1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Do Luto à Luta (idem 2005)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Elfo_Surfista, 5 Out 2006.

  1. Elfo_Surfista

    Elfo_Surfista Peidei...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Vi que está estreando em SP nessa semana esse soberbo documentário sobre pessoas portadoras da síndrome de down.

    Já assisti o filme tem bastante tempo (talvez mais de um ano) numa sessão especial no jornal o globo (na época que eu ainda estava lá) e depois consegui uma cópia VHS com o próprio diretor do filme Evaldo Mocarzel.
    Como (ao contrário do que muita gente pensa) o incentivo aos filmes nacionais já não é dos melhores, os documentários dificilmente conseguem ao menos a chance de serem exibidos. No entanto, finalmente depois de MUITO TEMPO Do Luto à Luta consegue um espaço em algumas salas de SP.

    O objetivo do documentário é DESMISTIFICAR a doença que sempre foi e continua sendo motivo de preconceito de pessoas ignorantes (no sentido de não conhecimento) e/ou totalmente imbecis (no sentido de idiotice e estupidez). E Mocarzel faz isso com extrema competência e sensibilidade de quem há 5 anos é pai de uma menina portadora da síndrome.

    O Documentário tenta acompanhar todas as situações possíveis envolvendo o contato com essas pessoas (desde uma sala de parto até o casamento de um casal portador, casal aliás que eu conheço pessoalmente) e também registra inúmeras e diferentes personalidades mostrando que é um grande erro generalizar pessoas portadoras tentando agrupá-las em conjuntos de indivíduos com características em comum.

    AH... No filme também aparece o Rodrigão que também é portador da síndrome e é meu brother de surf e que nessa semana disse estar apaixonado pela minha irmã, fato que me fez ameaçar quebrar a cara dele caso ele se engraçasse hehehe

    Mas continuando, na parte final do filme o Mocarzel entrega a câmera para o Ariel que se diz fã de cinema e deixa que ele próprio conduza o restante do documentário. Bom, daí pra frente eu não consigo mais explicar. Só mesmo assistindo pois são momentos maravilhosos.

    Um documentário que prova que temos SIM talentos na direção dentro do cinema nacional e que cinema não é meramente entretenimento, mas também serve para informação, conscientização e finalmente contemplação de diferentes ARTES sob as máis diversas óticas.
     

Compartilhar