1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[Desafio] Sestina

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Gigio, 4 Mar 2010.

  1. Gigio

    Gigio Usuário

    Outro dia travei conhecimento com essa forma muito curiosa de poesia chamada sestina, que consiste em 6 estrofes de 6 versos e uma estrofe final de 3 versos, em que seis palavras-chave se repetem numa estrutura determinada. Segundo o Wikipedia, o gênero foi criado pelo trovador Arnaut Daniel, no século XII.

    Bem, é mais fácil entender com um exemplo, e como não conheço nenhum em português, traduzi um do Neil Gaiman, "Vampire Sestina". A finalidade da tradução era mais prover uma amostra, então não reparem na métrica toda descuidada, etc.

    As palavras-chave da "Sestina do Vampiro" são: (A) sonho; (B) noite; © amor; (D) lápide; (E) mundo; e (F) sangue.

    Reparem que essa é a ordem das palavras finais da primeira estrofe. A partir daí, elas devem ser deslocadas seguindo uma estrutura certa, a saber:

    1ª estrofe: ABCDEF
    2ª estrofe: FAEBDC
    3ª estrofe: CFDABE
    4ª estrofe: ECBFAD
    5ª estrofe: DEACFB
    6ª estrofe: BDFECA

    A última estrofe geralmente tem A e B no primeiro verso, C e D no segundo, e E e F no terceiro, mas nesse ponto já não há tanto rigor.

    Observem o exemplo que tudo ficará mais claro:

    Sestina do Vampiro

    Aqui aguardo nas fronteiras do sonho,
    envolto em sombras. O ar negro sabe a noite,
    frio e frágil, e aguardo pelo meu amor.
    A lua tornou pálidas as cores de sua lápide.
    Ela virá, e predaremos este belo mundo
    vivos para as trevas e o sabor do sangue.

    É um jogo solitário, a busca por sangue,
    ainda assim, o corpo tem direito ao sonho
    e não o abandonaria por tudo no mundo.
    A lua sugou todas as trevas da noite.
    Permaneço nas sombras, fixo em sua lápide:
    Morta-viva, minha amada... Oh, morto-vivo amor?

    Sonhei-a hoje enquanto dormia e o amor
    era mais que a vida - ou mais que o sangue.
    Raios de sol buscaram-me, sob minha lápide,
    morto como um cadáver mas ainda em sonho
    até que despertasse como vapor pela noite
    e o pôr-do-sol me forçasse a este mundo.

    Por muitos séculos tenho vagado pelo mundo
    distribuindo algo que se assemelha ao amor -
    um beijo roubado, e então de volta à noite
    satisfeito pela vida e pelo sangue.
    E vindo a manhã já não era mais que um sonho,
    um corpo frio congelando sob a lápide.

    Eu disse que não te feriria. Sou eu lápide
    para deixar-te presa do tempo e do mundo?
    Eu te ofereci a verdade além de todo sonho
    enquanto tudo que oferecias era o teu amor.
    Eu disse que não te preocupasses e que o sangue
    tem sabor mais doce na asa e tarde na noite.

    Às vezes meus amantes se levantam na noite...
    Às vezes permanecem, corpo frio sob a lápide,
    e nunca conhecem a alegria da seda e do sangue,
    de andar através das sombras deste mundo;
    ao invés disso apodrecem aos vermes. Oh meu amor
    eles suspiraram que te levantaras, em meu sonho.

    Aguardei junto a tua lápide por metade da noite
    mas não deixarás teu sonho para caçar por sangue.
    Boa noite, meu amor. Eu te ofereci o mundo.

    Legal, não? :sim: Não escrevo poesia desde lá pela 7ª série, mas logo se vê que é uma estrutura bem complicada de se alcançar. Acho que o Gaiman sugeriu um bom caminho, utilizar um conjunto de palavras que seja muito característico ao universo do poema...

    Então, o que faço não é tanto um desafio, mas uma proposta: alguém aqui gostaria de arriscar uma sestina??

