1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Despedida.

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Maycon Aguiar, 27 Jul 2009.

  1. Maycon Aguiar

    Maycon Aguiar Usuário

    [align=justify]Resultado em mãos. Não havia um modo de retornar, uma simples contramão, uma guinada forte e uma freada súbita e seguir em outra direção. Eu estava encurralado. Podia ouvir os gemidos agourentos da morte em meus ouvidos. Pude sorrir com aquilo. Seria a última ironia de minha vida, sentir-me atraído pelo turbilhão que me encaminha a destruição. Eu não poderia abraçá-la, deixar ser afagado, não antes de meu destino estar irrevogavelmente selado. Libertei-me do aperto mastodôntico de minha gravata cinza, resquício de uma viagem feita a Londres. A despedida seria meu pior passo, a certeza do desamparo dos amados. Bruno e Márcia poderiam não mais existir, e resignei-me com isso. A espera era torturante, e a expectativa de concretizar o ato, poderia ser letal. Meu gélido grito soou cortante, em meio ao silêncio estéril. Minhas mãos vagamente percorreram a superfície de meus lábios, tentando suprimir a última nota daquele agudo. Morrer, afinal não possuía uma certa sensação, era uma sinestesia. Meus sentidos embaralhavam-se. Sentia a aspereza de minha língua, o amargo gosto de féo em meus ouvidos, farejava as palavras que justificavam minha covardia e ainda assim elas pareciam fugir-me. A confiabilidade do impresso naquele pequeno pedaço alcalino de A4 moveu-me, serviu de impulso. Ajeitei a única bala de que precisaria no tambor de meu velho revólver. Era estranha uma coisa tão pequena ser tão pesada, e tão temida. Fechei-o com o clique e o posicionei em minha cabeça, um pouco acima da orelha direita. “Adeus mãe, pai.” Apertei o gatilho. O som do metal cortando o vazio foi enervante. Respirei profundamente. “Isso não seria um sinal?”. Contudo estava firme com minha decisão. “Adeus Caio, Ana e Flávia. Você principalmente Beto.” E cliquei novamente a pequena arma. Ao perceber a minha sorte de novamente atirar sem uma bala, fraquejei. “Não há mais esperança para mim! AIDS cara! Viverei no máximo um ano. Por que não me poupar todo o sofrimento desse período latente?” Eu iria testar agora, o máximo da elasticidade de minha sanidade. Morrer, para fazê-la viver é fácil. “Tomar consciência do ato e despedir-me é demais para mim.” Levantei o punho mais uma vez, tentando pensar o menos possível. “Adeus Márcia”. Não consegui seguir em frente. Os joelhos fraquejaram quando meus olhos romperam-se em lágrimas. Fui de encontro ao chão; já não estava em mim. Quando percebi o caminho pelo qual enveredei, o estampido seco e estrondosamente alto feriu meus ouvidos. Só tive tempo apenas para registrar o ponto vermelho vibrante vindo em minha direção. Então, escuridão. Pela segunda vez naquelas horas brevíssimas, tive o vislumbre de como seria morrer. Era mágico! Alegrei-me naquele momento por ter feito. O ser divino que segurava minhas mãos com garras de ferro era maravilhoso. Ofuscava minha visão tentar focalizar seu rosto. Ela percebeu o esforço que eu fazia para afugentar a inconsciência, e sorriu. Seus lábios separaram-se e cantaram. “Ainda bem que você está aqui. Do contrário seriam dois velórios ao invés de um único.” Finalmente, após muito esforço, focalizei o alvo rosto de Márcia a minha frente. Só tinha forças para agradecer não ter encontrado o fim, que pudesse ver aquele sorriso de novo, brilhando forte. E pensar que por longos minutos ele quase se apagou.[/align]
     

Compartilhar