• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Copa América 2021 [Oficial]

Quem será o campeão?

  • Uruguai

    Votos: 0 0,0%
  • Chile

    Votos: 0 0,0%
  • Paraguai

    Votos: 0 0,0%
  • Colômbia

    Votos: 0 0,0%
  • Equador

    Votos: 0 0,0%
  • Bolívia

    Votos: 0 0,0%
  • Peru

    Votos: 0 0,0%
  • Venezuela

    Votos: 0 0,0%

  • Total de votantes
    9
  • Votação encerrada .

Béla van Tesma

I’m hoping to do some good in the world!
Agora o Messi vai jogar com a força do ódio, só por ver essa cara de lesma seca aí do Bolsonaro falando abobrinha.
 

Béla van Tesma

I’m hoping to do some good in the world!

Brasil x Argentina no Maracanã, o regozijo de uma Copa América desacreditada

O torneio pandêmico marcado por gramados ruins, surtos de covid-19 e pouca audiência entregará, em seu último ato, uma final única e inesquecível

SB3GTGHXSZGTM6G4DCU4MKWFRY.jpg
DIOGO MAGRI
São Paulo - 08 JUL 2021 - 14:54 BRT
Fonte:
ElPaís

A Copa América 2021 não deveria ter existido. O torneio foi negado pela Colômbia por conta de protestos sociais, abandonado pela Argentina com a crescente da pandemia de covid-19 e resgatado pelo Governo brasileiro como válvula de escape em meio à crise sanitária e denúncias de corrupção. Os surtos de coronavírus em várias delegações, a realização de jogos em estádios secundários do futebol brasileiro e a baixa audiência provaram durante os últimos 30 dias que a realização dos jogos entre seleções foi um investimento ruim. Mas, finalmente, a Copa América entregou o melhor que podia: um Brasil x Argentina no Maracanã, clássico mundial que empolga com rivalidades, craques, tabus e a única chance de tornar o campeonato pandêmico memorável.

Sabendo que o duelo entre as duas seleções tradicionais é a melhor atração que seu torneio pode proporcionar, a Conmebol construiu o regulamento da Copa América para ter uma final entre elas. Ao contrário da Eurocopa, onde o equilíbrio e o sorteio permitem um grupo com Alemanha, França e Portugal, o torneio sul-americano começou com dois grupos de cinco seleções cada, onde Argentina integrava o grupo A e o Brasil está no B. São 20 jogos na primeira fase apenas para eliminar duas seleções —Bolívia e Venezuela, no caso, que são as duas piores do continente. Seguiu-se então o mata-mata onde, desde que brasileiros e argentinos tivessem se classificado em primeiro lugar, bastava ganhar quartas e semifinal para se cruzarem na decisão. E foi exatamente o que fizeram.

O esforço da Conmebol em promover o clássico na decisão se justifica pela história que envolve os dois países. Somados, brasileiros e argentinos ganharam sete Copas do Mundo e metade das 46 Copas América disputadas. E, se o torneio ficou banalizado com quatro edições nos últimos seis anos, o clássico como final vai no caminho contrário. Ele aconteceu somente três vezes, em 1937, 2004 e 2007, com uma vitória argentina e duas brasileiras. Uma das duas seleções sempre chega na final, mas dificilmente se encontram nela, o que engrandece a partida de sábado. Afinal, foi com as camisas dessas seleções que Pelé e Maradona despontaram como maiores estrelas da história do esporte, que também vestiram Garrincha, Mario Kempes, Passarella, Zico, Batistuta, Romário, Ronaldo, Riquelme, Ronaldinho, Messi, Neymar e tantos outros craques. Os dois últimos, que se enfrentaram de forma oficial com as suas seleções pela última vez em 2016, farão o primeiro duelo em uma final. “Não podíamos morrer sem ver isso”, como resumiu o argentino Diario Olé.

Morrer sem ver isso estava mais próximo do que imaginávamos, dados os 34 anos de Messi. Um dos melhores jogadores da história está em seus últimos anos em campo e tem uma de suas oportunidades finais de ser campeão com a Argentina. São 28 anos de jejum para os hermanos; ou seja, toda a carreira do camisa 10 que cansou de erguer taças com o Barcelona. Messi perdeu quatro finais pela albiceleste —na última, quando também perdeu um pênalti, disse que se aposentaria da seleção.

Voltou com uma postura mais maradoniana, assumindo o papel de líder dentro e fora de campo. Na semifinal que eliminou a Colômbia, teve a jornada do herói completa: fez a jogada do gol de Lautaro Martínez; levou uma entrada no tornozelo e continuou jogando com uma mancha de sangue no meião; converteu seu pênalti decisivo; provocou o adversário que perdeu sua cobrança; e terminou comemorando a vitória em campo com músicas da hinchada argentina. Messi é o jogador da Copa América 2021 com mais gols, assistências, chances criadas, chutes ao gol e dribles. Sua possível última chance de ganhar com a Argentina, com o desafio de acabar com o jejum do país e homenagear o ídolo Maradona, terá como palco o Maracanã —estádio mais famoso do mundo que, pela primeira vez, recebe um Brasil x Argentina numa final.

