• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Eclipse Phase

Arcanjo[SK]

Spartan Supersoldier
Eu estava passeando pela net e me deparei com um review do RedeRPG de "um tal de Eclipse Phase". Curioso sobre o livro, procurei saber mais e descobri que ele pode ser adquirido gratuitamente pela net, de maneira legal.

Após olhar o site oficial e ler algumas informações sobre, parei e finalmente folheei o livro.

E então fiquei surpreso. Além de ser um livro internamente muito bonito, possuía um cenário futurista bem interessante, que misturava bastante de cyberpunk com umas pitadas de pós-apocalipse, além de suspense/terror "lovecraftiano". Não apenas a proposta do jogo era bem legal, como o cenário era bem montado, tento capítulos dedicado a economia, cultura, entreterimento, etc.

O sistema é simples e usa %. Eu, que nunca morri de amores por %, acabei curtindo bastante o mesmo no sistema.


Em um ultra-resumo: O jogo se passa em um futuro onde mais de 90% da humanidade foi devastada por uma "supra-IA" chamada TITANs. A razão do ataque é incerta. Em algum momento no futuro, em meios a diversos conflitos, tanto na terra quanto em "colônias" espaciais, surge uma poderosa IA, que começa a eliminar os humanos. Entretanto, por algum motivo desconhecido, elas desaparecem tão rapidamente quanto surgiram, levando consigo milhares, se não bilhares, de mentes humanas digitalizadas. A maior parte dos sobreviventes se encontravam em uma forma digital, sem corpo, e foram obrigados a aguardar até que pudessem ser transferidos para um corpo, seja biológico ou mecânico. Dez anos depois de tal cataclisma, a humanidade se espalhou pelo sistema solar e, em maior ou menor grau, vão se recuperando.

Ao invés de se unirem para evitar um problema similar no futuro, os humanos, entretanto, foram se segregando. Com uma tecnologia cada vez mais avançadas, diversas estações puderam criar diversas experiências sociais diferentes. A humanidade se divide uma vez mais em diversas novas culturas e maneira de se viver.

Os humanos, aliás, mesmo antes de tal evento, havia se aprimorado a ponto de passarem a ser chamado de "Trans-humanos"'. A tecnologia evoluiu a ponto de não apenas você poder transferir sua mente para outro corpo, como também fazer vários backups de sua mente. Ou seja, sob certo ponto de vista, a morte foi extinta.

Entretanto, ainda há perigo. A morte como nós conhecemos pode ter sido extinta, mas há coisas lá fora que podem ser bem pior que a morte. A loucura é uma delas, mas não a única.


Enfim. Eu poderia fazer um texto longo sobre o cenário, mas deixarei aqui algumas palavras de outros lugares:
_______________

Do site oficial, sobre o jogo:

Humanity stands on the cusp of a new age, with accelerated technological growth converging toward a singularity point, promising an undreamt-of future. Despite the ecopocalypse and social upheavals on Earth, humanity has conquered the solar system and partially terraformed Mars. Advancements in biotechnology, nanotechnology, artificial intelligence, and cognitive science have transformed our lives. Everyone is wirelessly networked with the world around them, AIs process vast amounts of information, and nano-fabrication enables people to “print” complex devices from the molecular level—at home. Biotechnology allows people to genefix, enhance, and clone their bodies, while others pursue body modifications to adapt to new environments or make themselves into something no longer quite human. People’s minds and memories can be digitized, uploaded, transferred over long distances, and downloaded into new bodies (biological or synthetic). Death has been defeated—for those who can afford it.

From within, disaster struck. Transhumanity reaped the rewards of its arrogance when conflict spiked between the battered nations of Earth, already weakened by decades of climate catastrophes and other disruptive factors. Rampant netwars soon exploded into physical conflicts with spiraling body counts. In the midst of these aggressions, a group of military AIs known as TITANS quietly achieved full sentience and autonomy, and rapidly began exponentially incrementing their own intellectual growth. The AI intelligences spawned by this hard-takeoff singularity quickly turned against transhumanity, enveloping the system in unprecedented levels of violence, disaster, and warfare. What began as a whirlwind of conflict between political factions, revolutionaries, and hypercorps soon escalated into a struggle between man and machine.

