1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

como o balrog foi parar em moria?

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Nazgûl, 26 Out 2008.

  1. Nazgûl

    Nazgûl Usuário

    olá pessoal eu com o meu pouco conhecimento gostaria sobre moria gostaria de fazer uma perguntinha.
    como o balrog foi parar em moria? :think:
     
  2. Tilion

    Tilion Administrador

    Fugiu para o leste no final da Guerra da Ira, quando as forças de Morgoth (nas quais lutava) foram derrotadas pelos exércitos dos Valar em Beleriand. Passou pelas Montanhas Azuis e foi se esconder no fundo das Montanhas Nevoentas, em Moria - onde era improvável que alguém fosse procurar por ele, já que o "centro de tudo" na época era justamente Beleriand, enquanto que o Leste da Terra-média era pouco povoado.

    Foi o único Balrog sobrevivente dos 7 que haviam, dois dos quais já haviam morrido antes da Guerra da Ira (Gothmog, morto por Ecthelion na Queda de Gondolin, e outro Balrog, morto por Glorfindel logo após a fuga dos Noldor de Gondolin).
     
    Última edição: 26 Out 2008
  3. Excelente resposta ;)
     
  4. Thalion

    Thalion Mas que puxa!

    Bom, depois dessa resposta do Tilion não adianta nem falar mais nada =X
     
  5. Dinaen

    Dinaen Bebendo com um

    ahhhh, o kra cortou qualquer chances de discussões xD

    Vlw tilion, muito bom seu resumo ^^
     
  6. Nazgûl

    Nazgûl Usuário

    obrigado amigos pelo exclarecimento pelo exclarecimento
     
  7. General Artigas

    General Artigas Não tá morto quem peleia

    Não deixou espaço pra nada.

    Parabéns, Tilion.
     
  8. Lyvio

    Lyvio Usuário

    Ei ei ei, calma aee o Balrog de Moria não era o Ultimo, eu ja havia lido isso antes e lembrei dessa passagem da enciclopédia valinor:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    "Os Balrogs eram espíritos de fogo seduzidos por Melkor no início de Arda e que residiam em sua fortaleza no Norte, Utumno. Durante a Primeira Era, os Balrogs eram as forças mais temidas de Morgoth depois dos dragões.

    Em aparência, os Balrogs eram como homens, mas fogo jorrava deles, e eram envolvidos por sombras de uma escuridão profunda. Carregavam chicotes de fogo e causavam grande terror em aliados e inimigos sem distinção.

    Na Guerra da Ira, Morgoth foi atacado pelas forças dos Valar. A maioria dos Balrogs foi destruída naquela Guerra, mas alguns poucos escaparam sobre as Montanhas Azuis e ocultaram-se nas profundezas da Terra-média. A Perdição de Durin, a criatura que expulsou os Anões de Moria, foi um deles."

    Ou seja, Tinham mais Balrogs sim, porém até hoje digamos assim, estão adormecidos nas profundezas da terra, apenas o Balrog de Moria foi acordado, os demais estão desaparecidos e não extintos.

    Bem, tive que escrever isso porque na minha fic que se passa na quarta era tem outro balrog acordado num outro lugar, e quando fiz esse cap, procurei todas as informações possiveis para se ter ceteza do que estava escrevendo e encontrei algo sobre os Balrogs remanescentes que fugiram na guerra da ira.
     
  9. Tarik Khalil

    Tarik Khalil Usuário

    Vale citar que mesmo essa informação é conflitante. Porque o registro indica que haviam no mínimo 3 Balrogs e no máximo 7, sem deixar claro o número. Então poderiam haver outros ou não.
     
  10. Tilion

    Tilion Administrador

    Esse trecho, tirado do cap. XIV do Silmarillion, causa essa confusão porque há uma diferença cronológica dos textos que estão sendo citados aqui, além de diferenças nas concepções dos Balrogs.

    A versão do capítulo que se encontra publicada no Silmarillion foi tirada do "Quenta Silmarillion", atualmente impresso como tal no HoME 5, The Lost and other Writings, texto que é datato do final de 1937 e início de 1938. Nessa época, a concepção dos Balrogs ainda não era como Maiar como viriam a ser posteriormente, mas de "demônios criados por Melko(r)" e seu número ficava na casa dos milhares; é assim que eles aparecem no conto da Queda de Gondolin, que foi publicado inteiro no HoME 2, The Book of Lost Tales, part 2.

    A concepção dos Balrogs só foi modificada por Tolkien em 1958, ou seja, pós-SdA, no texto "Annals of Aman", publicado no HoME 10, Morgoth's Ring, onde em uma versão eles param de ser chamados de "demônios de sua própria [isto é, de Melkor] criação" e passam ser chamados de "espíritos malignos (Úmaiar) que o seguiram". E foi nesse mesmo texto que o número deles mudou. Tolkien escreveu uma nota ao lado dessa passagem que fala que eles são espíritos que dizia: "Não se deve supor que mais de, digamos, 3 ou no máximo 7 existissem" (MR, p. 80).

    Como aqui o ano já é 1958 e o SdA já havia sido publicado, o fato de ele mencionar "no mínimo 3" não é ao acaso, pois Tolkien estava pensando justamente naqueles que haviam aparecido diretamente em seus textos: 1) Gothmog, 2) o Balrog que enfrenta Glorfindel e 3) a Ruína de Durin, no SdA. Para ele citar também que "no máximo 7" existiam, é basicamente para limitar sua quantidade e deixar claro que possuíam um caráter especial, visto que não eram mais "milhares de criações" morgothianas, tal como os Orcs, mas Maiar e, portanto, mais poderosos: colocar um número muito elevado de Balrogs nessa fase da concepção do legendário iria criar umas incoerências consideráveis no resto do material, como um claro desequilíbrio de poder para o lado de Morgoth por possuir tantos Maiar do seu lado.

    Nessa parte Tolkien também estava pensando justamente na Guerra da Ira, um trecho que ele ainda iria reescrever de forma completa (se vivesse mais e se tivesse saco para tal), mas já considerava aqui a morte de dois deles na época da Guerra, deixando no máximo 5 para lutarem nela, incluindo aí a Ruína de Durin. Creio que eventualmente ele modificaria o texto de modo a deixar mais claro que apenas um havia sobrevivido à Guerra, visto que se outros pudessem ter escapado eles seriam importantes o suficiente para serem mencionados e, como não o foram no SdA além da própria Ruína de Durin, ele estava meio que "preso" ao que já havia escrito e publicado e não poderia fugir muito disso se quisesse passar um ar de coerência maior nos textos - coisa que ele estava buscando constantemente.

    Logo, analisando bem o desenvolvimento textual pré- e pós-SdA, acredito que, sim, dadas todas as possibilidades apenas um Balrog estaria vivo no final da Terceira Era, e foi justamente aquele enfrentado e morto por Gandalf em Moria.
     
    Última edição: 27 Out 2008
  11. Lyvio

    Lyvio Usuário

    Sim tilion, mas ele não especificou em momento algum que tinham 3 e acabou-se, ele nem poderia fazer isso como você mencionouporque sairia da coerência lógica, ou seja é mais uma icógnita deixada pelo mestre comp-letamente provavel e discutivel, eu achei que vc foi taxativo demais no post.
     
  12. Tilion

    Tilion Administrador

    Havia no mínimo três, e isso é óbvio contando os Balrogs que são explicitamente mencionados, como mostrei acima, além da nota do próprio Tolkien confirmando isso.

    Não sei qual é o teu problema com essa informação.
     
  13. Lyvio

    Lyvio Usuário

    No mínimo 3, mas... poderiam haver mais é so isso, vc já me confirmou XD.
     
  14. Tilion

    Tilion Administrador

    Sim, não passando de 7, já à época em que eram considerados Maiar.
     
  15. Belladona Tûk

    Belladona Tûk Do what thou wilt shall be the whole of the law

    Hum... Dificil. Muito dificil! - falou permanecendo um
    longo tempo no U até que pareceu cansado, mas continuou: - Não saberia dizer.
    Não nunca, mas não!
     

Compartilhar