1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Conexões Terra-média: Conhecimentos sobre os Anéis

Tópico em 'Comunicados, Tutoriais e Demais Valinorices' iniciado por Artigos Valinor, 25 Jun 2005.

  1. Artigos Valinor

    Artigos Valinor Usuário

    Ponto 1: Tempo ficou parado para os Anéis de Poder

    ""Quanto tempo você acha que eu devo permanecer aqui?" disse Frodo a Bilbo quando Galdalf se foi.

    ""Oh, eu não sei. Eu não consigo contar os dias aqui em Valfenda," disse Bilbo..."

    Esse diálogo, anotado em "O Anel vai para o Sul", é a primeira indicação que Frodo Bolseiro e seus amigos estavam envolvidos pela presença de um Anel do Poder que não fosse o Um Anel que Frodo carregou por muitos anos [desde que Bilbo deixou o Condado]. Os Anéis de Poder foram criados para conter o Tempo, ou diminuir seus efeitos. Mas qual era o alcance de seus poderes? Exitia alguma espécie de limite absoluto para a "cronoinibição" de cada Anel? Poderiam os efeitos se estender apenas por essa distância e não mais além?

    O curioso é que o Um Anel, o mais poderoso de todos os artefatos concebidos para conter o Tempo, apenas inibia os efeitos do Tempo sobre seu portador. O Condado não se tornou "sem-tempo" porque Bilbo trouxera o Anel para lá. Bilbo de fato tornou-se "sem-tempo", e Frodo depois dele. Como é isso, então, que ninguém mais foi afetado, enquanto que em Valfenda e Lórien toda a terra [mas aparentemente nãos os habitantes não-Élficos] foram preservadas?



    Estudando os efeitos dos Anéis de Poder pode revelar muitas inconsistências aparentes em como eles funcionavam, e não "é de se estranhar que Saruman tenha ficado louco com o desejo de possuir um [ou todos] eles.



    Quando Elrond descreveu os poderes dos Anéis Élficos ele disse "mas não foram feitos para serem usados como armas de guerra ou conquista: não é esse o poder que têm. Aqueles que os fizeram não desejavam força, ou dominação, ou acúmulo de riquezas; mas entendimento, ações e curas." A descrição dele é bastante diferente da descrição dos poderes dos Anéis feita por Tolkien:



    "O poder principal [de todos os anéis igualmente] é a prevenção ou diminuição da decadência [isto é, "mudança" vista como algo lamentável], a preservação do que é desejado ou amado, ou sua visão - este é mais ou menos um motivo Élfico. Mas eles também aumentam os poderes naturais do portador - dessa forma se aproximando da "mágica", um motivo facilmente corruptível para o mal, um desejo por dominação. E finalmente eles possuíam outros poderes, mais diretamente derivados de Sauron ["o Necromante": assim ele é chamado pois lança uma sombra passageira e um presságio nas páginas de O Hobbit]: como fazer invisível o corpo material, e fazer coisas do mundo invisível visíveis.



    "Os Elfos de Eregion fizeram Três anéis supremamente belos e poderosos, quase que apenas de suas próprias imaginações, e os direcionaram para a preservação da beleza: eles não conferiam invisibilidade..." [Letters, No. 131].



    É possível inferir que a descrição de Elrond dos poderes dos Anéis é destinada a desviar outras inquisições apresentando apenas exemplos de seus poderes. A natureza verdadeira dos Anéis, de conter os efeitos do Tempo, é vista apenas no breve relato de Elrond: "Apenas nesta hora de dúvida eu posso dizer. Eles não estão ociosos."



    De fato, Elrond e Galadriel [de modo não sábio] usaram seus Anéis de Poder durante toda a Terceira Era para preservar os reinos Élficos. A história de Galadriel não é clara, mas ela provavelmente não viveu em Lorien durante toda a Terceira Era. Particularmente, quando se torna claro que todo o povo de Amroth partiria de Lorien se nada fosse feito, ela e Celeborn foram viver entre os Elfos da Florestas que ainda não tinham partido.



