1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[Crônica] Sobre ovos, pintos e seguradoras.

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Cantona, 21 Jan 2012.

  1. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Celular é uma coisa muito legal. Principalmente quando seu dono, num acesso de raiva, berra aos montes, não dando importância que sua conversa, até então particular, ganhe atenta platéia.
    Era um homem alto, o que estava na plataforma aguardando pelo trem. Chovia. E agora, contando pra vocês, encontro mais uma atenuante para o acesso de fúria que o acometeu. Sim, pois esperar o trem da CPTM é tarefa ingrata. Esperar o trem da CPTM, com chuva, é castigo que não se aplica. Eis que toca o celular. Toque comum, sem frescuras, o que nos fez crer na seriedade e equilíbrio do sujeito.
    "Alô ", foi tudo que ouvi, a princípio. A conversa transcorria normalmente. Posso jurar que chegou a rir, em determinado momento. Então, se levantou. Desatou o nó da gravata. Seu rosto ganhou tons vermelhos, as veias do pescoço saltaram e ele começou a gesticular. Falava, também, com as mãos. Palavrões pontuavam suas frases e as tornavam cômicas. Um espetáculo que juntou gente. Numa plataforma, esperando pela pontualidade inexistente de um transporte público capenga, que só funciona na PSDBlândia da propaganda, a cena divertia, até.

    - Eu contratei o seguro da carga - gritava. Paguei à vista o boleto que vocês me mandaram. Não, eu não quero a devolução do dinheiro que paguei. Quero o valor da carga. Não é pra isso que serve o seguro? Os pintos chegaram mortos, minha filha. Ouviu bem, os pintos chegaram MOR-TOS! Cê tá brincando? Repete! Repete que eu não entendi bem! Vá à merda! Alô, alô... A vaca desligou - gritou, dirigindo-se a mim.
    Afastei-me, prudentemente. Ele continuo, dessa vez me tomando como interlocutor. Disse que comprou uma grande quantidade de ovos fertilizados e segurou, por uma fortuna - e deu ênfase na palavra fortuna - a carga. No caminho pra estas bandas, o avião se demorou em algum aeroporto, a incubadora deu pane, e os pintos que nasceram durante a viagem chegaram mortos. Acionou a Seguradora, confiando no contrato firmado. Realmente, o homem tinha cara de honesto, desses que ainda creem nas instituições públicas e privadas. Decepcionou-se. No telefonema recebido, foi informado que não seria ressarcido pela encomenda avariada.

    - Qual motivo? - perguntei.

    - Alegam que o contrato garantia a cobertura de ovos, não de pintos.

    O que nos faz acreditar que seguro só é bom quando a gente não precisa.
    E que interpretação de texto também é uma coisa muito legal.
     
  2. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    "O que nos faz acreditar que seguro só é bom quando a gente não precisa."
    :sim:
    Reza a lenda urbana que... “ Seguro morreu de velho”no caso aí , os pintos morreram novos. Mais um pouco virariam frangos, mas se o seguro cobrisse só quando eram pintos?
     
  3. Cantona

    Cantona Tudo é História

    E sobre essa coisa de seguro morreu de velho, Stanislaw Ponte Preta tem uma boa crônica:

     

Compartilhar