1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

David Foster Wallace

Tópico em 'Autores Estrangeiros' iniciado por Meia Palavra, 5 Abr 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    David Foster Wallace (1962-2008)

    Quando eu fui ler David Foster Wallace (atrasado, como sempre) foi por causa de uma dica do Cassiano Elek, hoje editor da Cosac, que na época assinava uma preciosa coluna na Folha em que falava, entre outras coisas, de lacunas do mercado editorial brasileiro. E lá ele comentava e meio que fazia uma propaganda do megacatatau Infinite Jest, de 1996. Isso foi em 2004... De lá pra cá eu li tudo do cara. Tudo que existe em português, tudo que existe publicado, tudo que ainda nem foi publicado mas que dá pra achar em sites, arquivos de áudio, vídeos de youtube. Onde for.

    Na época eu estava metido no projeto-ulysses, de onde ainda não saí, e estava meio que desesperado pra tentar achar vida inteligente pós-joyceana. Pra me provar que a literatura tinha continuado etc... (é, eu andava meio xiita). Foi quando comecei a ler Gaddis, Pynchon e acima de tudo Wallace. De lá pra cá ele saiu da posição de autor cultuado especialmente por outros escritores (e por gente ligada de verdade, que nem o Elek), pra de mito de toda uma geração. O maior escritor americano do seu tempo u.s.w. De lá pra cá ele casou, fez muito sucesso, lançou mais uns livros e se matou, em 2008. Tio, então eu queria saber qual apito que esse cara toca/tocava. Pois vai.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    6 é característica mais ferrenha e refinada em Nabokov, inclusive professor do Pynchon.

    De toda forma, confesso que tenho vontade de folhear o Infinite Jest... Mas meu xiitismo literário ainda não passou e sinto que vou virar um vovô muito irritante um dia no futuro (mesmo que eu coloque o Wallace como tendo sido o mais recente dos bons escritores -- uma raça em extinção [nem o McCarthy eu incluo, mesmo com a bênção de Pe. Bloom])... O que mais me chama a atenção no Wallace talvez seja o 4. O 7 é bacana também, ainda mais que Wittgenstein foi citado.

    Se sair uma tradução um dia, eu leio. Se meu xiitismo (isso existe?) literário acabar, leio as notas de rodapé do original (como se eu fosse ninja em inglês). Não creio que será de todo ruim. Muita gente daqui fala bem dele; é um indicativo forte, fortíssimo.

    P.S.: Bom artigo. Ressuscitou meu desejo de ler Wallace.
     
  3. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    Definitivamente meu escritor preferido de todos os tempos pelos últimos seis meses.

    Mas o mais importante nele é a busca incansável pela sinceridade, e ele entende o conceito de forma tão completa e ele entende as limitações da linguagem e as implicações disso na capacidade relacional e enfim... é um troço absurdo. O cara era grande. Uma dica bacana: vejam as entrevistas dele no Youtube. São encantadoras nos mais diversos aspectos.
     
  4. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    faltou falar se as traduções brazucas dele estão a contento.
     
  5. Pips

    Pips Old School.

    A única que li está ótima, perde um pouco da brincadeira de linguagem, mas é difícil "adaptar" esse tipo de artificio de uma língua pra outra.
     
  6. Estou olhando para The Pale King, meio com medo de começar. Alguém tem planos para ler em breve? (ou já está lendo? ou já leu?)
     
  7. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    tem 1 artigo dele na revista arte & letra: estórias b, onde ele analisa o filme estrada da perdição, do david lynch. deu vontade d ver o filme, hehehehe.
     
  8. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    estrada para a perdição é do sam mendes o_0
     
  9. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    sabia q ñ iria acertar de memória de 1ª, heheheh. o correto é a estrada perdida.
     
  10. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    noooossa que coisa o_O'
    confesso que não sou fã de ler nota de rodapé, então..
    mas, sei lá essas devem ser legais :seila:

    Fiquei curiosa para ler "Everything and more". Pena que não tenha tradução ainda.
     
  11. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    O meu chegou semana passada, mas eu não vou conseguir começar agora. Pretendo começar em agosto. Ainda tô lendo o Infinite Jest e tô recém no começo. Minha principal frustração com o livro foi que o trecho de
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , que era o meu preferido entre os trechos prévios publicados, acabou ficando de fora. Na página 137, acho, tem um diálogo sobre a personificação da corporação que é genial.
     
  12. Não me pergunte como sei isso que não lembro, mas uma tradução já foi feita e a editora decidiu não publicar por causa dos erros do texto.

    Um texto sobre o E&M (e seus erros):

    http://www.ams.org/notices/200406/rev-harris.pdf

    Note que se você quer ler pelo DFW e não pela matemática, é um livro perfeitamente bom. Mas é... não deveria ter sido publicado assim.
     
  13. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Eu fiquei com vontade de ler por causa do DFW+matemática =)

    Pq, não deveria ser publicado? ñ entendi Guilherme
     
  14. Pips

    Pips Old School.

    Para quem estava ansioso. Um editor da Companhia das Letras acabou de anunciar no Twitter que a editora cuidará da edição brasileira de Infinite Jest. Lançamento é outra história.

    Editado: Pale King também será editado.
     
  15. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    F-O-D-A-P-R-A-C-A-R-A-L-H-O.

    Com tradução do Caetano Galindo. Primeira vez que eu me arrependo de não ter um Twitter.
     
  16. Pips

    Pips Old School.

    Dele mesmo. Vamos ver quanto tempo demora para sair a edição. Provavelmente demorará bem mais que um ano e pouco para ter uma tradução e só depois o lançamento.
     

Compartilhar