In just a few years, transhumanity was nearly wiped out with nuclear strikes, biowarfare plagues, destructive nanoswarms, infowar attacks, mass uploads, and other unexplained singularity events, ripping the superpowers of old to pieces. Our planetary home—Earth—was transformed into a toxic and strange hellhole, while many major habitats were left frozen sarcophagi in the vacuum of space. Just as quickly as they came, the TITANS disappeared, taking millions of uploaded minds with them, leaving behind a network of wormhole gateways. Known as Pandora Gates, these poorly-understood devices allow instantaneous teleportation to distant star systems—often one-way and/or fatal. Though only a handful of Pandora Gates are known to exist—each highly contested—the foolish, brave, curious, and desperate are already risking certain death to enter and explore what lies beyond.

In the aftermath of the Fall, transhumanity lives on, divided into a patchwork of hypercorp combines, survivalist stations, transhuman faction species, and city-state habitats. Under the oppressive police states of immortal inner-system oligarchies, advanced technologies remain highly restricted, and refugee infomorphs are held in virtual slavery or resleeved in robotic bodies and forced into indentured labor. In the outer system, rebel transhuman scientists and techno-anarchists struggle to maintain a new society—from each according to their imagination and to each according to their need. And on the fringes and in the niches lurk networked tribes of political extremists, religious fanatics, criminal entrepeneurs, and bizarre posthumans, among other, stranger, and more alien things ...

Though most claim the Fall was carefully orchestrated by the out-of-control TITANS, others whisper that the driving powers behind the wars—both AI and transhuman—were infected by a mutating virus with multiple infection vectors—biological, information, nano—dubbed the Exsurgent virus. Whatever its source, this virus has been known to sometimes transform its victims into something unexplainable ... something monstrous and reality-altering. Whatever the truth, the remnants of the TITANS and this virus were left to the desolated ruins or driven to the edges of the system, where they remain hidden away in dark corners, quietly waiting to infect the minds of the scavengers and explorers who find them ...

______________________________

Review do rede RPG:

VI OUTRO GATO PRETO!!!

Certamente você já teve a sensação de estar vivenciando uma cena a qual lembra de já ter acontecido. Muitas pessoas chegam até mesmo a prever alguns acontecimentos, como diálogos e certos detalhes menores. Este fenômeno se chama deja-vu, e existem várias explicações científicas e não muito ortodoxas para ele, incluindo a cena do gato preto em Matrix. Curiosamente vindo hoje trabalhar, tive a sensação de um deja-vu, com um caminhão mudando de faixa perigosamente na Via Anchieta.

Esta sensação é a primeira coisa que você tem quando lê o volumoso Eclipse Phase, pois tudo nele faz lembrar de algo que você já tenha lido ou visto em outro lugar. Mas este fato faz com que ele seja dispensável? Veremos isso logo adiante.



O Jogo

Eclipse Phase é um jogo de ficção científica, com doses cavalares de horror e conspirações. O enredo do game gira em torno da idéia da transumanização: um conceito abordado no livro, que indica um processo contínuo de modificações no ser humano. No nível tecnológico vigente do jogo (cerca de 2.100 d.C.), a linha que separa homem e máquina é muito tênue. Melhorias genéticas e cibernéticas estão acessíveis, possibilitando grandes alterações nos corpos e mentes dos indivíduos, com o objetivo de melhor adaptação aos diversos tipos de atividades desempenhadas, desde exploração interplanetária sob baixa pressão, até espionagem e assassinato. A morte física é algo praticamente extinto, através do uso de backups cerebrais, uploads e resleeving em novos corpos, sintéticos ou biológicos (chamados aqui de Morphs).

