1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[convocação] PARTIDA DE CALL OF CTULHU/RASTRO DE CTHULHU

Tópico em 'Play by Forum' iniciado por Jeff Donizetti, 3 Dez 2010.

  1. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Amigos,

    Sou novo no Fórum e não jogo faz muito tempo. Como não tenho mais logística para um RPG de mesa (casamento, trabalho, pós, etc, etc...) mas queria voltar a "rolar os dados", estou estudando a possibilidade de mestrar uma partida de Cthulhu aqui pelo Valinor. Assim, queria primeiro levantar se há interessados nessa jornada rumo à insanidade. Vou "desenterrar" uma velha aventura que já usei com meu antigo grupo e em vetustos EIRPG (por volta de 2000). Aguardo demontrações de interesse aqui neste tópico ou via MP.

    Seguem alguns detalhes:

    TÍTULO: "O Rei de Amarelo" (Baseada nas histórias do livro The King in Yellow (1895), de Robert W. Chambers)
    SISTEMA: Call of Cthulhu/O Rastro de Cthulhu
    ÉPOCA: Anos 1910-1920
    LOCAL: Manaus, Brasil
    NºJOGADORES: 4-6.
    CONTEXTO: No auge do "Ciclo da Borracha" (1890-1915), Manaus era uma das cidades brasileiras das mais ricas e desenvolvidas, ostentanto luxo e tecnologias então impensáveis para capitais do sul do país, como luz elétrica, água encanada e sistema de bondes modernos. Uma de suas joias e orgulho era o belíssimo Teatro Amazonas, construído para abrigar espetáculos e artistas trazidos diretamente da Europa para entreter a elite manauara.
    RESUMO: A mais recente atração importada pelo diretor do Teatro Amazonas é a polêmica peça "O Rei em Amarelo", condenada pela Igreja e proibida em diversos países pelo efeito causado em sua plateia. Os jogadores interpretam investigadores convocados por autoridades do estado do Amazonas para descobrir o porquê da peça, ainda em produção, ter causado distúrbios mentais em trabalhadores e artistas locais contratados para a montagem do espetáculo. Isso antes da estreia, ansiosamente aguardada pelo próprio governador, que espera a visita de importantes autoridades políticas e militares nacionais e estrangeiras.

    Terminei hoje (08/12), a escrita da ambientação:

    Cenário

    I - O Ciclo da Borracha

    O Ciclo da Borracha ocorreu entre 1879 e 1912, com uma pequena sobrevida durante os últimos anos da II Guerra Mundial. Proporcionou grande expansão da colonização, atraindo riqueza, fazendo surgir cidades e povoados e causando transformações culturais e sociais, desenvolvendo sobremaneira as cidades de Belém e Manaus. A partir de 1900 a borracha brasileira passou a sofrer a concorrência do látex produzido no sudeste asiático, com mudas e sementes da Hevea brasiliensis pirateadas pelo inglês Henry Wickman. Com plantações planejadas e produção com mais eficiência e produtividade, os preços praticados pelos ingleses em suas colônias asiáticas eram muito menores que os da borracha brasileira, o que os fez assumir o controle do comércio mundial do produto, tendo como reflexo imediato a estagnação da economia regional e o fim da pujança dos barões da borracha.

    II - O Mundo, o Brasil, a Amazônia e Manaus, 1910

    1. A passagem do cometa Halley
    Em 1910, entre maio e junho, a aproximação do Cometa Halley causou pânico mundial entre os que acreditavam ser o final do mundo. Os charlatães enriqueceram com a venda de máscaras de gás, garrafas de oxigênio e até comprimidos milagrosos que protegeriam do cometa. Dizia-se que seus gases mortais, como o cianogênio, desvastariam a Terra e a pele das pessoas seria simplesmente dissolvida.
    Carlos Drummond de Andrade, então apenas um garoto de sete anos, deixou registradas as suas impressões sobre a passagem do cometa na pequena cidade mineira de Itabira: “No ar frio, o céu dourado baixou ao vale, tornando irreais os contornos dos sobrados, da igreja, das montanhas. Saímos para a rua banhados de ouro, magníficos e esquecidos da morte que não houve. Nunca mais houve cometa igual, assim terrível, desdenhoso e belo”.

    2. A eleição presidencial no Brasil
    Em 1º de março de 1910 ocorreu a votação para presidente entre os candidatos Marechal Hermes da Fonseca e o grande orador Rui Barbosa. Na ocasião, o país se dividiu: Bahia, São Paulo, Pernambuco, Rio de Janeiro e parte de Minas Gerais apoiaram Rui Barbosa. Os demais estados se alinharam a Hermes da Fonseca, que acabou vencendo as eleições recebendo 403.867 votos contra os 222.822 votos de de Rui Barbosa.

