1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

E se União Soviética e Iugoslávia ainda existissem? E se Kosovo fosse independente?

Tópico em 'Esportes' iniciado por Thor, 16 Out 2013.

  1. Thor

    Thor ἀλήθεια

    Artigo muito legal do Gustavo Hoffman:
    --------------------------------------------------

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    São perguntas que mexem com o imaginário de todos que gostam de futebol e geopolítica. Como seria a atual seleção soviética? E a Iugoslávia? A Tchecoslováquia não é muito lembrada, mas já foi vice-campeã mundial.

    Esse seria o mundo de antigamente, mas no campo da imaginação é possível desfragmentá-lo em mais seleções. Começando pela Espanha, que renderia selecionados de algumas regiões, destaque para Catalunha e País Basco. Nos Balcãs surgiria mais um time, representando Kosovo.

    Logicamente estamos apenas imaginando. Com a queda do Muro, o fim da Cortina e a globalização generalizada, tudo mudou. Portanto, tudo mudaria no esporte também se fronteiras políticas, sociais e econômicas ainda fossem as mesmas de 30 anos atrás.

    Portanto, este texto não pretende discutir fatores políticos, sociais e econômicos. Apenas brincar com a imaginação.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Campeã europeia em 1960, quarta colocada na Copa do Mundo de 1966 e duas medalhas de ouro em Olimpíadas (1956 e 88). O passado soviético no futebol é glorioso, ainda mais se lembrarmos de alguns jogadores como Lev Yashin e Oleg Blokhin.

    O presente, no entanto, seria mais complicado. Assim como em décadas passadas, a base da equipe viria de Rússia e Ucrânia, com poucos ou nenhum representante de Armênia, Azerbaijão, Bielorrússia, Cazaquistão, Estônia, Geórgia, Quirguistão, Letônia, Lituânia, Moldávia, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão. Montado no 4-1-4-1, seria um bom time, mas nada muito além do que já são hoje as próprias Rússia e Ucrânia, mesmo com um certo reforço armênio no meio-campo...

    Igor Akinfeev-RUS (CSKA Moscou), Artem Fedetskiy-UCR (Dnipro Dnipropetrovsk), Sergei Ignashevich-RUS (CSKA Moscou), Kaspars Gorkss-LET (Reading) e Dmitriy Kombarov-RUS (Spartak Moscou); Denis Glushakov-RUS (Spartak Moscou); Andriy Yarmolenko-UCR (Dinamo Kiev), Roman Shirokov-RUS (Zenit São Petersburgo), Henrikh Mkhitaryan-ARM (Borussia Dortmund) e Yevhen Konoplyanka-UCR (Dnipro Dnipropetrovsk); Artjoms Rudnevs-LET (Hamburgo).

    Opções: Vladimir Granat-RUS (Dinamo Moscou), Yuri Zhirkov-RUS (Dinamo Moscou), Odil Ahmedov-UZB (Anzhi Makhachkala), Pavel Mamaev-RUS (CSKA Moscou), Alan Dzagoev-RUS (CSKA Moscou), Aleksandr Kokorin-RUS (Dinamo Moscou), Marko Devic-UCR (Dnipro Dnipropetrovsk)...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Com os iugoslavos a situação seria diferente em relação aos soviéticos, porque o hipotético time ficaria muito forte! Com potencial para surpreender e brigar por títulos.

    Na história, a Iugoslávia sempre foi uma força secundária, tendo ficado na quarta posição na Copa de 1962 e na Euro de 1976, quando a nação sediou o evento. Em Olimpíadas, um ouro conquistado: Roma, 1960.

    Montado no 4-3-3 atualmente, afinal os iugoslavos (bósnios, croatas, eslovenos, macedônios, montenegrinos e sérvios) sempre foram ofensivos e eram considerados "os brasileiros da Europa", o time daria muito trabalho.

    Samir Handanovic-ESL (Internazionale), Darijo Srna-CRO (Shakhtar Donetsk), Stefan Savic-MON (Fiorentina), Matija Nastasic-SER (Manchester City) e Aleksandar Kolarov-SER (Manchester City); Nemanja Matic-SER (Benfica), Luka Modric-CRO (Real Madrid) e Miralem Pjanic-BOS (Roma); Stevan Jovetic-MON (Manchester City), Mario Mandzukic-CRO (Bayern Munique) e Edin Dzeko-BOS (Manchester City).

    Opções: Vladimir Stojkovic-SER (Partizan Belgrado), Branislav Ivanovic-SER (Chelsea), Nemanja Vidic-SER (Manchester United), Stefan Savic-MON (Fiorentina), Marko Basa-MON (Lille), Ivan Rakitic-CRO (Sevilla), Senad Lulic-BOS (Lazio), Mirko Vucinic-MON (Juventus), Goran Pandev-MAC (Napoli), Andrija Delibasic-MON (Rayo Vallecano), Vedad Ibisevic-BOS (Stuttgart)...

    Obs. Os kosovares poderiam figurar nessa seleção também, mas é algo muito inimaginável. E esqueci o Subotic na publicação original, ele é titular no lugar do Savic.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Muitos não se dão conta do enorme passado tchecoslovaco no futebol: duas finais de Copa (1934 e 62), um título da Euro (1976) e uma medalha de futebol olímpica (1980). Hoje em dia, tchecos e eslovacos formariam um bom time.

    No 4-1-4-1, os dois países se completariam em alguns setores, resultado em uma equipe mais equilibrada do que as atuais de República Tcheca e Eslováquia.

