1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

D&D 5e Ajuda com Regra #Paladino

Tópico em 'D&D e d20' iniciado por Mauricio Farias, 24 Jul 2018.

  1. Mauricio Farias

    Mauricio Farias Usuário

    Olá, gostaria de saber como esta funcionando o detectar o mal do Paladino.

    Vi que ele possui o Sentido Divido e a Magia Detectar o Bem e Mal, mas não ficou MUITO claro pra mim, na questão da Jogabilidade com PJ.

    Estávamos em uma parte do jogo, onde existia um personagem que havia destruído uma vila inteira de aldeões. Nos encontramos o personagem responsável pelo fato, mas não tínhamos certeza que de fato, fora ele que havia cometido tal ato. Utilizei o Sentido Divino e logo após ativei o Detectar o Mal, em nossas Investigações, apareceu esta duvida, e venho por meio deste perguntar.

    Um personagem Mal, é detectado por algum desses sentidos?

    Não sei se é correto afirmar que o termo, Corruptor, se da a criatura que sucumbem ao mal, corrompidas, Demônios e Etc.

    SENTIDO DIVINO
    A presença de um mal poderoso é registrada nos seus sentidos como um odor nocivo e o bem poderoso badala como música celestial nos seus ouvidos. Com uma ação, você pode expandir sua consciência para detectar tais forças. Até o final do seu próximo turno, você sabe a localização de qualquer celestial, corruptor ou morto-vivo a 18 metros de você que não esteja com cobertura total. Você sabe o tipo (celestial, corruptor ou morto-vivo) de qualquer ser cuja presença você sentiu, mas não sua identidade (o vampiro Conde Strahd von Zarovish, por exemplo). Dentro do mesmo raio, você também detecta a presença de qualquer lugar ou objeto que tenha sido consagrado ou conspurcado, como pela magia consagrar. Você pode usar essa característica um número de vezes igual a 1 + seu modificador de Carisma. Quando você concluir um descanso longo, você recupera todos os usos gastos.

    E

    DETECTAR O BEM E MAL
    Pela duração, você sabe se existe uma aberração, celestial, corruptor, elemental, fada ou morto-vivo, a até 9
    metros de você, assim como onde a criatura está localizada. Similarmente, você sabe se existe um local ou
    objeto, a até 9 metros de você, que tenha sido consagrado ou profanado magicamente. A magia pode penetrar a maioria das barreiras, mas é bloqueada por 30 centímetros de rocha, 2,5 centímetros de metal comum, uma fina camada de chumbo, ou 90 centímetros de madeira ou terra.



    Desde de já, agradeço seu tempo, e ajuda.

    Atenciosamente,
    Um Paladino Boladão Contra o Mal!
     
  2. O Sentido Divino, pode.
     
  3. Ranza

    Ranza Macaco

    Na verdade eu tenho uma dúvida quanto a isso também, pq Mau/Mal Bom/Bem.
    Existe uma diferença nas fantasias entre as tendencias e a natureza das criaturas, e as magias elas são bem específicas quanto a natureza e não a tendencia.
    Por exemplo, é mais fácil você detectar a maldade em um paladino sobre a influencia de um demônio (por qualquer motivo que seja), do que neste caso citado, pois você detecta a natureza da criatura, e entenderia que o paladino está sobre influencia.
    Corruptor é um tipo de criatura e não uma ação, se uma criatura do tipo humanoide (a maioria das raças jogáveis), é corrompida ou corrompe alguém, não a torna um corruptor.
    Neste caso, eu julgo que a regra não atenderia a esta proposta e julgar o personagem com base nessa magia poderia resultar em mentira e injustiça e ambos os casos é quebra de voto.

    Uma solução seria usar a magia sugestão com a palavra "confesse", o que faria o personagem dizer se foi ele ou não, sem poder mentir. Veja bem, que o uso do confesse fará ele dizer se foi ele ou não, por exemplo, se não foi o personagem e a magia fosse bem sucedida, ele negaria, e o mestre poderia fazer isso de forma que os personagens fiquem sem saber se a magia deu certo ou não.
     

Compartilhar