1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Dez anos após ataques de 11 de setembro, Brasil condena excesso de poder militar no m

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 11 Set 2011.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Uma década depois dos ataques de 11 de Setembro, o Brasil condena as práticas que vão em oposição à busca pela paz e estabilidade no mundo. Em cerimônia em Istambul, na Turquia, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, ressaltou que o mundo atual deve buscar mecanismos de equilíbrio e condenou o que chamou de excesso de “poder militar”.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O chanceler Antonio Patriota

    Patriota se reuniu neste domingo (11) com o chanceler turco, Ahmet Davutoğlu. Na segunda-feira, (12) será a vez de ele se encontrar com o presidente da Turquia, Abdullah Gül. O objetivo é organizar a visita da presidenta Dilma Rousseff ao país em outubro.

    Ao mencionar o episódio de 11 de setembro, o chanceler referiu-se não só aos ataques terroristas, mas também às guerras no Afeganistão e Iraque, além da crise que atinge a Líbia e a Síria. Segundo ele, as “intervenções” mostraram a incapacidade de solução de conflitos.
    disse Patriota. Segundo ele, as guerras recentes – no Afeganistão e Iraque – indicaram que há mais atores no mundo atual.

    disse o chanceler, destacando a necessidade de reformar o Conselho de Segurança das Nações Unidas para até 25 membros – atualmente são 15, entre fixos e rotativos.

    Patriota lembrou que nos últimos conflitos milhares de pessoas morreram, entre militares e civis. O chanceler ressaltou que só há um caminho para alcançar o desenvolvimento e o equilíbrio global:
    De acordo com ele, o governo brasileiro é favorável ao diálogo e a soluções negociadas.

    No discurso para analistas e autoridades turcas, o chanceler lembrou ainda as dificuldades por que passam vários países da África – no Chifre da África, que reúne a Somália e o Quênia, por exemplo, a fome ameaça matar milhares de pessoas, principalmente crianças e adolescentes.
    disse.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Re: Dez anos após ataques de 11 de setembro, Brasil condena excesso de poder militar

    A politica externa nacional continua vaga e molenga com ditaduras e torpezas latinas. Alguns foram bonzinhos em dizer que o discurso da diplomacia foi enigmático mas a verdade é que o Brasil ainda não tem idéia do que significa um ataque contra a civilização.

    Se houvesse caído um avião na sede do partido comunista Chinês o país chinês pegaria fogo! Se uma gangue de egípcios invadisse de noite o coliseu romano e o incediasse o lugar na época do império todo o resto sentiria de ponta a ponta a força enorme das contra-medidas.

    Nos anos anteriores a 2001, quando os ataques foram planejados, o alvo norte americano era simplesmente o maior alvo do mundo e por conseqüência os efeitos do caos injetado em todos os cenários imaginados seria sempre acima do normal. Todos os impérios foram assim e estranho seria se não houvesse ações militares de impacto acima do convencional.

    O que aconteceu foi como naqueles casos em que os terroristas ou assaltantes de banco colocam pólvora demais na bomba e explodem o dinheiro, o banco e ainda morre metade do bando junto com a explosão e esse é o problema ao se lidar com forças caóticas. Nunca se sabe como será a resposta.

    É com essa arrogância que o governo hoje pensa saber como funciona o resto do mundo.

    Basicamente no discurso eles deixam de dizer quem são os novos atores do mundo. Não sabe o que é caos mas acha que pode controlar forças caóticas com discurseira (a moda de Lula). Tinha um filme de ficção científica em que havia duas raças vivendo num planeta. A que vivia na superfície comia uvas enquanto a do subsolo era canibal. Um dia os canibais subiram até a superfície e devoraram os habitantes enquanto eles faziam discursos.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Re: Dez anos após ataques de 11 de setembro, Brasil condena excesso de poder militar

    Isso não podia ser postado no tópico do Neithan sobre o 11 de setembro? Precisava criar um tópico pra isso????

    Bom, eu acho muito complicado essa rabo-preso ideológico que o Brasil mantém com essas ditaduras esquerdóides da América Latina, porque não se trata de pacifismo idiota como se pensa, mas de um desconforto mesmo. Eu penso que as coisas possam vir a se estabilizar com a Dilma, já que o Lulalá zarpou (e que não volte). Quero dizer, ela é uma pessoa mais inteligente, inteligente o suficiente para saber separar racionalmente sua ideologia do que é bom e necessário para o país e suas relações diplomáticas, econômicas com outros países.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  4. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Re: Dez anos após ataques de 11 de setembro, Brasil condena excesso de poder militar

    Concordo!

    Mas vale ressaltar que o Brasil aos trancos e barrancos e as vezes cometendo garfes está moldando uma política internacional mais presente em determinadas sociedades do mundo. Se isto está certo ou errado, o governo terá que descobrir; e realmente vai descobrir. É natural para um país que sendo considerada uma potência emergente queira mais espaço, ainda mais dentro desse novo quado dos Bric´s. É hoje um mercado consumidor importante no mundo e que chama a atenção para investidores de diversas áreas produtivas.

    Com relação a essas ditaduras esquerdóides da América Latina acredito que não terão vida longa. Um hora esse pêndulo voltará para uma posição de mais abertura e que tente promover um desenvolvimento social mais abrangente de verdade.

    Vamos aguardar.
     
  5. Auditore

    Auditore Usuário

    Dilminha

    Concordo com cada palavra que disse. No governo "lulês" permanecia aquela coisa estática... Com o rabinho entre as pernas principalmente quando tínhamos questões diplomáticas. Vi que o governo Dilma já fez várias mudanças (algumas excelentes, outras nem tanto assim). E embora ainda não tenha visto ela contribuir tanto assim para leis ambientais, tenho esperança de que com ela o País melhore.
     
  6. General Artigas

    General Artigas Não tá morto quem peleia

    Re: Dez anos após ataques de 11 de setembro, Brasil condena excesso de poder militar

    Dilma e Lula são farinha do mesmo saco. Querem um exemplo? Palocci. Se ela colocou como ministro um cara que já tinha sido acusado de corrupção no governo do Lula e teve que pular fora do barco, não espero grande coisa dela.

    De qualquer forma, o governo brasileiro tem uma puta dor de cotovelo por não fazer parte permanentemente do Conselho de Segurança da ONU, daí fica pregando o desarmamento.
     
  7. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Re: Dez anos após ataques de 11 de setembro, Brasil condena excesso de poder militar

    Pra mim ainda a questão mais importante é o Brasil se desenvolver como sociedade, como um Estado onde o mais importante é o bem estar, uma economia sólida, competitiva e agressiva; onde todos estejam integrados. Embora essa questão de armamentos e mundo bélico esteja em voga para muitos, para outros muitos o mais importante é a sociedade evoluída com condições de viver bem, seja no Brasil, Japão, Egito, Hondura, e o escambal a quatro.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. General Artigas

    General Artigas Não tá morto quem peleia

    Re: Dez anos após ataques de 11 de setembro, Brasil condena excesso de poder militar

    O Brasil só vai conseguir uma "estabilidade" social quando a federação ser uma federação, onde os estados tenham certa liberdade. A centralização que o Getúlio iniciou continuou por todos os mandatos, de todos os governos.
    Se os estados ficam se ferrando toda hora tendo que implorar pelo dinheiro que as suas respectivas populações produziram, fica nessa merda que é hoje. Descentralização é a melhor forma de melhorar a sociedade (apesar de acreditar que o "povo" brasileiro se daria melhor se formasse uma grande confederação, mas enfim, opiniões pessoais).

    Mas o assunto do tópico é a questão de poder bélico, e o Brasil, querendo ou não, tem dor de cotovelo por sempre se disponibilizar a mandar soldados em missões de paz e ainda estar fora do Conselho de Segurança de forma permanente, daí fica dando desculpinha que só um governo hipócrita é capaz de dar:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Não sei como o Brasil não se tornou o país mais belicoso do mundo, pelo pensamento do nosso ministro.
     

    Arquivos Anexados:

    • Gostei! Gostei! x 1
  9. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Re: Dez anos após ataques de 11 de setembro, Brasil condena excesso de poder militar

    O fato dos Estados terem mais ou menos liberdade não é indicativo de que vão ter mais dinheiro e o povo será melhor assistido ou atendido. Poderia dar certo? Talvez. O pior dessa questão é a impunidade dos políticos corruptos e a falta de ética de cada um deles aliado ao despreparo da população em cobrar ou falhas ou falta de recursos dos órgãos competentes em fazer a máquina fluir com total cuidado a sociedade.

    Agora, com relação ao Conselho de Segurança tenho o seguinte:

    Olha, pode até ser dor de cotovelo, mas no meu entendimento uma nação fazer parte deste conselho não é demérito. Vide o exemplo dos EUA se pensarmos nas questões sociais e nas relações externas. A reputação dos EUA está muito manchada além do que eu sou do pensamento que o mais importante nos dias de hoje não é a brutalidade de expor armas e sim nos investimentos sociais, na qualidade de vida dos cidadãos.

    Temos tantos exemplos de nações muito mais avançadas tecnologicamente e socialmente ao compararmos com os EUA, a China, França, Rússia e que não são de longe potências militares e nunca serão.

    O Brasil comete erros nessas aparecidas na tentativa de conseguir um lugar no Conselho de Segurança? Claro que sim. Mas também esses países do mesmo Conselho cometem garfes em muitas situações até piores do que a nossa.

    Bom, mas neste caso é o meu ponto de vista.
     
    Última edição: 19 Set 2011
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar