1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Delegado do Distrito Federal relata crime em forma de poesia

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por ricardo campos, 3 Ago 2011.

  1. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Literatura contra o crime...:rofl:



    Delegado do Distrito Federal relata crime em forma de poesia

    [align=justify]'Tive vontade de transmitir uma mensagem a quem fosse ler', diz delegado.
    Documento teve que ser reescrito para ser enviado ao Poder Judiciário.
    Rafaela Céo
    Do G1 DF


    O delegado Reinaldo Lobo, da 29ª DP, no Riacho Fundo, a 18 quilômetros de Brasília, surpreendeu a Corregedoria da Polícia Civil ao registrar, no dia 26 de julho, um crime em forma de poesia.

    O documento apresentado pelo delegado faz parte do inquérito policial, formado ainda pelo auto de prisão em flagrante, as oitivas e o relatório. A peça final, única feita em poesia, não foi aprovada e teve que ser refeita.

    O relatório dizia respeito a um crime de receptação, ocorrido na noite de 22 de julho, quando um homem foi flagrado por policiais militares na garupa de uma motocileta roubada.

    "O preso pediu desculpa/disse que não tinha culpa/pois estava só na garupa/foi checada a situação/ele é mesmo sem noção/estava preso na domiciliar/não conseguiu mais se explicar", escreveu o delegado sobre a abordagem ao suspeito.

    Mais adiante, o delegado prossegue: "Se na garupa ou no volante/sei que fiz esse flagrante/desse cara petulante/que no crime não é estreante".

    O preso pediu desculpa
    Disse que não tinha culpa
    Pois só estava na garupa
    Foi checada a situação
    Ele é mesmo sem noção
    Estava preso na domiciliar
    Não conseguiu mais se explicar
    A motocicleta era roubada
    A sua boa fé era furada"Trecho do relatório produzido pelo delegado Reinaldo Lobo
    A vontade de fazer um trabalho diferente motivou a redação do poema, disse o delegado. “O nosso trabalho é um pouco de idealismo. Apesar de muito árduo, ele é um pouco de fantasia, de você lutar pela reconstrução e pela melhora do mundo. Acho que isso traz muita realização e eu quis transformar isso em arte, daí a ideia da poesia.”

    No relatório em forma de poema, o delegado explica a inovação: "Resolvi fazê-lo em poesia/pois carrego no peito a magia/de quem ama a fantasia/de lutar pela paz contra qualquer covardia".

    Lobo disse ao G1 que sua intenção era chamar a atenção de quem fosse ler o inquérito, afirmou. “Nos deparamos com situações difíceis. Naquela noite, tive vontade de transmitir uma mensagem a quem fosse ler aquele inquérito.” ...[/align]
    Veja a íntegra do relatório do delegado


    "Já era quase madrugada
    Neste querido Riacho Fundo
    Cidade muito amada
    Que arranca elogios de todo mundo

    O plantão estava tranqüilo
    Até que de longe se escuta um zunido
    E todos passam a esperar
    A chegada da Polícia Militar

    Logo surge a viatura
    Desce um policial fardado
    Que sem nenhuma frescura
    Traz preso um sujeito folgado

    Procura pela Autoridade
    Narra a ele a sua verdade
    Que o prendeu sem piedade
    Pois sem nenhuma autorização
    Pelas ruas ermas todo tranquilão
    Estava em uma motocicleta com restrição

    A Autoridade desconfiada
    Já iniciou o seu sermão
    Mostrou ao preso a papelada
    Que a sua ficha era do cão
    Ia checar sua situação

    O preso pediu desculpa
    Disse que não tinha culpa
    Pois só estava na garupa

    Foi checada a situação
    Ele é mesmo sem noção
    Estava preso na domiciliar
    Não conseguiu mais se explicar
    A motocicleta era roubada
    A sua boa fé era furada

    Se na garupa ou no volante
    Sei que fiz esse flagrante
    Desse cara petulante
    Que no crime não é estreante

    Foi lavrado o flagrante
    Pelo crime de receptação
    Pois só com a polícia atuante
    Protegeremos a população

    A fiança foi fixada
    E claro não foi paga
    E enquanto não vier a cutucada
    Manteremos assim preso qualquer pessoa má afamada

    Já hoje aqui esteve pra testemunhá
    A vítima, meu quase chará
    Cuja felicidade do seu gargalho
    Nos fez compensar todo o trabalho

    As diligências foram concluídas
    O inquérito me vem pra relatar
    Mas como nesta satélite acabamos de chegar
    E não trouxemos os modelos pra usar
    Resta-nos apenas inovar

    Resolvi fazê-lo em poesia
    Pois carrego no peito a magia
    De quem ama a fantasia
    De lutar pela Paz ou contra qualquer covardia

    Assim seguimos em mais um plantão
    Esperando a próxima situação
    De terno, distintivo, pistola e caneta na mão
    No cumprimento da fé de nossa missão


    Riacho Fundo, 26 de Julho de 2011

    Del REINALDO LOBO
    63.904-4"

    Fonte:
    http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2011/08/delegado-do-distrito-federal-relata-crime-em-forma-de-poesia.html
     
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Acho que esse tipo de relatório tem que buscar a objetividade e a clareza acima de tudo. Não tem que florear ou buscar inovar... Poesia é subjetivo demais!

    Resolvi fazê-lo em poesia
    Pois carrego no peito a magia
    De quem ama a fantasia
    De lutar pela Paz ou contra qualquer covardia


    (Fazer poesia é ser ursinho carinhoso, praticamente. Isso sem contar que o cara taxa de lutar pela Paz ou qualquer outra covardia como fantasia... Fantasia de irreal ou de bonito, admirável? Subjetividade. Não seria simplesmente mais fácil e mais adequado que ele escrevesse, sei lá, um livro de poesias onde recontasse de forma não oficial os causos?)
     
  3. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Concordo em partes com você Mavericco. Mas já soube de um caso em que um advogado fez toda defesa de seu cliente em versos. O réu foi absolvido segundo relatos de terceiros. Quanto ao livro pode até ser que fosse mais adequado para as situações vividas pelo delegado no seu dia a dia, porém, acho que ele entendeu que a melhor forma nesse caso foi utilizar a arte de versificar. E não fere a lei. Lembrou os poemas de cordel. Fez firula sim, mas enquadrou o suspeito. Vai que o suspeito consegue um advogado que possa fazer a defesa dele em forma de poema. Duelo de poetas.:sim:
     
  4. imported_Rafaela

    imported_Rafaela Usuário

    Eu achei bacaninha, até ficou interessante de ler o relatório! :rofl:
     
  5. Calib

    Calib Visitante

    Um simples caso de inadequação de registro linguístico. Não fere a lei só porque ninguém pôs na lei que tinha de ser em prosa. Mas isso qualquer jegue sabe.
    O delegado foi infelicíssimo na escolha (além de ser péssimo versejador).
     
  6. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Você está incluído entre os jegues? :rofl:
     
  7. Umav Ozatroz

    Umav Ozatroz Usuário

    Foi um rap legal, mas claramente inadequado. Tem pinta de ser poeta frustrado por um trabalho completamente boçal... como eu também... :rofl:
     
  8. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!



    Achei interessante a notícia, apenas isso :sim:.Quanto a questão da adequação realmente isso é muito questionável.:sim:.Acho que ele pode ser melhor delegado do que poeta...:rofl:.Uma coisa ele conseguiu os cinco minutos de fama com um trabalho poético questionável.
     
  9. Calib

    Calib Visitante

    Hehe. Eu não disse que só jegues sabiam. :nao:
     
  10. dmcclccam

    dmcclccam Usuário

    Olhando isso me lembrei de um tal de "Juiz poeta" que meu pai havia comentado comigo já faz algum tempo. Resolvi então procurar por ele, já que provavelmente meu pai não se recorda do nome do sujeito, e encontrei dois casos peculiares.
    http://www.via6.com/topico/34195/sentenca-inusitada-de-um-juiz-poeta-e-realista-
    http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u498244.shtml
     
  11. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!




    Se não disse,blz.








    Conheço um juiz aposentado que fez o mesmo. Parece que é mais comum do que imaginava. Enfim, curiosidades mundanas.:sim:


    "No dia cinco de outubro
    Do ano ainda fluente
    Em Carmo da Cachoeira
    Terra de boa gente
    Ocorreu um fato inédito
    Que me deixou descontente.
    O jovem Alceu da Costa
    Conhecido por "Rolinha"
    Aproveitando a madrugada
    Resolveu sair da linha
    Subtraindo de outrem
    Duas saborosas galinhas.’”

    O juiz Ronaldo Tovani


    Duas saborosas galinhas? Ele não deve ter degustado né. Usou licença poética é claro...:rofl:
     
  12. Calib

    Calib Visitante

    Esse último poeminha aí já está bem mais simpático.
    Ainda assim, o metro quebrado me dá um agonia. XD
     
  13. Nadz

    Nadz Usuário

    Eu curti pela inovação. Claro que eu não entregaria algo assim para o inquérito e investigação como foi feito, mas acho legal a dedicação, a inovação. Nada impede que uma pessoa use de sua criatividade para tornar o trabalho de outros e o seu mais divertido. Isso pode ser feito, mas para mim... sem caráter de oficial , após tudo ser feito corretamente, a poesia poderia vir para quebrar o clima pesado do dia a dia dos policiais, delegados, etc ;)
     

Compartilhar