O fato que inicia a cadeia de eventos trágicos em Eclipse Phase é uma espécie de Juízo Final a lá Exterminador do Futuro, quando uma rede de IA (Inteligência Artificial) chamada de TITAN provoca a liberação de armas biológicas de destruição em massa no planeta terra, forçando a fuga de praticamente toda a população, inclusive com uploads cerebrais em massa (fugitivos sem corpos). Assim, no momento que o jogo se inicia, a Terra é praticamente desabitada, povoada somente por unidades de combate abandonadas e nuvens de nanomáquinas destruidoras. Este evento apocalíptico é chamado de The Fall.

O restante da ambientação de Eclipse Phase se desenvolve como uma mistura de Star Wars e Star Trek. Não que existam Jedis e Vulcanianos, mas sim um grande cenário político é desenhado, com espaço para diversas facções e organizações, com objetivos e tradições bem desenvolvidas.

Um ponto de destaque é a rede neural conhecida como The Mesh. É um equivalente futurista da nossa Internet, porém todo equipamento já fabricado está interligado a ela e todo tipo de informação está disponível on-line a todo tempo. As informações são transmitidas em tempo real na retina do usuário (desde que ele possua a modificação cibernética para tanto).

Eclipse Phase apresenta um rico, detalhado e familiar universo, pois em toda página você se depara com algum conceito ou descrição que já foi vista em algum outro lugar. Atrapalha? Nem um pouco. É ruim? Também não. Esta salada de filmes e outros jogos foi bem realizada, resultando em uma ambientação construída com detalhes impressionantes, trazendo muitas idéias para aventuras, que podem apresentar um imenso leque de variações. O que eu exemplifiquei acima foi apenas uma pequena pincelada pelo ambiente, que é realmente muito vasto e bem executado.


O Sistema

Até mesmo no sistema de regras Eclipse Phase utiliza vários conceitos abordados com sucesso em diversos outros jogos: uma verdadeira coletânea de Greatest Hits. Os dados utilizados são os de 10 faces, e todos os testes são realizados contra o seu valor no atributo ou perícia, baseados em percentuais. Assim o D10 se transforma em D100.

Já os atributos soam um pouco diferente do usual. Existem os que são baseados em EGO (inerente à personalidade da pessoa, transferidos durante as cópias cerebrais) e os baseados no MORPH, que são relacionados ao corpo ocupado no momento. Na primeira divisão temos Iniciative, Lucidity (equivalente à saúde mental), Trauma Threshold (mede a resistência a traumas mentais), Insanity Rating (equivalente a Pontos de Sanidade) e Moxie (uma espécie de mistura entre sorte e força de vontade, cujos pontos podem ser gastos para ignorar modificadores negativos, inverter rolamentos - 83 se torna 38, ignorar falhas críticas, etc.). Já para os atributos alocados no MORPH temos Speed, Durability, Wound Threshold, Death Rating e Damage Bonus. Ou seja, atributos em uma quantidade considerável.

Os personagens são construídos de forma simples, através da distribuição de pontos entre os atributos e perícias. Os testes são realizados rapidamente, utilizando o D100 de forma convencional, aplicando-se modificadores de acordo com a situação. Bem comum é rápido.

Um aspecto interessante do sistema são os testes de Lucidity e Trauma Threshold, utilizando uma mecânica semelhante a Call of Cthulhu, com direito a tabelas com as punições para cada tipo de evento. Um aspecto incomum em jogos de ficção científica. A existência dos Moxie Points também trás uma nova dinâmica ao jogo, recompensando uma boa atuação.


O Livro

Eclipse Phase é apresentado em um imenso volume de 400 páginas, todas coloridas. E ponha colorido nisso! As ilustrações, principalmente nas divisórias dos capítulos, estão entre as melhores que eu vi ultimamente. Simplesmente sensacionais.

As páginas ocupam 13 vastos capítulos muito bem organizados, indo desde o básico Enter the Singularity...(background) até os complexos Accelerated Future (equipamentos) e Mind Hacks (habilidade psiônicas).

Destaque para o capítulo A Time of Eclipse, que conta toda a história do sistema solar antes, durante e após o evento The Fall, detalhando com extrema minúcia a cultura, sociedade, economia e política do universo de jogo. Também é de suma importância o capítulo chamado The Mesh, onde temos todo o funcionamento da rede de informação, com direito a regras para AI's, invasão de sistemas, defesas e mecanismos de subversão, bem ao esquema de GURPS Cyberpunk.

Existem alguns personagens prontos de diversos arquétipos, para permitir que você e o seu grupo já mergulhem direto na ação. Por falar em ação, mesmo com todas estas páginas, Eclipse Phase não possui uma aventura introdutória. Porém em seu Quickstart Kit, disponível gratuitamente para download, existe uma boa aventura básica, que renderá umas boas horas de diversão.

O tamanho e complexidade de Eclipse Phase pode assustar, mas sem dúvida, se trata de uma das mais completas e inteligentes obras de ficção científica dos últimos anos, não pelo seu pioneirismo, mas sim pelo oposto: pela utilização de várias outras idéias de outros jogos e mídias de maneira coesa. Seu ponto forte está na quantidade de informações que possui, suficiente para criar um vasto arsenal de aventuras. Esta qualidade pode originar um defeito da obra: a quantidade de informações e riqueza nos detalhes podem tornar o texto um pouco chato de ler, principalmente para quem já aderiu a onde de jogos bem simplificados. Outro problema é o preço, muito alto para jogos em pdf. Também creio que, apesar de bem explicado, o episódio The Fall poderia ser um pouco mais explorado. Os contos introdutórios também são imensos - um prato cheio pra quem gosta do estilo.

Se gostar da temática e tiver um tempo livre para se aprofundar no livro, mais um pequeno deja-vu será inofensivo.



Notas (de 1 a 6)
Layout/Arte: 6 (excelente diagração, ilustrações belíssimas,);
Texto: 5 (alto nível, bem organizado, pode tornar-se maçante);
Conteúdo: 6 (quantidade absurda de informação, detalhada e útil.);
Notal Final: 6

_______________________________________

Um review do rpg.net:

Before I begin my review, I have to say that I have a bias towards EP due to the fact that the creators have taken the bold step of creating a massive, slick, professionally done tome of a game book and made it available for FREE, with no restrictions.

:eek

Yes, that was my initial reaction to. I even went to the website and asked if this was what they meant to do. Yes, it was. So, if you download a fileshared copy of EP, you aren't doing anything illegal, but you should pay for it if you keep it, even if you don't have to. Let's have a little gamer's honor, guls.

A lot of RPGs are free, but few of them are as slickly and professionally done as EP. The creators claim it's a new marketing slant based on the new economic model created by the net, home computers, PDFs, POD, etc.

I have to hand it to these people to put this much work into something and then take a chance like this. I admire their audacity, and their faith in gamers to pay at least the 15$ they'd like to get for the pdf if they like it.

Now that I've admitted my bias and explained it, let's get this review rolling.

Eclipse Phase is an attempt to create a hard SF, transhumanist, post apocalypse setting. There's a heavy anime influence on it as well. The storyline goes something like this: About 200 years from now life has spread from earth through the solar system, and humanity has evolved into transhumanity, with genetically engineered humans, cybernetically enhanced humans and artificial intelligences taking the lead in settling and developing the solar system.

Then, a group of military AI systems called the TITANs, attacked humanity and wiped out most of it, devastating earth in the process and rendering in uninhabitable due to their left over killing machines, hostile nanotech systems, etc. (The TITANs are very much the boogeymen of the EP universe, but there's a lot about them that is actually uncertain.)

Soon afterward, the TITANs vanished, leaving behind mysterious "Pandora gates" that are gateways to alien worlds, A'la the stargate. (BTW, before anyone makes a condom joke, TITAN stands for “Total Information Tactical Awareness Network.)

In the decade following the loss of earth, people in their various forms have gone on. Much of society is dominated by hypercorps, which are smarter, tougher, leaner, meaner versions of the "old" megacorps and even more willing to treat people like renewable resources. Many of the last minute escapees from earth arrived as penniless (Sometimes bodiless) refugees and were promptly exploited into virtual slavery by the hypercorps.