    Galadriel levou com ela Nenya, o Anel de Diamante, e ela pode ter usado seu poder para induzir os Elfos da Floresta a premanecer em Lorien. Nós não sabemos se ela realmente utilizou o Anel antes disso [1981 ou logo após]. Tolkien diz apenas que "o [Um] Anel foi perdido [ao início da Terceira Era], espera-se que para sempre; e os Três Anéis dos Elfos, empunhados por guardiães secretos, estão operativos na preservaçào da memória da beleza de antigamente, mantendo enclaves encantados de paz onde o Tempo parece parado e a decadência é refreada, uma visão da glória do Oeste Verdadeiro." [Ibid.]



    A partida de Amroth, que havia sido um vigoroso defensor do Oeste durante todo o segundo milênio da Terceira Era, pode ter estimulado os Elfos a uma ação diferente do que haviam feito anteriormente. Pode ser que de fato Elrond e Galadriel finalmente decidiram ativamente utilizar seus Anéis de Poder para evitar um êxodo em massa de Elfos da Terra-média. Se isso, eles estavam apenas retardando o inevitável, que era o propósito destinado aos Anéis, de qualquer forma.



    Ponto 2: os Elfos não podem permanecer na Terra-média

    Os Elfos estavam partindo da Terra-média há eras. A catástrofe para eles na Terceira Era era bastante diferente daquelas de eras anteriores. Quando os Eldar originalmente navegaram sobre o Mar fora sob o convite dos Valar, que haviam encontrado os Elfos em sua terra natal de Cuiviénen. Mas os Elfos foram incomodados por Melkor, que então era, de fato, governante damaior parte de Arda. Os Valar travaram uma terrível guerra contra Melkor e seus servidores Maiar e seres criados, tomaram-no prisioneiro e trouxeram um fim ao seu terrível reino. Mas desejando estar em companhia dos Elfos [cuja chegada havia sido antecipada através de incontáveis eras], e para proporcionar a eles um lugar seguro além do alcance dos servidores de Melkor, os Valar chamaram os Elfos para viverem com eles em Aman, o Extremo Oeste.



    Nem todos os Elfos estavam querendo deixar a Terra-média, que era sua terra natal e o único lugar que eles conheciam. E daqueles Elfos que aceitaram os chamados, muitos nunca cruzaram [vivos] o Mar. Ainda, as primeiras ondas de migração para fora da Terra-média foram "saudáveis", ou feitas quando os Elfos era jovens e fortes e ainda não estavam cansados do mundo. tampouco eles estavam profundamente envolvidos na Terra-média.



    Quando Feanor se rebelou contra os Valar, ele liderou a maior parte dos Noldor de volta à Terra-média [ou, melhor, liderou a maioria deles para fora de Eldamar, e então abandonou a maior parte de seu povo, a maioria dos quais decidiu seguir Fingolfin para a Terra-média]. Destes exilados, a vasta maioria [e seus descendentes] foram mortos ou escravizados por Melkor, que agora retornara à Terra-média como um Senhor Negro. os espíritos destes Elfos mortos retornaram a Aman onde esperaram um "renascimento" ou "reincorporação", se tal recompensa pudesse ser merecida por seus feitos em vida.



    Para os restantes, uma terrível maldição foi imposta. Não a Maldição dos Noldor, que foi a maldição que os valar colocaram sobre eles, que fracassassem na guerra contra Melkor. Especialmente, a eles foi dito que "aqueles que permanecessem na Terra-média deverão cansar-se do mundo com uma grande aflição, e deverão declinar, e tornar-se como sombras de pesar antes da raça mais jovem que virá depois." [Silmarillion, "Da Fuga dos Noldor"]



    Esta maldição foi aplicada, na realidade, a todos os Elfos, e foi, talvez, mais um aviso do que um julgamente. Ao descrever os eventos da Segunda Era para Milton Waldman [um editor que considerara O Senhor dos Anéis a certo momento quando Tolkien tinha retirado o livro da Allen & Unwin], JRRT escrveu "os três temas principais são A Demora dos Elfos que hesitavam em deixar a Terra-média; o crescimento de Sauron como um novo Senhor Negro, mestre e deus de Homens; e Numenor-Atlantis."



