvida deturpada sem chegar a entender o mundo. E aqueles que caíam nessas garras nunca sabiam o que era a verdade, nem a memória de que as duas coisas deviam conviver era preservada criando massas de sofredores em busca de vingança.

    Melkor preferia a escuridão, aonde a memória das coisas perdia nitidez. Se memorizar do jeito certo é também esquecer o que é inútil e lembrar daquilo que deve ser mantido. Um texto interessante sobre memória:

    (interessante as tags> depressão, desordem de stress pós traumatico, fobia social, ansiedade)

    Ocorria de Melkor amar o cultivo da memória daquilo que pudesse destruí-lo, mas não apenas isso, ele cultivava a dúvida daquilo e daqueles que podiam cuidar dele. (a pervesão da fé e da dúvida/ceticismo deseja eliminar os dois conceitos através da morte do hospedeiro que alberga a doença ou o desejo pervertido).

    A memória que os outros Valar protegiam ou cultivavam visava a eternidade e isso funcionava com eles porque não haviam se amaldiçoado no mundo como Melkor fizera antes de adentrar a casa dos filhos diante de Eru. Ao entrar no mundo as suas glórias tinham sido comprometidas de antemão a trabalharem pela glória de Eru.

    O assunto vai mais além se colocado à luz das comparações com a bíblia porque as raízes do cristianismo são parecidas com a do universo de Tolkien.

    Segundo contam algumas tradições cristãs e bíblicas, a presença luciferiana travara contato com o povo do Egito criando um contrato que durara até a vinda de Cristo (quando foi cancelado qualquer domínio oficial). Entretanto a sombra do passado sobre a memória do mundo demoraria bem mais a ser integrada e curada.

    Com Melkor isso veio a acontecer. Depois de ser expulso (de forma parecida com o destronamento do príncipe caído do mundo no novo testamento) a escala cósmica de um compromisso não se compara a escala local e os planos que foram empreendidos na época de Melkor começaram a ser tocados no modo automático ao invés de serem cancelados (sementes do mal que sempre brotam) para que não se anulasse todo o projeto original. A memória precisaria ser redirecionada para que os homens governassem o mundo.
     
    Última edição: 1 Dez 2012

Compartilhar