Do outro lado, Neymar também busca sua primeira Copa América, apesar de já ter vencido outros títulos com seu país. Em 2019, uma lesão o deixou de fora do Brasil que acabou campeão em casa. Agora, ele é o líder espiritual da equipe, artilheiro e responsável direto pelas melhores jogadas da seleção. Com uma sólida defesa e uma inesperada parceria de sucesso com Lucas Paquetá, Neymar conduziu uma seleção invicta há 13 jogos —a última derrota foi justamente para os argentinos, em 2019— que, apesar de ainda não ter atingido todo o seu potencial, joga num ritmo suficiente para passar por cima dos rivais sul-americanos e chegar como favorita ao bicampeonato em casa. Não há dúvidas, no entanto, de que a decisão será o maior desafio brasileiro antes do Mundial de 2022.

Tantos fatores históricos e esportivos explicam como uma murcha Copa América conseguirá entregar uma final empolgante. Depois do torneio todo perdendo em audiência na TV aberta para a Globo e na TV fechada para a Eurocopa, a competição sul-americana já fez o SBT assumir a liderança do Ibope em São Paulo na noite desta terça-feira, 6 de julho, com a disputa de pênaltis entre Argentina e Colômbia. O mesmo cenário deve se repetir no sábado. E, se a Copa passou o mês inteiro gerando menos interesse ao brasileiro do que a Euro, agora ela vence o duelo no fim de semana decisivo. O Brasil x Argentina valendo taça no Maracanã, no sábado à noite, é mais atrativo do que a final entre Itália x Inglaterra, no domingo, em Wembley. E tem tudo para ser o fechamento inesquecível de um campeonato inoportuno.
 

Eriadan

Usuário
Usuário Premium

Brasil x Argentina no Maracanã, o regozijo de uma Copa América desacreditada

O torneio pandêmico marcado por gramados ruins, surtos de covid-19 e pouca audiência entregará, em seu último ato, uma final única e inesquecível

Ver anexo 90659
DIOGO MAGRI
São Paulo - 08 JUL 2021 - 14:54 BRT
Fonte:
ElPaís

A Copa América 2021 não deveria ter existido. O torneio foi negado pela Colômbia por conta de protestos sociais, abandonado pela Argentina com a crescente da pandemia de covid-19 e resgatado pelo Governo brasileiro como válvula de escape em meio à crise sanitária e denúncias de corrupção. Os surtos de coronavírus em várias delegações, a realização de jogos em estádios secundários do futebol brasileiro e a baixa audiência provaram durante os últimos 30 dias que a realização dos jogos entre seleções foi um investimento ruim. Mas, finalmente, a Copa América entregou o melhor que podia: um Brasil x Argentina no Maracanã, clássico mundial que empolga com rivalidades, craques, tabus e a única chance de tornar o campeonato pandêmico memorável.

Sabendo que o duelo entre as duas seleções tradicionais é a melhor atração que seu torneio pode proporcionar, a Conmebol construiu o regulamento da Copa América para ter uma final entre elas. Ao contrário da Eurocopa, onde o equilíbrio e o sorteio permitem um grupo com Alemanha, França e Portugal, o torneio sul-americano começou com dois grupos de cinco seleções cada, onde Argentina integrava o grupo A e o Brasil está no B. São 20 jogos na primeira fase apenas para eliminar duas seleções —Bolívia e Venezuela, no caso, que são as duas piores do continente. Seguiu-se então o mata-mata onde, desde que brasileiros e argentinos tivessem se classificado em primeiro lugar, bastava ganhar quartas e semifinal para se cruzarem na decisão. E foi exatamente o que fizeram.

O esforço da Conmebol em promover o clássico na decisão se justifica pela história que envolve os dois países. Somados, brasileiros e argentinos ganharam sete Copas do Mundo e metade das 46 Copas América disputadas. E, se o torneio ficou banalizado com quatro edições nos últimos seis anos, o clássico como final vai no caminho contrário. Ele aconteceu somente três vezes, em 1937, 2004 e 2007, com uma vitória argentina e duas brasileiras. Uma das duas seleções sempre chega na final, mas dificilmente se encontram nela, o que engrandece a partida de sábado. Afinal, foi com as camisas dessas seleções que Pelé e Maradona despontaram como maiores estrelas da história do esporte, que também vestiram Garrincha, Mario Kempes, Passarella, Zico, Batistuta, Romário, Ronaldo, Riquelme, Ronaldinho, Messi, Neymar e tantos outros craques. Os dois últimos, que se enfrentaram de forma oficial com as suas seleções pela última vez em 2016, farão o primeiro duelo em uma final. “Não podíamos morrer sem ver isso”, como resumiu o argentino Diario Olé.

Morrer sem ver isso estava mais próximo do que imaginávamos, dados os 34 anos de Messi. Um dos melhores jogadores da história está em seus últimos anos em campo e tem uma de suas oportunidades finais de ser campeão com a Argentina. São 28 anos de jejum para os hermanos; ou seja, toda a carreira do camisa 10 que cansou de erguer taças com o Barcelona. Messi perdeu quatro finais pela albiceleste —na última, quando também perdeu um pênalti, disse que se aposentaria da seleção.

