1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Desfile de touros

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por imported_Wilson, 12 Jul 2009.

  1. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    É uma guerra ideológica. É uma guerra de contratos. Uma guerra de poderes e sobretudo uma guerra de tiros, sangue, e times desfalcados.

    O pequeno Georgie cruza a avenida sentado na caçamba da picape de seu irmão mais velho, escopeta em mãos, um bolso carregado de balas vermelhas. Coca correndo em sua veia. Olhe em volta, diz o punk de coturno à sua direita, são os fragmentos de uma sociedade, os escombros de um sonho, e nós saindo para a colheita. Ele sorri torto.

    Chegamos a um ponto em que não sabemos mais como conter a violência. Eles nos socam, socamos mais forte. Eles nos esfaqueiam, decepamos seu braço. Se vêm para cima de nós com semi-automáticas, devolvemos bombas na porta de suas casas.

    O carro freia bruscamente e todos pulam para o asfalto. Correm encapuzados, armas em riste, gritando e gargalhando em direção ao assalto. O pequeno Georgie salta habilmente um carrinho de supermercado tombado. Balança em seu bolso um canivete, na cabeça, um baseado.

    Eles miram então nosso ponto fraco, a economia. A infiltram com a sagacidade e a sutileza de um vírus, em cada esquina, em cada letreiro, pintam seu nome e deixam sua marca. Tiram os empregos de nossos pais, em nosso próprio quintal. Trazem para dentro o estranho e nos acusam de plantar o medo. Mas o que sabem eles sobre o medo?

    Quebram as vidraças, pulam para dentro, metralham as caixas registradoras e aterrorizam os clientes. Com um bastão de beisebol destroem as câmeras de segurança. Com a coronha das armas arrancam dentes. O pequeno Georgie está perdido. É a anarquia e o caos que sempre sonhou ao seu redor. Sangue espirrado, gritos aterrorizados, vandalismo sem controle, hematomas e ossos quebrados. Algumas balas voam, um alarme talvez tenha sido acionado. Sirenes começam ao longe.

    Sou eu que tenho que passar fome então? Fodam-se esses miseráveis! Peguem suas armas, irmãos! E tomaremos o que é nosso.

    A arma carregada, o gatilho não foi disparado, a adrenalina zumbindo nos ouvidos, o pequeno Georgie decepcionado. Espera na porta do estabelecimento sem pôr os pés para dentro. Não sabe se fica, não sabe se vai, assusta-se com uma mão que o toca por trás. É um velho mendigo, que pergunta o que fazem, que pede que parem, que assim não está certo. É a chance do pequeno Georgie, que não pensa duas vezes, levanta a arma como pode e realiza seu sonho. Vamos embora, já vêm os outros gritando. Na mão do velho há um papel. Um poema rabiscado e nunca lido

    [align=center]Melancholic bulls
    Ride down St George Avenue
    Packin' pistols and rags
    Throwin' away prayers and blessin' you

    So hand over a dime
    For a wandering soul passin' by
    Can't you see, my good friend
    That this here man ain' got no sight?[/align]
     
  2. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    moderninho. pareceu script de filme.

    foi intencional o texto soar num ambiente norte-americanizado? (bastão de beisebol, poema em inglês...) pergunto isso pq sem tais referenciais o texto poderia soar universal, acontecendo em qq esquina de qq cidade do mundo.

    ah, outra coisa, se o cara tava com coca na veia, faria algum efeito o baseado na cabeça?
     
  3. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    cyberpunk não. mas como eu me inspirei numa música do rage against the machine (bulls on parade), a ambientação norte-americana foi intencional.

    quanto a questão da coca e do baseado, tenho nem ideia... pra mim basta o segundo
     
  4. Liv

    Liv Visitante

    Ó que dá um bom filme ou peça de teatro, heim!
     
  5. imported_Ariane

    imported_Ariane Usuário

    Concordo com a Liv! :lily:
     
  6. Farfael

    Farfael Usuário

    Eu não tinha visto esse texto ainda. Muito legal Wilson. Na mesma linha do Going to California, em? Curti bastante esse seu estilo "cantado" de contar a história, seguindo um ritmo cadenciado e arriscando uma ou outra rima. Fico imaginando qual a próxima música... qualquer hora vou tentar fazer algo do tipo também!

    Abraço,
     
  7. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    acho que no máximo um comercial de tv :rofl:
     

Compartilhar