1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Cora Coralina

Tópico em 'Autores Nacionais' iniciado por Fernando Giacon, 26 Abr 2008.

  1. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Cora Coralina
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Por mim mesmo...
    Com o pseudônimo de Cora Coralina, a doceira Ana Lins dos Guimaraes foi uma poetisa brasileira do interior de Goiás, uma mulher muito simples e humilde. Por ter vivido longe dos grandes centros a sua vida inteira, sua poesia era cotidiana, onde retratava os becos e ruas históricas e ambientes que viverá. Dona de palavras poderosas, seu primeiro livro, o "Poemas dos Becos de Goiás" foi lançando em 1965, quando ela já estava com 75 anos, ganhou muitos prêmios de literatura, um deles foi o de "Intelectual" do ano em 1983. Dois anos mais tarde veio a falecer.

    Curiosidade:Foi ao ter sua poesia conhecida por Carlos Drummond de Andrade, que Cora Coralina passou a ser conhecida e admirada em todo o Brasil.

    Uma poesia...
    O Passado...

    Homens sem pressa,
    talvez cansados,
    descem com leva
    madeirões pesados,
    lavrados por escravos
    em rudes simetrias,
    do tempo das acutas.
    Inclemência.
    Caem pedaços na calçada.
    Passantes cautelosos
    desviam-se com prudência.
    Que importa a eles o sobrado?

    Gente que passa indiferente,
    olha de longe,
    na dobra das esquinas,
    as traves que despencam.
    -Que vale para eles o sobrado?

    Quem vê nas velhas sacadas
    de ferro forjado
    as sombras debruçadas?
    Quem é que está ouvindo
    o clamor, o adeus, o chamado?...
    Que importa a marca dos retratos na parede?
    Que importam as salas destelhadas,
    e o pudor das alcovas devassadas...
    Que importam?

    E vão fugindo do sobrado,
    aos poucos,
    os quadros do Passado.

    Maravilhoso, não é?:)
     
  2. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A! Simples assim!!!
     
  3. Zuleica

    Zuleica Usuário

    Fernando, que bom que vc trouxe a Cora. Muito bom moço, tem muito valor a poesia dela, uma doçura de gente e de texto.
     
  4. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    É só o que eu diga! Sua poesia é um reflexo de si mesma!
    É eu estava sentindo falta dela...tava faltando ela aqui pra brindar com a gente aqui.
     
  5. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Vcs já viram a casa dela??? É um lugar lindo de morrer... e acho que a história de vida dela tb é muito interessante... a Cora era uma pessoa de muita garra...
     
  6. Hérmia

    Hérmia Usuário

    Conheço poemas dela, são de uma simplicidade e doçura que realmente encantam.....
     
  7. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Nunca vi a casa dela! Diziam que era num lugar muito especial, bem antiga, vou dar uma procurada nisso, porque agora fiquei curioso pra ver essa tal casa...
    Realmente...simples...palavras que escapam da boca mesmo! Correm dentre as linhas como ela diz.
     
  8. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Pois é Fernando, vi numa reportagem e jurei pra mim que iria lá um dia! é um lugar muito especial e melancólico, com um rio e tal, fica em Vila Boa de Goias...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Diz-se que ela gostava muito de cozinhar, e seus poemas eram uma forma de registrar a vida pública da sua cidade, então!

    Em 1985, logo após a sua morte, os parentes, amigos e tal fizeram da casa dela um museu, com projetos de leitura e tal... Pena que os maiores reconhecimentos ela recebeu uns 3 anos antes de morrer... Ela é doutora honoris causa da UFGO...
     
  9. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    =DDDDDD!!!! Mas q casa mais simpática né? Nossaa...como eu adoraria morar num lugar desses, bem histórico...é entao, ela era um doceira de mão cheia, assim diziam...uhum...fizeram mesmo um museu (onde eu vou um dia!!!), pois é...sabe q eu fiquei conhecendo o trabalho dela através da minha mãe q sempre me falava: "MAS FERNANDO, A CORA CORALINA SÓ FOI RECONHECIDA AOS 75, E MAIS AINDA DEPOIS QUANDO ELA FALECEU!!!" ela sempre me dizia isso, e diz por que eu to começando agora na carreira literaria e tudo mais, então ela sempre fla q o reconhecimento as vezes vem tarde...no caso da Cora é um exemplo...é uma pena...
     
  10. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Sua mãe estava certa :)
     
  11. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    HUhahauh pois é...hoje mesmo ela me disse isso, ela não cansa! E ela ama a Cora.
     

Compartilhar