    Após a derrota final de Morgoth na Guerra da Fúria, Eonwë [arauto de Manwë e líder da Hoste de Valinor] viajou por toda a Terra-média, convocando todos os Elfos mais uma vez para navegarem sobre o Mar. O convite que anteriormente havia sido retirado, para incluir apenas os Eldar [os Elfos originais que realmente aceitaram as convocaçoes na primeira vez] foi agora extendido a TODOS os Elfos. Muitos dos Noldor e Sindar de Beleriand sobreviventes responderam e deixaram a Terra-média. Mas os remanescentes Noldor e Sindar uniram-se aos Nandor e Avari na Terra-média. Eles "hesitaram".



    Tolkien aponta que "no primeiro [tema da Segunda Era] nós vemos uma espécie de queda ou pelo menos "erro" dos Elfos. Não existe nada essencialmente errado em suas hesitações em atender ao conselho, permanecendo tristemente nas terras mortais de seus antigos feitos heróicos. mas eles queriam ter seu bolo sem comê-lo. Queriam a paz e a bem-aventurança e memória perfeita do "Oeste", e mesmo assim permanecer na terra ordinária onde seu prestígio como o povo maior, sobre Elfos da florestas, Anões e Homens era maior do que estar na base da hierarquia de Valinor. Eles então tornaram-se obcecados com o "esvair-se", o modo pelo qual as mudanças do tempo [a lei do mundo mortal sob o sol] eram sentidas por eles. Eles tornaram-se tristes, e suas artes [poderíamos dizer] de antiquários, e seus esforços eram todos uma espécie de embalsamação - mesmo que eles também tenham mantido a antiga razão de sua espécie que eram o adorno da terra e a cura de seus ferimentos...." [Ibid.]



    Em outro lugar Tolkien reitera esta situação dizendo "os Elfos não são completamente bons ou corretos. Não tanto por terem se envolvido com Sauron quanto que com ou sem sua assistência eles eram "embalsamadores". Eles queriam ter seu bolo e comê-lo: viver na Terra-média mortal e histórica porque haviam se tornado apreciadores dela [e talvez porque eles ali tinham as vantagens de uma casta superior] e então tentaram parar suas madanças e história, parar seu crescimento, mantê-la como um prazer, mesmo que na maior parte um deserto, onde poderiam ser "artistas" - e eles foram sobrecarregados com tristeza e pesar nostálgico...." [Letters, No. 154]



    Sauron também hesitou na Terra-média. Tendo visto a completa derrota de Morgoth, ele realmente se arrependeu [de acordo com Tolkien]. vendo que os poderes da Luz realmente suplantavam o poder da Escuridão, ele percebeu que talvez suas escolhas anteriores não eram as corretas para ele. Mas quando Eonwë convocou-o para valinor para ser julgado pelo Valar, Sauron recusou, e ele fugiu para esconder-se no exílio. Ou ele temeu que poderia sofrer o mesmo destino de Melkor [que foi executado e forçado a deixar Ea, o universo, em um estado de fraqueza terrível] ou que ele poderia ser aprisionado por algum período de tempo interminavelmente longo.



    O Sauron "reformado" em um primeiro momento desejou apenas ajudar a curar a terra que ele originalmente havia auxiliado a danificar. Tolkien aponta que "seus motivos e aqueles dos Elfos pareciam caminhar parcialmente juntos: a cura das terras desoladas." [Letters, No. 131] Mas as intenções de Sauron mudaram, e a certo tempo ele decidiu que ele poderia "curar" melhor as terras direcionando os esforços dos Elfos, e este tornou-se em última instância um desejo por dominação sobre os Elfos [e através deles, sobre a Terra-média].



    E então Sauron "encontrou o ponto fraco [dos Elfos] sugerindo que, ajudando-se mutuamente, eles poderiam fazer a Terra-média Ocidental tão bela quando Valinor. Foi realmente um ataque velado aos deuses, um incitamento a tentar e fazer um paraíso separado e independente. Goilgalad [sic] recusou todas as sondagens, bem como Elrond. Mas em Eregion um grande trabalho fora iniciado - e os Elfos chegaram o mais próximo de caírem para a "magia" e maquinaria. Com a ajuda do conhecimento de Sauron eles fizeram os Anéis de Poder...." [Ibid.]