    3. Manaos, 1910
    O luxo
    Manaus foi a primeira cidade brasileira a ser urbanizada e a segunda a possuir energia elétrica, antes mesmo da Capital Federal e de São Paulo. Possuía ainda tecnologias inovadoras para a época como telefones em grande número, bondes elétricos, avenidas largas sobre pântanos aterrados, além de prédios imponentes e luxuosos, como o requintado Teatro Amazonas, o Palácio do Governo, o Mercado Municipal e o prédio da Alfândega, no caso de Manaus.
    Lendas sobre a pujança diziam que era tanta a riqueza dos barões da borracha que estes acendiam charutos com notas de cem libras esterlinas, que quando alguém tinha dor de dente ia à Europa se tratar, ou ainda que as roupas eram lavadas em Paris. Fosse como fosse, a influência europeia era nítida na Manaus do período, tanto na arquitetura como no modo de vida. Graças à borracha, a renda per capita de Manaus era o dobro daquela da região produtora de café. A libra era moeda que circulava no comércio amazônico durante o auge. A agricultura da região praticamente desapareceu, e todos os produtos agrícolas passaram a ser importados da região Sudeste e Nordeste.
    Para se igualar à capital francesa, a sociedade manauara não hesitou em eliminar seus hábitos e costumes antigos, pois queriam excluir todo e qualquer vestígio que lembrasse as suas origens indígenas e caboclas. Abandonaram-se os hábitos nativos, trocando a rede pelas camas suntuosas, a água de moringa pela eau de Vichy, os perfumes de flores e raízes silvestres por sofisticados frasquinhos parisiense, desprezando as frutas da terra pelos bombons franceses e pelo chopp alemão. Esse chopp, aliás, era bastante caro, assim como todo o custo de vida na capital manaura: o chopp consumido em Manaus era de origem alemã e custava 15$000 réis e uma xícara de “mau café” no botequim do Teatro Amazonas custava 500 réis. Importavam também da Europa o queijo, a manteiga fresca, frutas, hortaliças e até mesmo peixes. Manaus importava tudo para o seu consumo, e todos os gêneros de primeira necessidade custavam o olho da cara.
    O calor da cidade não era o mesmo de hoje, mas ainda assim era um lugar bem quente. No entanto, boa parte dos novos ricos não deixavam de lado as vestimentas europeias, pouco adequadas à cidade. As mulheres espartilhadas e vestidas até os pés em pesadas sedas; os homens transpirando em seus fraques, croisé e casacas, muitas vezes talhados em Londres, cartola ou chapéu-côco, colete, peito engomado e colarinho alto sob a forte canícula ou nos animados bailes, tão frequentes nos palacetes particulares, em suntuoso estilo ‘fin-desciècle’. Isso tudo por conta da europeização direta, já que os membros da elite de Manaus passavam longas temporadas no Velho Continente a fim de estudar, passear ou adquirir propriedades. Por isso, o francês e do inglês eram línguas muito comuns entre as altas rodas da cidade.
    Durante a mistificação da lenda da riqueza fácil, a cidade de Manaus passou a receber, diariamente, um contingente de pessoas oriundas das mais diferentes localidades, independente das suas condições física e espiritual para o trabalho nos seringais.

    Pobreza em meio à pujança
    Não demorou muito para a parte central da cidade ficar repleta de casebres, pobres, doentes, mendigos e desocupados que, em decorrência de não conseguirem trabalho, passaram a viver vagando pelas ruas, ameaçando a imagem de harmonia e beleza que o Poder Público e a sociedade manauara almejavam, haja vista que os problemas a serem resolvidos como abastecimento, higiene, habitação, ampliaram-se, pois no espaço urbano questões como roubo, vadiagem, prostituição, jogo, mendicância e doenças de toda ordem era contrários à idealização de cidade ordenada em sem problemas.
    Parte da população pobre da cidade também permaneceu de Manaus por não ter conseguido se mudar para o interior para explorar os seringais, fosse pelo fato de não ter tido a oportunidade de conseguir trabalho ou pela idade avançada, ou pela invalidez, encontrou nas ruas a única alternativa de vida. Em decorrência disso, continuar com os casebres, pobres e mendigos vagando pelo centro de Manaus, significava permanecer com a imagem negativa que tanto o Poder Público, quanto a sociedade manauara pretendiam eliminar, pois tais “obstáculos” traziam a visão de uma cidade problemática e que não conseguira se livrar de suas rusgas mais graves na tentativa de se tornar a capital do luxo na América do Sul, em concorrência direta com a rival Belém.
    As habitações dos mais pobres, ao contrário das casas da elite, eram distantes do Porto, não tinham água potável, sistema de iluminação, saneamento básico, coleta de lixo, calçamento, nem mesmo mercado para a população obter seus alimentos, tornando-se vitimas fáceis das epidemias da época, como a febre amarela e beribéri. Além disso, as pontes de madeira que serviam de ligação para os moradores, encontravam-se sempre em péssimo estado de conservação, dificultando a comunicação extremamente difícil com o centro da cidade.

