1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Dica de tradução: Shakespeare

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Koalla, 30 Out 2011.

  1. Koalla

    Koalla Usuário

    Olá, eu tenho um certo "pré-conceito" com texto teatral e não gosto mto de me aventurar à lê-los, mas resolvi há pouco tempo ler Shakespeare em seu texto integral. Li Hamlet e Macbeth por aquela edição da clássicos da literatura da editora Abril, só que achei a tradução muito...."teatral" =p, pelos termos utilizados e forma da escrita em si.

    Enfim, eu dei uma breve folheada na edição da LPM e a primeira vista a tradução estava mais pra "livro de literatura em si", portanto gostaria de saber se vocês recomendam essa edição da LPM ou se se perde muito do texto nessa tradução.


    flw
     
  2. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    ñ entendi, vc prefere uma peça d teatro traduzida como prosa a uma traduzida como teatro?
     
  3. Anica

    Anica Usuário

    também não entendi. até porque as traduções da l&pm não são em prosa, são texto dramático também. talvez ele esteja se referindo à linguagem :think:
     
  4. dbottmann

    dbottmann Usuário

    é que as traduções da lpm (beatriz viégas-faria e millôr fernandes), assim como outras (p. ex. cunha medeiros e oscar mendes) são em prosa, sim, enquanto as de onestaldo pennafort, péricles eugênio, carlos alberto nunes e bárbara heliodora, entre outros, são versificadas, seguindo o original. (as peças de shakespeare eram em verso)
    mas naturalmente todas essas traduções mantêm a estrutura de peças teatrais, em texto dramático, como diz a Anica.

    é louco de difícil conseguir transpor o versejamento shakespeariano, e as traduções (bastante antigas, anos 40 e 50) de OP, PESR, CAN, se poeticamente podem ser uma grande proeza, por outro lado são praticamente inencenáveis - bárbara heliodora, nossa grande decana da crítica teatral, conseguiu essa assombrosa proeza de traduzir as peças mantendo a versificação e a "encenabilidade".
    beatriz e millôr fazem uma tradução em prosa, com texto mais moderno do que a de cunha medeiros e oscar mendes, e sobretudo as de millôr visam principalmente à apresentação em palco.

    quem quiser ter uma ideia das várias linhas de tradução de shakespeare, esta tese compara o original e sete traduções diferentes de Otelo:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , em esp. a partir da p. 148.
     
  5. dbottmann

    dbottmann Usuário

    em tempo, e dando meu pitaco à pergunta de koalla: sim, as traduções de beatriz viégas-faria são tidas como muito boas, dentro de sua proposta específica (texto teatral em prosa, com dicção moderna)
     
  6. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Particularmente, eu gosto muito das traduções do Carlos Alberto Nunes, então pode ser uma boa opção você procurá-las. Outra sugestão, talvez atendo-me às peças que você citou (Hamlet e Macbeth), seriam as traduções do Péricles Eugênio da Silva Ramos de Hamlet, tradução esta que parece possuir um excelente renome, ou até mesmo a tradução do Q1 pelo Roberto O'Shea ("Primeiro Hamlet", editora Hedra) que é um grande estudioso de Shakespeare no Brasil, além da já citada tradução do Nunes. Do Macbeth eu posso te indicar a tradução do Manuel Bandeira, que é belíssima, com uma carga poética realmente muito forte e trechos memoráveis, marcantes.
     

Compartilhar