1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[Desafio] Motes e Glosas

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Mavericco, 23 Set 2011.

  1. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    A poesia movida pelo Mote e pela Glosa é muito presente nos Cancioneiros, tendo sido largamente usada por vários poetas etc etc.

    Funciona assim, usando um exemplo de Fernando Pessoa:

    O mote é uma sequência de versos, compostos ou pelo poeta ou retirados de um ou outro poema qualquer (se assim forem, obrigatoriamente deveremos usar a denominação "Mote Alheio" e indicar o autor entre colchetes) e que serão o tema ou a base do tema pra glosa.

    A glosa, por sua vez, é o desenvolvimento do mote. A glosa é pura imaginação, onde o poeta ou pode estender a ideia do mote, ou tentar criar algo contrário, explorar novos sentidos... O importante é que a glosa possua a mesma métrica do mote ou de cada (ou do) verso do mote.

    Como assim?

    Outro exemplo e nós entenderemos, desta vez de Luís de Camões (Camões não indica o autor do mote, exceto em alguns raros casos -- mas isto está proibido de ser feito aqui!):

    Como puderam perceber, ao contrário de Pessoa, Camões valeu-se apenas do último verso do Mote e o repetiu em todas as estrofes. Esta ordenação de que versos do mote se irá usar é de liberdade do autor, assim como a ordem em que esses versos vão aparecer ou sua repetição. Por exemplo, se um mote tem 4 versos e eu crio 8 estrofes na glosa, eu posso, por exemplo, repetir 3 vezes o 2º verso nas 3 primeiras estrofes da glosa e, depois, jogar o 1º verso na 4ª estrofe, o 3º na 5ª, 6ª e 7ª estrofes e o 4º na 8ª estrofe.

    Outro aspecto interessante é que eu também não sou obrigado a colocar o verso do mote de forma exatamente igual. Outro exemplo, também de Camões:

    Onde podemos perceber que nas duas primeiras estrofes o poeta repetiu apenas o "d'amores".

    Sendo assim, o mote pode apenas ser com métrica fixa? Teoricamente, sim; mas podemos fazer assim, para tentar abrir mais a coisa: você pode citar trechos de poemas em versos livres, mas a Glosa deverá ser encaixada da seguinte maneira:

    Se o mote possui dois versos, um de 5 sílabas e outro de 16; caso o poeta queira desenvolver uma glosa em cima desses dois versos, e o fizer em duas estrofes, cada uma baseada em um dos versos do mote, então a estrofe baseada no primeiro verso deverá ter 5 sílabas e a estrofe baseada no segundo verso deverá ter 16.

    Entendido?

    Funcionará assim: você desenvolverá uma glosa baseada no mote proposto pela pessoa de cima e, após desenvolvido a glosa, deverá postar um mote pra outra pessoa desenvolver. Apenas peço, pois somos pessoas de bom coração, indicar o nome do autor do mote ou de seu trecho se ele for alheio.

    Vamos lá? Eu começo:

    O Mote pode ser chamado de "Moto" e a Glosa de "Volta(s)".
     
  2. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Vou acompanhar de perto. Talvez arrisque, eu disse talvez.:hahano:
    XD
     
  3. Tayana

    Tayana Usuário

    Estou com Tadu (Ricardo campos) :piscada:
     
  4. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    A roda dos dedos juntos
    Enrolaste a fita a rir.
    Corações não são assuntos
    E falar não é sentir.


    [Fernando Pessoa]


    Glosa

    O giro dos sonhos vagos
    Impávido sobre nós
    Onírica cidade atroz
    E falar não é sentir

    O giro da noite fugaz
    O brilho de estrelas
    A poesia da negra noite
    E falar não é sentir

    O giro do rei deposto
    Cavaleiro sem trono
    Um reino sem esperança
    E falar não é sentir

    Ricardo Campos

    ”A glosa é pura imaginação, onde o poeta oupode estender a ideia do mote, ou tentar criar algo contrário, explorar novossentidos... “

    Mote


    As flores amarelas...
    Estes espinhos, sem dor
    As mulheres as colhem
    Em seus longos vestidos


    [Ricardo Campos]


    Mavericco vc é o árbitro do jogo, confere aí.
     
  5. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Lembrando que isso é um bom treinamento.Fiz uma oficina poética que tinha uns desafios interessantes, muito parecidos com esse.
     
  6. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Apesar de você ter usado o mote da minha assinatura, que na verdade é do Fernando Pessoa (e não o do Athayde -- e muito menos meu XD ), e não o que eu tinha sugerido, é isso mesmo! :sim:

    Agora, pra não deixar o Desafio morrer, vou continuar:

    MOTE (Alheio):

    As flores amarelas...
    Estes espinhos, sem dor
    As mulheres as colhem
    Em seus longos vestidos

    [Ricardo Campos]

    GLOSA:

    Andar por estes campos
    E ver as cousas delas...
    Seus perfumes, seus grampos...
    As flores amarelas...

    Ai, como tudo dói!
    Ver que ainda amor
    Me fere com, pois sói,
    Estes espinhos, sem dor...

    Os peitos são ceifeiras
    Que, de se ceifar, tolhem
    Esp'ranças que, agoureiras,
    As mulheres as colhem.

    Mas vós, minhas Senhoras,
    Que aos meus vãos latidos
    Não atendeis, nestas horas,
    Em seus longos vestidos!...

    O que me resta é ter,
    Pois lavouras tão belas,
    Não os risos ou o ser:
    [Mas] As flores amarelas!

    _______________________________________________________

    O próximo poeta deverá que glosar...

     
  7. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Desculpe pela confusão Mavericco.Mas é interessante esse desafio.Vou dar o crédito ao Pessoa lá...hehehehehe.
     

Compartilhar