    III - O Teatro Amazonas
    O Teatro Amazonas é o segundo maior da região da Amazônia, superado apenas pelo Teatro da Paz, em Belém do Pará. Foi inaugurado em 1896, como uma das expressões mais significativas da riqueza da região durante o Ciclo da Borracha.
    Com a fartura trazida pelas exportações do látex, em 1880 concluiu-se que a cidade necessitava de um lugar onde pudessem se apresentar as companhias de espetáculos estrangeiras e a construção do teatro tornou-se uma exigência da elite manaura.
    O teatro foi oficialmente inaugurado no dia 31 de Dezembro de 1896.
    A sala de espetáculos do teatro tem capacidade para 701 pessoas, distribuídas entre a plateia e os três andares de camarotes.

    Não é verdade que artistas famosos, Caruso, Sarah Bemard, Eduardo Brazão, Pawlowa, houvessem atuado em qualquer época em Manaus, no Teatro Amazonas ou noutro qualquer.

    IV - Universidade e Biblioteca
    A primeira universidade brasileira foi fundada em Manaus em 1909. Foi a Escola Universitária Livre de Manáos, criada em 17 de janeiro de 1909, contando com quase uma dezena de cursos, entre eles Medicina, Ciências Naturais, Letras, Engenharia e Direito. Seu primeiro reitor (cargo exercido entre 1909 e 1926), foi o Dr. Astrolábio Passos.
    Manaus contava ainda com uma Biblioteca pública relativamente grande, a Biblioteca Pública do Amazonas, fundada em 1870 e que passou a receber um volume muito grande de jornais e livros durante o Ciclo da Borracha, além de contar com um considerável acervo de documentos de naturalistas, antropólogos e viajantes portugueses, brasileiros e estrangeiros que passaram pela Amazônia desde os século XVI.
     
    Última edição: 9 Dez 2010
  2. Kurt

    Kurt El Doctor

    Eu não conheço o sistema, aceita iniciantes?
     
  3. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    Acho que conheço algo desta aventura, mas por sorte não cheguei a ler ela, portanto da pra participar. eu topo, depedendo claro do dia que forem jogar!

    Vai ter personagens já pré definidos? Senão, ou se autorizar, posso ja ir montando ficha e te mando para sua avaliação, vou usar o exelente programa de edição e criação de ficha de Cthulhu, o Byakhee(nao lembro se é assim q se escreve o nome do bicho).

    tenho um otimo personagem em mente

    ate pq a unica parte que fala um pouco contra o sistema( :P ) é que fazer ficha não é a coisa mais simples do mundo, mesmo pra quem conhece bem o sistema

    considerando que vc vai usar o sistema da Chaosium né?
     
  4. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

  5. Arcanjo[SK]

    Arcanjo[SK] Spartan Supersoldier

    Call of Cthulhu e Rastro de Cthulhu são sistemas e jogos diferentes.
     
  6. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    bem que estranhei, Call Of Cthulhu traduzido é O Chamando de Cthulhu não?

    bem, pefiro que seja o sistema da Chaosium, meu preferido entre todos disparado, mas se for outro, topo tambem(so teria de aprender as regras e a fazer ficha)
     
  7. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Salve,

    Então, estou em dúvida se uso o CoC ou o Trail of Cthulhu, que foi traduzido recentemente como O Rastro de Cthulhu: depende da preferência da "freguesia"...:hihihi:

    Claro que serão aceitos iniciantes; para mim as regras sempre foram acessórios, o que vale mesmo, penso eu, ainda mais no caso de uma história envolvendo os "Mitos de Cthulhu", é a ambientação e a narrativa.

    Quanto à criação de personagens, definido o sistema e os participantes, posto algumas diretrizes básicas para os investigadores nessa aventura. Aliás, amigo Conan, sei que a Chaosium publicou um suplemento com o mesmo título (The King in Yellow), mas esta aventura é criação minha mesmo. Talvez você possa ter visto algo sobre ela se participou de alguma edição do EIRPG entre 1999-2001, ou no 2007, quando a inscrevi mas não mestrei...