    Petr Cech-TCH (Chelsea), Gebre Selassie-TCH (Werder Bremen), Martin Skrtel-ESQ (Liverpool), Ján Durica-ESQ (Lokomotiv Moscou) e Michal Kadlec-TCH (Fenerbahçe); Tomás Hübschman-TCH (Shakhtar Donetsk); Miroslav Stoch-ESQ (PAOK), Vladimír Weiss-ESQ (Olympiacos), Tomás Rosicky-TCH (Arsenal) e Marek Hamsík-ESQ (Napoli); Tomás Pekhart-TCH (Nuremberg).

    Opções: Ján Mucha-ESQ (Krylya Sovetov), Tomás Sivok-TCH (Besiktas), Tomás Hubocan-ESQ (Zenit São Petersburgo), Marek Cech-ESQ (Bologna), Juraj Kucka-ESQ (Genoa), Petr Jirácek-TCH (Hamburgo), Libor Kozák-TCH (Aston Villa), Václav Kadlec-TCH (Eintracht Frankfurt) e Matej Vydra-TCH (West Brom).

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Agora já entramos no campo das seleções que nunca existiram oficialmente, ou seja, nunca disputaram uma competição oficial da Fifa.

    Por conta de Xherdan Shaqiri e Adnan Januzaj, principalmente, muitas pessoas conheceram a história de Kosovo, uma república que busca a independência da Sérvia, através do futebol. Como outras regiões nos Balcãs, milhares de famílias foram marcadas com sangue pelos conflitos e tiveram que deixar suas casas para trás.

    Suíça e Albânia foram os principais destinos dos kosovares, que hoje em dia reforçam as seleções desses países. No 4-2-3-1, a seleção de Kosovo e, na sequência do nome do jogador, a seleção defendida por ele.

    Samir Ujkani-ALB (Palermo), Armend Dallku-ALB (Vorskla Poltava-UCR), Loret Sadiku-SUE/ALB (Helsingborgs), Mërgim Mavraj-ALE/ALB (SpVgg Greuther Fürth-ALE) e Taulant Xhaka-SUI (Basel); Lorik Cana-ALB (Lazio) e Valon Behrami-SUI (Napoli); Granit Xhaka-SUI (Borussia Mönchengladbach), Sherdan Shaqiri-SUI (Bayern Munique) e Valdet Rama-ALB (Valladolid); Adnan Januzaj-BEL (Manchester United).

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Há Euskadi e há Euskal Herria. O primeiro é o País Bascon constituído como estado dentro da Espanha; o segundo é o País Basco completo, que abrange Navarra e o sul da França. O orgulho da região é o mesmo.

    Naturalmente e por razões óbvias, Athletic Bilbao e Real Sociedad formam a base da seleção basca, que tem federação, se reúne anualmente e disputa amistosos. Time bom, que provocaria desfalques importantes na Espanha, como Xabi Alonso e Fernando Llorente. No 4-3-3, daria muito trabalho na Europa e certamente seria um time muito competitivo, acima de tudo.

    Gorka Iraizoz (Athletic Bilbao), Andoni Iraola (Athletic Bilbao), Mikel González (Real Sociedad), Fernando Amorebieta (Fulham) e Jon Aurtenetxe (Athletic Bilbao); Javi Martínez (Bayern Munique) e Xabi Alonso (Real Madrid); Beñat (Athletic Bilbao), Xabi Prieto (Real Sociedad) e Iker Muniain (Athletic Bilbao); Fernando Llorente (Juventus).

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Barcelona, versão seleção. Basicamente é isso, afinal, o Barça prioriza demais suas categorias de base e a cada temporada revela mais garotos catalães com enorme talento.

    Junto a eles, a safra de veteranos que fez da atual equipe culé uma das maiores de todos os tempos resulta em uma bela equipe, montada no 4-3-3, à la Guardiola.

    Victor Valdés (Barcelona), Martín Montoya (Barcelona), Carles Puyol (Barcelona), Gerard Piqué (Barcelona) e Jordi Alba (Barcelona); Sergio Busquets (Barcelona), Xavi (Barcelona) e Cesc Fàbregas (Barcelona); Sergio García (Espanyol), Cristian Tello (Barcelona) e Bojan Krkic (Ajax).

    E há ainda Nacho Monreal, Mikel Arteta, Ander Herrera, como muitos leitores lembraram.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Ecthelion

    Ecthelion Mad

    Desses times, o melhor seria a Iugoslávia!
     
  3. Thor

    Thor ἀλήθεια

    A Iugoslávia sempre foi conhecida como o "Brasil da Europa", em termos de estilo de futebol, né? Mas, ainda assim, acho mais forte o Barça B.
     
  4. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Se a Catalunha fosse independente e isoladamente tivesse disputado a Copa de 2010 não seria absurdo nenhum ter chegado a uma semifinal já que os melhores jogadores da atual campeã mundial na minha opinião são de lá.
     
  5. Knolex

    Knolex Well-Known Member In Memoriam

    Se fizesse um Catalunha x Resto da Espanha, acho que a Espanha ainda assim venceria, principalmente em 2010:

    Casillas > Valdez
    Arbeloa > Montoya (ambos ruins, mas Arbeloa mais experiente)
    Sérgio Ramos > Puyol
    Albiol < Piqué
    Capdevilla < Jordi Alba
    Javi Martínez = Busquets (Martínez marca melhor, Busquets passa melhor)
    Xabi Alonso < Xavi (mas ambos são ótimos)
    Iniesta > Fabregas (ótimos tb)
    David Silva > Sérgio Garcia
    Juan Mata > Tello
    Villa > Bojan

    Sendo que a Espanha ainda teria no banco o Jesus Navas, Llorente, Negredo e Fernando Torres.
     
  6. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Boa, gostei!
     
  7. Spartaco

    Spartaco James West

    Realmente uma tese muito interessante.
     

Compartilhar