The hypercorps have a lot of competition, however. Various groups and factions use high tech and the resources it provides to keep them from suzerainty. "Firewall" is one such group, and a good starting place for most characters. (Most of the game assumes you are playing firewall operatives, but you don't have to...)

There are factions aplenty in the EP universe, and the mainbook gives you a good sampling to start. No skimping or "see supplement product XXXX" for starting character groups. The main book has so many options for a starting character that other products may not be necessary for a time.

When it comes to making characters, EP does a solid job. You have essentially 2 separate sets of stats, one for your ego, and one for your morph. Your ego is your mind, and your morph is your body. Thus you determine your mental stats and knowledge (skills) first, then pick a morph to start in. (Some characters exist solely in "cyberspace" and thus don't need a morph in essence.)

If you like high tech, you'll love EP as almost every character starts with a very high tech gadget called a "Cortical stack" that records your mind into a hypertech "flash drive" every second or so, and thus you can easily swap or copy your ego into a new morph. Note that just having a cortical stack doesn't do you a lot of good if you can't afford a new morph, or if no one gets your stack to a place where it can be "resleeved" into a new body.

Cortical stacks are ubiquitous in the world of EP, and not having one is both a rarity and a disadvantage.

The ease and speed at which a character can put his ego into a new morph mandates a character system that clearly separates the mind from the body ad heavily influences EPs system in all ways.

A desirable side effect of the “respawn” option in Ep is that a character can die and still succeed in the mission, and the player can keep running the character, so this encourages more dramatic role playing, while the penalties associated with respawning a character discourage utter foolishness.

Chargen is a points buy system with ads and disads, and you do get a lot of points, but don't worry, you'll have no trouble spending them all.

As to the rest of the system, it's a fairly straightforward roll under percentile system, and you can get by with just a couple d10's. A double counts as a special success or failure, and I like this mechanic as the higher your chance of success the higher your chance of getting a special good result,likewise for the reverse. I don't like "clockwork" critical systems where criticals come up on fixed results regardless of skill. (Note that EP has a trace of this in that 00 and 99 are always special results, but it's acceptable.) I'm glad to see more systems moving away from clockwork criticals and towards a system where your chances of a critical success or failure change as your overall chances of success/failure change.

You can also get extra special results on very good or bad rolls. Some actions are based on "margin of success" and some contested actions are determined by who had the greatest margin of success.

Normally you get one action per turn, but various factors like the speed of your morph can grant you extra actions.

All in all, the game system is clean, functional, effective and even has a nice twist in that you can spend "moxie points" (They really couldn't come up with a better name?) to change results or improve rolls. One use of a moxie point is to "flip" a result, so that, for example, a disastrous failure of 91 becomes a howling success of 19. I can't say I recall a system where one could flip a result like that, and I guess it would mostly work with a d100 based system anyway.

Back to the setting, it's pretty much a free for all with hypercorps, private organizations, consensus groups, hidden conspiracies and aliens all either vying for power or just trying to keep anyone from dominating them, or simply trying to survive. There are conspiracies afoot, evil machinations galore and even a few folks just trying to do some good, often by stopping something bad. You can be a socialist, an anarchist, a capitalist or almost any other kind of ist you can think of. You can want to advance transhumanity or to re establish old fashioned humans as the dominant life form. Or you can just be a piece of self described "scum", a simple hedonist looking for new highs and pleasures. (Yes, dearies, "Scum" is a character class.)

As if that wasn't enough, there are some aliens in the mix too, an apparently fairly benign group of highly evolved slime molds have arrived in the system, seemingly intent on offering the people of the solar system helpful advice. They are, however, highly enigmatic and rather tight lipped about exactly who/what they are and various important issues. They also won't talk to certain groups...

All in all, the game world is fairly well sketched out and thoughtfully done.

As far as system and setting goes, EP is a pretty good product. The biggest problems are in it's production.

It looks slick and professional, with a lot of pretty graphics and art, but there seem to be a boatload of typos, misspellings, grammatical errors and such in it. Nothing that a good dose of errata and someone patiently spending a day or so revising the pdf can't mostly fix. (NOTE: As of now the revised PDF is available and does a fair job of correcting a lot of typos. Kudos to the EP staff for paying attention to the fans.)

The art's mostly good, but a few pictures of weapons just didn't look as detailed as I'd expect. Production values are fairly high, asides from the above mentioned problems.

Another thing I was irked a tad by was the use of some high tech terms that seemed to be used incorrectly. Frequent refs are made to "Nuclear batteries" which I can't say I understand. Now there are radio thermal generators that seem to be what the authors meant, as they were described as keeping various things running for a long time, and RTG systems do produce power for many years, but they really aren't batteries, they're generators. Also the use of such to power high demand, rapid drain systems like personal laser weapons seems wrong. Lastly, a RTG, or I guess "Nuclear battery" would produce a fairly constant amount of power for years and years, yet the book says that nuclear batteries must be recharged, usually at about 20 points per hour. Now if it was a case where the RTG would recharge a storage system at that rate I could understand, but it would still seem to be inappropriate for personal laser weapons where in battle you'd need to pop in a new clip and have more shots NOW, not a an hour from now. Maybe a tech consultant/editor could have helped here.

For a game setting where gear is vital, EP lacks a custom gear design system. Likewise it lacks any sort of spacecraft design, movement or combat system. We can hope that such are forthcoming.

I'd say that Eclipse phase most directly competes with Cthulhutech for being a game of future horror and conspiracy, and Transhuman Space for being a game about transhumanism. I think it beats cthulhutech on originality and on mechanics as the CT game system has major problems, and beats THS on being playable and easy to come up with scenarios for and not needing a caseload of gurps books to fully enjoy it.

So, to render my judgment on Eclipse Phase, I hereby decree that on setting it gets a 10, the system gets a 9 and the overall production values get a 8, which could be raised by some revision and errata corrections. (Note that the second PDF print gets a 9 on production due to the typo corrections.)

Lastly, if you get the pdf, please send the creators some money. 15$ may mean more than it used to thanks to the economic catastrophe we're in now, but the creators really deserve the money, so please either send them the 15$ if/when you can or try to buy a supplement for EP when they come out. These people took a real chance and invested a lot of time and effort on this, let's not screw them over.

_______________________________________________


Links:

http://www.eclipsephase.com
http://www.rpg.net/reviews/archive/14/14711.phtml
http://www.rederpg.com.br/portal/modules/news/article.php?storyid=7100
http://forum.rpg.net/showthread.php?t=469777
_________________________________________________

Como eu disse, o jogo pode, pelo próprio site e livro, ser distribuido gratuitamente em PDF.

Do livro:
Creative Commons License; Some Rights Reserved.
This work is licensed under the Creative Commons Attribution-
Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License.
To view a copy of this license, visit:
http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/
or send a letter to: Creative Commons, 171 Second Street, Suite
300, San Francisco, California, 94105, USA.
(What this means is that you are free to copy, share, and remix
the text and artwork within this book under the following
conditions: 1) you do so only for noncommercial purposes;
2) you attribute Posthuman Studios; 3) you license any derivatives
under the same license. For specifi c details, appropriate
credits, and updates/changes to this license, please see:
http://eclipsephase.com/cclicense)

Eles mesmo há um tempo atrás chegaram a distribuir torrents, se bem me lembro.

Logo, aqui está a 2a impressão do livro, versão apenas para jogadores (ou seja, sem o capítulo de Spoilers e segredos do cenário)

http://www.mediafire.com/?77m4632fxxs32wo

E a primeira (ou seja, sem as erratas), completa:

http://www.mediafire.com/?5y21jnmwmqt

___________________________________________________

E aí, o que acharam?



PS: Comprei o meu livro pela Amazon pouco depois que folheei o livro e agora vou ver se compro os suplementos.
 
Última edição:

Oromë

Purge 'em all
Parece bem interessante. Vou baixar, dar uma boa lida nele, e depois venho comentar o que achei. :D
 

Armitage

Usuário
Comprei o Eclipse aqui e to lendo. Muito intessante o cenário. E muito jogável, o que é muito importante (diferente do Transhuman Space, que é fodástico conceitualmente, mas é tão realista que intimida).

Quando terminar de ler, posto mais impressões.
 

Oromë

Purge 'em all
Finalmente termeinei de ler. Não que a leitura propriamente dita tenha tomado muito tempo, mas foi mais de um mês pra tomar coragem de encarar o livro. :lol:

Enfim, achei fodástico. Estou me coçando até pela oportunidade de mestrar uma aventura nele, o que é um acontecimento raro. :D

O problema é que eu sou praticamente o único que sabe inglês do grupo, então eu fico meio desesperado só de me imaginar tentando explicar tudo verbalmente ou fazendo um grande resumo escrito. :lol:

Como o Arcanjo havia dito, o sistema também é ótimo, e irei adotá-lo num outro jogo que devo começar a mestrar no máximo semana que vem, pra dois amigos.

Assim que tiver dinheiro planejo encomendar o livro impresso, junto com o Gatecrashing. :mrgreen:
 

Arcanjo[SK]

Spartan Supersoldier
Saiu mais uma resenha do RedeRPG:

RPGs Alternativos : Eclipse Phase (nova resenha)
Enviado por Adriana em 04/12/2010 00:00:00 (118 leituras) Notícias do mesmo autor

Por Haroudo Xavier Filho


Eclipse Phase é um RPG de Ficção Científica publicado em 2010 pela Catalyst Game Labs e pela Posthuman Studios. Entre outros prêmios, recebeu o Origin Awards por Melhor RPG de 2010, além da Medalha de Ouro no ENnie Awards de 2010 nas categorias de Arte de Capa e de Texto. Nenhum desses prêmios, sem mérito. Em uma cena dominada durante anos apenas pelo sistema D20 que condenou novos jogos a adaptarem-se, viver na obscuridade, ou perecer, é muito sadio ler um livro, que não apenas usa um sistema percentual (D100), mas que tem um universo tão complexo e vibrante, além de um texto tão rico em clareza e idéias.

Dito isso, vale lembrar que o Eclipse Phase não é para aqueles de coração fraco. É um livro de 400 páginas, com uma quantidade impressionante de informação espremida nele. O incrível é que a leitura de Eclipse Phase não é cansativa.

A arte interna e layout, são elegantes e eficientes, capazes de informar bem e sugerir o clima correto do jogo. As imagens do fundo, relacionadas a descrição do ambiente e as regras, são diferentes, o que ajuda a navegar no livro. Sua organização também ocorre na forma de seu índice e sub-índice no começo de cada capítulo, que conta ainda com o sutil auxílio visual da mudança na imagem de fundo de cada capítulo, dando vários formas de se localizar dentro do livro, permitindo achar informação rapidamente.

A descrição do universe de Eclipse Phase é tratado principalmente nas 110 primeiras páginas. É um cenário de ficção científica após o apocalíptico evento chamado A Queda, quando dez anos antes do tempo em que ocorre o jogo, a Terra foi tornada inabitável graças a uma guerra com Inteligências Artificiais (IAs) capazes de reprogramar a si mesmas, alcançando um grau de "inteligência divina". As razões de porquê lutaram contra a transhumanidade e depois deixaram o Sistema Solar, são um mistério. A transhumanidade quase foi destruída pelo evento. A fuga desorganizada da Terra, levou a formação de um número incontável de organizações diversas, em termos de política e sistemas econômicos, com os modelos mais radicais na borda mais externa do sistema solar e o sistema interno, controlado por grandes corporações. Esse êxodo, e as dificuldades encontradas para se manter sem a Terra, fizeram com que, mesmo 10 anos depois, algumas pessoas ainda não tenham corpos. Nesse parte do livro, não apenas há uma detalhada descrição da Queda, mas são descritos os principais grupos que detém o poder nesse novo cenário, como a sociedade evoluiu e o que mudou na condição "humana" que chama-se nesse momento da história de transhumanidade. Há muito mais do que isso nesse ponto do livro, que não pode ser descrito numa curta resenha, como o contato com alienígenas, a exploração de outros sistemas solares graças a "portões Estelares" deixadas pelas IAs, as cicatrizes psicológicas e sociais em relação a IAs e seus usos em geral, a capacidade tecnológica de transmitir sua consciência para outros corpos e a virtual imortalidade atingida, etc. São apenas 110 páginas, mas são tão densas em informação quando possível.