    Um abraço a todos e obrigado pelo interesse,

    Jeffdonizetti
     
    Última edição: 4 Dez 2010
  8. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Pessoal,

    Achei melhor mesmo usar o clássico sistema do Call of Cthulhu, com algumas pinceladas do GUMSHOE de "Rastro de Cthulhu", como a forma "automática" de descobertas de pistas caso o PJ tenha a habilidade necessária (em nível suficiente, em nosso caso). Dou mais detalhes sobre isso depois.

    Seguem abaixo o resumo para preenchimento da Ficha de Investigador e alguns parâmetros para a criação dos personagens.

    Té mais,


    ---------------------------------------------------------

    CRIAÇÃO DE INVESTIGADORES

    Um bom criador de personagens para CoC é o Byakhee, que pode ser baixado do site:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Em todo caso, mando em anexo também um PDF com a ficha do investigador (em inglês)

    CARACTERÍSTICAS
    - Dados básicos: Nome; Sexo; Profissão; Idade; Nacionalidade; Residência; Grau de Instrução; além de Títulos Acadêmicos e Transtornos Mentais, se for o caso.
    - Atributos: 100 pontos p/ distribuir entre estes oito atributos, tomando como média para um ser humano o valor 10 e como VALOR MÁXIMO 18, exceto para EDU, que pode chegar a 21:

    STR (Força) CON (Compleição) SIZ (Tamanho) DEX (Destreza)
    APP (Aparência) INT (Inteligência) POW (Poder) EDU (Educação)


    Os outros atributos são derivados:
    SAN (Sanidade) = POW x 5
    Idea = INT x 5 Luck = POW x 5 Know (Conhecimentos)= EDU x 5

    99 – Cthulhu Mythos (Sua Sanidade Máxima)

    Damage Bonus = Verificar na tabela abaixo em que linha está a soma de sua STR + SIZ
    STR + SIZ bônus
    2-12 -1D6
    13-16 -1D4
    17-24 nada
    25-32 +1D4
    33-40 +1D6
    41-56 +2D6

    Sanity Points = Luck
    Magic Points = POW
    Hit Points = SIZ + CON / 2

    Bônus e Penalidades por idade:
    Some + 1 EDU p/ cada 5 anos acima dos 40 anos de idade;
    Em compensação, reduza 1 ponto em (STR, CON, APP, DEX) [escolha dois] p/ cada 5 anos acima dos 40. Exceção: Se tiver uma profissão que envolva condicionamento físico (p.e: atleta, policial), diminua 1 ponto de dois desses atributos entre os 40-50 anos; depois, reduza normalmente: 1 ponto para cada 5 anos acima dos 50.



    PROFISSÕES: Ver anexo em PDF

    HABILIDADES
    Para definir as habilidades que tem seu investigador, é preciso basear-se na Profissão que escolheu para ele.
    Para saber quantos pontos você tem para dividir entre as habilidades de carreira do investigador, multiplique EDU x 15. Esse valor é exclusivo para as perícias de sua profissão. Note que algumas habilidades, na Ficha de PC, já tem uma porcentagem básica, então é só somar o número de pontos que deseja gastar nela a esse valor.
    Depois disso, você terá mais INT x 6 pontos para dividir entre as habilidades que quiser, sendo ou não de sua profissão. É interessante investir alguns pontinhos nas habilidades de combate, que ficam na parte de baixo da ficha.
    A exceção entre as habilidades é Cthulhu Mythos, proibida a princípio para qualquer investigador. No entanto, se bem justificado na história do personagem, será possível obter até um percentual de 5% desse conhecimento ao dobro do custo em pontos. Assim, por exemplo, se você quiser que seu investigador tenha 5% em Cthulhu Mythos, terá que gastar 10 pontos de habilidades. Lembre-se que o que for aprendido com essa habilidade diminuirá permanentemente sua SAN máxima (99 - Mythos).
    Sobre a situação financeira e o dinheiro do investigador, isso depende unicamente da profissão do personagem, mas isso não é muito importante, para início de conversa... Se for necessário saber se seu PJ tem o suficiente para comprar um item ou dispor de algum dinheiro in cash, cabe ao Mestre analisar a situação e verificar se alguém naquela posição teria tal valor.
    No momento em que for equipar o investigador, basta ser razoável: pense se um artista andaria com uma espingarda calibre 12 ou se seria razoável um advogado carregar uma maleta com apetrechos médicos. Lembre-se que armas são importantes no jogo, mas podem se mostrar inúteis se não conseguirem as pistas corretas ou no momento em que se defrontarem com um dos monstros de Cthulhu...
    Isso é o essencial para o preenchimento da ficha. O restante (isto é, a construção da personalidade do investigador, suas motivações, manias, etc.) fica por conta única e exclusivamente da imaginação de cada jogador. Em todo caso, algumas características seriam interessantes para manter a verossimilhança na história e justificar a convocação do investigador para a aventura.
    - Nacionalidade: A história se passa em Manaus em 1910. Não é necessário que os investigadores sejam brasileiros, mas se forem estrangeiros, seria preciso justificar sua residência ou sua visita à capital amazonense.
    - Sexo: Indiferente, mas devemos lembrar que estávamos em uma cidade que, embora tentasse copiar os hábitos europeus, era pequena (100 mil habitantes) e tinha muito do ethos provinciano e conservador do período, inclusive o machismo latino.
    - Idade, Grau de Instrução e Profissão: Tento em conta que o gancho para a aventura é o convite do diretor do Teatro Amazonas para averiguar o estranho comportamento dos envolvidos na montagem da polêmica peça “O Rei de Amarelo”, os investigadores devem ter idade e prestígio suficientes para fazer jus a essa missão.
     

    Arquivos Anexados:

    Última edição: 5 Dez 2010
  9. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    Usava as regras de 5 edição, q era EDU x 20 e INT x 10, entao ja tinha feito ficha com os parametros errados :P

    mas ate que assim equilibra mais

    outro ponto, eu mestrando, acho q as pericias especificas de cada profissão citadas nos livros muito fracas, geralmente acabo marcando as minha proprias.

    vou fazer assim, vou colocar depois aqui a profissão que escolhi, e as pericias q sempre libero pra ela, ai o mestre me diz se aceita ou não. quero jogar com um professor de arquelogia, que tem traços e origens indigenas.
     
  10. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Conan,

    Sem problemas sobre as perícias da profissão. Acho que o espírito do bom RPG é esse mesmo, as regras servem só como uma base nada sólida. O que vale mesmo é criar um bom personagem e se divertir com ele em uma boa história conjunta!

    Abs e aguardo seu investigador.
     
  11. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

  12. Raphael S

    Raphael S Desperto

    Estou interessado em jogar, só tenho que ver um tempo para fazer minha ficha.

    By Raphael S
    Gamerius
     
  13. Nycolai

    Nycolai Usuário

    Eu não conheço o sistema, mas gostaria de jogar. Tem vaga pra mais um?
     
  14. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Nycolai,

    Tem vaga sim, por enquanto só 3 (ou 4?) interessados. Estou aguradando a confirmação de cada um com o envio da ficha de personagem. Se tiver dúvidas para montar seu investigador, é só postar aqui ou me mandar uma MP, ok?

    Saudações,

    Jeffdonizetti
     
  15. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Pessoal,

    Segue abaixo o link para o resumo das regras de COC, traduzido pelos "Sectários de Cthulhu". Parabéns a esse grupo pela iniciativa:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  16. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

  17. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Conan,

    Rachei o bico com a foto do seu investigador.
    Dúvida: Ele vai ser mestre trocentésimo dan em Ai Ki Do, tb? hahahahahahahaha

    Abs,

    Jeffdonizetti
     
  18. Conan

    Conan Cavaleiro Pendragon

    Não não :P Mas vai ser um arqueologo mais grandão, com um bom fisico, embora professor, mais voltado para trabalho de campo. Vou catar alguma tribo indigena da amazonia pra ele ter uma descendencia. Fiquei na duvida entre um arqueologo ou antropologo. Antropologo tem mais a ver com o povo indigena, que é seu foco de estudo. Mas arquelogo tem mais a ver com um detalhe q vou colocar de background.

    Um dos seus principais trabalhos de estudo é tentar provar sua tese de que os povos indigenas da america do sul, na verdade descendem de uma raça de povos muito mais antiga do que a raça q migrou ao continente, com um foco grande nas lendas e deuses cultuados pelo seu povo(mote levemente Cthulhiano :P).

    vou catar a tribo em especifico depois.

    A, e ficou bom a imagem da peça q vc fez!
     
    Última edição: 7 Dez 2010
  19. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Atualizei o 1º post com o Cenário completo da Aventura.

    Abs a todos.
     
  20. Jeff Donizetti

    Jeff Donizetti Quid est veritas?

    Pessoal,

    Mais algum interessado além do Conan?

    Aguardo manifestações para ver se ainda é viável manter esse tópico aberto.

    Abs a todos,
     

Compartilhar