    Poesia original do Gaiman
    http://beatzo.livejournal.com/7507.html?nc=6

    Referências
    - Damon MacLaughin (em inglês)
    http://www.uni.edu/~gotera/CraftOfPoetry/sestina.html
    - Wikipedia (em inglês)
    http://en.wikipedia.org/wiki/Sestina

     
  2. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    Uma pergunta: a ordem das rimas tem de ser necessariamente igual a que você postou? (ABCDEF FAEB...)
     
  3. Gigio

    Gigio Usuário

    Até onde eu saiba, Lu, sim, a sestina deve ter exatamente essa estrutura. Não é fácil mesmo... :dente:
     
  4. Gonzo

    Gonzo Usuário

    Parece bem legal, mas você vai fixar algumas palavras chave para uniformizar o desafio para todos ou a gente escolhe quaisquer 6 palavras?
     
  5. Gigio

    Gigio Usuário

    Ah, fique à vontade quanto à escolha das palavras, Gonzo! Acho que já são bastante as outras restrições... Esse "Desafio" ficou por aqui uns três meses antes do cataclismo e ninguém se arriscou...
     
  6. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    Engraçado, a ordem das rimas não parece seguir nenhuma ordem lógica!
    Mas acho que vou me divertir tentando escrever algo com essa estrutura, assim que der eu posto!
     
  7. Gonzo

    Gonzo Usuário

    Bem lá vai minha tentativa de uma Sestina, haha.

    Abraços,
    Gonzo

    Eu sou o amor

    Pouco se espera, meses, até o breve nascer
    e longa ou curta não importa, feita a escolha, é viver
    Do caminho se perde ou se chega, a certeza é sofrer
    Nada importa ou dói se ao final o que se ouve é perdão
    e daquela maravilhosa sensação que é o amor
    o próximo passo, cinza, é na direção do morrer

    Se cinza é a cor, daltônicos ou não, vamos todos morrer
    Não precisa ser belo, precisa contanto ser envolto em amor
    Se é simples não sei e peço perdão
    Cansado de ouvir e ensinado a sofrer
    me acostumei ao exílio em que fui obrigado a viver
    no silêncio solitário imposto alguns anos depois de nascer

    A todos chega o momento em que basta de sofrer
    se dali em diante só resta morrer
    melhor esquecer e decididamente abrir mão do perdão
    Não vale se dar ao trabalho, doloroso se diga, de nascer
    para num canto sozinho continuar a viver
    dependendo de uma só palavra para alcançar o amor

    Lhes digo em alto e bom som, eu sou o amor
    e, como todos, me acostumei a sofrer
    Vejo muitos, embriagados, no que chamam de viver
    e segurei a mão de poucos em seus momentos solitários no ato de morrer
    Segurei um par, segurei dois, não segurei nenhum ao ver vocês todos nascer
    e não esperei nada, nem ninguém para estar lá, muito menos o som do perdão

    Então abram mão do som deste dito perdão
    Eu sou o que sou desde a primeira luz, sou livre do som, sou puro amor
    Do silêncio da vida ao grito do nascer
    estamos todos gritando sufocados de tanto sofrer
    Não seria diferente agora com a luz se pondo a morrer
    que chegaria a hora de esquecer o amor ou, quem sabe, se perdoar por viver

    Grito pois quero viver
    Choro pois almejo o perdão
    Choro pois estou a morrer
    Choro pois estou cheio de amor
    Grito pois dói sofrer
    E todos, sem intenção, pedem perdão, no choro da morte, da vida, ao nascer...

    Que fique claro, não há viver sem nascer
    amor sem perdão e nenhum sem sofrer
    e no choro da vida a esperança é morrer
     
  8. Gigio

    Gigio Usuário

    É uma ordem meio exótica, mas acho que faz algum sentido sim, Lu. Dá para perceber que as palavras-chave seguem sempre o mesmo trajeto. Por exemplo, "sonho" está no primeiro verso da primeira estrofe, depois passa para o segundo verso, depois para o quarto, quinto, terceiro e sexto. Então ela segue por: 124536. Esse trajeto é sempre o mesmo, apenas variando conforme a posição inicial da palavra-chave. Assim, "noite", que começa no segundo verso, segue 245361.