    Em essência, Sauron estava dizendo, "Vocês não precisam esvair-se. Vocês não precisam navegar por sobre o Mar. Vocês podem recriar Valinor aqui na Terra-média e usufruir todos os benefícios que ela tem a oferecer a vocês." A oferta era por demais tentadora para alguns Elfos, os Noldor de Eregion. Sauron [disfarçado de Annatar, ou Aulendil, um Maia do próprio povo de Aulë em Valinor] estava oferecendo aos Eldar uma chance de evitar a inevitável maldição que fora decretada para eles.



    Mas o que Tolkien quis dizer quando ele fala "os Elfos chegaram o mais próximo de caírem para a "magia" e maquinaria"?



    Ponto 3: Arte versus Magia



    Tolkien tentou explicar seu uso de "magia" em mais de uma ocasião, e nem sempre foi bem sucedido. "Temo que eu tenha sido muito casual sobre "magia" eespecialmente o uso da palavra," ele escreveu em um rascunho de complemento de uma carta que nunca foi enviado [Letters, No. 155]. "Apesar de Galadriel e outros mostrarem pela crítica ao uso "mortal" da palavras, o pensamento sobre isto não é geralmente casual."



    Em sua carta a Milton Waldman, Tolkien tentou explicar Arte e a Máquina falando de "Queda, Mortalidade e Máquina." A história é relacionada com "Queda inevitável, e esta ocorre de muitas maneiras. Com a Mortalidade, especialmente como afeta a arte e a desejo criativo [quero dizer, sub-criativo] que parece não ter função biológica, e estar à parte das satisfações da vida ordinária comum, com a qual, em nosso mundo, está de fato usualmente em conflito.



    O desejo é imediatamente unido a um amor apaixonado pelo mundo primário real, e então preenchido com o senso da mortalidade e insatisfeito por ele. Existem várias oportunidades de "Queda". Pode tornar-se possessivo, agarrado a coisas feitas "por si mesmo", o sub-criador deseja ser Senhor e Deus de sua criação particular. Ele irá se rebelar contra as leis do Criador - especialmente contra a mortalidade. Ambos estes motivos [separados ou juntos] irão conduzir a um desejo de Poder, para fazer a vontade mais rapidamente efetiva - e então para a Máquina [ou Magia]. Mas ao final eu pretendi que todo o uso de planos externos ou dispositivos [apparatus] ao contrário do desenvolvimento de poderes inerentes ou talentos - ou mesmo o uso desses talentos com o motivo corrompido de dominar: amedrontando o mundo real, ou coagindo outras vontades. A Máquina é nossa mais óbvia forma moderna apesar de mais próxima à Magia do que normalmente reconhecido."



    Tolkien continua para ceder novamente [ou, de fato, anterior à sua concessão acima] que "Eu não usei "magia" consistentemente, e realmente a Rainha Élfica Galadriel é obrigada a advertir os Hobbits pelo seu uso confuso da palavra tanto para os dispositivos e operações do Inimigo quanto para aqueles dos Elfos. Eu não usei consistentemente porque não existe uma palavra para a última [uma vez que todas as histórias humanas sofrem da mesma confusão]. Mas os Elfos estão lá [em meus contos] para demonstrar a diferença. Sua "mágica" é Arte, livre de muitas de suas limitações humanas: exige menos esforço, é mais rápida, mais completa [produto e visão em correspondência sem falhas]. E seu objetivo é Arte não Poder, sub-criação não dominação e tirânica transformação da Criação. Os "Elfos" são "imortais", pelo menos tão longe quanto este mundo dure: e portanto são preocupados especialmente com os pesares e aflições da imortalidade no tempo e nas mudanças, do que com a morte. O Inimigo em sucessivas formas está sempre "naturalmente" preocupado com a Dominação absoluta, e portanto é o Senhor da magia e das máquinas; mas o problemas: o que este terrível mal pode e faz surgir de uma raiz aparentemente boa para beneficiar o mundo e os outros - rapidamente e de acordo com os próprios planos do benfeitor - é um motivo recorrente."



    Arte então faz uso do mundo natural, e desenvolve suas tendências naturais, enquanto que a Máquina impões uma vontade externa [não natural] sobre o mundo, ou outras vontades. Tolkien aponta que os Elfos de Eregion "chegaram o mais próximo de cair para a "magia" e maquinaria." Ao criar os Anéis de Poder, eles usaram suas Artes para criar uma Máquina, mas era uma Máquina que eles pretendiam utilizar apenas para preservação, não alteração. Em todo caso, a contenção do Tempo é uma ação muito séria, contrária às leis da natureza. É um ato de rebelião "contra as leis do Criador".



    Os Anéis de Poder são, dessa forma, um paradoxo: eles proporcionam cura e restauração, mas também uma preservação não natural. O motivo final por detrás dos Anéis, reduzir ou evitar o inevitável esvair-se que os Elfos deveriam sofrer, e um motivo rebelde. Os dispositivos são externos aos ambientes que eles controlam, e os Elfos [de Eregion] não perceberam de início o erro que estavam cometendo. Eles pagaram um terrível preço por sua tolice. Sauron destruiu seu reino e tomou a maior parte dos Anéis para si próprio, quando ele percebeu que seu plano para controlar os Elfos através dos Anéis não funcionara. Deve ser enfatizado que a maioria dos aspectos de Máquina presente nos Anéis derivam de Sauron, porque a intenção de utilizá-los para controlar outros seres era estritamente dele próprio.



    A combinação de Arte e Magia é ao mesmo tempo poderosa e destrutiva para os Elfos. Eles alcançaram uma pequena porção de seu objetivo final, mas as coisas realmente nunca funcionaram como eles pretendiam.



    Ponto 4: O Produto de Arte e Máquina

    Quando Sauron tomou os Sete e os Nove, Tolkien escreveu, ele retornou a Mordor [de fato, ele foi eventualmente rechaçado para Mordor pelos Eldar de Lindon e seus aliados Numenorianos, que a este tempo não tinham idéia do motivo da guerra]. Lá Sauron "perverteu" os Anéis, e ele os deu aos Anões e Homens em um novo plano pretendendo extender a influência de Sauron sobre estas raças assim como ele pretendia utilizá-los para controlar os Elfos.



    Tolkien não diz exatamente como Sauron perverteu os Anéis, mas seu objetivo final era criar poderosos senhores que seriam seus escravos. Os Nove funcionaram perfeitamente, e os nove homens que aceitaram os Anéis os utilizaram para se tornarem grandes senhores, mas eventualmente perderam seus livre-arbítrios e seus corpos. Eles se tornaram espectros, para sempre invisíveis e incapazes de interagir diretamente com o mundo exceto através de alguma forma de procedimento pela qual poderiam tomar forma quando utilizando certas vestimentas. Eram vestimentas naturais ou mágicas? Não sabemos.



    Mas como os Nove e os Sete eram imbuídos com as habilidades de fazer seus portadores invisíveis ou permitir que vissem normalmente coisas invisíveis [presumivelmente espectros, os espíritos de outros seres], segue que Sauron utilizou estas habilidade para garantir poderes de necromancia [a prática de comunicar-se ou controlar os mortos] aos portadores dos Anéis. Tolkien não fala de qualquer Anão que tenha praticado necromancia. De fato, os Anéis não podiam deixar os Anões invisíveis. parece que, portanto, os Anéis não ofereciam nada de valor aos Anões em termos de lidar com os mortos. Seus espíritos não devem se demorar na Terra-média quando eles morrem.



    Os Elfos, por outro lado, nem sempre iam imediatamente para Mandos em Aman quando morriam [ou se esvaiam]. Eles poderiam recusar os chamados, abandonando qualquer esperança de reobter um corpo físico. Dessa forma faz sentido que Sauron tenha induzido os Elfos de Eregion a incluir poderes Necromânticos em seus Anéis. Em Aman, os Elfos estavam acostumados a viver junto aos Valar e Maiar, que poderiam aparecer a eles em uma forma física ou em forma "espíritual" [e os Valar e Maiar podiam controlar se seriam percebidos pelos Elfos, quando em forma de espírito].



    Espíritos Élficos podem não ser equivalentes aos dos Valar e Maiar, mas presumivelmente os Elfos esperavam falar com Mamãe e Papai na ocasião, desde que não tivessem ido rapidamente para Aman quando da morte de seus corpos. Ou pode ser que o processo de esvair-se já tivesse se iniciado ou os Elfos estavam antecipando uma rápida transição para aos Anos do Esvair-se.



    Quem seria mais provável para esvair-se? Um Elfo antigo, presumivelmente. E quanto mais antigo o Elfo, mais provavelmente teria vivido em Valinor [se fosse Noldor] ou ter vivido em Cuivienen. Ele ou ela poderiam ser a cabeça de uma família. Então os Anéis de Poder foram provavelmente criados para vários senhores Élficos, príncipes e reis. Os Elfos mais novos, nascidos na Terra-média - mesmo na Segunda Era - poderiam ou ter que esperar sua vez ou poderiam esperar que os Anéis os pudessem ajudar também.



    Quando Gandalf estava discutindo a confrontação com os Nazgul no Vau de Bruinen com Frodo, Frodo perguntou-lhe se a figura brilhante que ele vira era Glorfindel. "Sim," Gandalf respondey. "Você o viu por um momento como ele é no outro lado: um dos mais poderosos dos Primogênitos. Ele é um senhor Élfico de uma casa de príncipes." Um pouco antes na mesma conversa, Gandalf também aponta que Valfenda era uma casa para "os sábios Élficos, senhores dos Eldar de além do mais distante dos mares. Eles não temem os Espectros do Anel, pois aqueles que moraram no Reino Abençoado vivem ao mesmo tempo em ambos os mundos, e tanto contra o Visível como contra o Invisível eles possuem grande poder."



    Desta forma, talvez os Anéis não necessartiamente seriam para os Elfos que tinham vivido em Aman. Preferencialmente os Anéis podem ter sido destinados a seus jovens filhos ou sobrinhos, Elfos que nasceram na Terra-média, que não aprenderam a viver "ao mesmo tempo nos dois mundos".



    Deve ter sido importante para os Elfos possuir tal habilidade, e talvez significasse que eles seriam menos propensos a se esvair, uma vez que ele seriam capazes de se mover entre os dois mundos, por assim dizer. Não se mover fisicamente, mas via suas vontades. Eles deveriam ser capazes de perceber e interagir com espíritos desimcorporados [espectros] em Aman, e desejariam fazer o mesmo na Terra-média.



    A interação deve ter incluído "fazer as coisas "do mundo invisível visíveis". Poderiam os poderes restauradores dos Anéis trazer um Elfos de volta à vida? Os Anéis poderiam ser usados para dar aos Elfos novos corpos? Ou podiam ser utilizados simplesmente para fazer espectros-Élficos visíveis a todos? No "Conto de Aragorn e Arwen" Aragorn brevemenre imagina que "ele festivera tendo um sonho, ou recebera o dom dos menestréis Élficos, que poderiam fazer as coisas que cantavam aparecerem diante dos olhos daqueles que ouviam."



    Algo desta habilidade é também colhida no conto do duelo de feitiçaria de Finrod com Sauron na forteleza de Tol Sirion. Finrod cantou sobre sua vida em Valinor, mas sua música se voltou contra ele quando foi obrigado a cantar sobre o Fratricídio, e Sauron foi capaz de capitazar a culpa e o retorno de Finrod [embora Finrod não tenha pessoalmente participado do Fratricídio]. Esta habilidade de criar imagens visíveis com o poder da música implica que os Elfos, com um grande esforço em direção à Máquina, poderiam perverter sua Arte [ou pelo menos fazer mau uso dela] para criar coisas visíveis a partir do mundo invisível. Sauron pode ter preciso dar uma pequena ajuda a eles.



    Celebrimbor fez os Três Anéis por ele mesmo, e estes Anéis não conferiam invisibilidade a seus portadores. Presumivelmente eles não faziam coisas invisíveis visíveis, tampouco. Os Três eram, portanto, mais concordantes com a descrição de Elrond dos Poderes dos Anéis.



    Mas continua a não responder a questão de como os Anéis trabalhavam. Porque todos os Hobbits do Condado [ou pelo menos da Vila dos Hobbits] não sofreram os efeitos do Um Anel?



    Ponto 5: Usando a Máquina através da Arte

    A resposta parece ser uma questão de vontade. tolkien escreveu que os Três Anéis efetivamente continham o Tempo mesmo quando não era ativamente utilizados. Então, durante a Segunda Era, os Elfos de Lindon aproveitaram os benefícios pretendidos para os Elfos de Eregion mesmo não ousando usar nenhum dos Anéis. Celebrimbor deve portanto ter conferido aos Três a habilidade natural de verdadeiramente extender seus poderes sobre uma região. O campo de efeito não pode ser medido em milhas, contudo, mas antes em pessoas e objetos. Isto é para dizer que se alguém estivesse usando um dos Três, ele [ou ela] poderia ser capaz de decidir que todos os Mallorn e todos os Elfos seriam preservados. Os efeitos poderiam ser de alguma forma randômicos se os Anéis não fossem ativamente usados.



    Desta forma, gandalf poderia intencionalmente reter os efeitos de contenção de tempo de Narya, o Anel de Fogo que Cirdan lhe deu. Ou Gandalf poderia deixar que o Anel afetasse apenas os Elfos. Cirdan disse que o Anel estava inativo quando o deu a Gandalf, então aparentemente ele não o estava usando o Anel e direcionando seus benefícios. Gandalf, então, nao precisaria usar Narya usar Narya para conter o processo de esvair-se para ninguém [incluindo a si mesmo, embora ele não corresse risco de esvair-se].



    Elrond e Galadriel podem ter pego uma pista de Cirdan. Gil-galad originalmente possuía tanto Vilya quanto Narya, e os deu a Elrond e Cirdan perto do final da Segunda Era [talvez tendo um pouco de visão sobre sua batalha final contrea Sauron]. Celebrimbor parece ter dado o Anel a Galadriel.



    Uma vez que Elrond e Cirdan aconselharam Isildur a destruir o Um Anel quando Isildur o cortou da mão de Sauron, parece estranho que eles simplesmente tenham voltado para casa e começado a utilizar seus Anéis de Poder no mesmo momento. Talvez eles tenham tomado seus Anéis quando compreenderam que Isildur e o Um Anel se perderam. Mas também pode ser que os tr6es portadores tenham mantidos seus Anéis inativos por pelo menos mil anos.



    Então Gandalf apareceu, Cirdan lhe deu Narya, e o gênio foi tirado da garrafa. Elrond pode ter começado a usar Vilya antes, uma vez que ele reunira muitos Alto Elfos [Noldor] em e ao redor de Valfenda. Ele poderia ter tido em suas mãos uma porção de Elfos se esvaindo. Tolkien não diz quando foi que os compreenderam que Elrond portava um dos Anéis, mas parecem ter sabido isso ao final da Terceira Era. Se lentamente o fato de que alguém não se esvaia se permanecesse em ou perto de Valfenda se espalhava, poderia ser um sinal de que um dos Três era mantido ali.



    Muito do mesmo poderia ser verdade para Galadriel. Ela poderia ter chegado em Lorien e oferecido para guardar os Elfos da Floresta de se esvaírem. Eles devem ter sabido sobre os Anéis do Poder então. Eles haviam perdido um rei, o pai de Amroth, na guerra contra Sauron ao final da Segunda Era. E Amroth ajudara Elrond mais de uma vez nas guerras contra Angmar. Haldir especificamente se refere ao "poder da Senhora dos Galadrim" quando Sam menciona que se sentia "como se dentro de uma música". Haldir parecia saber que Galadriel estava usando um Anel. Ele pode não ter falado abertamente, mas tanto Elrond quanto Galadriel indicavam que todos os Elfos estavam, unidos na crença de que seria melhor perder os Três do que permitir ao Um continuar existindo. Muitos Elfos, então, deve ter tido uma idéia bastante boa de onde Vilya e Nenya estavam escondidos.



    Mas se os Anéis podiam ser direcionados concientemente, tanto para extender a certos limites ou para trabalhar apenas em certas criaturas e plantas, então faz sentido que existisse um limite físico para o poder dos Três. No ponto em que a Sociedade do Anel penetrou no domínio do poder de Galadriel, e este poderia ou não ser coincidente com as fronteiras físicas de Lorien [de fato, uma vez que os Elfos retiraram-se para o interior da florestas, poderia ser que a extensão da influência de Nenya era consideravelmente menor que os limites da floresta].



    Círculo Completo: Os Anéis, Tempo e Espectros

    Então, porque o Condado não se beneficiou da presença do Um Anel? Provavelmente porque apenas os Três agiam de alguma forma geográfica, e embora o Um possuísse os poderes dos outros Anéis, ele pode não ter possuído o alcance dos Três Anéis porque Sauron não estava presente quando Celebrimbor os fez. Sauron mesmo não teria um motivo real para criar uma valinor na Terra-média, então porque usar o Um Anel para conter a decad6encia ao redor dele? Por outro lado, Smeagol, Bilbo e Frodo todos ficaram sem usar o Um Anel por longos períodos de tempo. Então ele, também, deveria ter um alcance geográfico mínimo que era, talvez, mais ajustado a quem possuía o Anel do que qualquer outra coisa.



    Os Anéis não continham realmente o tempo. Eles apenas diminuiam o seu impacto em um corpo biológico. Para alguma coisa como uma árvore, que não tinha espírito [Ents e Hurons não são considerados], nao existia dano real. Um animal, de qualquer forma inteligente, também poderia se beneficiar dos efeitos dos Anéis porque eles não possuíam um espírito. Um Elfo, cujo espírito estava destinado a permanecer em Arda até o final do Tempo, não se sentiria esticado, como Bilbo bem colocou.



    O problema para "mortais" era que seus espíritos desejavam ir para outro lugar. Após um certo período de tempo, Homens mortais tinham que morrer. Eles tinham que abrir mão de seus espíritos. Um Anel de Poder obstruía essa tendência natural. O corpo poderia continuar vivendo, funcionando da mesma forma como no dia em que veio a possuir o Anel. Mas o espírito estaria constantantemente se esforçando para partir. Então, a luta entre espírito e corpo [ou espírito e Anel] deve produzir a sensação de "esticamento" da qual Bilbo se queixou. Ele não estava fisicamente esticado, mas dividido entre forças poderosas.



    Dessa forma, quando Sauron perverteu os Sete e os Nove, ele deve ter alterados suas tendências naturais de preservação para obter o efeito oposto. Os Nove portadores não se tornaram espectros poque usaram os Anéis, mas porque os possuíram. A utilização dos Anéis pode ter acelerado o processo de esvair-se, mas provavelmente qualquer Elfo que pudesse ter tomado um dos Nove ou Sete alterados teria se esvaído também, e se tornado tão escravizado quanto os nove Homem eventualmente se tornaram.



    Pessoas frequentemente perguntam se um homem se esvairia se possuísse um dos Três. Eu não acredito nisso. Eu acho que ele apenas continuaria, dia após dia, e eventualmente perderia a conta do tempo. Ele poderia ver o sol passar sobre sua cabeça, e talvez notasse as fases da lua [embora a Sociedade do Anel não as tivesse notado enquanto estavam em Lórien]. Mas para ele o tempo se tornaria, eventualmente, uma armadilha. Seu corpo não ficaria mais velho. Ele apenas viveria e viveria e viveria, e a vida se tornaria um tormento constante para ele, porque ele estaria sempre em conflito com sua própria natureza.



    O mundo se arrastaria para tal alma desafortunada, que poderia, no final das contas, não sentir nada a não ser um profundo desejo de libertação de seu tormento.
     

Compartilhar