1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

D. Alzira dos Gatos

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Vinnie, 15 Mar 2011.

  1. Vinnie

    Vinnie Usuário

    ********************



    Dona Alzira e seus gatos, divindades bonachonas, viviam num curioso mundo só deles, que incluía bifes de fígado alongados e dedilhados de viola-de-cocho que os gatos ouviam em semicírculo com suas expressões muito humanas. O contato desse mundo com o maior se fazia pelo rádio e pelas visitas: Carminha, amiga dos tempos de Rio Claro, trazia bolo de cenoura e notícias sobre o câncer do Velho Apolo; o sobrinho Ivan interpretava-lhe as listas, cuidando da comida dos bichanos e dos biscoitos; minha mãe levava o relógio de xadrez e os jornais. Carminha amava-lhe os dedos ágeis e o jeito que suspirava por trás do cigarro; o sobrinho achava sua generosidade imprescindível; mamãe invejava-lhe a máquina de costura e a imprudência romântica nos lances de rainha.

    Jogavam tardes inteiras partidas que mamãe depois reproduzia em silêncio, e eu, por trás dos meus gibis, acompanhava em seu rosto, dispensando o tabuleiro. Sabia num esgar que ela só agora via o lance que a teria livrado da derrota. Os "garfos" e os ataques duplos estavam na maneira como ela mordiscava os lábios; e eu podia dizer se ela sofria ou executava os movimentos. Papai às vezes se aproximava, olhava a posição por alguns instantes e ia cuidar da vida. Se ela fosse realmente boa, ele voltava com duas xícaras de café e se detinha de pé ao lado do tabuleiro, olhando mamãe apoiar a bochecha no punho e fazer anotações que ela sublinhava, ora com bufadas, ora com um sorriso em que escondia os dentes.

    Em dois cadernos espiralados ela mantinha um registro de todas as partidas com D. Alzira. Eram 20 anos de aberturas, ciladas e peões enforcados. Duas décadas fazendo as peças felizes. Certa feita - com a mão na louça - minha mãe me disse: “As peças de xadrez não gostam de ficar na caixa. Isso as aborrece.”

    D. Alzira morreu sem dar aviso num dia com nuvens estriadas cor-de-ardósia. Ao chegar com as compras da semana, Ivan estranhou a porta que não abria e foi chamar mamãe. Os dois deram com a velha caída no chão e os gatos marchando, dando piques em linha reta, cada um em sua raia, de um lado a outra da sala. Aquilo não era natural e fez mamãe persignar-se arrepiada. Ivan não passou da porta, e coube a ela chamar a ambulância enquanto um gatão branco lhe corria entre as pernas. O sobrinho de Alzira, de nervoso, enterrou os dedos na sacola que trazia e ficou tremendo, parado, com gelo e manjubinhas caindo-lhe nos sapatos. Mamãe ditou o endereço com a voz que todos têm para essas horas, mas também estava apavorada com a corrida da gataria por fios invisíveis aos homens; fios que eles urdiram para repartir o chão de taco entre si, claramente respeitando alguma lógica que nem os livros do Padre Santa Rosa, nem os búzios da Nega Camará puderam explicar.


    Mamãe guardou o tabuleiro de xadrez para sempre na cristaleira, e eu, que planejava pedir a mamãe um gato, desisti de tocar no assunto.
     
  2. Rodovalho

    Rodovalho Usuário

    Uma sociedade interespécies. Só deles. Os seres humanos vivem mais do que gatos e assistem gerações e gerações felinas. Velha orácula da sociedade dos gatos. Então a marcha fúnebre. As nações estrangeiras não entenderam os gatunos.

    Planejava pedir a mamãe um gato?! Porque não um tabuleiro?!

    Não pedi o cavaquinho de meu avô. Heranças sempre me parecem como pedir pro cara morrer. Da mesma forma que tem gente que não vai ao médico fazer exame pra evitar doenças, eu evito pedir heranças. Fiquei sem cavaquinho. Coisa feia é violão d-d-e-de decoração.
     
  3. carlo jorge

    carlo jorge Usuário

    Gostei da parte tocante dos gatos, não que eu goste do bicho, prefiro cão, mas foi gostoso de ler o jeito que colocou o comportamento do gato, do menino, das raias, tudo acontece assim, já presenciei. um conto rápido e interessante.
     

Compartilhar