1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Dez Regras para Salvar os Cinemas

Tópico em 'Cinema' iniciado por Anica, 3 Mar 2011.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Do
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , vale a pena ler.

    Que o público de cinema tem diminuído significativamente, todos já sabem. Alguns culpam a pirataria; outros, o preço dos ingressos. O fato, porém, é que ir ao cinema tem se transformado em uma experiência que, longe de trazer o prazer antes garantido pelo ato de assistir a um filme na tela grande, vem se transformando num exercício de paciência: o público vem se tornando cada vez mais grosseiro, as projeções deixam a desejar e os longas são distribuídos com atrasos absurdos.

    Na maior parte do tempo, como crítico de cinema, tenho o privilégio de assistir aos lançamentos semanais não só com certa antecedência, mas na companhia de espectadores que sabem se comportar: meus colegas de profissão. Há, claro, o inconveniente de as cabines (as sessões para a crítica) acontecerem pela manhã - um horário que meu organismo aprendeu a rejeitar ao longo das décadas -, mas isto é um obstáculo insignificante diante da perspectiva de passar raiva nas sessões abertas ao público.

    Recentemente, tendo sido obrigado a encarar uma sessão dupla de Biutiful e Besouro Verde no BH Shopping, em Belo Horizonte, lembrei-me da frustração representada por uma experiência medíocre nas salas de cinema, o que me levou a propor as dez regras seguintes que, voltadas para os exibidores e distribuidores, têm o objetivo de apontar o caminho da reconciliação entre o público e a tela grande, levando a um novo crescimento na venda de ingressos. Não custa sonhar.

    As três primeiras regras são voltadas para os distribuidores; as seguintes, para os exibidores. Espalhem a mensagem.

    1) Ter bom senso ao definir as datas de lançamentos - À Prova de Morte foi lançado no Brasil depois de Bastardos Inglórios, que Tarantino dirigiu dois anos depois daquele segmento de Grindhouse. Woody Allen, durante um bom tempo, só chegava por aqui com um ou dois anos de atraso. Scott Pilgrim foi adiado diversas vezes até ser lançado de maneira porca em algumas poucas praças. Nós sabemos que não há mercado no Brasil para todas as produções lançadas ao redor do mundo anualmente e que planejar o que vai para o cinema ou o que será distribuiído diretamente em home video exige um estudo cuidadoso - ainda assim, o jogo de datas que ocorre toda semana, com várias alterações e cancelamentos, é algo que não permite nem mesmo que o espectador brasileiro crie expectativa com relação aos projetos que deseja ver. Nos Estados Unidos, os cinéfilos já sabem com antecedência que às vezes chegam a dois ou três anos a data exata em que o filme que querem ver irá estrear; aqui, marcar um lançamento no calendário seria passar atestado de burrice, já que as distribuidoras parecem anunciá-los aleatoriamente, não se importando em mudá-los muitas vezes na semana anterior à suposta estréia. Com isso, não há estímulo maior para a pirataria e para o download domiciliar, já que a incerteza de poder assistir ao filme é, sem dúvida, um grande motivador para que vários fãs garantam por conta própria a exibição da obra.

    2) Jamais lançar um filme estrangeiro apenas em cópias dubladas - Durante um longo tempo, o padrão de lançamento era o seguinte: filmes infantis chegavam em cópias dubladas e legendadas; os adultos, apenas com som original e legendas. Era um sistema perfeito que garantia a alegria de todos os segmentos. Nos últimos tempos, porém, tem se tornado cada vez mais freqüente que obras voltadas ao público adulto também ganhem cópias dubladas e as animações não ofereçam opção de legendas para os interessados. E isto é de uma estupidez surpreendente. O que as distribuidoras não parecem perceber é que, com isso, estão afastando os cinéfilos que sempre tiveram o hábito de ir aos cinemas - e se em contrapartida acreditam que os longas dublados atrairão um novo público, estão terrivelmente enganadas, já que espectadores com este perfil sempre valorizaram e continuarão a valorizar mais a experiência de se ver um filme em casa, na tevê. Resultado: afasta-se uma parcela antes fiel à telona sem garantir que um novo segmento ocupe seu lugar.

    3) Só incluir os créditos da legendagem quando o filme terminar de fato - Já perdi a conta do número de vezes em que subitamente fui informado de que o filme chegara ao fim ao ler a legenda "Tradução de Fulano de Tal" - um crédito que surgia na tela enquanto a narrativa continuava a transcorrer. A política aparentemente é a de que, terminados os diálogos, o tradutor deve assinar seu trabalho, mesmo que ainda restem vários segundos ou mesmo minutos de projeção. Isto ocorreu, por exemplo, em Vivendo no Limite e, recentemente, em Além da Vida. Ora, se um diretor quer que observemos algo na tela por algum tempo antes de partir para os créditos finais, é porque acredita que isto é importante para o impacto emocional de sua obra - e ao jogar o nome do tradutor na tela antecipadamente e revelar, assim, que o filme basicamente chegou ao final, os responsáveis pela legendagem sabotam este efeito, desrespeitando as intenções do realizador.

    4) Jamais interromper a projeção antes que os créditos finais se encerrem - Por motivos que discuto em meu curso e já abordei perifericamente aqui no blog, o tempo dedicado aos letreiros finais é precioso na experiência do espectador no cinema; faz parte de seu retorno gradual à realidade, permitindo que o longa se sedimente em sua mente e em sua percepção emocional ao mesmo tempo em que já abre espaço para a reflexão sobre o que acabou de ser exibido. Cortar os créditos é, assim, uma forma ótima de sabotar o impacto provocado pela narrativa, além de ser um imenso desrespeito à equipe ali reconhecida. Como se não bastasse, tem se tornado cada vez mais comum que cenas sejam incluídas após os créditos finais - e já fui repetidamente agredido como cliente dos multiplexes ao permanecer na sala (algo que sempre faço, mesmo quando sei que não há nada depois dos letreiros) apenas para ver a projeção interrompida quando eu sabia que haveria uma cena extra dentro de alguns minutos. Quando pago um ingresso, pago para ver todos os minutos de projeção - e não é à toa que a duração de um filme informada pelas distribuidoras inclui os créditos finais.

    5) É fundamental treinar bem os funcionários do cinema - Já fui tratado com impaciência, agressividade ou descaso por funcionários de diversas salas em todo o Brasil. Recentemente, ao tentar entregar meu ingresso para a sessão de Besouro Verde, no Cineplex BH, fui surpreendido pela atitude do funcionário que, ao ver meu ingresso, empurrou-o de volta à minha mão e disse com um tom bruto: "A sala não abriu ainda. Você não pode entrar, não". E quando perguntei se não havia um local de espera dentro do cineplex, a resposta foi: "Tem, não. Se quiser, tem que esperar lá fora". Da mesma maneira, no Cinemark do Pátio Savassi, fui obrigado a pedir silêncio às duas funcionárias do espaço que insistiam em conversar durante a sessão e que nem ao menos desligaram seus rádios, permitindo que apitassem a cada três ou quatro minutos. E a questão vai além, já que este treinamento tem a ver também com a regra seguinte...

    6) Nunca abra as portas da sala antes que o filme chegue ao fim - Assim como o surgimento do nome do tradutor arruína a experiência, é frustrante perceber, enquanto a projeção ainda está ocorrendo, a movimentação dos funcionários na parte dianteira da sala para abrir as portas de saída no exato segundo em que o filme chegar ao fim. Além de ser uma distração nada bem-vinda, esta atitude indica a iminência do desfecho da história momentos antes do planejado pelo realizador. Porém, considerando a freqüência com que os funcionários chegam a abrir a porta antes do final do filme, tenho até me sentido grato quando se limitam apenas a caminhar rumo à saída.

    7) Voltar a empregar lanterninhas que monitorem a exibição - O cinema Arclight, em Los Angeles, é considerado o melhor de uma cidade na qual o padrão de projeção é, por natureza, mais exigente do que na maior parte dos lugares. E há um motivo para isso: antes do início da cada sessão, um funcionário da casa se dirige ao público explicando que o rigor técnico é uma preocupação do lugar e que, várias vezes durante a projeção, ele retornará à sala para verificar se está tudo correndo bem - além de avisar que estará logo ali fora caso algo ocorra. Já nos nossos cinemas, espectadores conversam o tempo inteiro, atendem celular, brigam nas salas, a projeção sai de foco, caixas de som deixam de funcionar, a película sai da posição e ninguém faz nada caso uma revolução não ocorra. Ora, quando pago ingresso, quero a experiência completa, perfeita: uma projeção impecável em uma sala silenciosa. Se há outros clientes ali que não respeitam isso, então devem ser removidos do local, já que não têm o direito de estragar aquele momento para todos os demais. Antigamente, o lanterninha se encarregava de manter este respeito mútuo na sala: de tempos em tempos, entrava para verificar o comportamento e não hesitava em exigir educação ou retirar os imbecis que não compreendiam que todos ali pagaram ingresso para assistir ao filme, não para ouvir sua voz irritante. Hoje em dia, são os próprios espectadores incomodados quem devem agir por conta própria - e não é à toa que têm ocorrido um número cada vez maior de brigas nas salas e até mesmo de mortes (como o sujeito que foi esfaqueado há cerca de um ano depois de atender o celular várias vezes e o rapaz que levou um tiro, semana passada, por comer pipocas de forma excessivamente barulhenta em uma sessão de Cisne Negro).

    8) Limpar os óculos 3D - Os cinemas cobram, em média, 30% a mais pelos ingressos das salas 3D - um custo justificado por eles como sendo fruto da necessidade de higienizar e manter os óculos especiais usados pelo público. Assim, é inaceitável que recebamos, em troca destes 30%, óculos sujos, com lentes manchadas e que às vezes chegam até a feder - isto quando não estão tortos. Querem cobrar mais? Então prestem algum serviço por isso.

    9) Usar a intensidade de luz adequada do projetor - Muitos exibidores têm a noção equivocada de que uma boa maneira de aumentar a vida útil das caras lâmpadas de seus projetores reside na estratégia de mantê-las numa intensidade menor do que a recomendada pelos padrões técnicos internacionais. Isto não só é uma besteira, já que as horas úteis se mantêm inalteradas, como ainda contribui para tornar a experiência pior para o espectador, que é obrigado a assistir a uma projeção escurecida e longe do ideal. Quando esta prática se soma às projeções em 3D, que exigem os óculos que já comprometem a luminosidade, o resultado é desastroso.

    10) Limitar o tempo de propagandas antes dos filmes - Sim, é verdade que as salas de exibição não costumam tirar a maior parte dos seus lucros dos ingressos, que, afinal, são revertidos em sua maioria para as distribuidoras. Assim, se as bomboniéres são as responsáveis pelos lucros dos cinemas (sim, eles estão mais interessados na venda de pipoca e refrigente do que nos ingressos em si), os exibidores também têm se mostrado cada vez mais interessados no trocado extra proporcionado pelos vídeos publicitários exibidos no início das sessões. Até aí, tudo bem: é preciso compreender que há uma necessidade comercial em jogo. Porém, quando as propagandas começam a interferir na experiência do cliente/cinéfilo, algo está muito errado - e já estive em sessões que tiveram quase 20 minutos de publicidade antes do início dos trailers. Assim, um acordo razoável seria o de permitir no máximo 5 minutos de comerciais no início da sessão - e com a exigência de que estes vídeos comecem pontualmente no horário marcado no ingresso. Com isso, o espectador que não quiser se submeter à publicidade indesejada poderá usar este tempo para ir ao banheiro ou comprar pipocas - o que, mesmo assim, certamente deixará um número suficiente de clientes na sala para justificar o interesse dos anunciantes (já que, afinal, nem todas as sessões têm comerciais e poucos se arriscariam a um atraso apenas por apostarem nos cinco minutos de publicidade).

    Se estas dez regras passassem a ser seguidas por distribuidores e exibidores, estou certo de que o público de cinema voltaria a crescer. Infelizmente, enquanto não forem implementadas, nós, amantes do cinema e defensores da experiência da tela grande, não teremos muitos argumentos que convençam outros a dividirem esta paixão. Afinal, confesso ficar sem resposta quando alguém me pergunta algo como "Por que eu deveria pagar por ingressos caros, estacionamento, pipoca e refrigerante para ter uma experiência medíocre e irritante se posso ficar em casa e assistir ao filme na minha tevê de tela grande em alta resolução (baixado pela Internet ou comprado) sem passar raiva e gastando muito menos?".

    Em vez de rebater, sou obrigado a concordar e a dizer apenas: "É verdade. Distribuidores e exibidores, por que deveríamos?".
     
  2. Excluído044

    Excluído044 Banned

    Putz! Sou muito fã desse cara.

    Tudo o que ele escreveu é verdade. Exibidores e distribuidores têm pisado na bola. Mas queria dar destaque para o (mau) comportamento das pessoas que vão ao cinema. As pessoas acham que por estarem pagando um serviço podem fazer o que quiser: falar alto, pôr o pé na poltrona, bater papo na hora dos comerciais e trailers, "namorar" de modo deselegante nas salas de projeção, deixar lixo nas poltronas para que os funcionários façam a limpeza, fazer comentários bobos e infantis durante a projeção, levantar assim que as legendas sobem e ficar na frente das pessoas que querem ver as legendas (sim, eu gosto de ficar vendo as legendas), não desligar o celular, mesmo com aqueles avisos antes da projeção, comer fazendo barulho, levar lanche do mc donalds se preocupando mais com o catchup na batata do que com o filme, etc. São tantos os comportamentos inadequados, feios e porcos das pessoas que, realmente, desanima ir ao cinema.

    Eu aposto que se eu tivesse um desses comportamentos numa missa ou culto, eu seria execrada pelas pessoas. Afinal, estaria desrespeitando um local "sagrado" para elas. Para mim, meu Templo é o Cinema. Lá é um lugar Sagrado para mim. Não tolero que as pessoas vão lá e cometam sacrilégios.

    Mas as pessoas não precisam ter a mesma visão do que eu sobre o cinema. Mas precisam ser educadas. Sabe... Tá ridículo o nosso comportamento. Achamos que só temos direitos a partir do momento em que pagamos nossas coisas. AS coisas se limitam aí na cabeça das pessoas. "Paguei, faço o que quiser."

    Triste...
     
  3. Calib

    Calib Visitante

    Nada pode ser mais verdadeiro.
    E triste.


    Quando é que vão substituir aquelas telas desfocadas pela nitidez digital? Antes, o cinema era melhor do que a TV; hoje, quem tem blu-ray ou baixa filmes em HD não sente tesão nenhum em ir ao cinema. Em muitos casos, sequer há a vantagem de ver o filme "antes que todo o mundo", pois muitos são os filmes com screeners saindo antes da estreia.
     
  4. Felipe Sanches

    Felipe Sanches Usuário

    Pra ser franco, como ir ao cinema pra mim é uma oportunidade quase trimestral(pra não dizer anual) já desenvolvi um mecanismo de auto defesa contra todos esses problemas.
     
  5. Excluído044

    Excluído044 Banned

    Conta aê!
     
  6. _Paulinha

    _Paulinha Usuário

    Muito bom o artigo. Adoro o Pablo e suas críticas no cinema em cena.
    Concordo especialmente com o item 2. Na minha cidade é comum passarmos todos os meses de férias escolares sem nenhuma opção de filme legendado.
     
  7. Calib

    Calib Visitante

    Taubaté, SP?
    Me lembre de nunca visitar. :rofl:
     
  8. Thorondir

    Thorondir Usuário

    É realmente assim por aqui. Lamentável, sempre xingo mentalmente todas as pessoas envolvidas nisso.
     
  9. Tayana

    Tayana Usuário

    Se sujam ruas, namoram de maneira imprópria nas mesmas imaginem nos cinemas...e agora com a pirataria é que tem diminuído o fluxo pros cinemas...
     
  10. Anica

    Anica Usuário

    É por causa disso que concordo com o Villaça sobre a volta do lanterninha. Com lanterninha na sala de projeção, não tem essa. Eu já ouvi história de gente FUMANDO dentro de sala de cinema, isso para não falar dos retardados que ficam fotografando com flash e bem, todos esses outros comportamentos toscos que você comentou.

    Aqui em Curitiba tem mais uma. Há uns tempos o UCI começou a vender ingresso com lugar marcado. Você escolhe qual poltrona quer, e aí não precisa ficar guardando lugar na fila, pode chegar para a hora do filme sem problemas, tranquilo.

    Isso em teoria, né? Porque tem um bando de mal educado que senta na poltrona comprada por outra pessoa achando que "não vai dar nada". Aí até fazer o indivíduo se tocar que ele está errado, em alguns casos já tem até que chamar gerente. E aqui estou comentando de casos que me relataram, que realmente aconteceram sobre essa questão de local marcado.

    Aí eu fui assistir Lua Nova na pré-estreia (cofcofcof) e tinha comprado ingresso com minha amiga. Chegamos tarde, éramos quase as últimas da fila, e eu lembrei dessas histórias que ouvi sobre gente que senta no lugar de outra pessoa. Entrei na sala, e qual não foi minha (agradável) surpresa ao descobrir que para aquele dia em especial a UCI colocou um "lanterninha" que na entrada ia educadamente indicando qual era a poltrona da pessoa? Lógico que nesse caso não teve espertão que fosse cara de pau o suficiente para sentar em lugar que não tinha comprado, todo mundo ficou no lugar certo.

    Enfim, sinto falta disso nos cinemas. Já melhoraria e muito o comportamento das pessoas.
     
  11. Excluído044

    Excluído044 Banned

    Verdade, Anica!

    Seria muito bom a volta do lanterninha nos cinemas. Eu lembro deles em alguns cinemas de BH (tô véia).

    #voltalanterninhas
     
  12. Rachel

    Rachel Usuário

    Item 2- Já por duas vezes este ano deixei de assistir a um filme no cinema por só ter cópia dublada, um foi A Viagem do Peregrino da Alvorada, o outro não me lembro. Acho ridículo e fui a gerencia reclamar, peguei o e-mail dos grandões e enviei minha reclamação. Taí algo que não faço nem em casa que é de graça: assistir filme dublado.

    Item 5- A falta de educação é algo que convivemos todos os dias, em todas as situações: na padaria, no mercado, no trânsito, etc... mas qdo acontece em lugares onde vc paga para se divertir e relaxar, parece que dói mais.
    E a Maura falou tudo, o cinema fica um gde lixão qdo termina a sessão. As pessoas não tem o menor respeito por nada.

    Item 10 - Propagandas demais ! Da última vez Vinício até comentou comigo sobre isso, disse: "Bons tempos aqueles em que não tínhamos que assistir propagandas comerciais no cinema, só trailers de novos filmes." Foram muitos minutos de propaganda naquele dia.
     
  13. -Jorge-

    -Jorge- mississippi queen

    [align=justify]Poxa, ir ao cinema em Curitiba parece ser uma aventura, hein?

    Acho que se existe mesmo esse problema que ele fala (diminuição do público), as soluções apontadas por ele me parecem de curto alcance, mais voltadas para cinéfilos, porque uma população que não faz a menor cerimônia em assistir a filmes porcamente trabalhados como os piratas (com cabeças passando na frente, legendas mal-feitas etc etc) não dá a menor importância a esses "detalhes" citados por ele.

    Seria mais ou menos como imaginar 10 regras para salvar a leitura no Brasil citando, sei lá, 1. Evitem que os livros sejam amassados; 2. Evitem a passagem dos erros de revisão; 3. ... que podem ser coisas que muito incomodam quem gosta de livros, mas que o público em geral não dá a mínima.

    Agora concordo com a falta de educação, de gente que acha que porque "tô pagando" pode fazer o que quiser (o que cada vez mais não se restringe só a cinemas).[/align]
     
  14. Excluído044

    Excluído044 Banned

    Sim, é verdade que a falta de educação é geral. Vá a um supermercado e morra de raiva. Ande na rua e morra de raiva. Eu não sei em outros lugares, mas aqui em Belo Horizonte as pessoas são MUITO sem educação. Muito mesmo. A falta de educação é geral, seja rico, seja pobre. É algo muito democrático por aqui... ¬¬

    Mas eu sou antissocial, quase não saio, prefiro ficar em casa e tals. Mas do cinema não consigo abrir mão. Então, tenho que aguentar todas aquelas coisas desagradáveis que o Pablo citou... Muito triste...
     
  15. aces4r

    aces4r Usuário

    O único cinema da cidade que mora nunca, nunca mesmo deixa as legendas até o final. Na verdade, nem deixa os primeiro crédito desaparecer e desligam subitamente a projeção. Isso é um crime.
     
  16. Dindii

    Dindii Usuário

    É isso ai. Muito bom o artigo mesmo.
    outras cosias que acho que muitos cinemas ficam devendo é o áudio. Aqui em SP ja aconteceu de eu ir em cinema ver MUSICAL e as caixas ficarem dando reverb. tenso.
    As cadeiras também... Pior coisa que tem é você sentar numa cadeira zuada, que fica saindo pedaço na sua mão e fechando involuntariamente

    E, por fim, a distribuição aqui no Brasil ainda é muito precária. Uma porção considerável de filmes fica restrito às capitais. Tinha que acabar essa cultura de que cinema em interior = blockbuster. (dublado, ainda por cima, como disse o artigo). As distribuidoras não dão qualquer prioridade ao interior.
     

Compartilhar