E não é como se o restante do livro seja apenas de regras. Capítulos sobre tecnologia e equipamentos, acabam discutindo cada uma delas em termos de jogo, mas também as contextualizam em relação ao cenário. Essa integração entre regras e sua funcionalidade na contínua construção do universo de Eclipse Phase, torna a leitura de todo o livro essencial para a sua compreensão. As regras em si, não são muito complexas. O sistema percentual faz com que seja fácil de ser entendido, e sua complexidade surge apenas dos diferentes aspectos de poderes e itens tecnológicos, que tem particularidades que gradualmente aumentam a complexidade geral do jogo.

Um aspecto importante do sistema é a habilidade de mudar de corpos. O sistema divide, de forma bem clara, o Ego, ou mente e o Morph, o corpo. Uma personagem pode ter seu Ego transferido para um novo Morph. Sendo assim, características físicas podem ser escolhidas para cada missão. Da mesma forma, personagens podem morrer, mas se tiver um Backup, o jogador pode continuar a jogar com amesma personagem, apenas ignorando informações entre o momento do backup e sua morte. Esse conceito de imortalidade e forma de lidar com a informação sobre a personagem é tão distinta de outros RPGs de mesa, que adiciona ainda mais valor ao Eclipse Phase, não apenas em regras, mas em como uma personagem pode ser jogada.

As personagens dos jogadores são agentes da Firewall, uma organização secreta que tenta garantir a sobrevivência da transhumanidade, fazendo o trabalho sujo que as pessoas nunca ouvem falar, desde lutar contra grupos que criam ameças existenciais na forma de armas de destruição de massa, até alienígenas e perigosos artefatos deixados pelas AI - alguns que podem hackear seu cérebro só de se olhar para eles. Em sociedades controladas pela informação, como as do universo de Eclipse Phase, em que há câmeras e sensores em todos os lugares, participar de uma organização secreta não-sancionada pelo governo local, não apenas é uma tarefa difícil, como perigosa. E nenhum governo permite abertamente a Firewall, mas muitos sabem de sua existência, e caçam seus membros. A política de intervir contra qualquer um que trate com Ameaças Existenciais à Transhumanidade, sejam os libertários da borda do sistema solar, a ditadura de Júpiter, ou as corporações que controlam as colônias internas, nada ajuda Firewall em fazer novos amigos. Isso ajuda a dar o jogo um caráter de ação e espionagem, com bastante paranóia, segredos e horror.

É difícil não recomendar o Eclipse Phase. Como você poderia dizer a alguém que evite um rico universo ficional, com regras fáceis mas complexas, aliado a inovadores conceitos em RPG, em uma bela peça de madeira morta? Oh...você é contra livros pois eles implicam em destruir o meio ambiente? Boas notícias para você: Eclipse Phase foi lançado com uma licença da Creative Commons que permite compartilhar seu PDF se não houver ganho financeiro. A própria editora disponibilizou um arquivo de torrent que permite você baixar e compartilhar uma cópia do livro. A mesma política, de acordo com o Posthuman Studios, se manterá em seus suplementos (como o Sunward, lançado em setembro deste ano, e que detalha mais as colônias no interior do Sistema Solar).



Notas (de 1 a 6)
Texto: 6 (Muito bem escrito, tanto informativo quanto evocativo do clima a ser dado ao jogo)
Conteúdo: 6 (Sistema complexo, mas fácil de ser compreendido. Enorme quantidade de opções possíveis para personagens e equipamentos)
Arte/Layout: 6 (Excelente material, capa dura, ótima arte, ótime layout. Enfim, excelente design gráfico)
Nota Final: 6

http://www.rederpg.com.br/portal/modules/news/article.php?storyid=7539


___________________________________

Qualquer hora eu farei comentários pessoais sobre o livro, opiniões, etc.
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.595,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo