1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Conto: A sedução do demônio

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Davi M., 28 Out 2012.

  1. Davi M.

    Davi M. Usuário

    Há alguns dias atrás, eu e alguns colegas da escola criamos este conto como trabalho para a aula de Literatura. A maior parte, admito, foi eu quem fiz. As falas, as ideias, o jeito de escrever e descrever. E agora, venho postar aqui, na esperança de que alguém tenha a rara paciência de lê-lo.

    A Sedução do demônio

    Já era fim de tarde na Califórnia, Estados Unidos. A noite começava a surgir de repente, como as nuvens que se movem sem mesmo percebemos. As boates começavam a se encher de homens velhos e rabugentos, a maioria estupida com dinheiro sujo. Em uma boate cujo nome era “RED”, entrava um homem alto e magro, com barba cerrada, com roupas caras. Estava com uma aparência incomum comparando aos outros homens que estavam lá naquele momento. O homem aparentava ter em torno de 34 anos. Seu nome era Chris Fellsborn.

    Fellsborn dirigiu-se até o bar dentro da boate e sentou-se em uma cadeira alta, apoiando seus braços no balcão. O Barman chegou até ele. Fellsborn pediu uma bebida Martini. O homem bebeu até ficar parcialmente embriagado. Já quase não tinha percepção de sentidos.

    – Hahahhahahah – Fez Fellsborn – É verdade que as vadias daqui são de qualidade, meu caro? Minha mulher não me satisfaz mais, já faz alguns anos. Preciso de...
    – Basta! – Interrompeu o Barman – O senhor está bêbado, vá pra casa antes que eu tenha que chamar os seguranças, e acredite, não vai ser bom pra você!

    Fellsborn olhou para o Barman sarcasticamente, com ar debochado. No mesmo momento passou uma garota e sentou-se ao lado seu lado, no balcão. Fellsborn ficou excitado com sua visão naquele momento, até porque a garota era linda, e estava bêbado. A garota aparentava ter em torno de 24 anos, era ruiva, e tinha uma pele branca linda e lisa, com sardas rosadas no rosto. Seus olhos eram verdes claros, o que combinava perfeitamente com o seu cabelo vermelho fogo, e sua pele branca como a neve.

    – Olá senhor, vi que está meio perdido. Deve ser sua primeira vez aqui, não é? – Disse ela, com um ar de sedução, mordendo seus lábios vermelhos. – Venha comigo, acho que sei do que você precisa.

    A garota segurou a mão do homem em cima do balcão, e a puxou. Ela foi puxando o homem delicadamente para fora da cadeira, e o guiou até uma porta nos fundos da Boate. A porta era velha e suja. Qualquer pessoa que a visse pensaria que não havia nada lá. O homem ficou sem uma palavra desde quando olhou para a garota, e apenas o deixou levar até a porta. A garota abriu-a. O quarto era rústico, e com luzes indiretas pelos cantos. O cheiro era de sexo, provavelmente um casal havia transado ali há alguns minutos atrás.
    Fellsborn entrou no quarto, já excitado, enquanto ela fechava a porta atrás dele.

    – Qual é seu nome, delicinha? – Perguntou Fellsborn – ansioso para o que viria a seguir.
    – Prazer, meu nome é Thalia. E o senhor? – Disse Thalia.
    – Ora, ora... Mas quem me dera à honra. É um prazer conhecê-la, linda moça. Meu nome é Chris Fellsborn, mas pode me chamar apenas de Fells.
    – Hahahah, seu nome me lembra de fígado – riu ela.
    – Muito bem, basta de enrolação! Vamos para o que interessa. Qual é seu preço, delicia? – Indagou, com um tom de irritadiça, e eufórico.
    – Não tem preço, meu querido – Disse Thalia, com seu olhar frio, excitante, e misterioso. – Transarei com você por puro prazer.

    Thalia empurrou o homem até a cama, onde ela foi diretamente pra cima dele, colocando as pernas em sua volta. Começou a acariciar seu peito através da camisa, e a falar coisas em seu ouvido. Seguidamente, a garota começou a beijá-lo e a tirar sua roupa vagarosamente. Quando o homem começou a se excitar ainda mais, o rosto de Thalia começou a se deformar, alargando o queixo e as orelhas. Seus olhos ficaram vermelhos, e seu corpo começou a secar num nível extremo. Ela empalideceu cheio de raiva. Era um demônio.

    A garota estava quase o devorando, quando se ouviu um enorme estrondo na porta. Era Heaven Stelport, a caçadora de demônios. Era uma mulher séria e cuidadosa. Tinha um cabelo curto, totalmente preto, com pele pálida, e olhos negros. Naquele tenso momento, Heaven tirou seu arco- flecha de ouro preso nas costas, mirou no demônio, e disparou. A flecha foi diretamente na cabeça do demônio, fazendo-o cair em cima de Fellsborn feito uma pedra. O demônio morreu, ou voltou direto para o inferno, talvez.
    Heaven, após matar o demônio, tirou do bolso um colar de prata, e deu para Fellsborn, dizendo que aquilo iria protegê-lo contra esses males.

    – Neste mundo há pessoas que nascem destinadas. E você nasceu com isso. É o escolhido. Em breve irá saber o porquê. – Disse Heaven, com ar sério. Saltou pela janela, e desapareceu na escuridão da noite negra.

     
    Última edição: 28 Out 2012
    • Ótimo Ótimo x 1
  2. Fefe_Helena

    Fefe_Helena Who's that girl

    Como introdução de algo maior está meio clichê...mas para somente um texto para trabalho de escola, garanto que o professor de literatura gostou...e porra...DELICINHA??? kkkkkkkk me senti lendo Dragões de Eter...kkkkk...bom texto Davi...gostaria de ler mais dessa introdução ai hein...
     
  3. Davi M.

    Davi M. Usuário

    Ah, obrigado! heheh :3

    Não sei de onde tirei o termo "Delicinha", acho que foi para deixar o cara meio arrogante mesmo pokspoakska
    Eu e um colega meu pensamos em escrever um livro dando continuidade a essa história, mas só de zueira mesmo. Depois queremos publicar no site
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    para a venda. Não sei se seria uma boa ideia, mas talvez desse certo heheh ver a nossa própria história nas mãos de outras pessoas, mesmo não sendo tão boa quanto a de escritores profissionais. É cedo ainda, temos só 15 anos, mas...
     

Compartilhar