1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

De homem-macaco à vida de Jesus, há mais de 110 anos HQs deleitam leitores

Tópico em 'Quadrinhos' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 27 Set 2010.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    As histórias em quadrinhos, assim como o cinema, nasceram no século 19, mas se desenvolveram primordialmente no centenário seguinte. Os primeiros trabalhos com tiras remetem à Suíça, com o artista Rudolph Töpffer (1799-1846), que começou a publicar nas primeiras décadas de 1800. A história norte-americana "The Yellow Kid" (1896), de R. F. Outcault, é considerada o marco inaugural do gênero. Ela registra a primeira aparição do balão de fala e uma estrutura mais parecida com a de hoje.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    "The Yellow Kid", considerado a primeira história em quadrinho a utilizar balão de fala​

    O início das HQs se concentrou nas tiras de humor. Nos anos 1930, no entanto, ela passou por uma revolução temática. Nessa época foram criados alguns dos principais personagens, como "Tarzan", "Flash Gordon", o policial "Dick Trace" e o primeiro herói mascarado, o "Fantasma".


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Tarzan foi uma das primeiras tiras de aventura; gênero no Brasil seguiu mais para o lado do humor

    A partir desse período começou o império dos heróis, dominado por Super Homem, Homem-Aranha, X-Men e Batman e Robin, entre outros. O contraponto chegou décadas depois, nos anos 1960, quando estouraram os movimentos contraculturais. Seus principais expoentes são os quadrinistas norteamericanos Robert Crumb, com "Fritz, the Cat", e Gilbert Shelton, de "Fabulous Furry Freak Brothers". Os temas iam de críticas ácidas à cultura dos EUA até histórias cotidianas.

    Mais tarde, nos anos 1970, Will Eisner (1917-2005) deu início às grandes narrativas, conhecidas por graphic novels e marcadas por histórias mais longas e com temas mais profundos. Entre os principais trabalhos do autor estão "Pequenos Milagres" e "Avenida Dropsie: A Vizinhança".

    Desde então, as narrativas se tornaram cada vez mais complexas, assim como os desenhos. Embora os estilos variem de artista para artista, em cada país os quadrinhos ganharam algumas particularidades. Os europeus são conhecidos por terem traços mais realistas, como na HQ erótica "Kamasutra", e personagens carismáticos como "Asterix e Obelix" e "Groo".

    Na América Latina predominaram as tiras e os cartuns que tem Quino, o criador da "Mafalda", Lieners, com o "Macanudo", e os brasileros Laerte e Angeli como alguns dos principais expoentes. Mais recentemente, saíram publicações de mais fôlego, como "Cachalote", de Daniel Galera e Rafael Coutinho, "Yeshuah", de Laudo Ferreira, e "Memória de Elefante", de Caeto.


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Saga criada por Laudo Ferreia narra vida humanizada de Jesus Cristo com base na "Bíblia" e textos apócrifos​

    Nos EUA, o mercado é gigantesco e percorre todos os gêneros. As tiras de humor, por exemplo, deram origem a personagens consagrados como "Calvin e Haroldo", "Snoopy" e "Hagar". Algumas editoras do país focam no público adulto, com temas mais pesados e desenhos ousados, outras se concentram nos super-heróis clássicos e outras ainda apresentam obras que ficam no campo da crítica e da sátira como a HQ "Kick-Ass", de John Romita Jr. e Mark Millar.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Fernanda

    Fernanda Andarilho de Eriador e

    Matéria interessante. Taí uma coisa que eu queria estudar.

    Só acho que falar de quadrinhos no Brasil e não citar Maurício de Souza é estranho, e ignorar Mangás também. E não tem nem uma palavra sobre quadrinhos orientais.

    Eu tenho uma revistinha de 1954, que foi do meu tio. É uma história do Tarzan, em preto e branco. Infelizmente está sem capa. :(

    E as histórias são legais. Simples, diretas, fechadas. A arte é interessantíssima, de tão certinha.

    Essa é uma das que eu conservo em plástico fechado e que requer autorização para serem manuseadas. Penalidades severas se houver acidentes.
     

Compartilhar