1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Conheça os plugues de tomada usados no mundo e evite stress em viagens

Tópico em 'Ciência & Tecnologia' iniciado por Fúria da cidade, 8 Nov 2013.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Em viagens internacionais, é cada vez mais comum levar ao menos o celular e o notebook. Tudo vai bem até chegar a hora de recarregar esses aparelhos. Você olha para a tomada e faz cara de interrogação enquanto segura o plugue. Boa parte do bom humor da viagem vai embora aí. Culpa dos padrões de plugues de tomadas em cada país.

    "A primeira patente de tomada foi a americana e alguns países seguiram o modelo norte-americano. A Europa desenvolveu seu sistema elétrico mais ou menos na mesma época e adotaram um modelo diferente. Aí foi se diversificando e cada um adotando o seu padrão", explica Paulo Roberto dos Santos, professor de engenharia elétrica da Faculdade Anhanguera de Campinas (FAC).

    Como cada nação possui suas próprias normas elétricas, é comum descobrir só no meio da viagem que é preciso adquirir um adaptador para conseguir ligar seu aparelho em uma tomada. Por isso, vale ficar atento. "O melhor é comprar o adaptador no Brasil e levá-lo para o país onde vai viajar para não chegar ao destino e precisar ficar procurando, decifrando o idioma", diz Paulo Roberto.

    Perigo: alta (ou baixa) voltagem
    Não é apenas a salada de padrões o único problema que o turista enfrenta em uma viagem. É importante também ficar atento à faixa de volts. "A Austrália e a Nova Zelândia trabalham com 240 volts. No Japão são 100 volts. Um DVD player brasileiro numa tomada de 240 volts pode tocar mais rápido. Ele corre até o risco de queimar", diz Paulo.

    Por isso, sempre confira o número de volts da tomada antes de inserir o plugue. Felizmente, a indústria tem produzido aparelhos capazes de funcionar com diferentes voltagens. "Os aparelhos mais sensíveis já vem de fábrica com fonte própria: notebook, netbook, carregadores de celular. Eles conseguem funcionar com uma diferença grande de volts", explica o engenheiro. Para saber se seu produto pode ser usado em outro país, olhe a própria fonte do aparelho, ali está inscrito a faixa de volts que ele é capaz de funcionar.

    Para você não errar e nem precisar sair de madrugada pelas ruas de outro país procurando adaptador, o UOL Viagem apresenta quais são os plugues dos principais países do mundo.
    América do Norte, Central e Japão (Tipo A e B)
    Famoso também no Brasil antes da mudança do padrão de tomada, este plugue é composto por dois pinos achatados e paralelos. Nos Estados Unidos, um dos pinos costuma ser mais largo do que o outro (isso pode dificultar a conexão de um produto elétrico americano a uma tomada japonesa, por exemplo).

    Em alguns casos, o plugue contém também uma entrada para fio terra: um pino redondo logo abaixo das duas abas.
    Europa – Exceto Reino Unido (Tipo C, E, F, J, L)
    Este plugue, o tipo C, era o mais comum no Brasil antes da alteração do padrão. Você provavelmente ainda se lembra dele. Possui dois pinos arredondados e paralelos. É o plugue mais comum em todo o mundo.

    Variações:
    Alguns países fizeram adaptações neste plugue para torná-lo mais seguro. Felizmente, essas modificações permitem a ligação de aparelhos elétricos que possuem a tomada tipo C em seus plugues. No entanto, em alguns casos, os pinos podem até entrar, mas o formato do plugue pode ser diferente, dificultando sua colocação. Por isso, a dica é procurar um adaptador.
    Alemanha, Áustria, Bulgária, Croácia, Espanha, Estônia, Finlândia, Grécia, Holanda, Hungria, Islândia, Portugal, Noruega, Rússia, Suécia

    Nesta versão de tomada, definida como tipo F, duas de suas extremidades são clipes usados como fio terra.
    Bélgica, França, Polônia, República Checa e Eslováquia

    Um plugue redondo, com dois pinos arredondados e paralelos com um pequeno orifício no alto. Esta versão, a tipo E, evita choques e aumenta o uso do fio terra.

    Itália

    No país da bota e em outros, a tomada é a tipo L, com três pinos paralelos e de igual tamanho. Aqui é preciso prestar atenção na diferença de amperes. Existem dois modelos: um para 10A e outro para 16A. O primeiro é o mais comum e funciona normalmente com tomadas tipo C. Já o plugue para 16A possui mais espaço entre os pinos e eles são mais largos. Não deve ser usado com tomadas tipo C. Vale ficar atento para não causar nenhum acidente.
    Suíça

    O país criou um padrão parecido com o brasileiro, no entanto, eles não são compatíveis. O plugue tipo J possui três pinos redondos, dois paralelos e um outro, central.

    Reino Unido (Tipo G) (Bahrein, Cingapura, Emirados Árabes, Escócia, Inglaterra, Hong Kong, Irlanda, Malásia, Uganda)

    Considerada a tomada mais segura do mundo, o padrão britânico é identificado pelos três retângulos que formam o desenho de um triângulo. Seus plugues possuem um fusível. Ao adquirir um adaptador, é importante informar-se sobre o número de ampères para seu aparelho funcionar corretamente.
    Ásia Meridional (Tipo D) (Índia, Sri Lanka, Nepal, Namíbia, Paquistão, Qatar)

    Usado antes dos anos 1960 no Reino Unido, esta tomada ainda é padrão na Índia, Paquistão e outros países da região. Ela possui três pinos largos e redondos, formando o desenho de um triângulo.

    Israel (Tipo H)

    Utilizada somente em Israel, esta tomada possui três pinos largos e redondos formando um "V". Apesar de seu desenho peculiar, ele aceita plugues do tipo C (padrão europeu).


    Argentina e Oceania (Tipo I)
    (Austrália, Argentina, Fiji Nova Zelândia, Papua Nova Guiné)


    Esta tomada possui três pinos achatados. Dois na diagonal e outro na posição vertical, na parte inferior.


    África do Sul (Tipo M)

    Possui três pinos largos e redondos, formando o desenho de um triângulo. É bem similar ao plugue usado na Ásia Meridional, porém, esse tem pinos mais largos. A tomada tipo M também é usada na Suazilândia e em Lesoto.

    Brasil (Tipo N)

    Em vigor desde 2010, as tomadas tipo N são utilizadas apenas no Brasil. São três pinos redondos, sendo dois paralelos e um terceiro no meio e ligeiramente abaixo. Este tipo de tomada não permite o uso de plugues com pinos achatados (tipo A e B). No entanto, é possível usar tomadas tipo C mais novas (lançada
    depois de 2008).

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 2
  2. Deriel

    Deriel Administrador

    Quem viaja tem obrigação de levar um adaptador - tem alguns ótimos, quase mundiais. Não me conformo com gente que viaja e bota a culpa dos problemas no país de destino, a meu ver é obrigação do viajante se informar de tudo.

    Vai falar inglês na França? E ainda reclama que vai ser mal tratado (lembra das guerras França x Inglaterra?). Ao menos aprende a dizer "Olá, sou Brasileiro e não falo francês, poderia me ajudar?" em Francês antes de começar o inglês. Leva 3 minutos pra aprender.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Diferente ao que acontece com outros componentes elétricos e eletrônicos, a parte de plugues e tomadas infelizmente é a que mais fica distante de uma padronização mundial 100% única e universal. Tentativas ao longo das décadas e anos não faltaram, então o jeito é se adaptar.

    Não bastasse isso, ainda existe o detalhe da frequência da rede que aqui é de 60Hz, mas em outros é de 50Hz. Não chega ser um problemaço se for uma viagem com estadia curta, mas se você for morar a médio/longo prazo num país com frequência diferente e levando vários eletrodomésticos daqui isso dá diferença em equipamentos que tenham relógio interno com sincronismo a partir da rede elétrica e motores de corrente alternada terão a sua rotação totalmente alterada.
     
  4. É, esses dois problemas, o padrão dos plugues e da frequência de rede, são bem sérios.
    Sobre a rede, podemos ver pelo nosso vizinho Paraguai, que usa 50Hz. É um problema porque, pelo acordo binacional de Itaipu (Furia, me corrija se estiver errado pois faz anos que vi isso), o Paraguai tem direito sobre dez geradores da hidrelétrica (de 5oHz) e o Brasil, sobre as outras dez (de 60Hz). No entanto, o Paraguai não usa tudo isso.
    O que o Paraguai faz? Revende para o Brasil.
    Mas não é 50Hz? Aí que entra o problema. O Brasil tem que converter para 60Hz para poder distribuir.
     
  5. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Sim, se faz necessário duas transformações: 1° de CA para CC e depois CC para CA em 60hz através de inversores.

    Aqui no
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    tem todas as informações.
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar