1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

CRM absolve médicos condenados por venda de órgãos

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 15 Fev 2014.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    O menino Paulo Pavesi, cujos órgãos foram retirados quando ainda estava vivo, na Santa Casa de Poços de Caldas (MG)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , foram absolvidos, junto com mais quatro médicos, no processo administrativo a que respondiam no CRM-MG (Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais) pela mesma acusação. Os órgãos do menino teriam sido vendidos

    A decisão foi unânime entre os 42 conselheiros que, em plenária em 24 de janeiro, absolveram os profissionais. A Justiça pediu a cassação dos registros profissionais desses médicos para que não pudessem exercer a profissão, pois foram condenados pela Justiça. Com a decisão, eles poderão continuar a exercer a profissão.

    Além de Fernandes e Scafi, foram absolvidos pelo conselho os médicos Félix Herman Gamarra Alcântara, Alexandre Crispino Zincone, Gérsio Zincone.

    Além da condenação pela morte do garoto de dez anos, esses médicos foram condenados em janeiro deste ano pela morte e retirada de órgãos para a venda do pedreiro José Domingos de Carvalho.

    De acordo com o CRM-MG, foi elaborado um relatório amplo após análise detalhada da denúncia, dos prontuários e depoimentos de testemunhas. Os 42 conselheiros votaram pela absolvição, porque não se constatou que os profissionais infringiram o código de ética.

    "Foi entendido que nos autos não havia prova alguma de irregularidade. O juiz se baseia no Código Penal, mas o CRM decide na esfera administrativa, com base no código de ética."

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    O canetaço e o corporativismo do CRM-MG passando por cima de tudo. Como diz o poeta: "E agora, José?".

    :roll:
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Mais um dos tantos absurdos de nosso país.
     
  4. Pim

    Pim God, I love how sexy I am!

    A acusação foi pesada. Foi provado algo?
     
  5. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Pra formar uma opinião eu também teria que ter acesso a esses relatórios (inclusive alguns dados da polícia) antes. Para quem encontrar fica o pedido para que coloque o link aqui... Os hospitais brasileiros são uma bagunça e não me admiraria se tivesse a mão de algum funcionário que estivesse passando por cima da legislação de doação de órgãos, intermediando a negociação.
     
    Última edição: 17 Fev 2014
  6. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    • Gostei! Gostei! x 4
  7. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Bem, ajuda por trazer um pedaço do histórico de uma das partes e fornecer algum material para analisar.

    No blog eles citam a existência de documentos forjados e denúncias paralelas de superfaturamento, que devem ter sido objeto de debate no conselho e na justiça antes das decisões. Isso me deixa ainda mais curioso para ler esses relatórios. Dependendo das conclusões podem ser tanto por conta de investigação baseada em provas falsificáveis quanto o oposto (baseado em provas legítimas e definitivas).
     
    Última edição: 17 Fev 2014

Compartilhar