1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Dois Cachorros

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Vinnie, 29 Nov 2011.

  1. Vinnie

    Vinnie Usuário

    Dois Cachorros 2/3

    "Sob o olhar desconfiado da tia, e o olhar confiante do cão, o menino inventa a poesia"
    Quintana


    ********************************************


    1


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Para:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Assunto: Re:Re:Re:Re:Re:Re:Re: oi beto!



    Fala, Line. Recebi tua mensagem, mas só chegou 10 da noite (Claro dos infernos!). Também achei lindo o maluquinho chorando depois do gol. Ele é coração, lembra o Edmundo, pode crer. Enquanto ele não der cerveja ao macaco estamos bem lol. Acho que a gente ganha da mulambada, mas dá Corinthians. Cê tinha que ter ido ontem!

    Olha, fui ver a mamãe... tá morrendo de saudades. “Diz pra Gogóia não beber muito não. Lá só tem cachaça!” Rsss. Velha Patusca! Rssss. Falei com o Dr. Lino... ele aumentou a medicação pra 16 mg... disse que ela anda muito agitada, que eu tenho que ir lá mais vezes e que é a mesma coisa, só que agora é Flaubert e o Machado. Porra! Quero ver a mamãe.... como é que vou pegar a BR do jeito que eu tô? Me sinto um lixo às vezes, sabe...

    Tô revisando as provas do Quintana. Só que o Felipe me liga TODO DIA. Alberto, “o” novo olhar ou “um” novo olhar? É um inferrrrno. Ele consegue ser mais chato e mais burro que a Tia Néia! Parece que o cara não quer publicar o livro. E eu precisando do dinheiro...

    Já tô andando bem melhor. Até dou umas voltas com o Hoff de vez em quando. Sabe que sempre que saio com ele volto com poema-safra-boa? Esse cachorro ainda me salva a carreira! Ahhh! A Cláudia tá mandando um beijo. Lembra o Inácio pra mandar a camisa do City (GG).

    Se puder, deposita algum?

    Beijos,
    Beto.


    Toma o poema do Hoff:

    A gente faz poema pela mesma razão que um cachorro come mato
    É o caso de curar azia em que não se pensa
    Vermifugar bicheira que nem existe

    O poeta cava o poema quando preso
    O cão morde o mato como a uma mosca
    Aquele o põe em linhas quando está à solta
    Este usa a relva por não ser poeta


    O poeta escreve o verso que o faz cachorro.


    *********************************************************************

    2


    Aline rodou um pouco a cadeira em que estava sentada, pegou um cigarro mecanicamente e, olhando os azulejos do chão do quarto, cismou no e-mail que acabara de ler. Brincava com o padrão bicolor, preto nunca encarando o preto; com seu tabuleiro de xadrez. Intuia formas, dispersa. Era como se pudesse destacá-las em quadrados maiores, castelos e caminhões. Mas não passava de uma maneira eficiente de meter-se consigo.

    Sentir, não sentia nada; nada que elaborasse ou que lhe viesse a mente em frases. Repassou o e-mail do irmão e, ato contínuo, entrou no site do Banco do Brasil. Fez a transferência maquinalmente. A quantia que depositou não lhe fazia falta e não lhe deu nada em que pensar. Releu a parte que falava da mãe na clínica e chegou a rir.

    Mas foi aí que tudo voltou como uma onda traiçoeira e fez os dentes da Aline se esconderem de volta na boca. Por que a mãe estava internada até hoje? O que transformava os heróis dela em fantasmas literários que agora vinham, num fiacre, contar suas histórias pessoalmente? Aline sentiu um bolo se formar na garganta. Lembrou-se de coisas espinhosas. As lágrimas vieram de uma vez e ela sentiu-se feliz por estar sozinha em casa. Era um choro engendrado pela percepção clara do erro, de quem viu estendido diante de si seu pecado; um choro de criança. As lágrimas escorriam pelo nariz da moça e lhe caíam nos lábios, salgando. Ela as limpava na manga do suéter, o rosto vermelho surpreendentemente feio.

    Sem parar de chorar, acendeu o cigarro, que até então trazia inútil na mão, e fumou.
     
  2. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    texto moderno e marginal, me desafiou a prestar atenção aos detalhes. isso é bom. além d ser 1 jeito interessante d postar 1 poema na seção prosa, hehehe. só faltou vc citar ae o rei nabucodonosor da babilônia, q passou 7 anos comendo mato como bicho por castigo divino. teria ele deixado d ser poeta ou começado a ser? e ainda bem q vc ñ comparou q a poesia sai da mesma forma q o mato no cão.
     
  3. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    ou da mesma forma que mato o cão. com um quê de trodicalho.

    e aí, dá pra depositar um, ou o? tô esperando dona dilma me pagar.
     
  4. alefemartins

    alefemartins Usuário

    Gosto muito de textos assim, em que vc pressupõe o que já foi dito por algum personagem "ausente". =D
     
  5. Vinnie

    Vinnie Usuário

    Valeu pelos comentários!

    Martins, a ideia da primeira parte era exercitar esse "disse mas não disse" que é ponto tão importante nos textos curtos. Que bom que gostou.



    Segue a parte dois no post inicial.
     
  6. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Literatura marginal mesmo. Aqui é o lugar para divulgar esse tipo (marginal) de texto.Interessante.
     

Compartilhar