    Bem, o mais óbvio seria que fosse 123456, mas entendo que esse pequeno "deslocamento do 3", chamado cruzamento retrógrado, serve para que a sestina provoque uma impressão própria, como a de algo com certa circularidade misteriosa...
     
  9. Gigio

    Gigio Usuário

    Muito bom, Gonzo! Sendo logicamente chato, não ficou exatamente nos moldes da sestina, mas tem o mesmo espírito, com certeza. Muito legal, valeu! :cerva:
     
  10. Lu Eire

    Lu Eire Usuário

    A ordem das rimas é bem exótica mesmo. Faz tem que não escrevo poesia, então tá difícil fazer alguma coisa legal, mas não desisti não!

    Eu posso ainda postar, mesmo depois do Gonzo?

    Ah, e Gonzo, por falar em sua sistina, muito legal :D Mas você não pretendia seguir com a ordem das rimas que o Gigio apresentou?
     
  11. Gonzo

    Gonzo Usuário

    Haha pra ser bem sincero eu achava que tinha seguido agora que fui ver que ficou fora de ordem, eu confundi a minha ordem inicial! :rofl: Aconselho fazerem primeiro no papel pra não embolar feito eu. Ah.. Fica como poesia irmã da sestina ^^, a "cestinha" :happyt:!

    Abraço
     
  12. Gigio

    Gigio Usuário

    Claro, Lu!! Manda aí, quanto mais respostas melhor!

    :rofl:
     
  13. Haleth

    Haleth There's no such a thing as a mere mortal

    (cof, cof)

    Nuh, que bacana! Desconhecia isso. Se a escolha de palavras for bem feita, dá pra fazer uma coisas interessantes, hein? Um dia me aventuro nessa. O Mavericco que deve curtir essas coisas. :sim:
     
  14. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    De antes do rapto de Prosérpina (uma alusão à Claudiano)

    A roça e o lilás sabem, pois terrível
    é pouco e infando é muito; mas dor
    e hórridos detalhes se ressoe,
    de quando o véu escuro não descia,
    que não e sim à lavoura dá, se o corte
    se dá no meio ou é de seu permeio.

    Demetra do rebento a nós permeio
    fazia, pois que o Fado era terrível,
    pois se sabe, se sente. Invisa ao corte
    familial queria, inda que dor
    Amor à tudo cria, quando descia
    de carcás deleitoso: soe e ressoe.

    Márcio, Febo, do Coxo se ressoe
    a tocaia, e mais Hermes, de permeio
    plaino corredor. Álacre descia
    a Aurora; as vozes, ais mais que terríveis,
    mais a Infâmia descia (ao aqueu é dor);
    a turma, porém, julgo quer e corte.

    Do Olimpo quase seu, descai tal corte
    Vulcano, ansioso -- e ao Luso se ressoe --
    e indo à quem pranto verte, Febo à dor
    lhe instiga ao egresso: "Caro, de permeio
    te encontras, e eu sei bem: é terrível
    o caseiro Cupido que descia.

    Sus à ti, sus à mim! Se nos descia
    o ânimo, ao ritual façamos corte:
    Prosérpina é moça; mas terrível.
    Mimos lhe concitemos; que ressoe
    a seu júri o triunfo e não permeio".
    Céleres sobem, fastos mesmo à dor.

    Mercúrio estoque bem cativo à dor;
    Apolo coroa; Coxo, que descia,
    lavra ênia demonstra; e enfim permeio
    co'o bastão Hermes, gosto à lavra corte.
    Nada na dama prure; e em si ressoe
    um quê de não sei, um quê de terrível...

    "Se recuso terrível, é que dor
    me punge... Que ressoe o que descia:
    meu Fado é o corte: eu sou em permeio!"
     

Compartilhar