1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Companhia das Letras aumenta investimento em quadrinhos

Tópico em 'Quadrinhos' iniciado por Breno C., 16 Dez 2008.

  1. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Página de "Cachalote", desenhada por Rafael Coutinho; álbum será uma das obras nacionais do novo selo da editora, dedicado só para quadrinhos


    No mesmo dia em que a Pixel tornou pública uma ainda incerta mudança nos rumos editoriais, a Companhia das Letras enviava à imprensa um comunicado anunciando um selo próprio para a publicação de quadrinhos.

    O "Quadrinhos na Cia.", nome do novo selo, representa um investimento maior da editora paulista no ramo de quadrinhos.

    A Companhia das Letras programa pelo menos 20 títulos até 2010, parte deles nacional.
    ***
    O selo ficará a cargo de André Conti, que já atuava na empresa como editor. Segundo ele, a empresa percebeu que era chegada a hora de apostar mais no setor.

    Um dos problemas -diz ele- era que os títulos em quadrinhos lançados pela editora nos últimos três anos entravam na área juvenil das livrarias. E isso "engessava" um pouco.

    A proposta é que o novo selo tenha um catálogo bem mais variado. "A idéia é ser como a Companhia das Letras era no começo", diz Conti, por telefone.

    "Levar clássicos, como [Will] Eisner, contemporâneos, como os de Chris Ware, e descobrir quem são os novos autores nacionais."
    ***
    É no rol brasileiro o principal diferencial do selo, pelos dados que se têm até o momento.

    A editora pretende criar álbuns em sistema de duplas: um escritor faz o texto, um quadrinista, a arte.

    Segundo Conti, já há quatro parcerias fechadas e outras seis em processo de definição.

    A primeira parceira é entre Daniel Galera e o desenhista Rafael Coutinho, filho de Laerte.
    ***
    O álbum deles -intitulado "Cachalote"- já está em produção e está programado para 2009.

    A história ainda é mantida em sigilo. Mas se sabe que serão seis contos narrados em três partes, voltados ao leitor mais adulto.

    A obra deve ter em torno de 300 páginas. Coutinho disponibilizou quatro delas em seu blog. Uma é a que abre esta postagem.

    Galera já teve outros livros publicados pela Companhia das Letras. O mais recente, "Cordilheira", foi lançado neste ano.
    ***
    Outro trabalho nacional deve anteceder o lançamento de "Cachalote". É a adaptação em quadrinhos do romance "Jubiabá", de Jorge Amado, já antecipada por este blog.

    O álbum é feito por Spacca, quadrinista que tem lançado um trabalho por ano na editora.

    Em 2005, publicou "Santô e os Pais da Aviação". No ano seguinte, um relato da passagem do pintor Jean-Baptiste Debret pelo Brasil.

    No fim do ano passado, lançou em parceria com Lilia Moritiz Schwarcz "D. João Carioca", que mostra a passagem da família real portuguesa pelo Brasil.
    ***
    Do material estrangeiro do selo, além de Will Eisner, a editora programa novos trabalhos de Art Spiegelman e de Marjane Satrapi, autores de "Maus" e "Persépolis", respectivamente. Ambos foram publicados pela editora.

    Dos contemporâneos, a lista se volta para os Estados Unidos. Um dos títulos é "Jimmy Corrigan: The Smartest Kid On Earth", de Chris Ware.

    Também fazem parte da relação obras de Dash Shaw ("Bottomless Belly Button"), de Craig Thompson ("Blankets") e Gene Luen Yang ("American Born Chinese", que deveria ter sido lançada neste ano).
    ***
    Os investimentos da Companhia das Letras com quadrinhos começaram a ganhar destaque em 2004, com o lançamento do primeiro volume de "Persépolis".

    No ano seguinte, a editora publicou "Maus" em volume único, a versão de Spacca para o início da aviação e iniciou o relançamento de Tintim no Brasil.

    Desde então, o catálogo tem sido ampliado ano a ano.

    Com a criação do "Quadrinhos na Cia.", a empresa passa a ter cinco selos editoriais: Companhia das Letrinhas, Cia. das Letras, Companhia de Bolso, Companhia das Letras, além do recém-inaugurado, dedicado exclusivamente a quadrinhos.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    ********************************************************

    O que isso quer dizer para mim e para você: que finalmente vão sair coisas boas e mais acessiveis.
    Detalhe: a primeira vez que eu ouvir falar no nome Rafael Coutinho, foi no blog do desenhista do 5, Rafael Grampá.
     
  2. Tilion

    Tilion Administrador

    Will Eisner nunca é demais. :grinlove:

    Uma das melhores coisas que fizeram foi lançar Tintim. Pena que pra mim fica inviável acompanhar a série. :(
     
  3. Breno C.

    Breno C. Usuário

    Porque?
    Nunca li Tintim e nem sei se tem scan dos HQs dele.
     
  4. Tilion

    Tilion Administrador

    Falta de dinheiro, ué, o que mais? :P
     

Compartilhar