Voltou com uma postura mais maradoniana, assumindo o papel de líder dentro e fora de campo. Na semifinal que eliminou a Colômbia, teve a jornada do herói completa: fez a jogada do gol de Lautaro Martínez; levou uma entrada no tornozelo e continuou jogando com uma mancha de sangue no meião; converteu seu pênalti decisivo; provocou o adversário que perdeu sua cobrança; e terminou comemorando a vitória em campo com músicas da hinchada argentina. Messi é o jogador da Copa América 2021 com mais gols, assistências, chances criadas, chutes ao gol e dribles. Sua possível última chance de ganhar com a Argentina, com o desafio de acabar com o jejum do país e homenagear o ídolo Maradona, terá como palco o Maracanã —estádio mais famoso do mundo que, pela primeira vez, recebe um Brasil x Argentina numa final.

Do outro lado, Neymar também busca sua primeira Copa América, apesar de já ter vencido outros títulos com seu país. Em 2019, uma lesão o deixou de fora do Brasil que acabou campeão em casa. Agora, ele é o líder espiritual da equipe, artilheiro e responsável direto pelas melhores jogadas da seleção. Com uma sólida defesa e uma inesperada parceria de sucesso com Lucas Paquetá, Neymar conduziu uma seleção invicta há 13 jogos —a última derrota foi justamente para os argentinos, em 2019— que, apesar de ainda não ter atingido todo o seu potencial, joga num ritmo suficiente para passar por cima dos rivais sul-americanos e chegar como favorita ao bicampeonato em casa. Não há dúvidas, no entanto, de que a decisão será o maior desafio brasileiro antes do Mundial de 2022.

Tantos fatores históricos e esportivos explicam como uma murcha Copa América conseguirá entregar uma final empolgante. Depois do torneio todo perdendo em audiência na TV aberta para a Globo e na TV fechada para a Eurocopa, a competição sul-americana já fez o SBT assumir a liderança do Ibope em São Paulo na noite desta terça-feira, 6 de julho, com a disputa de pênaltis entre Argentina e Colômbia. O mesmo cenário deve se repetir no sábado. E, se a Copa passou o mês inteiro gerando menos interesse ao brasileiro do que a Euro, agora ela vence o duelo no fim de semana decisivo. O Brasil x Argentina valendo taça no Maracanã, no sábado à noite, é mais atrativo do que a final entre Itália x Inglaterra, no domingo, em Wembley. E tem tudo para ser o fechamento inesquecível de um campeonato inoportuno.
O texto é perfeito do início ao fim.
 

Turgon

ワンピース
Eu vi agora meio que por um acaso no UOL que está rolando a disputa do terceiro lugar da Copa América. Um pouco desnecessário convenhamos.
 

Béla van Tesma

I’m hoping to do some good in the world!
Sim. Que mané jogo à tarde.
Aquele sol pegando no olho...

E a tarde de sábado é pra fazer outro programa qualquer. Kk
 

Loveless

J'ai une âme solitaire
Usuário Premium
Neymar e os jogadores da seleção estão putos porque alguns brasileiros declararam que irão torcer pela Argentina e contra o Brasil.

Eu acho que cada um pode torcer para quem quiser. Não vejo nada demais torcer pela Argentina, se a pessoa se identificar com a seleção argentina, com a cultura argentina, etc. Agora torcer contra o Brasil por que é cool ser contra a seleção parece infantilidade demais.
 

Béla van Tesma

I’m hoping to do some good in the world!
Ué, mas ele ficou puto justamente porque sabe que essa torcida contra é por esse último motivo aí. Não é como se fosse um colono italiano torcendo pra Azzurra porque tem sangue italiano, ou um colono alemão torcendo pra Alemanha etc. É pra pagar de conscientezão; é pra encher o peitinho de orgulho e dizer "enquanto te roubam, você grita gol". Daí a pessoa acredita que torcer contra o Brasil vai fazer o brasileiro alienado desistir do futebol quando o resultado da Seleção for negativo e magicamente se interessar por política (mas tem que se interessar pelo "lado certo" da política também, não pense que é fácil agradar essa gente)...

No máximo, se não for isso aí, é birra contra o Neymar, birra das grossas. Tipo achar que ele é o queridinho da grande mídia (ou extrema-imprensa rs) e que torcer contra ele é um grande cala-boca na Globo, mesmo que a Globo não esteja televisionando a competição. Enfim. É mongolice em qualquer um dos casos. Certamente não vem de ninguém com um amor autêntico pela Argentina. :hihihi:
 

Turgon

ワンピース
Eu sinceramente não acho nada demais quem quer torcer contra a Seleção Brasileira. Ninguém é obrigado a torcer pela Seleção só porque nasceu aqui. Cada um torce da forma que quiser e não sou eu que vou ficar julgando.
 

Valinor 2021

Total arrecadado
R$250,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo