1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Delegado do Distrito Federal relata crime em forma de poesia‏

Tópico em 'Planeta Bizarro? Estranhices? Bizonhices?' iniciado por BeorZenni, 3 Ago 2011.

  1. BeorZenni

    BeorZenni Usuário

    [h=2]'Tive vontade de transmitir uma mensagem a quem fosse ler', diz delegado.
    Documento teve que ser reescrito para ser enviado ao Poder Judiciário.[/h]
    "Já era quase madrugada
    Neste querido Riacho Fundo
    Cidade muito amada
    Que arranca elogios de todo mundo
    O plantão estava tranqüilo
    Até que de longe se escuta um zunido
    E todos passam a esperar
    A chegada da Polícia Militar
    Logo surge a viatura
    Desce um policial fardado
    Que sem nenhuma frescura
    Traz preso um sujeito folgado
    Procura pela Autoridade
    Narra a ele a sua verdade
    Que o prendeu sem piedade
    Pois sem nenhuma autorização
    Pelas ruas ermas todo tranquilão
    Estava em uma motocicleta com restrição
    A Autoridade desconfiada
    Já iniciou o seu sermão
    Mostrou ao preso a papelada
    Que a sua ficha era do cão
    Ia checar sua situação
    O preso pediu desculpa
    Disse que não tinha culpa
    Pois só estava na garupa
    Foi checada a situação
    Ele é mesmo sem noção
    Estava preso na domiciliar
    Não conseguiu mais se explicar
    A motocicleta era roubada
    A sua boa fé era furada
    Se na garupa ou no volante
    Sei que fiz esse flagrante
    Desse cara petulante
    Que no crime não é estreante
    Foi lavrado o flagrante
    Pelo crime de receptação
    Pois só com a polícia atuante
    Protegeremos a população
    A fiança foi fixada
    E claro não foi paga
    E enquanto não vier a cutucada
    Manteremos assim preso qualquer pessoa má afamada
    Já hoje aqui esteve pra testemunhá
    A vítima, meu quase chará
    Cuja felicidade do seu gargalho
    Nos fez compensar todo o trabalho
    As diligências foram concluídas
    O inquérito me vem pra relatar
    Mas como nesta satélite acabamos de chegar
    E não trouxemos os modelos pra usar
    Resta-nos apenas inovar
    Resolvi fazê-lo em poesia
    Pois carrego no peito a magia
    De quem ama a fantasia
    De lutar pela Paz ou contra qualquer covardia
    Assim seguimos em mais um plantão
    Esperando a próxima situação
    De terno, distintivo, pistola e caneta na mão
    No cumprimento da fé de nossa missão

    Riacho Fundo, 26 de Julho de 2011
    Del REINALDO LOBO
    63.904-4"

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


     
    • LOL LOL x 1
  2. Indily

    Indily Balrog de Pantufas Fofas

    Alguns juizes pra entrar na história tem mania de sentenciar em versos e poesias... outros apenas rimando sem futuro algum.
     
  3. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Aí ele pensa que está no facebook.
     
    • LOL LOL x 1
  4. Kainof

    Kainof Sr. Raposo


    :rofl: :rofl:


    Quanto talento desperdiçado nas cadeias do Brasil. :no:
     
  5. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Eu achei legal. Criativo.
     
  6. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    "Poesia policial" convenhamos é um gênero muito esquisito

    Prefiro isso em prosa.
     
  7. Gin

    Gin Usuário

    Ah não, é sério isso?! :lol:
    O que se passa na mente de uma pessoa dessas? [além de poesia, é claro]
     
  8. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Isso se chama poesia marginal.
     

Compartilhar